Você está na página 1de 31

Trabalho e Resgate em Altura e

Espaço Confinado
NR33

Elton Fagundes – N3

Membro da Associação Nacional das Empresas de Acesso por Corda


OBJETIVO

Apresentar, de
forma geral, no que
consiste o
trabalho,resgate em
altura e espaço
confinado, para que
possa nortear
avaliações de risco
e operações de
trabalho.
DEFINIÇÃO

São os recursos e
técnicas utilizados
para garantir a
segurança durante
um trabalho ou
resgate específico.
Resgate Industrial

Experiência em mais de 100 Paradas de Manutenção


nos últimos 10 anos.
Segurança
 Todos são responsáveis pela segurança

 Primeiro a minha segurança

 Segundo a segurança da minha equipe

 Terceiro a segurança da vitima

 Direito de recusa

SEGURANÇA É ATITUDE!

VALOR DE QUEM PRIORIZA A


VIDA!
Fatores de Risco da Parada e Frentes

 Transformação do ambiente de trabalho

 Trabalho extraordinário e Fadiga

 Dificuldade em manter a atenção

 Diversidade cultural

 Baixo nível de Experiência em plantas petroquímicas

 Alta Rotatividade de pessoal

 Maior interface entre empresas

 Cumprimento de prazos

 Limpeza e organização

 Instalações provisórias

 Falta de sinalização permanente

 Alta Concentração de pessoas

 Aumento no fluxo no transito


AS CAUSAS BÁSICAS

1º - Falta de percepção de risco: 25 (51%)


FATORES

Treinamento Fator Humano

Conscientização
Saúde
Fator Físico Equipamento
DOENÇAS OU CONDIÇÕES FÍSICAS QUE:

IMPEDEM DESACONSELHAM
 Cardíacas
 Hipertensão Arterial  Gripes e resfriados fortes
 Epilepsia  Febre de qualquer
 Labirintite Crônica natureza
 Diabetes  Indisposições gástricas
 Coluna Vertebral (diarréias, vômitos)
 Psiquiátricas (tranqüilizantes ou  Dores de cabeça
anti depressivos)  Falta de alimentação
 Visuais e Auditivas parciais adequada
 Que possibilite a perda de  Indisposições físicas
consciência repentina ou  Vertigem
desequilíbrio  Stress
REFERÊNCIAS

MTB
PROCESSO DE
GERENCIAMENTO DE RISCOS

Análise do Identificação
Risco
Avaliação

Administração
(Definições e Objetivos)
Tratamento do
Risco
Eliminação Prevenção Absorção Transferência

Terceirização
Proteção da
Seguro
Empresa
Outros fatores de risco no trabalho em
altura relacionados ao HOMEM
Ambiente
Riscos inerentes
Tempo de exposição
Ergonomia
Organização e Planejamento
Urgência do Trabalho
Problemas sócio/financeiro
Pânico por altura / isolamento
Substituição por pessoa não qualificada
Equipe não entrosada
Situações de emergência (acidentes)
CONSEQUÊNCIAS DE UMA QUEDA

É muito mais fácil e melhor


evitar uma queda que cuidar de
suas conseqüências.”

“A permanência de uma pessoa inerte em qualquer tipo de


cinto de segurança pode causar sérios danos fisiológicos.”
“Em caso de quedas o resgate deve ser urgente!
O tempo entre a perda da consciência e o surgimento dos
agravos fisiológicos é muito curto, portanto é necessário
atendimento rápido e eficaz.”
FATOR DE QUEDAS
O Fator de quedas define-se então como a razão entre a altura da queda e o
comprimento do talabarte que absorve esta queda. Esse valor é obtido através
da divisão de um pelo outro.

1m Fator de Queda = Altura da Queda


2m Comprimento do Talabarte

FQ = 2 metros
1 metro

Queda fator 2 é a mais perigosa


EQUIPAMENTOS
Segundo a NR 6, os EPIs para queda de diferença
de nível são: trava-quedas, cintos e seus talabartes.
Cintos
TALABARTE DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDA
TRAVA-QUEDAS
EQUIPAMENTOS BÁSICOS
ACESSÓRIOS DOS EPI’S
ACESSÓRIOS DOS EPI’S
METÁLICOS
ACESSÓRIOS DOS EPI’S

NÃO METÁLICOS
PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÃO
E ARMAZENAGEM DOS EPI’S

• Recomendações
• Limpeza dos Materiais
• Secagem dos Materiais
• Armazenagem
• Produtos Químicos
TREINAMENTO
"Não é quem eu sou por dentro e
sim o que eu faço é que me define."
- Batman Begins

"Algumas coisas são verdadeiras,


acreditando nelas ou não." - Cidade
dos Anjos

"Minha mãe sempre dizia: a vida


é como uma caixa de bombons.
Você nunca sabe o que vai
encontrar"
"Forrest Gump - O Contador de
Histórias
Agrad .

Sesi;

Eng. Kengiro;
Patricia Rodrigues;
Gabriel Arcanjo.

elton@stoneh.com.br

51 99514555
51 33119900

www.stoneh.com.br