Você está na página 1de 25

Deficiência Auditiva

Deficiência Visual
Deficiência Física
Deficiência Intelectual

Principais tipos de deficiência

Aula_6_Profa. Dra. Joana Andrade


Deficiência auditiva
Corresponde à perda parcial ou total da
audição, sendo classificada de acordo com a
perda sensorial apresentada.
O indivíduo que apresenta perda auditiva situada até 40
decibéis é portador de surdez leve.
0 – 20 farfalhar das folhas (muito baixo);
20 – 40 conversação silenciosa (baixo).

O indivíduo que apresenta perda auditiva situada entre 40


e 70 decibéis é portador de surdez média.
40 – 60 conversação normal (moderado).

O indivíduo que apresenta perda auditiva situada entre 70


e 90 decibéis é portador de surdez severa.
60 – 80 ruído médio de uma fábrica ou trânsito (alto);
80 –100 apito de guarda ou ruído de caminhão (muito alto).

O indivíduo que apresenta perda auditiva superior a 120


decibéis é portador de surdez profunda.
100 – 120 discoteca, avião (ensurdecedor).
Como auxiliar alguém com
deficiência auditiva
· Fale claramente, de frente para a pessoa, tomando cuidado para deixar visível sua boca.
· Não grite, fale em tom de voz e velocidade normais, exceto se lhe pedirem para levantar a
voz ou falar mais devagar.
· Fale com expressão. Estas pessoas não podem ouvir as mudanças sutis do tom da voz
indicando sarcasmo ou seriedade. Mas elas saberão ler suas expressões faciais, gestos ou
movimentos do seu corpo.
· Ao conversar, toque levemente seu braço para a pessoa perceber que você quer falar-lhe.
Mantenha o contato visual. Do contrário, a pessoa pensará que a conversa acabou.
· Se você não entender o que um surdo quer lhe dizer, peça para que ele repita. Se mesmo
assim você não o entender, peça para que ele escreva o que deseja.
· Se um surdo estiver acompanhado de intérprete, fale diretamente ao surdo, nunca ao
intérprete.
· Utilize linguagem de sinais, avisos visuais e, se for exibir um filme, opte por filmes
legendados ou providencie um resumo do filme.
· Não cruze ou ande entre duas pessoas conversando em linguagem de sinais, isto atrapalha
ou impede a conversa.
Deficiência visual
A cegueira é uma alteração grave ou total de uma ou mais das
funções elementares da visão que afeta de modo irremediável a
capacidade de perceber cor, tamanho, distância, forma, posição
ou movimento em um campo mais ou menos abrangente.

Pode ocorrer desde o


nascimento
(cegueira congênita), ou
posteriormente (cegueira
adventícia, usualmente
conhecida como adquirida)
em decorrência de causas
orgânicas ou acidentais
 De acordo com Menescal (2001), uma pessoa é
considerada cega se ela pode ver a 6 metros o
que uma pessoa de visão normal pode ver a 200
metros.

 O portador de visão sub-normal é o indivíduo


que apresenta resíduo visual em grau que lhe
permita ler texto impresso a tinta, desde que
se empreguem recursos didáticos e
equipamentos especiais para sua educação,
excluindo as deficiências, facilmente
corrigíveis pelo uso adequado de lentes.
O campo de visão normal é de aproximadamente 180º. Para
ser considerado cego, o campo de visão deve ser
restrito a 20º ou menos graus.

Acuidade visual é a distância de um ponto ao outro em uma linha


reta por meio da qual um objeto é visto. Pode ser obtida
através da utilização de escalas a partir de um padrão de
normalidade da visão.

O campo visual é a amplitude e a abrangência do ângulo da visão


em que os objetos são focalizados.

A funcionalidade ou eficiência da visão é definida em termos da


qualidade e do aproveitamento do potencial visual de acordo
com as condições de estimulação e de ativação das funções
visuais.
Quando você encontrar uma pessoa
com deficiência visual
 Não faça de conta que a deficiência não existe.
 Aceite a deficiência. Ela existe e você precisa levá-la na sua devida
consideração.
 Não subestime as possibilidades, nem superestime as dificuldades e vice-versa.
 As pessoas com deficiência têm o direito, podem e querem tomar suas próprias
decisões e assumir a responsabilidade por suas escolhas.
 Ter uma deficiência não faz com que uma pessoa seja melhor ou pior do que
uma pessoa não deficiente.
 Provavelmente, por causa da deficiência, essa pessoa pode ter dificuldade para
realizar algumas atividades e, por outro lado, poderá ter extrema habilidade
para fazer outras coisas. Exatamente como todo mundo.
 A maioria das pessoas com deficiência não se importa de responder perguntas,
principalmente aquelas feitas por crianças, a respeito da sua deficiência e como
ela transforma a realização de algumas tarefas. Mas, se você não tem muita
intimidade com a pessoa, evite fazer perguntas íntimas.
 Quando quiser alguma informação de uma pessoa deficiente, dirija-se
diretamente a ela e não a seus acompanhantes ou intérpretes.
 Sempre que quiser ajudar, ofereça ajuda. Espere sua oferta ser aceita, antes
de ajudar. Pergunte a forma mais adequada para fazê-lo.
 Mas não se ofenda se seu oferecimento for recusado, pois nem sempre as
pessoas com deficiência precisam de auxílio. Às vezes, uma determinada
atividade pode ser melhor desenvolvida sem assistência.
 Se você não se sentir confortável ou seguro para fazer alguma coisa solicitada
por uma pessoa deficiente, sinta-se livre para recusar. Neste caso, seria
conveniente procurar outra pessoa que possa ajudar.
 As pessoas com deficiência são pessoas como você. Têm os mesmos direitos, os
mesmos sentimentos, os mesmos receios, os mesmos sonhos.
 Você não deve ter receio de fazer ou dizer alguma coisa errada. Aja com
naturalidade e tudo vai dar certo.
 Se ocorrer alguma situação embaraçosa, uma boa dose de delicadeza,
sinceridade e bom humor nunca falha.
Tipos de Deficiência Física

 Lesão cerebral (paralisia cerebral, Distúrbios posturais da coluna


hemiplegias) Seqüelas de patologias da
 Lesão medular (tetraplegias, coluna
paraplegias) Distúrbios dolorosos da coluna
 Miopatias (distrofias musculares) vertebral e das articulações dos
 Patologias degenerativas do sistema membros
nervoso central (esclerose múltipla, Artropatias
esclerose lateral amiotrófica) Reumatismos inflamatórios da
 Lesões nervosas periféricas coluna e das articulações
 Amputações Lesões por esforços repetitivos
 Seqüelas de politraumatismos (L.E.R.)
 Malformações congênitas Seqüelas de queimaduras
Paralisia Cerebral (PC)

Tipos: mono, hemi, para, di, tri e quadriplegia.


Classificação: espástica, atetóide, atáxica e mista.
Aline Miranda Strapasson
Traumatismo raquimedular (lesão medular)

Trata-se do comprometimento da
medula espinhal por lesão traumática
causada por arma de fogo, mergulho,
acidentes de trânsito, entre outros.
A seqüela pode causar perda de
sensibilidade e motricidade na área
afetada.
A lesão pode ser parcial (paresias) ou
total (plegias).
As lesões medulares classificam em:
tetraplegia e paraplegia.
Acidente Vascular Encefálico/Cerebral
(AVC)

Popularmente conhecido como


“derrame”, o AVC é ocasionado
por uma grande interrupção na
circulação sangüínea do cérebro
(anóxia), ou por ruptura de vasos
(hemorragia) alterando o
funcionamento normal do sistema
neuromuscular, advindo daí as
hemiplegias e hemiparesias.

Uma das principais


causas é o stress!!!
Traumatismo Craneoencefálico
(TCE)

 Alterações ocasionadas por pancadas ou contusões na


região da cabeça.

Aline Miranda Strapasson


Amputações

 Ausência congênita ou a retirada de um


segmento corporal, geralmente um ou mais
membros.
 No caso de crianças é mais comum as
dismelias (falta de um segmento de um
membro) ou amelias (falta de todo o
membro), devido a alterações congênitas.
 Pode-se suprir essa ausência com uma
prótese.
Poliomielite ou Paralisia Infantil

Enfraquecimento muscular e paralisia, causado por uma


infecção aguda, produzida por vírus, que pode deixar
como seqüela uma diminuição ou perda
da força muscular, um déficit nos movimentos.
Aline Miranda Strapasson
Distrofia muscular
(deficiência neuromuscular):

degeneração e
debilitação gradual
dos músculos
(glúteos, abdominais,
tibial anterior,
fibulares, quadrado
lombar e músculos
respiratórios).
Mielomeningocele: caracteriza-se pela falta de fechamento de
alguns elementos ósseos da coluna vertebral, provocando a
protusão de nervos, ocorrendo na maioria dos casos na região
lombar, cervical, sacra e torácica. Os portadores desta afecção
podem sofrer a perda parcial ou total do controle voluntário dos
esfíncteres e das extremidades inferiores do corpo.

Cicatriz da cirurgia.

Aline Miranda Strapasson


Deformações Ósseas ou Malformação

Podem ser
congênitas ou
adquiridas.

Aline Miranda Strapasson


Deficiência Intelectual
Funcionamento intelectual significativamente
inferior à média, com manifestação antes dos dezoito anos e
limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades
adaptativas, tais como:

a) comunicação; b) cuidado pessoal;


c) habilidades sociais;
d) utilização dos recursos da comunidade; (Redação dada
pelo Decreto nº 5.296, de 2004)
e) saúde e segurança; f) habilidades acadêmicas;
g) lazer; h) trabalho;
V) deficiência múltipla - associação de duas ou mais
deficiências.
Identificação

 Atraso no desenvolvimento neuro-psicomotor ( a


criança demora para firmar a cabeça, sentar,
andar, falar ).
 Dificuldade no aprendizado ( dificuldade de
compreensão de normas e ordens, dificuldade no
aprendizado escolar ).
 É preciso que haja vários sinais para que se
suspeite de deficiência mental. Um único aspecto
não pode ser considerado como indicativo de
qualquer deficiência.
Como auxiliar alguém com
deficiência mental
 Cumprimente-a normalmente. Geralmente, uma pessoa com
deficiência mental é carinhosa, disposta e comunicativa.
 Expresse alegria ao encontrá-la, dê-lhe atenção e
mantenha a conversa até onde for possível.
Evite a superproteção, seja a pessoa uma criança, um
jovem, adulto ou idoso. Ajude-a somente quando for
necessário.
 A deficiência mental não é uma doença. Pode ser
conseqüência de alguma doença, por isso não utilize
palavras pejorativas.
 Quando necessário, busque mais informações junto a
associações ou entidades especializadas.
Surdo-cegueira
 Helen

Helen Keller
É uma deficiência única que apresenta a perda da audição e visão de
tal forma que a combinação das duas deficiências impossibilita o uso
dos sentidos de distância, cria necessidades especiais de comunicação,
causa extrema dificuldade na conquista de metas educacionais,
vocacionais, recreativas, sociais, para acessar informações e
compreender o mundo que o cerca.
Múltipla deficiência sensorial

 É a deficiência auditiva ou a deficiência visual


associada a outras deficiências (mental e/ou física),
como também a distúrbios (neurológico, emocional,
linguagem e desenvolvimento global) que causam
atraso no desenvolvimento educacional, vocacional,
social e emocional, dificultando a sua
autossuficiência.
Mais informações
 http://www.deficientesemacao.com

 Legislação
 Definição
 Tipos
 Causas
 Estatísticas
 Fatores de risco
 Diagnostico
 Prevenção
 Tratamento