Você está na página 1de 34

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Instituto de Ciências Biomédicas


II Workshop de Bioengenharia e Reparo Tecidual

ORGANOGÊNESE IN VITRO

Gabriel Ferraz da Silva

2016
Mini-brains Mini-kidney

Mini-pancreas Mini-liver Mini-retina


Mini-stomach Mini-lung Cancer Organoid

Organóide  massa celular 3D gerada e cultivada in vitro que


mimetiza a complexidade e função de órgãos reais

 Permite modelar embriogênese, morfogênese, função normal,


doenças
 Testes farmacológicos
 Futuro  terapia celular, transplante

Limitações  falta de aporte sanguíneo, entre outras


Lancaster & Knoblich 2014, Science
Definindo um organóide

Lancaster & Knoblich 2014, Science


Histórico

Lancaster & Knoblich 2014, Science


Lancaster & Knoblich 2014, Science
Mecanismos de auto-organização
... Em busca da maior estabilidade termodinâmica

Lancaster & Knoblich 2014, Science


 Estudos IN SILICO

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


CULTURA 3D

Kretzshmar & Clevers 2016, Developmental Cell


Lancaster & Knoblich 2014, Science
Lancaster & Knoblich 2014, Science
Kretzshmar & Clevers 2016, Developmental Cell
Lancaster & Knoblich 2014, Science
Organóides como modelos para o estudo da biologia de
células-tronco
 Estudos de clonalidade e mutagênese
 Genes marcadores do caráter tronco
 Contribuição de células-tronco quiescentes VS. “actively cycling” para a
formação tecidual
 Papel da MEC na fisiologia das células-tronco

Kretzshmar & Clevers 2016, Developmental Cell


E os desafios?
Auto-organização: uma propriedade emergente

 Expressão gênica é
necessária, porém
não suficiente

 Geometria do
ambiente e
interações celulares
são fontes de
informação

 A evolução trabalha
com ajustes, e não
com design

Bioengenharia??

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


Problemas semelhantes geram soluções semelhantes – de forma independente

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry
“Morphospace”  órgãos (e outros sistemas, reais ou possíveis)

Estrutura de vesículas
Biofilme aquosas gerada por
impressora 3D

Esferóide Organóide pulmonar


tumoral contido em um chip
vascularizado

Rim gerado por


Organóide impressora 3D
(cálice óptico) (arcabouço +
células-tronco)

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


O possível:
1. Domando a célula

 Edição genômica

 Modificações
epigenéticas

 Ativação/repressão
gênica direta
 Construções com TFs
 Optogenética

 Controle pós-
transcricional
 RNAi, ncRNAs
 Riboswitches

 Design de proteínas para


transdução de sinal

 Etc.
Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry
O possível:
2. Domando o ambiente

 Arcabouços 3D personalizados – MEC e vascularização

 Dispositivos microflúidicos – “organs-on-a-chip”

 Bioimpressão 3D

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


O possível:
3. Integração morfogênese + bioengenharia
 Manipulação da densidade celular, migração, adesão e comunicação
 Gene-activated matrix (GAMs)  reservatório de PLASMÍDIOS
 Liberação controlada de fatores presos à MEC
 Fusão com componentes eletrônicos – “órgãos ciborgues”

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


O possível:
4. Explorar todo o “Morphospace”

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


1. Complexidade de desenvolvimento –
Waddington Landscape

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


Ex: Mecanismos morfogenéticos

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


2. “Estado físico”

Sólido Cristal Líquido Líquido

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


Ex: Transição Epitélio-Mesenquimal

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


3. Complexidade Cognitiva

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


Ex: Artificial Immune System (AIC)

Ollé-Vila et al. 2016, Royal Society of Chemistry


E o restante não explorado?
E o restante não explorado?

 Glândula endócrina artificial “líquida”?


 Homeostase
 Dinâmica

 Organóide com camadas estratificadas, capaz de realizar


computação e armazenar informação?
 Sensores e efetores
 “Non-standard computational engineering”

 Hibridização entre um órgão e o microbioma?


 Infinidade de possibilidades de interação

Você também pode gostar