Você está na página 1de 30

Língua Portuguesa, Poder e

Diversidade Cultural
Sandra Corrêa
Conteúdo Programático
• LÍNGUA E RELAÇÕES DE PODER

• Concepções de língua
• Gramática, norma e processos de (des)legitimação

• LÍNGUA E NAÇÃO

• Língua e a construção da nacionalidade
• Identidades linguísticas no Brasil

• POLÍTICAS LINGUÍSTICAS E GRAMÁTICAS DA RE(E)XISTÊNCIA

• Do conceito de diversidade cultural nos nossos dias
• A língua em paralaxe: gramáticas da resistência no Brasil
Linguagem
Linguagem

• Faculdade cognitiva exclusiva da espécie humana que permite a cada


indivíduo representar e expressar simbolicamente sua experiência de
vida, assim como adquirir, processar, produzir e veicular
conhecimento.
Linguagem

• Capacidade/habilidade de significar, isto é, de produzir sentido por

meio de símbolos, sinais, signos, ícones, línguas, sons etc.


Linguagem

• É todo sistema de sinais convencionais que nos permite realizar atos

comunicativos. Pode ser verbal e não-verbal.


Linguagem

• A linguagem figura nas práticas humanas como todas as


possibilidades de estabelecermos significações compartilhadas entre
grupos sociais. Necessita-se, portanto, que haja certa convenção
cultural, ideológica e social, além de certas competências e
habilidades para que a interação seja, minimamente, eficiente.
• (MATTOS, 2015)
Linguagem não verbal
Linguagem não verbal
Linguagem não verbal
Linguagem não verbal
Linguagem verbal
• Modalidade oral
Linguagem verbal
• Modalidade oral
• Interlocutor presente
Linguagem verbal
• Modalidade oral
• Interlocutor presente
• Não planejada, espontânea
Linguagem verbal
• Modalidade oral
• Interlocutor presente
• Não planejada, espontânea
• Usa recursos extralinguísticos: gestos, posturas, expressões
faciais,entonação.
• Quem comeu o bolo? Que fez João? O que João comeu?

• João comeu o bolo


Linguagem verbal
• Modalidade oral
• Aprendida socialmente

• Não ocorre sempre linearidade de pensamento, sendo possível a


existência de rupturas e desvios no raciocínio.
• Apresenta repetições e erros que não podem ser corrigidos.
• Apresenta maioritariamente um vocabulário reduzido e construções
frásicas mais simples.
Linguagem verbal

• modalidade escrita
• Interlocutor distante
• Estabelece um contato indireto com o destinatário.
• É mais formal, sendo mais pensada e planejada.
• Requer escolarização
• exige linearidade, a existência de uma sequência de pensamento clara
e estruturada.
Linguagem verbal
• Modalidade escrita
• Possibilita a revisão do conteúdo.

• Deve apresentar um vocabulário variado e construções frásicas mais


elaboradas.
Língua
Língua
• Formação do povo português

• Celtas,
• romanos,
• germânicos,
• mouros
Celtas
os bretões, os gauleses, os belgas e os batavos,
Germânicos
Vandalos, Godos Hunos
Povos bárbaros na Península Ibérica
(Hispânia), região pertencente ao Império
Romano.
Romanos
Expansão do Império Romano
Mouros
Reconquista
• Afonso I (1109-1185 ), também chamado de Afonso Henriques, e
apelidado de "o Conquistador", foi o primeiro Rei de Portugal de 1139
até sua morte, anteriormente servindo como Conde Portucale de
1112 até sua independência do Reino da Galiza.
• "ascende rapidamente ao governo do condado, o que confirma o
carácter hereditário que o mesmo possuía“
E a Língua, como fica?
Língua
• Como produto intelectual de uma sociedade aristocrática,
• escravagista, oligárquica, fortemente hierarquizada, a
• Gramática Tradicional adotou como modelo de língua
• “exemplar” o uso característico de um grupo restrito de
• falantes:
Língua
• do sexo masculino;
• livres (não-escravos);
• membros da elite cultural (letrados); cidadãos (eleitores e elegíveis);
• membros da aristocracia política; detentores da riqueza econômica.