Você está na página 1de 83

IRMÃOS ROBERTO

Milton, Marcelo e Maurício Roberto


• Marcelo Roberto (1908-1964)
- formado na Escola de Belas Artes do RJ em 1930
- fora colaborador da revista “Técnica e Arte”, dirigida por
Jurandir Ferreira e Felipe Reis
- influenciado pela Exposição Internacional de Arte Decorativas
de Paris em 1925
- influenciado pelas teorias de Le Corbusier e experimento de
Warchavchik

• Milton Roberto (1914-1953)


- formado na Escola de Belas Artes do RJ em 1934
- criação MM Roberto
SEDE ASSOCIÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA, A.B.I.
O CONCURSO, 1936
• Herbert Moses

• O Terreno e Contexto

• O Programa

• Os participantes
O CONCURSO, 1936
• Herbert Moses
- organizado pelo então diretor da A.B.I., Herbert Moses (1931-1964)
- júri composto por membros da A.B.I; arquitetos e engenheiros convidados
por Herbert Moses

• O Terreno e Contexto
• O Programa
• Os participantes
O CONCURSO, 1936
• Herbert Moses

• O Terreno e Contexto
- doado pelo governo do RJ, prefeito Pedro Ernesto em 1935
- plano e de esquina, próximo à Biblioteca Nacional de Belas Artes e da
Escola Nacional de Belas Artes, área de atuação do Plano Agache

• O Programa
• Os participantes
PLANO AGACHE (1927-1930)

Perspectiva área centro monumental do Rio de Janeiro


O CONCURSO, 1936
• O Programa
12 pavimentos + subterrâneo (sala de exercícios e piscina)
- 1° pavimento: térreo comercial, com portaria e entrada “ampla e majestosa”
- 2° a 5° pavimento: Escritórios para aluguel
- 6° a 12° pavimento: Dependências da A.B.I.
6. Diretoria
7. Biblioteca
8,9. Salões de Festa e Exposições
10. Serviços Assistenciais
11. Salão de Jogos e Salas de Leitura Legislação urbanística: afastados do alinhamento
12. Restaurante, Terraço Jardim e Bar em 1,75m(10) e 3,50m(11), respectivamente.
O CONCURSO, 1936
• Herbert Moses
• O Terreno
• O Programa
• Os participantes
• 1 Lugar: MM Roberto
• 2 Lugar: Alcides da Rocha Miranda, Lélio Landucci e João Loureiro
• 4 Lugar: Jorge Moreira e Ernani Vasconcellos
• Menção honrosa: Aquimedes Memória e Françoais Cuchet
Oscar Niemeyer, Francisco Saturnino de Brito e Cássio Veiga de Sá
Projetos Publicados revista PDF, 1936, equipe Oscar Niemeyer (menção honrosa)
Projetos Publicados revista PDF, 1936, equipe Oscar Niemeyer (menção honrosa)
Projetos Publicados revista PDF, 1936, equipe Oscar Niemeyer (menção honrosa)
Projetos Publicados revista PDF, 1936, equipe Oscar Niemeyer (menção honrosa)
Projetos Publicados revista PDF, 1936, Jorge Moreira e Ernani Vasconcellos (4° lugar)
Projetos Publicados revista PDF, 1936, Jorge Moreira e Ernani Vasconcellos (4° lugar)
Projetos Publicados revista PDF, 1936, Jorge Moreira e Ernani Vasconcellos (4° lugar)
Projetos Publicados revista PDF, 1936, Jorge Moreira e Ernani Vasconcellos (4° lugar)
Projetos Publicados revista PDF, 1936, Jorge Moreira e Ernani Vasconcellos (4° lugar)
“Nosso trabalho é baseado nas leis imutáveis da
grande arquitetura de todos os tempos e nos
princípios da arquitetura moderna, frutos da técnica
contemporânea: estrutura independente, plano livre,
fachada livre, teto-jardim.”

MM Roberto, memorial justificativo do projeto

Projeto Vencedor, MM Roberto


Projeto apresentado no concurso, 1936 Projeto construído, 1938
PRÉDIO ABI
• Composição tripartida
- térreo com paredes orgânicas, sobre pilotis - piano nobile
- prisma vertical puro rasgado por faixas horizontais
- coroamento curvo

• Contemporâneo e Tradicional
- Aplicação dos pontos da nova arquitetura de Le Corbusier:
- planta livre, fachada livre, estrutura independente (pilotis), terraço jardim
- Vazio entre dois cheios: intercolúnios do hall de entrada (automóveis e pedestres) entre
volumes sinuosos das lojas recriam pátio clássico
- parte nobre elevada (palácios), demarcada por janela central de pé direito duplo
Projeto Vencedor, MM Roberto, 1936 Planta Baixa Térreo A.B.I
Hall acesso térreo
PRÉDIO ABI
• Contraste
- linhas rígidas x suavidade das linhas dos planos secundários
- aresta esquina x faixas horizontais
- renúncia a um ascetismo esterilizante e valorização do aspecto plástico da arquitetura

• Dinamismo e Unidade
- repetição brises soleil (quebra-sóis) cria ritmo e movimento, gerando unidade
- rejeita a transparência, cria permeabilidade, acentua os fluxos
PRÉDIO ABI
• “palácio na concepção contemporânea” MM Roberto
- concepção de palácio = parte nobre da instituição na parte mais alta
- palácio-casa = palácio monumental por térreo persuasivo, casa por estar inserido do
contexto urbano, seguir legislação da tipologia residencial

• “monumento justaposto ao tecido” CALOVI, Claudio


- fachada norte = “continumm” urbano (figurativo), monumentos clássicos como plano de
fundo
- fachada oeste = objeto escultórico (abstrato), monumentos clássicos como moldura
Palazzo Caprini, Donato Bramante, 1501-1514
Projeto Vencedor, MM Roberto, 1936 Planta Baixa 7 Pavimento A.B.I
Brises interior e corredor de dispersão de calor, A.B.I.
Brises exterior, A.B.I.
Estudo brises Quartier de la Marine, Le Corbusier, em Argel, Argélia, África
Brises exterior , A.B.I.
Vista interio para Biblioteca Nacional RJ
Detalhe estrutura (pilotis encontro com laje nervurada)
Projeto Vencedor, MM Roberto, 1936 Planta Baixa 8 Pavimento A.B.I
Pé direito duplo salão de eventos
Mezanino salão de eventos
Escada para o mezanino do Auditório Oscar Guanabarino, batizado de João A. Mesplé
Projeto Vencedor, MM Roberto, 1936 Planta Baixa 11 Pavimento A.B.I
Salão de Jogos
Salão de Estar
Salão de Estar
A.B.I., Irmãos Roberto, 1936-1938
BIBLIOGRAFIA:

BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981


CALOVI Pereira, Claudio. Os irmãos Roberto e a arquitetura moderna no Rio de Janeiro (1936-1954). Dissertação de
Mestrado. Rio Grande do Sul: UFGRS, 1993. Disponível em http://hdl.handle.net/10183/52585
MINDLIN, Henrique. A arquitetura moderna no Brasil

REFERÊNCIAS:

https://www.archdaily.com.br/br/01-37838/classicos-da-arquitetura-sede-da-associacao-brasileira-de-imprensa-abi-
irmaos-roberto
http://abi.org.br/institucional/o-predio-da-abi/
http://www.fondationlecorbusier.fr/
Edifício do Sindicato de Seguradoras do Rio de Janeiro
Irmãos Roberto - 1949

1. O contexto
2. A percepção dinâmica da arquitetura
3. Seguradoras
Edifício do Sindicato de Seguradoras do Rio de Janeiro
Irmãos Roberto - 1949

1. O contexto
A – A equipe
B – Situação, entorno e implantação
C - Prelúdios: ABI, IRB e Liga Brasileira do Combate à Tuberculose
2. A percepção dinâmica da arquitetura
3. Seguradoras
Milton (1914-53), Marcelo (1908-64) e Maurício (1921-96)
Centro do Rio de Janeiro
Centro do Rio de Janeiro
Terreno (mapa digital do rio de janeiro 2013)
Terreno (mapa digital do rio de janeiro 2013)
Edifícios: ABI (1936-38) térreo, superior esquerdo;
LBCT (1937) térreo, à esquerda e IRB (1941-44) térreo
e 8º pavimento à cima;
Edifício Seguradoras – Pavimento Térreo
Edifício do Sindicato de Seguradoras do Rio de Janeiro
Irmãos Roberto - 1949

1. O contexto
2. A percepção dinâmica da arquitetura
A - Brise-soleil
B - Paulo Werneck

“A arquitetura é sempre uma e única, que vem vindo, imortal, pelos tempos adentro. Ela hiberna,
às vezes, degrada-se outras. Entretanto, sempre que uma época atinge determinada unidade social,
ela brota e desabrocha, e se expande, toda nova e diferente, assustando os assustáveis.” – Marcelo
Roberto, 1955

3. Seguradoras
- Saber construir: Herança da tradição
Crença na continuidade, pela importância imputada ao saber transmitido
pelos antepassados nas áreas diversas tocantes à disciplina.
- Detalhes e especificações de projeto: Inovações, obras incomuns
Observância das novas técnicas no sentido de serem resolvidos
corretamente os problemas dessa natureza, tal e qual já fizeram os antepassados
fazendo uso das técnicas disponíveis em seus próprios tempos.
- Coordenação dos projetos complementares
- Cuidados com o meio urbano, contexto
sendo suas obras agentes de interação urbanos, ultrapassando os limites
edificados em direção à cidade
- Busca por interesses superiores aos simples interesses dos lucros
financeiros
- Unidade indivisível

[...] “ser moderno é, conhecendo a história, partir do ponto de onde outros


chegaram.” – Marcelo Roberto
Face protegida contra insolação, ABI (1938) e detalhe do sistema brise-soleil para o edifício IRB (1944)
Solução adotada para proteção solar
Paulo Werneck (1907-1987)
Alguns mosaicos
Face sinuosa do Ed. Seguradoras com mosaico em pastilhas de Werneck
Edifício do Sindicato de Seguradoras do Rio de Janeiro
Irmãos Roberto - 1949

1. O contexto
2. A percepção dinâmica da arquitetura
3. Seguradoras
A – A obra
B – Situação atual
Edifício seguradoras, MMM Roberto, 1949 – Rio de Janeiro
San Carlo Alle Quattro Fontane, Borromini, 1646 – Roma
Edifício seguradoras, MMM Roberto, 1949 – Rio de Janeiro.
Plantas Térreo e pavimento tipo
Detalhe da marquise e consoles dos pilares
“A arquitetura consiste em estabelecer relações comoventes com materiais brutos.” – Le Corbusier: Vers une
Architecture
Fachada sudeste
Edifício atual, após alterações
Bibliografia

BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981

CALOVI Pereira, Claudio. Os irmãos Roberto e a arquitetura moderna no Rio de Janeiro (1936-1954).
Dissertação de Mestrado. Rio Grande do Sul: UFGRS, 1993. Disponível em
http://hdl.handle.net/10183/52585

SOUZA, Luiz Felipe Machado Coelho de. “Rigor e Brutalismo na obra dos irmãos Roberto”. Curitiba:
Docomomo Brasil, 2013. Seminário Arquitetura moderna e internacional: Conexões brutalistas 1955-75.
Disponível em http://docomomo.org.br/wp-content/uploads/2016/08/OBR_57.pdf

SOUZA, Luiz Felipe Machado Coelho de. “Fenômeno ou continuidade?” . Rio de Janeiro: Universidade
Federal Fluminense. Disponível em http://docomomo.org.br/wp-content/uploads/2016/01/116.pdf

Você também pode gostar