Você está na página 1de 9

Escola Comendador Bernardo Martins Catharino

TRABALHO INFANTIL

Escola Comendador Bernardo Martins Catharino TRABALHO INFANTIL Aspectos gerais do trabalho infantil relacionados com o livro

Aspectos gerais do trabalho infantil relacionados com o

livro “As cores da Escravidão”.

Trabalho Infantil

  • Trabalho apresentado para a disciplina de

Português pelos alunos do 9°D:

  • Israel Costa;

  • Gabriel Melo;

  • Alex José;

  • Brendo Vicente;

  • Ícaro Ribeiro.

Trabalho infantil: atividades econômicas e/ou atividades de

sobrevivência, com ou sem finalidade de lucro, remuneradas ou

não, realizadas por crianças ou adolescentes em idade inferior a 16 (dezesseis) anos, ressalvada a condição de aprendiz a partir dos 14 (quatorze) anos

.

Aspectos legais:

  • 1. Constituição Federal art. 227:

São deveres da família, da sociedade e do Estado:

“Assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, (EC 65/2010) com

absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao

respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de

colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

Constituição Federal, Art. 7º, inciso XXXIII (alterado pela Emenda nº 20, de 15 de dezembro de
Constituição Federal, Art. 7º, inciso XXXIII (alterado pela Emenda nº 20, de 15 de dezembro de

Constituição Federal, Art. 7º, inciso XXXIII (alterado pela Emenda nº 20, de 15 de dezembro de 1998) :

idade mínima de 16 anos para o ingresso no mercado de trabalho, exceto na condição de aprendiz a partir dos 14 anos.

Artigos 60 a 69 do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990) tratam da proteção ao adolescente trabalhador. Criação das políticas de combate ao trabalho infantil, proteção ao adolescente trabalhador e pelo controle social.

Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), no seu Título III, Capítulo

IV, “Da Proteção do Trabalho do Menor”, alterada pela Lei da Aprendizagem (Lei

nº 10.097 de 19 de dezembro de 2000).

ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Do Direito à Profissionalização e à

Proteção no Trabalho

  • Art. 60. É proibido qualquer trabalho a menores de quatorze anos de idade, salvo na condição de aprendiz.

  • Art. 61. A proteção ao trabalho dos adolescentes é regulada por legislação especial, sem prejuízo do disposto nesta Lei.

  • Art. 62. Considera-se aprendizagem a formação técnico-profissional ministrada segundo as diretrizes e bases da legislação de educação em vigor.

  • Art. 63. A formação técnico-profissional obedecerá aos seguintes princípios:

  • I - garantia de acesso e freqüência obrigatória ao ensino regular;

  • II - atividade compatível com o desenvolvimento do adolescente;

  • III - horário especial para o exercício das atividades.

CONVENÇÃO N° 182 DA OIT - Medidas imediatas e eficazes para abolir as piores formas de trabalho infantojuvenil.

4 PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL

a) Escravidão ou práticas análogas (vendas e tráfico de crianças, sujeição por dívida e servidão, trabalho forçado ou compulsório, inclusive recrutamento forçado ou compulsório de crianças para serem utilizadas em conflitos armados);

b) Utilização, procura e oferta de criança para fins de prostituição, de

produção de material pornográfico ou espetáculos pornográficos;

c) Utilização, procura e oferta de crianças para atividades ilícitas, particularmente para produção e tráfico de drogas, conforme definidos nos tratados internacionais pertinentes;

d) Trabalhos que, por sua natureza ou pelas circunstâncias em que são

executados, são suscetíveis de prejudicar a saúde, a segurança e a moral da criança.

Esses são alguns exemplos que também podem ser encontrados no livro.

Marco Simbólico-Cultural

Discurso retórico sobre os direitos das crianças:

Marco Simbólico-Cultural Discurso retórico sobre os direitos das crianças: • “É melhor a criança trabalhar do

“É melhor a criança trabalhar do que ficar na rua, exposta ao

crime e aos maus costumes”; “Mão de obra barata”

“Ajuda na economia familiares”

“O trabalho contribui para a formação do caráter da criança”

“A criança ou adolescente que não trabalha é um delinquente em potencial”

O trabalho de crianças e adolescentes como uma forma de

“prevenção” contra os males da marginalização

  • Marco estatístico-social

  • Sec. XVI a XIX - Trabalho das crianças indigenas e filhos de escravos

 Marco estatístico-social  Sec. XVI a XIX - Trabalho das crianças indigenas e filhos de
  • crianças escravas começavam a trabalhar com cerca de oito anos de idade.

 Marco estatístico-social  Sec. XVI a XIX - Trabalho das crianças indigenas e filhos de

Pontos fortes observados no livro:

o Trabalho Infantil; o Escravidão; o Mentiras; o Crueldade.