Você está na página 1de 31

Membrana Plasmática

Função
Constituição Molecular
Transporte através da membrana
A Membrana Plasmática ou Celular
Membrana Plasmática

 Separa o meio intracelular do extracelular


 Controla a penetração e saída de
substâncias da célula
Membrana Plasmática

 Visível somente pela M.E.


– Existência já conhecida anteriormente pela
observação da alteração do volume celular de
acordo com a concentração das soluções em que
são colocadas.

Meio isotônico Meio hipertônico Meio hipotônico


Membrana Plasmática

 Responsável pela manutenção da


constância dos meios intra e extracelular
 Apresenta receptores específicos
(glicoproteínas ou glicolipídios)
– Células
– Moléculas (ex.: hormônios, antígenos)

movimento

Resposta celular Secreção ou proliferação

Produção de anticorpos
Membrana Plasmática

 Organização Molecular
– Lipídios (fosfoglicerídeos, esfingolipídios e colesterol)
– Proteínas
– Hidratos de carbono
 Membranas de mielina dos neurônios 80% de
lipídios
 Membranas mitocondriais 25% de lipídios
Membrana Plasmática

 Propriedades:
– Devido às proteínas
 Elasticidade
 Resistência mecânica
 Baixa tensão superficial
– Devido aos lipídios
 Alta resistência elétrica
 Alta permeabilidade às substâncias lipossolúveis
Membrana Plasmática

 Modelo do Mosaico Fluido:


– Bicamada lipídica fluida onde estão inseridas
proteínas
Membrana Plasmática

 Lipídios das membranas:


– Extremidade hidrofílica (polar)
– Cadeia hidrofóbica (apolar)
Membrana Plasmática

 Proteínas da membrana:
– Proteínas integrais ou intrísecas
 Associadas aos lipídios
 Compreendem 70% das proteínas da membrana
plasmática (ex.: enzimas, glicoproteínas,
transportadoras, receptores de hormônios e fármacos)
 Proteínas transmembranas (atravessam totalmente a
bicamada lipídica)
– Passagem múltipla (cadeia longa e dobrada)
Desenho esquemático de proteínas integrais, atravessando a
bicamada lipídica da membrana plasmática.
Membrana Plasmática

 Proteínas da membrana:
– Proteínas periféricas ou extrínsecas
 Aderidas às superfícies externa ou interna da
membrana (fixadas às moléculas glicosiladas
de fosfatidil-inositol)
Desenho esquemático representando as proteínas extrínsecas
ou periféricas aderidas às faces interna e externa da
membrana plasmática.
Glicocálice

 Região, na superfície externa da membrana


plasmática, rica em hidratos de carbono
(carboidratos) ligados a proteínas ou a lipídios.
 Constituído por:
– porções glicídicas das moléculas de glicolipídios da
membrana plasmática
– glicoproteínas integrais da membrana ou adsorvidas após
secreção
– proteoglicanas secretadas e adsorvidas pela superfície
celular
Células dos túbulos contorcidos proximais do rim, ao microscópio de luz, coradas
pela técnica do ácido periódico de Schiff, revelando a presença de um abundante
glicocálice associado aos microvilos (“borda em escova”) em sua região apical
(setas). (PAS-H, rato)
Glicocálice

 Funções:
– Proteção à célula
– Lubrificação da superfície celular
– Reconhecimento célula-célula
– Adesão celular (fibronectina)
– Alteração da superfície celular em células
cancerígenas
– Ligação a toxinas, vírus e bactérias
– Propriedades enzimáticas (peptidase e
glicosidase)
– Especificidade do Sistema ABO
Especificidade Sistema ABO
Processo de Reconhecimento Celular
Transporte de soluto através da
membrana

 Depende da solubilidade das substâncias


– Hidrofílicas (insolúveis em lipídios)
– Hidrofóbicas (solúveis em lipídios)
 Transporte através da membrana: nos quais os
solutos atravessam a membrana através da
bicamada com o auxílio de um transportador
proteico.
 Transporte em quantidade ou massa: nos quais a
membrana se deforma para permitir a passagem de
partículas que não atravessam a membrana.
Transporte pela membrana com o
auxílio de transportador proteico.

Transporte pela membrana com deformação


da superfície da membrana.
Difusão Passiva

 Transporte sem gasto de energia, a favor de um


gradiente de concentração
 O soluto penetra a célula quando sua concentração
é menor no interior celular
 Sai da célula quando sua concentração é maior no
meio extracelular

 A agitação térmica das moléculas do soluto impulsiona o


soluto para dentro ou fora da célula.
Desenho esquemático que ilustra a difusão passiva.
Transporte Ativo

 Ocorre gasto de energia


 Está contra um gradiente de concentração
Difusão Facilitada

 Não ocorre gasto de energia


 A favor de um gradiente
 Maior velocidade em relação à difusão
passiva
 Presença de uma molécula transportadora
(permease)
Ex.:Glicose e alguns aminoácidos
Desenho esquemático ilustrando a difusão
facilitada da glicose para o meio intracelular.
Transporte impulsionado por
gradientes iônicos

 Transporte de moléculas e íons através da


membrana pela utilização da energia
potencial de gradientes iônicos (Na+, K+ e
H+).
Simporte: transporte
que movimenta íon e
molécula na mesma
direção

Transporte por gradiente iônico.


Fagocitose

 Processo pelo qual a célula, através da


formação de pseudópodos, engloba no seu
citoplasma partículas sólidas.
– Ex.: glóbulos brancos (defesa), ameba
(alimentação)
Pinocitose

 Englobamento pela célula, de partículas


líquidas, através da invaginação da
membrana plasmática.
Processo de pinocitose
de uma célula.
Formação da fosseta.

Processo de pinocitose
de uma célula.
Fechamento da fosseta
e formação do
endossomo.