Você está na página 1de 19

FISIOTERAPIA NA BRONQUIOLITE

VIRAL AGUDA

Fisioterapeuta Raquel de Jesus Santana Pizol


Pós graduando em Fisioterapia em Emergência hospitalar
Introdução
• A bronquiolite viral aguda (BVA) é uma doença
inflamatória aguda que resulta em obstrução das vias
aéreas de pequeno calibre, é uma das doenças mais
frequentes do sistema ventilatório e acomete
neonatos, lactentes e crianças até os três anos de
idade
• Sua maior incidência ocorre no período de outono e
inverno
Etiologia
• iniciada por infecção das VAS por algum vírus
sazonal,
• vírus sincicial respiratório (VSR) o responsável
mais freqüente
• adenovírus,
• Rinovírus,
• Parainfluenza tipos 1, 2 e 3,
• Influenza
• metapneumovírus humano
Vírus Sincicial Respiratório (VSR)
• O VSR apresenta um período de incubação de
2 a 8 dias após o contato inicial, cerca de um
dia após a infecção as crianças começam a
eliminar o vírus nas secreções respiratórias, a
sua eliminação persiste por um período
variável de alguns dias a vários meses
Fisiopatologia
• A obstrução parcial da luz bronquiolar leva à
hiperinsuflação, enquanto a obstrução total
produz atelectasias, provocando hipoxemia,
como resultado do aumento de resistência ao
fluxo aéreo e das alterações nas trocas
gasosas . Em conseqüência destes fatores,
ocorre alteração na relação
ventilação/perfusão que resulta em hipoxemia
e hipercapnia, que podem progredir para
Insuficiência Respiratória Aguda
Quadro clínico
• Espirros e rinorréia com secreção clara
• Febre
• Inapetência
• Tosse
• Irritabilidade
• Dispneia
• chiado
Exame Físico
• Taquipnéia
• Triagem
• Batimento de asa de nariz
• crepitações e sibilancias
• cianose
Exame Físico
Escala de Woods-downes - Ferres
• leve -1 a 3 pontos
• moderada -4 a 7 pontos
• grave -8 a 14 pontos
Exames complementares
• Oximetria
• Gasometria
• Teste de imunofluorescência direta
• Rx de Torax
Tratamento
O tratamento de escolha para a bronquiolite
viral aguda é sintomático, incluindo
oxigenoterapia, hidratação, e embora
controverso por vários autores também são
utilizados agentes broncodilatadores e
corticoesteróide e fisioterapia respiratória
Fisioterapia Respiratória
• As técnicas atuais são consideradas passivas
agem exclusivamente sobre o tempo
expiratório e são fundamentadas na mecânica
respiratória e particularidades
anatomofisiologicas da criança.
Fisioterapia Respiratória
• Como técnicas atuais podemos citar
• AFE
• DRR
• GPR
Discussão
• Abordagem fisioterápica recomendada pelos
franceses é constituída por técnicas passivas que
agem exclusivamente sobre o tempo expiratório,
que são fundamentadas na mecânica respiratória,
respeitando as particularidades da fisiologia
respiratória das crianças menores,que têm
brônquios estreitos, riqueza de células secretivas,
pouca ventilação colateral, características que
favorecem o colapso alveolar, a estase das
secreções e a formação de bolhas por
represamento de ar.
Discussão
• A indicação de fisioterapia respiratória em BVA está
baseada na constatação de melhora clínica do paciente
após a intervenção, sendo assim uma terapêutica
comumente empregada. As técnicas fisioterapêuticas
recomendadas na Conferência do Consenso dos termos
de fisioterapia respiratória de Lyon em 1994 são as
técnicas atuais de fisioterapia respiratória, no Brasil,
em alguns centros, inclusive nos serviços do Hospital
de Clínicas (HC) da Universidade Estadual de Campinas
(UNICAMP) é utilizada na rotina do atendimento de
crianças com comprometimento respiratório.
Discussão
• Segundo diretriz da Academia Americana de
Pediatria, a BVA é uma enfermidade que tem
um curso clínico de três semanas, o
tratamento é basicamente de suporte, com
oferta de oxigênio e hidratação, e a utilização
de fisioterapia respiratória nos pacientes
internados não tem impacto na melhora
clínica do doente e na diminuição do tempo
de hospitalização.
Discussão
• De a cordo com as pesquisas realizadas por
diversos autores ressaltam que não há
nenhuma evidência científica que comprove a
eficácia da fisioterapia respiratória em recém
nascidos e lactentes portadores de
bronquiolite, mas que a utilização de um
escore, baseado em sinais clínicos, pode
contribuir para respaldar as técnicas de
obstrução em lactentes com bronquiolite.
Conclusão
• Apesar dos dados conflitantes na literatura, a
fisioterapia respiratória em pacientes pediátricos
é aplicada com freqüência em algumas unidades
hospitalares da América do Sul e Europa, pois
agem na redução de complicações pulmonar,
alguns fisioterapeutas já utilizam de rotina, as
técnicas de fisioterapia respiratória consideradas
atuais observando melhora destes na pratica
diária, pois são fundamentadas na mecânica
respiratória, respeitando as particularidades
anatomofisiologicas dos lactentes e crianças
menores.
Referências Bibliográficas
Azevedo, L.A.F. Bronquiolite Viral Aguda.2009.94f.Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina. Faculdade de Ciências da Saúde Universidade da Beira
Interior. Covilhã, 2009
Luisi, F. O papel da fisioterapia na bronquiolite viral aguda.2008.6f.Artigo de Revisão. Fisioterapeuta graduada pela PUCRS. Mestranda em Pediatria e Saúde
da Criança – FAMED/PUCRS. Scientia Medica, Porto Alegre. v. 18, n. 1, p. 39-44, jan./mar. 2008
Carvalho, W.B; Johnston, C; Fonseca, MC. Bronquiolite aguda, uma revisão atualizada. Assoc Med Bras. 2007;53:182-8
Lourenço LG, Salomão Junior JB, Rahal P, Souza FP, Zanetta DM. Infecções pelo vírus sincicial respiratório em crianças. Pulmão RJ 2005;14:59-68.
Miyao CR, Gilio AE, Vieira S, Hein N, Pahl MM, Betta SL et al. Infecções virais em crianças internadas por doença aguda no trato respiratório inferior. J
Pediatr (Rio J) 1999;75:334-44
Bernard-Narbonne F, Daoud P, Casting H, et al. Effectiveness of chest physiotherapy in ventilated children with acute bronchiolitis. Arch Pediatr. 2003;
10:1043-7.
Pupin, M.K. Comparação dos efeitos das técnica de aumento do fluxo expiratório e de técnicas fisioterapêuticas convencionais em parâmetros
cardiorrespiratórios de lactentes com bronquiolite viral aguda.2008.92f. Dissertação de mestrado(para obtenção do título de Mestre em saúde da
criança e do Adolescente). Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas.Unicamp,Campinas 2008
Mucciollo, M.H et al.; Fisioterapia Respiratória nas crianças com Bronquiolite Viral Aguda:Visão Critica. 2008.8f.Artigo. Unidade de Cuidados Intensivos
Neonatal do Instituto da Criança do HC-FMUSP,Pediatria São Paulo,2008
Conway E, Schoettker PJ, Moore A, et al. Empowering respiratory therapists to take a more active role in delivering quality care for infants with
bronchiolitis. Respir Care. 2004;49:589-99.
Meats-Dennis M. Bronchiolitis. Arch Dis Child Educ Pract Ed. 2005;90:ep81-ep86.
Gonçalves et al.: Evaluation of physiological parameters before and after respiratory physiotherapy in newborns with acute viral bronchiolitis. International
Archives of Medicine 2014 7:3.
Castro, Giselle de; REMONDINI, Renata; SANTOS, Adriana Zamprônio dos and PRADO, Cristiane do. Análise dos sintomas, sinais clínicos e suporte de
oxigênio em pacientes com bronquiolite antes e após fisioterapia respiratória durante a internação hospitalar. Rev. paul. pediatr. [online]. 2011,
vol.29, n.4, pp. 599-605. ISSN 0103-0582.
Lanza,F.C. et al., Fisioterapia respiratória em lactentes com bronquiolite: realizar ou não?.2008.6f.Artigo .Centro Universitário São Camilo-São Paulo. O
Mundo da Saúde São Paulo: 2008: abr/jun
Damiani, I.B. Os efeitos da técnica de Expiração lenta prolongada em lactentes com pneumonia.2006.51f.Monografia(como requisito parcial para obtenção
do título de Bacharel em Fisioterapia). Universidade do Sul de Santa Catarina. Tubarão, 2006
Gerber, V; Araujo, J.C.O. Efeitos do tratamento domiciliar de técnicas fisioterapêuticas convencionais e atuais em pacientes pediátricos que apresenta
hipersecreção. 2003. 13f. Artigo(Trabalho apresentado como requisito á obtenção do título Bacharel em Fisioterapia). Acadêmica do curso de
Fisioterapia da Unisul,Tubarão,SC,2003
Gomes, Évelim LFD et al. Chest physical therapy is effective in reducing the clinical score in bronchiolitis: randomized controlled trial. Brazilian Journal of
Physical Therapy, v. 16, n. 3, p. 241-247, 2012.
Referências Bibliográficas
Rodrigues, J.C; Adde F.V; Filho, L.V.R.F.S. Doenças Respiratórias Barueri, SP: Manole, 2008.602f. (Coleção pediatria). Instituto da criança HC-FMUSP
Haddad, E.R; Costa, L.C.D; Sampaio, L.M.M. Abordagens Fisioterapêuticas para remoção de secreções das Vias aéreas em recém –nascidos: Relatos de
Caso.2006.6f.Artigo. Centro Universitário de Araraquara (Uniara), Pediatria São Paulo, 2006
Sarmento, G.J.V. Fisioterapia Respiratória em pediatria e Neonatologia.1.ed. Baurueri,São Paulo:Manole;2007.529f
Sarmento, G.J.V; Ribeiro,D.C; Shiguemoto, T.S.ABC da Fisioterapia Respiratória.1.ed. Editora Manole.2009.576f
Müller, J. Conseqüência da fisioterapia respiratória em lactentes sibilantes em investigação de refluxo gastresofágico.2006.77f.Dissertação de
mestrado(para obtenção do titulo de mestre.Universidade federal do Rio grande do Sul.Faculdade de Medicina.Programa de pós-graduação em
ciências médicas: pediátrica.Porto Alegre,Brasil,2006
American Academy of Pediatrics Subcommittee on Diagnosis and Management of Bronchiolitis.Diagnosis and management of bronchiolitis.
Pediatrics.2006;118(4):1774-93.
Webb MS, Martin JA, Cartlidge PH, Ng YK, Wright NA.Chest physiotherapy in acute bronchiolitis. Arch DisChild. 1985;60(11):1078-9.
Nicholas KJ, Dhouieb MO, Marshall TG, Edmunds AT,Grant MB. An evaluation of chest physiotherapy inthe management of acute bronchiolitis.
Physiotherapy.1999;85(12):669-74.
Beauvois E. Role of respiratory therapy in the treatment acute bronchiolitis in infants [Article in Franch]. Arch Pediatr. 2001;8 Suppl 1:128S-131S.
Chaneliére, C. Fractures costales au cours des bronchiolites aiguës virales : à propos de 2 cas rib fractures after chest physiotherapy: a report of 2 cases.Arch
Pédiatr 2006;13:1410–2
Postiaux, G. et al., Effets de la kinésithérapie respiratoire associant expiration lente prolongée et toux provoquée dans la bronchiolite du
nourrisson.Kinesither Rev 2006;55:35-41
Perrota, Carla et al. Chest physiotherapy for acute bronchiolitis in paediatric patients between 0 and 24 months old. Cochrane Database Syst Rev, v. 1, n. 1,
2007.
Rochat, Isabelle et al. Chest physiotherapy using passive expiratory techniques does not reduce bronchiolitis severity: a randomised controlled
trial. European journal of pediatrics, v. 171, n. 3, p. 457-462, 2012.
Pupin, Melissa Karina et al. Comparison of the effects that two different respiratory physical therapy techniques have on cardiorespiratory parameters in
infants with acute viral bronchiolitis. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 35, n. 9, p. 860-867, 2009.
Gajdos, Vincent et al. Effectiveness of chest physiotherapy in infants hospitalized with acute bronchiolitis: a multicenter, randomized, controlled trial. PLoS
medicine, v. 7, n. 9, p. e1000345, 2010.

Você também pode gostar