Você está na página 1de 23

HEMATOLOGIA

CLASSIFICAÇÃO DAS ANEMIAS.


Docente: Anna Karoline Alencar de Lima
Biomédica esp. em análises clínicas
E-mail: annakalencar@outlook.com

1
2

ANEMIA
 Anemia é uma palavra latinizada (anaemia) proveniente do
significado grego de aima (sangue) e o prefixo an (falta de), resultando
a palavra anaima (pessoa com falta de sangue).

 Anemia é a diminuição da taxa de hemoglobina abaixo de níveis


mínimos, ou seja, se estiver abaixo de 95% do intervalo de referência
para idade, sexo e localização geográfica (altitude) do indivíduo.

 Anemia é uma palavra latinizada (anaemia) proveniente do


significado grego de aima (sangue) e o prefixo an (falta de), resultando
a palavra anaima (pessoa com falta de sangue).
3

ANEMIA - CAUSAS
 hemorragias,
 câncer,
 aplasia de medula
 insucessos biológicos da própria eritropoiese.
As causas de anemias se encontram divididas entre três
categorias fisiológicas principais:
 produção de eritrócitos deficientes,
 perda sanguínea
 destruição acelerada dos eritrócitos (hemólise) além da
capacidade da medula de compensar estas perdas.
4

ANEMIA - TIPOS
5
6

ANEMIA
Se houver anemia e/ou índices hematimétricos anormais, o
profissional deverá:

 Confirmar visualmente as alterações numéricas e julgar sua


compatibilidade com o grupo etário do paciente.

 Pesquisar os dados morfológicos das células do paciente.

 Nada observando de esclarecedor, os resultados numéricos e a


lâmina do paciente são separados para reexame; se a distensão
não estiver perfeita, faz-se uma nova.
7
classificação
fisiopatológica da anemia
classificação 8

fisiopatológica da anemia
 Hemorrágica Hemolítica Hipoproliferativa Aplástica 15

Hemorragia aguda: sangramento volumoso, interno ou externo.

Hemorragia crônica: sangramento contínuo, de pequeno volume, nos tratos


gastrointestinal, urinário ou reprodutivo.

 Hemolítica hereditária: hemoglobinopatias, enzimopatias e doenças de


membrana.

 Hemolítica adquirida: malária, queimadura, auto-imune, hiperesplenismo,


hemoglobinúria paroxística noturna, doença hemolítica do recém-nascido e
transfusão ABO incompatível.

 Hipoproliferativa por déficit nutricional: deficiências de vitamina B12, ácido fólico ou


ferro.

 Hipoproliferativa por déficit de absorção: deficiência de receptor celular para


vitamina B12 (fator intrínseco), deficiência de transferrina, síndrome de mal
absorção e gastrectomia.

 Aplástica por insuficiência de produção medular: destruição do tecido medular por


vírus, toxicidade, mieloftise (mielofibrose, mieloma, metástase e leucemia).
9

CLASSIFICAÇÃO DAS
ANEMIAS
 Morfológica

Baseia-se nos dados fornecidos pelos índices


hematimétrico e não dá ideia da causa da anemia, mas
do aspecto morfológico das hemácias
10
ANEMIA POR DEFEITOS NA
HEMOGLOBINA

 anemia falciforme
 hemoglobinopatia SC
 hemoglobinopatia CA
 hemoglobinopatia ES
 hemoglobinopatia DR
 Síndromes talassêmicas
11

ANEMIA FALCIFORME
 Uma doença hematológica hereditária
monogénica, caracterizada pela produção anormal
de hemoglobinas, entre as quais a mais comum é a
forma HbS (de Sickle, foice), que sob determinadas
condições de desoxigenação, polimeriza,
deformando as hemácias, que assumem uma forma
semelhante a foices.
 causando deficiência no transporte
de oxigénio e gás carbónico e outras complicações,
nos indivíduos acometidos pela doença.
12

ANEMIA FALCIFORME
O tratamento
 prevenção a infecções através da vacinação e uso
de antibióticos, uma elevada ingestão de líquidos, a
suplementação de ácido fólico e fármacos analgésicos.

 Outras medidas podem incluir a transfusão de sangue e a


prescrição de hidroxicarbamida (hidroxiureia).

 Um reduzido percentual de pessoas pode ser curado


mediante um transplante de células da medula óssea.
ANEMIAS POR DEFEITOS 13

NA MEMBRANA DO
ERITRÓCITO

Eliptocitose
Esferocitose
14

ANEMIA POR DEFEITOS


ENZIMÁTICOS
Deficiência em glucose-6-fosfato desidrogenase.
 Doença hereditária recessiva ligada ao cromossomo X que,
frequentemente, desencadeia uma anemia hemolítica.

 Deficiência enzimática genética comum, que apresenta um


quadro clínico bem heterogêneo, variando de assintomático
até anemia hemolítica crônica ou aguda, colecistite, icterícia e
granulomatose crônica.

 A glicose-6-fosfato (G-6-PD) é uma enzima que possui um papel


fundamental no metabolismo eritrocitário, tanto na captação de
energia a partir da glicose, quanto na proteção contra a ação
de agentes oxidantes.
15

ANEMIAS POR CAUSAS


NUTRICIONAIS
 Deficiência de ferro (Anemia ferropriva)
 Deficiência de vitamina B12 (Anemia
perniciosa, difilobotríase)
 Deficiência de folato.
16

Deficiência de vitamina B12


(Anemia perniciosa)
macrocítica
 A deficiência de vitamina B12 pode resultar de uma dieta
deficiente nessa vitamina, que é encontrada principalmente em
carnes, ovos e leites. Esse é um problema muito comum em
vegetarianos e veganos.

 A anemia por deficiência de vitamina B12 também pode ocorrer


se o intestino delgado não consegue absorver a vitamina
corretamente, o que costuma acontecer devido a uma cirurgia
no estômago ou no intestino delgado, ao crescimento anormal
de bactérias no intestino delgado ou mesmo por causa de uma
doença intestinal, como a doença de Crohn ou a doença
celíaca, que interfere diretamente na absorção dessa vitamina.
17

ANEMIA FERROPRIVA
 Baixos níveis de ferro no organismo, diminuindo o número e
piorando a qualidade dos glóbulos vermelhos no sangue. É mais
comum em crianças e mulheres grávidas.

CAUSAS

 Alimentação inadequada

 Problemas que dificultem a absorção de ferro

 Doença celíaca

 Doença de Crohn

 Hemorragias
18

ANEMIAS POR CAUSAS


HEMORRÁGICAS

 Agudas
Hemorragias maciças por acidentes, cirurgias, parto
 Crônicas
Sangramentos crônicos, sendo o sangramento
menstrual excessivo, doença hemorroidária, úlceras
pépticas e neoplasias intestinais as principais causas,
dentre muitas outras.
19
SINAIS E SINTOMAS DAS
ANEMIAS.

Os sintomas mais comuns em casos mais leves


são:
 Cansaço, fraqueza e indisposição;
 Dificuldade de concentração e falta de memória;
 Problemas respiratórios; distúrbios mentais
 Batimentos cardíacos acelerados;
 Pele pálida;
 Problemas menstruais;
 Distúrbios de apetite;
 Mal-estar, tontura e náusea.
20

SINAIS E SINTOMAS
SINTOMAS MAIS GRAVES
 Queda de cabelo, unhas fracas e quebradiças, esclerótica azulada, pele
seca;

 Sonolência e dor de cabeça;

 vertigens, atordoação, desmaio;

 Taquicardia (ritmo do coração acelerado);

 Claudicação (dores nas pernas), inchaço nas pernas;

 Dispneia (falta de ar);

 Inapetência (falta de apetite) ocorre frequentemente em crianças;

 Queilite angular (inflamação da boca), atrofia de papilas linguais.

 Depressão nervosa (perda de prazer em atividades), perda do interesse


sexual;
(*) em casos de suspeita clínica de anemia.
21

(**) na ausência de inflamações, infecções,


etc, a ferritina diminui antes da redução do
ferro sérico.
(***) por ser a ferritina uma proteína de fase
aguda, suas variações são dependentes do
estado clínico do paciente.
22

DIETA E ANEMIAS

 O consumo de alimentos ricos em ferro é essencial para a


prevenção da anemia por deficiência de ferro.

 Importante diferenciar entre alimentos contendo ferro na forma


heme (origem animal) e não-heme (origem vegetal), sendo que os
primeiros têm maior aproveitamento (em torno de 30%) que os
últimos (em torno de 10%).

 Há importante relação da absorção do ferro com a dieta, com


fatores contribuintes para sua maior absorção (pH ácido do
estômago, vitamina C, proteína da carne) e os que a prejudicam
(cereais - efeito quelante, chás, café, refrigerantes, proteína do
leite e do ovo).
23

TRATAMENTO
 O tratamento deve ser direcionado à causa de
base, ou seja, à condição que leva ao quadro
anêmico.
 Podem ser usados suplementos de sulfato de
ferro, fumarato de ferro ou gluconato ferroso em
comprimido, em soro ou associado a uma transfusão
de sangue dependendo da gravidade, urgência e
da causa.