Você está na página 1de 23

Acadêmico: Samuel Filipe Schmidt

• Melanie Reis Klein nasceu no dia 30 de março, de 1882 em


Viena.
• Era a filha mais nova, tinha duas irmãs e um irmão.
• O pai, de origem judaica, era um estudioso do Talmud (livro
sagrado para os Judeus).
• Filha não esperada, nascendo depois de três filhos, em um
ambiente dominado pelo desentendimento entre os pais.
BIOGRAFIA - Georges Lapassade: Filósofo e Sociólogo
Francês

Ψ Nasceu no dia 10 de Maio de 1924 em Arbus no Bearn


(Itália). Faleceu no dia 30 de julho de 2008 em Stains.

Os pensamentos de Lapassade, iniciaram na França da década


de 1960 junto com René Lourrat, os quais constituíram uma
forma/olhar de análise política da realidade social e
institucional.

3
BIOGRAFIA - Georges Lapassade: Filósofo e Sociólogo
Francês

Ψ Foi professor e pesquisador da Universidade de Paris,


tendo seu reconhecimento como uma das figuras mais
importantes da Psicologia Social, Antropologia e Pedagogia.

Ψ Embora as contribuições de Lapassade não sejam


nomeadas pelo autor como “Psicologia Institucional” sua
produção teórica é fundamental para compreendermos este
campo de problemas.

4
A ANÁLISE INSTITUCIONAL DE LAPASSADE

Ψ Buscou compreender a dialética das relações entre grupos,


organizações e instituições e nomeou sua perspectiva com
Análise Institucional.
Ψ No Brasil, suas contribuições ganharam força a partir dos
anos de 1970, ressaltando a caráter sociológico e político do
trabalho institucional.

5
Análise Institucional é uma
Sua proposta busca
maneira singular de entender
estabelecer um método de
o que sãodas
compreensão as relações
relações que
instituídas,
os indivíduosbem
e oscomo a
grupos
mantêm
forma de com as instituições.
trabalhá-las ou agir
sobre elas como psicólogo.

6
ORIGENS DA ANÁLISE INSTITUCIONAL

A análise institucional busca articular diferentes


campos do conhecimento, como a Psicologia Social, a
sociologia e a Pedagogia.

Ψ A proposta de Lapassade parte da necessidade de


questionar o instituído e indica a autogestão como uma
forma de superar conflitos no interior das instituições.

7
ORIGENS DA ANÁLISE INSTITUCIONAL

Pedagogia Institucional:
Ψ Crítica uma pedagogia autoritária;
Ψ Busca redimensionar o espaço, o tempo e a relação
educador/educando.

Psicossociologia:
Ψ Estudo dos pequenos grupos. Dinâmica de grupos.

8
ORIGENS DA ANÁLISE INSTITUCIONAL

Psicologia Social/Institucional:
Ψ Compreensão das instâncias institucionais que impedem o
desenvolvimento do sujeito ou a superação de situação de
sofrimento.

9
A análise institucional busca
realizar uma Crítica às
Instituições. Seu objetivo não é
questionar a eficácia ou a
função das instituições, uma vez
que elas realizam a mediação
entre individuo e sociedade e,
neste sentido, as instituições
sempre cumprem uma função
social específica.

10
TRÊS NÍVEIS DA REALIDADE SOCIAL

Esta discussão encontra-se em uma obra clássica de


Lapassade: “Grupos, organizações e instituições” e considera a
realidade social em três diferentes níveis.
Ψ Grupos;
Ψ Organizações;
Ψ Instituições;

11
Ψ É a base da vida cotidiana: Classe X Escola; Familia X
Sociedade; entre outros.
Ψ O grupo guarda em si normas específicas que relacionam-se
com a instituição da qual fazem parte:
Ψ Horários, ritmos de operação, normas, sistemas de
controle, estatutos.
Ψ Há sempre a mediação da instituição no grupo. É neste
sentido que Lapassade indica que “o grupo é o primeiro nível
institucional”.
Ψ Objetivo do grupo: Manutenção da ordem, organização de
aprendizado e de produção.

13
O segundo nível da realidade ou do sistema social é o
da organização,com seus regimentos e regulamentos:

Ψ Estabelecimento de ensino ou administrativo,


Ψ Uma fábrica,
Ψ Um clube,
Ψ ONGs,
A organização é o equipamento considerado em suas
condições materiais, espaciais

15
INSTITUIÇÃO
O terceiro nível da realidade social é o estado a
instituição propriamente dita.

Ψ Estado: Conjunto de leis que regem a conduta social.

Lapassade ao definir os três níveis da realidade


social,reformula o conceito de instituição. Na perspectiva do
autor, a instituição se identifica com o instituído e pauta todas
as relações sociais.

17
ESTADO E IDEOLOGIA

Lapassade indica que a instituição primaria é o Estado uma


vez que é ele o responsável pela normatização e legitimação
de todas as outras instituições.

Em sua condição de instrumento privilegiado das classes


dominantes, o estado é a Lei e com ela a repressão.

18
BUROCRACIA E PODER

Embora o termo burocracia traga à mente papeis, ofícios,


memorandos e o universo das organizações em geral,
Lapassade também amplia este conceito indicando que:

“Antes de tudo, a burocracia é uma questão política”.

19
A burocracia é uma relação de poder que atravessa a
vida social em todas as suas relações e dimensões.

Ψ Lazer: Turismo X Férias/Excursão programadas,


Ψ Trabalho: Controle externo da produção e dos modos de
trabalho,
Ψ Política: Partidos políticos, Controle do processo político e
da participação social, Inversão meios e fins.

20
Em poucas palavras, a novidade que esse autor nos
apresenta é a de que a burocracia é, em princípio, uma
questão de poder. Uma questão de divisão no poder, entre
grupos de divisão e grupos de execução do fazer institucional,
sendo que os primeiros decidem não apenas o que, mas
também, o como fazer.

21
Sobretudo com essa concepção de burocracia,
Lapassade faz um mapeamento das relações institucionais,
trazendo para elas a organização da separação, pelo poder de
decisão, e a produção de sujeitos sem autonomia, alienados e
alienadores da palavra social. As relações de poder e a
ideologia têm, assim, seu contexto constituiente.

22
REFERÊNCIAS

Ψ Disponível em:
https://ri.ufs.br/bitstream/123456789/504/1/AnaliseInstitucion
alContemporanea.pdf. Acessado em 25 de outubro de 2016.
Ψ Disponível em: https://pt.scribd.com//127022849/George-
Lapassade. Acessado em 25 de outubro de 2016.
Ψ Disponível em: https://pt.scribd.com//325488505/3-A-
analise-institucional-Georges-Lapassade-pdf. Acessado em 25
de outubro de 2016.
Ψ GUIRADO, Marlene. Psicologia Institucional. 2 ed. Ver. E
ampl. São Paulo: EPU, 2004.

23