Você está na página 1de 72

FRATURAS

FRATURAS
FRATURAS

 Perda de continuidade óssea.

 Avaliação do tipo de fratura:

Completa: ruptura completa na continuidade do osso.


Ex: simples e cominutiva.

Incompleta: partes das trabéculas divididas enquanto


outras estiverem curvadas ou intactas. Ex: galho verde.
Fraturas

Fratura – interrupção completa ou incompleta da


continuidade de um osso.
Fratura incompleta - é mais comum em crianças.
Luxação – ruptura completa de uma articulação.
As superfícies articulares não estão mais em
contato.
Subluxação – pequena ruptura de uma
articulação, permanecendo algum contato
articular.
Fraturas

Contribuição da radiologia:

-diagnosticar e avaliar o tipo de fratura ou


luxação.
-Monitorizar os resultados de tratamento e
pesquisar possíveis complicações.
Fraturas

Diagnóstico:
-Deve-se obter ao menos duas incidências do osso
envolvido, incluindo duas articulações adjacentes ao
osso lesado.
-Em crianças às vezes é necessário obter radiografias
do membro normal para comparação.
-Deve ser descrito o local, extensão e tipo de fratura.
Características das Fraturas
COMPLETA : pode ser simples ou cominutiva
Atravessa completamente o osso
Orientação : Transversa / Oblíqua / Espiral

 INCOMPLETA: Mais comum em crianças devido a plasticidade óssea)


Em “galho verde” - fratura de uma superfície cortical.
Torus - Uma superfície cortical está abaulada.
Plástica - Não há sinal de fratura, mas o osso se curva)
Características das Fraturas

COMINUÇÃO: uma fratura cominutiva tem mais


de dois fragmentos. Um “fragmento borboleta” é
um pequeno fragmento ósseo no local da fratura
cominutiva.

DESLOCAMENTO: menciona a localização do


fragmento distal em relação ao proximal ( dorsal,
ventral, mediano, lateral).
FRATURA COMINUTIVA
Tórus
FRATURAS INCOMPLETAS

Plástica
Galho verde

Lado não afetado


Para comparação!!
AS INCIDÊNCIAS COMPLEMENTAM - SE
AS INCIDÊNCIAS COMPLEMENTAM - SE
CLASSIFICAÇÃO DE SALTER-HARRIS
A classificação de Salter-Harris é utilizada para classificar fraturas ósseas
que afetam a cartilagem de crescimento do osso. Após o crescimento
completo do osso, a classificação não é mais utilizada.
Tipo I : Somente a placa de crescimento está envolvida, a metáfise e a
epífise estão intactas.
Tipo II : A linha de fratura estende-se pela placa de crescimento e pela
metáfise, resultando em um fragmento ósseo na metáfise.
 Tipo III : A linha de fratura estende-se pela placa de crescimento e pela
epífise; a metáfise não é acometida. Uma porção da epífise é arrancada.
 Tipo IV : A linha de fratura acomete a placa de crescimento, a metáfise e a
epífise.
 Tipo V : Esmagamento da placa de crescimento sem sinal de fratura. Este é
o tipo mais raro (<1%) e compromete muito o crescimento da criança.
Fraturas

Sinais indiretos de fratura ao Rx – algumas fraturas sutis, sem


deslocamento e finas como um fio de cabelo podem não ser aparentes no
momento da lesão. Nestes casos, alguns sinais indiretos de fratura fornecem
indicações úteis ao diagnóstico.
Edema de partes moles.
Obliteração ou deslocamento das linhas de gordura.
Reação periosteal ou endosteal.
Derrame articular.
Nível gordura-líquido intra- capsular.
Linha cortical dupla.
Ângulos metafisários irregulares.
SINAL DA VELA
NÍVEL DE GORDURA
FRATURAS OCULTAS

DEFINIÇÃO:
É uma fratura que está presente, mas não é visível na radiografia. Tais
fraturas estão freqüentemente associadas com sintomas, apesar da
radiografia normal.
Locais mais freqüentes de fraturas ocultas:
Escafóide
Sacro
Colo femoral
Em 7 à 10 dias após o trauma uma linha luscente pode ser
identificada.
A Ressonância Nuclear Magnética e a Cintilografia óssea podem
diagnosticar mais precocemente.
OBS: Fraturas do colo femoral em idosos.
FRATURAS
FRATURAS
FRATURAS
ALINHAMENTO DOSFRAGMENTOSDA
FRATURA

 Deslocamento: medial, lateral, anterior, posterior ou


sem deslocamento.
ALINHAMENTO DOSFRAGMENTOSDA
FRATURA

 Encurtamento (cavalgamento) e afastamento.


ALINHAMENTO DOSFRAGMENTOSDA
FRATURA

 Encurtamento (cavalgamento).
ALINHAMENTO DOSFRAGMENTOSDA
FRATURA

 Avulsão óssea
DIREÇÃODA LINHA DEFRATURA

 Transversais

 Oblíquas

 Espirais

 Longitudinais
APRENDIZADO

 1º:completa ou incompleta. Sefor completa, simples


ou cominutiva.

 2º:alinhamento da fratura-lateral ou medial; anterior


ou posterior.

 3º:direção da fratura-transversal, longitudinal, oblíqua


ou espiral. Se for cominutiva, não pode ser classificada
quanto a direção.

 4º: cavalgamento, afastamento ou avulsãoóssea.


TRATAMENTO
FRATURAS
FIXAÇÃOINTERNA
FIXAÇÃOINTERNA
Profº Marcos V. Luz
Pro HerculysDouglas
TRAUMA ORTOPÉDICO
TRAUMA ORTOPÉDICO
TRAUMA ORTOPÉDICO
HUT
HUT
HUT
HUT
HUT
REFERÊNCIAS
BIASOLI, Antonio junior. Técnicas Radiográficas: Princípios Físicos, Anatomia Básica e
Posicionamentos. Rio de Janeiro: Rubio, 2006.

BRONTRAGER, K. L. Tratado de Posicionamento e Anatomia Associada. São Paulo: Elsevier,


2005.

MARCHIORI, Edson ; CUNHA, M. L. S. e Santos, M. L. O. . INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA. Rio


de Janeiro: GUANABARA KOOGANS.A, 2009.

TILLY JR, J. G. . FÍSICA RADIOLÓGICA. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

NOBREGA, A.I. .TECNOLOGIA RADIOLOGICA E DIAGNOSTICO por IMAGEM. São Paulo:


Difusão, 2010. Vol. 4.

WESTBROOK, Catherine. Ressonância Magnética: aplicações e práticas. São Paulo: Koogan,


2013.

MCKINNIS, Lynn N. Fundamentos da Radiologia Ortopédica. São Paulo: Editorial Premier, 2004.

SZEJNFELD,Jacob. O impacto do Diagnóstico por Imagem. Revista Imagem, n. 25, p.5, jul.
set. 2012.