Você está na página 1de 23

Direito Ambiental

Prof. Cláudio Rocha


INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)

 I – Estabelecimento de padrões de qualidade ambiental (Art. 9, I)


Definição de parâmetros toleráveis para as atividades humanas: Definição de poluição: “A
degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente: e)
lancem matérias ou energias em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos” (Lei
6.938/81, art. 3º).

 No Brasil, os padrões de qualidade ambiental são fixados por Resoluções do CONAMA, que, no
exercício de sua função deliberativa (normativa), é o órgão que detém competência legal e
técnica para tanto, conforme indica o art. 8º, VI e VII da Lei 6.938/81.

Exemplos de fixação de padrões ambientais:

1. CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PRONAR RESOLUÇÃO CONAMA nº 382 de 2006;

2. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes - RESOLUÇÃO No 430,


DE 13 DE MAIO DE 2011
V - Efluente: é o termo usado para caracterizar os
despejos líquidos provenientes de diversas
atividades ou processos;

IX - Lançamento direto: quando ocorre a condução


direta do efluente ao corpo receptor;

Art. 5º Os efluentes não poderão conferir ao corpo


receptor características de qualidade em desacordo
com as metas obrigatórias progressivas,
intermediárias e final, do seu enquadramento.
Resolução CONAMA N. 357/05 – EMISSÁRIOS MARÍTIMOS

ART. 34: “Os efluentes de qualquer fonte poluidora somente


poderão ser lançados, direta ou indiretamente, nos corpos de
água desde que obedeçam as condições e padrões previstos
neste artigo ...:” -pH entre 5 a 9; -Temperatura inferior a 40°C,
sendo que a variação de temperatura no corpo receptor não
deverá exceder a 3°C na zona de mistura; -materiais
sedimentáveis: até 1mL/L em teste de 1 hora em cone Imhoff; -
óleos e graxas: 1 – óleos minerais: até 20 mg/L; 2 – óleos
vegetais e gorduras animais: até 50 mg/L; -ausência de
materiais flutuantes; -Tabela X – Lançamento de efluentes
(parâmetros inorgânicos e orgânicos)
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)
 II - Zoneamento Ambiental (Art. 9, II);
Definição: Também chamado de Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) tem

como objetivo viabilizar o desenvolvimento sustentável a partir da

compatibilização do desenvolvimento socioeconômico com a conservação

ambiental. Este mecanismo de gestão ambiental consiste na delimitação de

zonas ambientais e atribuição de usos e atividades compatíveis segundo as

características (potencialidades e restrições) de cada uma delas. O objetivo é o

uso sustentável dos recursos naturais e o equilíbrio dos ecossistemas existentes.

(oceo.org).

É De responsabilidade de todos os entes que compõem a Federação Brasileira: UN, DF, Est. Mun.;

Ex. Proibição da expansão das lavouras de cana de açúcar no Pantanal e Amazônia Legal.
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)
 II - Zoneamento Ambiental (Art. 9, II);
Definição de PAULO AFFONSOO LEME MACHADO:

“Zoneamento consiste em dividir o território em parcelas nas quais se autorizam determinadas


atividades ou interdita-se, de modo absoluto ou relativo, o exercício de outras atividades” (Dir.
Ambiental Brasileiro, 2016, pág. 245.

ZONEAMENTO E TEORIA DA PRÉ-OCUPAÇÃO

A teoria da Pré-ocupação estrutura-se na ideia de que o proprietário ou possuidor, que se afixa


primeiramente na região, estabelece certos padrões sociais de habitação, sendo estes
investigados como base de aferir a normalidade da atuação do proprietário contíguo, que se
constitui posteriormente. Maria Helena Diniz acrescenta ainda que “aquele que se instala depois
de estabelecido um certo uso pelo proprietário contiguo, não poderá alterar esse estado de
coisa.” (DINIZ, 2014, p.313)
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)
“ não se pode aceitar, integral e absolutamente, a teoria da pré ocupação, pois que a

anterioridade ocupação não tem condão de paralisar toda propriedade nova ,

sujeitando o que chega posteriormente e se transforma com tudo, hipótese em que

se teria uma servidão e não restrição aos jura vicinitstis.” (DINIZ, op. Cit)

Silvio de Salvo Venosa defende que o absolutismo no direito de propriedade, há

tempos foi afastado, dessa forma, a teoria da Pré-ocupação também não conferiria

um direito absoluto ao proprietário que chegou primeiro ao local

“Não é pelo fato de uma indústria ter-se instalado em local ermo, posteriormente

urbanizado, que lhe dará o direito de emitir gases poluentes, sem a devida

filtragem, por exemplo.” (VENOSA, 2013, p.287)


INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)
 III - Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) - (Art. 9, III)

Definição: Instrumento da PNMA, formado por um conjunto de procedimentos


que visam, primeiramente, autorizar ou não o empreendimento. Em um segundo
momento, exigir do empreendedor as medidas necessárias para mitigar ou
compensar os efeitos negativos ao ecossistema. (R. THOMÉ)

AIA – Avaliação de Impacto Ambiental é gênero de uma série de estudos, a saber:

1. EIA – (Art. 225, CT/88);


2. Plano de Impacto;
3. Relatório Ambiental;
4. Plano de recuperação de área degradada (PRAD)
5. Relatório ambiental preliminar;
6. Diagnóstico ambiental;
7. Análise preliminar de risco;
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)

Parecer
favorável ao
projeto
Estudo de Avaliação
Impacto (Juízo de
Ambiental Valor)
Parecer
desfavorável
ao projeto

A função do procedimento da avaliação não é influenciar as decisões administrativas a favor


das considerações ambientais, em detrimento das vantagens econômicas e sociais que o
projeto possa representar. Seu objetivo é fornecer à ADM PUB uma base séria de informações
técnicas, a fim de que ela possa sopesar os interesses em jogo.
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)
EIA – ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL & RIMA – RELATÓRIO DE IMPACTO

AMBIENTAL

Art. 3º- A licença ambiental para empreendimentos e atividades consideradas

efetiva ou potencialmente causadoras de significativa degradação do meio

dependerá de prévio estudo de impacto ambiental e respectivo relatório

de impacto sobre o meio ambiente (EIA/RIMA), ao qual dar-se-á publicidade,

garantida a realização de audiências públicas, quando couber, de acordo com a

regulamentação. (RESOLUÇÃO CONAMA 237/97)

***Definição de acordo com a resolução 01/86 – CONAMA


INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)
FASES DO PROCEDIMENTO DE ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL

1. A primeira fase é a fase preliminar do planejamento da atividade, quando o proponente do


projeto manifesta sua vontade de realizar o empreendimento e procura o Poder Público para
obter diretrizes e instruções adicionais;

2. A segunda fase é a das atividades técnicas da equipe multidicisplinar, quando se realiza o


estudo de impacto ambiental propriamente dito;

3. Elaboração do relatório de impacto ambiental – RIMA, que traduz o resultado das


atividades técnicas do estudo de impacto ambiental em linguagem acessível;

4. Apreciação do órgão competente, que julgará da viabilidade ambiental do projeto ou de


alternativas propostas, concluindo por aprová-lo, com outorga da Licença de Instalação;

5. Possibilita, após as verificações necessárias, o início da atividade licenciada com a


concessão da Licença de Operação;
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)
 Algumas observações sobre o EIA – RIMA:

 O RIMA deve conter:


1. Diagnóstico ambiental sobre a área de influência do projeto;
2. Análise completa dos impactos e as alternativas;
3. Definição de medidas mitigadoras;
4. Elaboração de programa de acompanhamento dos riscos;

 As despesas correm por conta do empreendedor;


 Poderá ser feito por empresa de consultoria (Cadastro Técnico Federal de
Atividades) Art. 17, Lei 6.938/81
 O EIA – RIMA não vincula a decisão do órgão ambiental;
 O RIMA deverá ser amplamente publicado (princípio da informação);
 Poderá ser designada Audiência Pública (MP, + 50 cidadãos, etc.)
 Lei de Crimes Ambientais (Art. 69-A)
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)

 IV - Licenciamento Ambiental - (Art. 9, IV)

Definição: É um importante instrumento da gestão ambiental, na

medida em que, por meio dele, o Poder Público exerce o controle

prévio sobre atividades que possam de alguma forma impactar o meio

ambiente, buscando com isso a implementação dos princípios do

desenvolvimento sustentável, da prevenção e da precaução. (R.

THOMÉ)
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)

 V - Criação de espaços territorialmente protegidos - (Art.


9, VI)
Constituição: (Art. 225) “§ 1º Para assegurar a efetividade desse direito,
incumbe ao Poder Público: III - definir, em todas as unidades da Federação,

espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos,

sendo a alteração e a supressão permitidas somente através de lei, vedada

qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem

sua proteção;”

Ex.: APP – Área de preservação permanente (Art. 3º Código Florestal – Lei

12.651/2012;
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)

 V - Criação de espaços territorialmente protegidos - (Art. 9,


VI)
Art. 3o Para os efeitos desta Lei, entende-se por:

I - AMAZÔNIA LEGAL: os Estados do Acre, Pará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Amapá e Mato
Grosso e as regiões situadas ao norte do paralelo 13° S, dos Estados de Tocantins e Goiás, e ao
oeste do meridiano de 44° W, do Estado do Maranhão;

II - ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP: área protegida, coberta ou não por vegetação
nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade
geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar
o bem-estar das populações humanas;

III - RESERVA LEGAL: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada
nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos
recursos naturais do imóvel rural, auxiliar a conservação e a reabilitação dos processos ecológicos
e promover a conservação da biodiversidade, bem como o abrigo e a proteção de fauna silvestre
e da flora nativa;
INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)

Amazônia Legal – 61% do território brasileiro)


INSTRUMENTOS DA PNMA (Lei 6.938/1981)

INSTRUMENTOS ECONÔMICOS (ART. 9, XIII Lei 6.938/81)

CONCEITO: Instrumentos econômicos são iniciativas de proteção à integridade do sistema ambiental


global. Tais instrumentos podem envolver pagamento, compensação ou concessão de benefícios fiscais. O
objetivo principal é incentivar aqueles que ajudam a conservar ou produzir serviços ambientais a
conduzirem práticas cada vez mais adequadas que assegurem a conservação e a restauração dos
ecossistemas, atribuindo à conservação obtida um valor monetário. (www.brasil.gov.br)

Constam da lista presente na Lei 6.938/1981 (PNMA)

Art 9º - São instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente:


(...)
XIII - instrumentos econômicos, como concessão florestal, servidão ambiental, seguro ambiental e
outros.
Tratam-se de mecanismos complementares à atuação do Poder Público;
EXEMPLOS DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS

 Lei 11.196/2005

REGULA A QUESTÃO DOS INCENTIVOS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Art. 17. A pessoa jurídica poderá usufruir dos seguintes incentivos fiscais:

I - dedução, para efeito de apuração do lucro líquido, de valor correspondente à soma dos dispêndios realizados
no período de apuração com pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica classificáveis
como despesas operacionais pela legislação do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica - IRPJ ou como
pagamento na forma prevista no § 2o deste artigo;

II - redução de 50% (cinqüenta por cento) do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI incidente sobre
equipamentos, máquinas, aparelhos e instrumentos, bem como os acessórios sobressalentes e ferramentas que
acompanhem esses bens, destinados à pesquisa e ao desenvolvimento tecnológico;
EXEMPLOS DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS

 Lei 12.187/2009

INSTITUI A POLÍTICA NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA - PNMC

Art. 2o Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área
específica e num período determinado;
V - gases de efeito estufa: constituintes gasosos, naturais ou antrópicos, que, na atmosfera,
absorvem e reemitem radiação infravermelha;

Art. 6o São instrumentos da Política Nacional sobre Mudança do Clima:


VI - as medidas fiscais e tributárias destinadas a estimular a redução das emissões e remoção
de gases de efeito estufa, incluindo alíquotas diferenciadas, isenções, compensações e
incentivos, a serem estabelecidos em lei específica;
EXEMPLOS DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS

 Lei 12.651/2012

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO

Art. 44. É instituída a Cota de Reserva Ambiental - CRA, título nominativo


representativo de área com vegetação nativa, existente ou em processo de
recuperação:

As Cotas de Reserva Ambiental (CRAs) são títulos que representam de uma área de
cobertura vegetação natural em uma propriedade que podem ser usados para compensar
a falta de Reserva Legal em uma outra. Cada cota corresponde a 1 hectare (ha) e elas
podem ser criadas por proprietários rurais que tenham excesso de reserva legal para que
negociem com produtores com menos área de reserva que o mínimo exigido. (oeco.org.br)
EXEMPLOS DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS

As cotas são consideradas uma resposta inteligente na resolução do


enorme passivo ambiental brasileiro, já que possibilitam a criação de um
mercado promissor de ativos ambientais, de compra e venda de CRAs. As
cotas podem ser vendidas para aqueles que precisam compensar a
Reserva Legal, sendo assim uma fonte de renda extra para quem as cria
e vende.

Trata-se de negócio jurídico com algumas condicionantes:

1. As cotas para compensação devem ser do mesmo bioma e Estado da


Federação;

2. O vendedor ainda será o proprietário/possuidor da área e deverá


conservar e cuidar das CRAs durante todo o período contratual;

3. Exemplo de intermediador do negócio: www.bvrio.org


EXEMPLOS DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS

 Lei 12.305/2010

INSTITUI A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Alguns dos principais mecanismos

Art. 3o Para os efeitos desta Lei, entende-se por:


XVII - responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos: conjunto de
atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores
e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza
urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e
rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à
qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei;
EXEMPLOS DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS

 Lei 12.305/2010

LOGÍSTICA REVERSA (Art. 3º)

XII - logística reversa: instrumento de desenvolvimento


econômico e social caracterizado por um conjunto de
ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a
coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor
empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou
em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final
ambientalmente adequada;