Você está na página 1de 12

CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI – UNIASSELVI

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO
OS DESAFIOS ENFRENTADOS PELO PROFESSOR

Discente: Sônia Helena Castilho dos Santos


Tutora: Irlane Vieira Mata
Este Trabalho de Conclusão de Curso está organizado em seis tópicos:
1. INTRODUÇÃO

2. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

3. COMO SE DÁ A APRENDIZAGEM

4. METODOLOGIA

5. DISCUSSÃO

5.1. OS DESAFIOS ENFRENTADOS PELO PROFESSOR

5.2. USO DA TECNOLOGIA EM SALA DE AULA

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
INTRODUÇÃO

• Por muitas décadas, psicólogos e outros profissionais envolvidos com o “ato de educar”
procuram descobrir como se aprende.

• Durante o processo de alfabetização aparecem muitos questionamentos. Dentre eles está o


de como o educador pode escolher o melhor método de ensino/aprendizagem e de que
forma deve aplicá-lo para obter sucesso durante a alfabetização de uma criança.

• O Processo de alfabetização tem gerado enorme desafio aos professores alfabetizadores e


à sociedade que busca um ensino de qualidade nas instituições de ensino, seja nas escolas
públicas ou privadas.
OBJETIVO

 Abordar os principais métodos utilizados durante o


processo de alfabetização e as dificuldades encontradas
pelo professor alfabetizador em sala de aula.
1. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

• A alfabetização se constitui como um direito social.

• Para Emília Ferreiro(2001), a alfabetização é um processo que tem seu início antes
da entrada do alfabetizando na escola.

• O conceito de letramento surge em meados de 1980, só que no Brasil esse termo


ganha destaque em 1990.

• De acordo com Magda Soares(2003), a palavra letramento é de uso ainda recente e


significa o processo de relação das pessoas com a cultura escrita.
2. COMO SE DÁ A APRENDIZAGEM

• Emília Ferrero(200) defende que a aprendizagem da língua escrita requer um esforço


cognitivo.
• De acordo com Vygotsky(1998), a aprendizagem é o resultado da interação do aprendiz
com o ambiente através da sua experiência.
• Para Maldonado (1994), o professor pode reconhecer quando um processo de
construção do conhecimento está sendo efetivo.
• Mortatti (2010) lembra que a alfabetização é um processo complexo, sendo
fundamental a colaboração de todos para que a criança desenvolva ao máximo suas
habilidades.
4 METODOLOGIA

• Pesquisa bibliográfica de vários autores, principalmente dos que


escreveram sobre o processo de alfabetização.

• A revisão bibliográfica permitiu obter uma resposta aos objetivos


propostos.

• Utilizamos como metodologia a abordagem qualitativa e descritiva.


5 DISCUSSÃO

5.1 OS DESAFIOS ENFRENTADOS PELO


PROFESSOR

• Quando nos remetemos ao ambiente escolar, deparamo-nos, muitas vezes,


com dificuldades enfrentadas pelos docentes.
• A falta de investimento em educação é uma realidade enfrentada por
professores e reflete no ensino em sala de aula.
• As barreiras no processo de aquisição do conhecimento, cada vez mais, são
também atribuídas por educadores e pedagogos às causas externas.
5.2 USO DA TECNOLOGIA EM SALA DE AULA

• A criança, por natureza, gosta de brincar, e tudo que lhe vêm à mão torna um
brinquedo.
• O Lúdico entra como um recurso para a aprendizagem, facilitando a atuação da criança
na tarefa de construção de significados, sobre o aprendizado dos conteúdos.
• Hoje, com o auxílio das novas tecnologias de comunicação e informação o espaço da
sala de aula e a relação de aprendizagem assumiram características diferentes.
• Ao usar os meios tecnológicos e seus suportes diferenciados, o professor pode
contribuir para a constituição de sujeitos aptos a interagir com o mundo e a assumir
posições comprometidas nos múltiplos espaços virtuais.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• Podemos notar que o processo de ensino e aprendizagem não é algo simples,
ele engloba diversas medidas que devem ser tomadas ou evitadas para que o
aprendizado do aluno realmente aconteça.
• É necessário, assim, que o professor realize um planejamento de suas aulas
levando em consideração as necessidades dos alunos, a melhor maneira de
aplicar um conteúdo.
• Por fim, acreditamos que é possível, sim, atingir a qualidade na educação
das classes de alfabetização.
REFERÊNCIAS
AURELIO, minidicionário da língua portuguesa.4ª edição revista e ampliada do mini-aurélio. 7ª impressão – Rio de
Janeiro,2002.
BARBATO, Silviane. [1963] Integração de crianças de seis anos ao ensino fundamental. São Paulo: Parábola Editorial,
2008.
Bakhtiniana, São Paulo, 9 (2): 35-51, Ago./Dez. 2014.
BRANDÃO, C.R. O que é o método Paulo Freire. São Paulo: Brasiliense, 2004.
BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi; ROSA, Ester Calland de Sousa. Ler e escrever na Educação Infantil: discutindo práticas
pedagógicas. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2010.
FERREIRO, Emilia. Cultura escrita e educação: conversas de Emilia Ferreiro com José Antonio Castorina, Daniel Goldin e
Rosa MariaTorres. Porto Alegre: ARTMED, 2001.
FERREIRO, Emilia. Reflexões Sobre Alfabetização. São Paulo: Cortez, 2000. 104p.
FREIRE, P.; BETTO, F. Essa escola chamada vida: depoimentos ao repórter Ricardo Kotscho. 11. ed., 3. imp. São Paulo:
Ática, 2001.
GREIG, P. A criança e seu desenho: o nascimento da arte e da escrita. Tradução de Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed,
2004. 248 p.
GARCIA, Regina Leite. Alfabetização das classes populares, ainda um desafio (org.), Amme Marie Milon Oliveira (etal) –
5ªed. São Paulo, Cortez, 2001.
IMBERNÓN, F. (Org.) A educação no século XXI. Porto Alegre: ARTMED, 2000 p. 80. Op.cit. (2000, p.85).
JALLEY, É. Introdução. In: WALLON, H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
LIBÂNEO, J. C. O processo de ensino na escola. São Paulo: Cortez, 1994. P. 77-118.
MALDONADO, Maria Tereza. Aprendizagem e afetividade. Revista de Educação AEC, v.23, n.91, p.37-44, 1994.
OLIVEIRA, M.S. Glícia Azevedo Tinoco, Ivoneide Bezerra de Araújo Santos. – Natal: EDUFRN,.Projetos de letramento e
formação de professores de língua materna. 2014.
POERSH, J. M.- Suportes linguísticos para a alfabetização, 2ª edição, Porto Alegre, Sagra, 1990.
ROMANATTO, Mauro Carlos; VIVEIRO, Alessandra Aparecida. Alfabetização Científica: um direto de aprendizagem. In.
BRASIL, Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Ciências da Natureza no Ciclo de Alfabetização. Caderno 08 /
Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. – Brasília: MEC, SEB,
2015.
SASSERON, Lucia Helena; CARVALHO; Anna Maria Pessoa de. Alfabetização Cientifica: Uma Revisão Bibliográfica:
Investigações em Ensino de Ciências – v16(1), pp.59-77,2011.
SILVA, Aurea Pereira. A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM, 2005.
SILVA, L. L. M. da; FERREIRA, N. S. de A. Um livro, um evento, um tema: a alfabetização. In: SILVA, E. T. da (org.).
Alfabetização no Brasil: questões e provocações da atualidade. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.
SILVA, Maria Emília Pereira da. Burnout: por que sofrem os professores?.Estudos e pesquisas em psicologia, Rio de Janeiro,
v. 6, n. 1, jan./jul. 2006. Disponível em: . Acesso em: jun. 2017.
TAFNER, Elisabeth Penzlien; DA SILVA, Everaldo. Metodologia do Trabalho Acadêmico. Indaial: ASSELVI, 2008.
VYGOTSKY, Lev. Semenovich. Uma Educação Dialética. Revista Viver Mente e Cérebro. Educação memória da Pedagogia
Pensamento e Linguagem 2ªed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
VYGOSTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. Martins Fontes - São Paulo. 5ª edição, 1994.
WALLON, H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007
ZANCHET, Beatriz Maria Boéssio Atrib. Ensino e Pesquisa: Desafios e Possibilidades para Docentes Universitários Iniciantes.
Revista Inter-ação; Volume 36; Nº 2; Goiânia, 2011.