Você está na página 1de 32

Faculdades Integradas de Jacarepaguá

Profª: Daniela Pinto


Disciplina: Embriologia e Histologia

Sistema Reprodutor
e Gametogênese
Constituição geral do corpo

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Fatores gerais da variação

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Idade: Tempo decorrido ou duração de vida
a) Fase intra-uterina:
Ovo – 15 primeiros dias
Embrião – até o fim do 2º mês
Feto – até o 9º mês
b) Fase extra-uterina
Recém-nascido – até 1º mês após nascimento
Infante – até o fim do 2º ano
Menino – até o fim do 10º ano
Pré-púbere – até a puberdade
Púbere –dos 12 aos 14 anos ( ≠ em ♂ e ♀ )
Jovem – até 21 anos ♀ e 25 ♂
Adulto – até a menopausa (castração fisiológica natural: 50 anos ♀, 60 anos ♂
Velho – acima dos 60 anos
Embriologia

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Embriologia – Fase intra-uterina

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Óvulo
Óvulo rodeado de espermatozóide

Espermatozóide tentando penetrar

Zigoto
Embriologia – Fase intra-uterina

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Embriologia

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Desenvolvimento das estruturas femininas e masculinas

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Ambos evidenciam a presença de:

Um par de gônadas;

Um par de canais que transportam as células sexuais;

Um aparelho reprodutor externo.


Aparelho reprodutor masculino

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Testículos

Epidídimo

Canal deferente

Próstata

Vesícula seminal

Uretra

Pênis
Características do Sêmen

Sistema Reprodutor e Gametogênese


1. Volume ………………………..……………………….2.0 a 6.0 mL
2. Espermatozóides ……....……………30 a 250 milhões/mL
a. >60% móveis b. algumas formas anômalas
3. Composição química:
a. Frutose ……………………............………………………….12.0 mM
b. Piruvato ……………………………….............…………….. 3.9 mM
c. Citrato ………………………………………………............. 20.0 mM
d. Lipídeos totais ……………………..............…………….. 1.88 g/L
e. Na ……………………………………………….......….100-133 mEq/L
f. K ……………………………….........……………………...17-27 mEq/L
g. Ca ……………………………………........…………………5.3-7.2 mM
h. Proteínas totais ……………………….................….. 33-77 g/L
j. Prostaglandinas (PGE) …………………..............…... 53 mg/L
k. pH …………………………………………………….........….6.90-7.36
Mecanismo de ereção

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Quando o cérebro recebe um estímulo sexual, as células do corpo cavernoso
do pênis liberam óxido nítrico. Este óxido ativa uma enzima, resultando no
aumento do nível de uma molécula chamada GMPc (guanosina monofosfato
cíclica) produzindo relaxamento da musculatura lisa nos corpos cavernosos e
aumentando o influxo de sangue. Mas a enzima PDE 5 (fosfodiesterase 5) pode
estragar tudo, inativando a GMPc. Quando isso ocorre, a mesma quantidade de
sangue que entra, sai do pênis e ele não fica ereto o suficiente para a penetração
da vagina.

VIAGRA: com o Viagra, entra em ação o princípio ativo sildenafil, que bloqueia o
mecanismo da PDE 5. Com isso, a GMPc volta a entrar em ação. Desse modo, os
vasos do corpo esponjoso se dilatam para o sangue entrar até o ponto de
expandir o tecido erétil e comprimir as veias que fazem o sangue sair do pênis.

Assim, a droga prolonga a ereção, resolvendo o drama da impotência. Mas o


estímulo sexual, que inicia todo o processo, é fundamental para a ereção.
Espermatogênese

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Na puberdade, com o início da atividade
hormonal, os testículos serão responsáveis
pela espermatogênese, que representa a
gametogênese masculina (cerca de 48h).
Espermatogênese

Sistema Reprodutor e Gametogênese


A espermatogênese pode ser dividida em três períodos
distintos:

Fase de Multiplicação: Ocorre, a partir dos seis ou sete anos de


idade, quando as espermatogônias diplóides se dividem por
mitoses sucessivas.

Fase de Crescimento Celular: Inicia-se a partir da puberdade, sob


estímulo dos hormônios gonadotróficos. As espermatogônias
localizadas nos túbulos seminíferos passam a aumentar de
volume, nutridas pelas células de Sertoli, caracterizando um
curto período de crescimento.

Fase da Maturação: Nesta fase, o espermatócito primário sofrerá


uma divisão meiótica reducional (meiose I), originando dois
espermatócitos secundários ou de segunda ordem.
Espermatogênese

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Células germinativas (2n)

Mitoses

Período
germinativo 2n

Mitose

2n 2n Espermatogônia

Período de Crescimento
crescimento sem divisão 2n
celular

Meiose Espermatócitos II (n
cromossomos
Período de n n duplicados)
maturação

Espermátides (n)
n n n n

Período de
diferenciação Espermatozóides
n n n n
Espermatogênese

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Portanto, cada espermatócito primário diplóide que participa
da espermatogênese origina, ao final do processo, quatro
espermatozóides haplóides. Isso justifica o grande número de
espermatozóides encontrados no esperma, em cada ejaculação,
com um número oscilante entre 300 a 500 milhões.
Durante a ejaculação os espermatozóides são propelidos ao
longo dos vasos deferentes e uretra e são misturados com
secreções provenientes das vesículas seminais, próstata e
glândulas bulbouretrais.
Dos milhões de espermatozóides que são depositados na
vagina, mas apenas algumas centenas atingirão as tubas uterinas,
onde podem manter a sua capacidade fertilizante por até 3 dias.
Espermatozóide

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Capacitação: etapa final da maturação do espermatozóide. Consiste de
alterações na região do acrossoma, preparando-o para penetrar na zona
pelúcida, uma camada de glicoproteínas que recobre o ovócito. Ocorre dentro
do aparelho genital feminino e requer contato com secreções da tuba uterina.

Na fertilização in vitro os espermatozóides são artificialmente capacitados.


Aparelho reprodutor masculino - hormônios

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Aparelho reprodutor masculino - hormônios

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Glândula Hormônios Órgão- alvo Principais ações

Hipófise FSH e LH Estimulam a produção de


testosterona pelas células de
Leydig (intersticiais) e controlam a
produção de espermatozóides nas
células de sertoli.

Testículos Testosterona Diversos Estimula o aparecimento dos


caracteres sexuais secundários.

Sistema Induz o amadurecimento dos


reprodutor órgãos genitais, promove o
impulso sexual e controla a
produção de espermatozóides
Aparelho reprodutor feminino

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Tubas uterinas Ovidutos

Ovário

Ovário Ligamento dos ovários


Útero

Colo do útero

Aparelho
reprodutor
Vagina feminino
Aparelho reprodutor feminino

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Perimétrio
Miométrio

Endométrio

Colo do útero
Vulva – Porção externa do aparelho reprodutor feminino

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Grandes lábios

Formações cutâneas que circundam os


pequenos lábios e unem-se
anteriormente para formar o monte de
vênus.

Pequenos lábios

Duas pregas cutâneas de coloração


rósea, situadas por dentro dos grandes
lábios.

Abertura da uretra

Orifício para saída da urina

Clitóris

Pequena saliência arredondada e erétil.


Possui função de estimulo sexual.
Ovulogênese

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Seqüência de eventos através dos quais as células germinativas
primitivas, denominadas ovogônias se transformam em ovócitos
maduros. Tem início antes do nascimento e termina após a
maturação sexual.
Após o nascimento as ovogônias já se diferenciaram em
ovócitos primários (cuja meiose está interrompida em prófase I),
que são envolvidos por uma camada única de células epiteliais
achatadas constituindo o folículo primordial.
Na puberdade, o ovócito cresce e as células foliculares tornam-
se cubóides e depois colunares formando o folículo primário. O
ovócito passa a ser envolvido por uma camada de glicoproteínas
chamado zona pelúcida. Quando adquire mais uma camada de
células foliculares passa a se chamar folículo secundário ou em
maturação.
Ovulogênese

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Células germinativas (2n)

Ovogônias (2n)
2n
Período
germinativo Mitose
Vida intra-uterina
2n Ovogônias (2n)
2n

Crescimento
Período de
sem divisão 2n Ovócito I (2n)
crescimento
celular Meiose I

Primeiro glóbulo polar (n


Ovócito II (n Puberdade
n n cromossomos duplicados)
cromossomos
Período de duplicados)
Meiose II
maturação
Óvulo (n) n n n n glóbulos polares (n)
Fecundação
São formados
eventualmente
Ovulação

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Ovulação

Sistema Reprodutor e Gametogênese


A ovulação começa no início da puberdade, geralmente
com a maturação de um folículo por mês retomando o
processo que ocorreu antes do nascimento da menina.
A longa duração da primeira divisão meiótica, até 45 anos,
pode ser responsável pela freqüência relativamente alta de
erros na meiose.
A primeira divisão meiótica se completa um pouco antes
da ovulação, com a maturação do folículo – a divisão de
citoplasma é desigual.
Ovulação

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Na fase de maturação, cada ovócito I (diplóide) dá, por
meiose I (reducional) duas células haplóides: o ovócito II
(secundário), relativamente grande, e o 1º glóbulo polar, de
tamanho reduzido.
Logo a seguir, o ovócito II se divide por meiose II (equacional),
dando duas células também diferentes em tamanho: ovótide,
bem desenvolvida, e o 2º glóbulo polar, muito menor. Essa fase
acontece caso venha a ocorrer a fecundação. Algumas vezes, o 1º
glóbulo polar também se divide por meiose II. A ovótide se
transforma em óvulo.
Portanto, cada ovócito I dará origem a um óvulo e a três
glóbulos polares, geralmente estéreis.
Ovulação

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Ovulação

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Ovulação

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Gametas

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Fecundação

Sistema Reprodutor e Gametogênese


Fecundação Trompa de falópio

Ovário

Ovulação Útero
Zona pelúcida
Cervix
Células foliculares Vagina

Grânulos

Fusão dos núcleos Zigoto


Sistema Reprodutor e Gametogênese

Sistema Reprodutor e Gametogênese