Você está na página 1de 27

A extensão do cânon do

Muitos livros foram escritos na época dos


apóstolos e pós-apostólica.

Com o tempo... surge a necessidade de “peneirar”


essas obras.

Quais livros deveriam ser aceitos? Quais deveriam


ser rejeitados?
Esse processo de aceitação e rejeição...
processo de canonização

Cânon vem do grego Kânon e significa “cana”,


“régua”

Hoje veremos...
 Aceitos por todos (homologoumena)

 Rejeitados por todos (pseudepígrafos)

 Questionados por alguns (antilegomena)

 Aceitos por alguns (apócrifos)


Aceitos por todos (homologoumena)
A maioria dos livros neotestamentários foi
aceita sem objeções desde o início.
Os livros aceitos sem objeções são conhecidos
como “homologoumena”.
Em geral, 20 dos 27 livros do Novo Testamento
são homologoumena.
Quais são eles?
Aceitos por todos (homologoumena)
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
São os livros surgidos nos séculos II e III,
considerados espúrios e heréticos.
Praticamente nenhum pai da igreja, cânon ou
concilio declarou sua canonicidade.
No que concerne aos cristãos, esses livros têm
principalmente interesse histórico.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
Esses livros foram rejeitados por causa dos erros teológicos:
Gnosticismo, condenação da matéria como má, Jesus não
teria se encarnado...
Muitos desses livros possuíam fantasia religiosa.
O número exato desses livros é difícil de apurar. Por volta do
século XIX, foram relacionados cerca de 280 obras.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
EVANGELHOS
O Evangelho de Tomé (século I) é uma visão gnóstica dos
supostos milagres da infância de Jesus.
O Evangelho de Pedro (século II) é uma falsificação docética
e gnóstica.
O Proto-Evangelho de Tiago (século II) é uma narração que
Maria faz do massacre dos meninos pelo rei Herodes.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
EVANGELHOS
O Evangelho de Nicodemos (séculos II ou V) contém os Atos de
Pilatos e a Descida de Jesus.
O Passamento de Maria (século IV) relata a assunção corporal
de Maria e mostra os estágios progressivos da adoração de
Maria.
O Evangelho de um Pseudo-Mateus (século V) contém uma
narrativa sobre a visita que Jesus fez ao Egito e sobre alguns dos
milagres do final de sua infância.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
ATOS
Os Atos de Pedro (século II) contêm a lenda segundo a qual
Pedro teria sido crucificado de cabeça para baixo.
Os Atos de João (século II) mostram a influência dos ensinos
gnósticos e docéticos.
Os Atos de André (?) são uma história gnóstica da prisão e da
morte de André.
Os Atos de Paulo apresentam um Paulo de pequena estatura,
de nariz grande, de pernas arqueadas e calvo.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
EPÍSTOLAS
A Carta atribuída a nosso Senhor é um suposto registro da resposta
dada por Jesus ao pedido de cura de alguém.

A Carta perdida aos coríntios (séculos II, III) é falsificação baseada em


1Coríntios 5.9, que se encontrou numa Bíblia armênia do século V.

As (Seis) Cartas de Paulo a Sêneca (século IV) é falsificação que reco-


menda o cristianismo para os discípulos de Sêneca.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
APOCALIPSES
Apocalipse de Pedro (também relacionado em "Apócrifos")
Apocalipse de Paulo
Apocalipse de Tome
Apocalipse de Estêvão
Segundo apocalipse de Tiago
Apocalipse de Messos
Apocalipse de Dositeu
Questionados por alguns (antilegomena)
De acordo com Eusébio, sete livros foram
questionados por alguns dos pais da igreja.
Até o século IV não haviam sido aceitos por todas
igrejas.
Foram Hebreus, Tiago, 2Pedro, 2 e 3João, Judas e
Apocalipse.
Questionados por alguns (antilegomena)
O problema básico a respeito da aceitação da maioria desses
livros foi a falta de comunicação entre o Oriente e o Ocidente a
respeito de sua autoridade divina.

A partir do momento em que os fatos se tornaram conhecidos,


a aceitação dos 27 livros do Novo Testamento foi imediata.
Questionados por alguns (antilegomena)
O problema básico a respeito da aceitação da maioria desses
livros foi a falta de comunicação entre o Oriente e o Ocidente a
respeito de sua autoridade divina.

A partir do momento em que os fatos se tornaram conhecidos,


a aceitação dos 27 livros do Novo Testamento foi imediata.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
HEBREUS
Foi basicamente a anonimidade do autor que suscitou
dúvidas sobre Hebreus.
O fato de os montanistas terem recorrido a Hebreus em
apoio a algumas de suas concepções errôneas fez demorar
sua aceitação nos círculos ortodoxos.
Ao redor do século IV, no entanto, sob a influência de
Jerônimo e de Agostinho, a carta encontrou seu lugar
permanente no cânon.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
TIAGO
A veracidade do livro de Tiago foi desafiada, tanto
quanto sua autoria.
O autor da carta atribuída a Tiago não afirma ser
apóstolo.
Também havia o problema do ensino a respeito da
justificação e das obras, conforme Tiago o apresenta.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
TIAGO
Até Martinho Lutero chegou a chamar Tiago de "carta
de palha", colocando-a no fim do Novo Testamento.
Em decorrência de Orígenes, Eusébio, Jerônimo e de
Agostinho, a carta veio a ser reconhecidas pela igreja
ocidental.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
2ª PEDRO
Nenhuma outra carta do Novo Testamento ocasionou
maiores dúvidas quanto à sua autenticidade.
Parece que Jerônimo entendeu o problema: afirmou
que a hesitação em aceitá-la deveu-se à dessemelhança
de estilo com a primeira carta do apóstolo.
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
APOCALIPSE
Esse livro havia sido considerado parte dos
antilegomena no início do século IV, pelo fato de alguns
haverem levantado dúvidas quanto à sua confiabilidade.
O debate em torno do Apocalipse provavelmente durou
mais que qualquer outro debate sobre outros livros
neotestamentários
Rejeitados por todos (pseudepígrafos)
APOCALIPSE
Atanásio, Jerônimo e Agostinho ergueram-se em
defesa do Apocalipse.
Aceitos por alguns (apócrifos)
Epístola do Pseudo-Barnabé (c. 70-79).
Essa carta, que teve ampla circulação no século I,
encontra-se no Códice Sinaítico.
Foi mencionada como Escritura tanto por Clemente de
Alexandria como por Orígenes.
Seu estilo é semelhante ao de Hebreus, mas seu
conteúdo é mais alegórico.
Aceitos por alguns (apócrifos)
Epístola aos coríntios (c. 96)
Encontra-se do Códice alexandrino (A), por volta de
450.
Eusébio nos informa que essa carta havia sido lida em
muitas igrejas.
Aceitos por alguns (apócrifos)
O pastor, de Hermas (c. 15-140)
Foi o livro não-canônico mais popular da igreja
primitiva.
Encontrava-se no Códice sinaítico (X), no sumário de
Beza (D), em algumas Bíblias latinas, sendo citado como
inspirado por, Irineu e por Orígenes.
Aceitos por alguns (apócrifos)
O didaquê, ou Ensino dos doze apóstolos (c. 100-120)
Essa obra primitiva também gozou de grande prestígio
na igreja primitiva.
Clemente de Alexandria a mencionava como Escritura,
e Atanásio afirma ser ela usada na instrução ou
catequese.
No entanto, Eusébio a colocou entre os "escritos
rejeitados“.
FIM