Você está na página 1de 57

Avaliação Nutricional da Criança

Prof.: Mariana Olival


Introdução
 O acompanhamento sistemático do crescimento e do
desenvolvimento infantil (CD) é de grande importância, pois
corresponde ao monitoramento das condições de saúde e nutrição
da criança assistida;
 Os índices antropométricos são utilizados como o principal critério
desse acompanhamento;
 O desequilíbrio entre as necessidades fisiológicas e a ingestão de
alimentos causa alterações físicas nos indivíduos, desde quadros de
desnutrição até o sobrepeso e a obesidade;
Caderneta de Saúde da Criança
 É o instrumento usado para orientar o monitoramento nutricional de crianças
menores de 10 anos;

 São anotadas e atualizadas as informações mais importantes sobre sua


história de saúde, como intercorrências, monitoramento do crescimento,
mediante os gráficos de peso por idade e estatura por idade, e o controle
das imunizações e suplementação medicamentosa de ferro, desde o
nascimento;
Caderneta de Saúde da Criança

Na clínica da Uniplan é utilizada a classificação em


percentil
Mas o que é percentil?
 Percentil (P) é a distribuição, em ordem crescente de frequência, dos valores
das medidas antropométricas dos indivíduos de uma determinada
população;

 Cada percentil representa a posição que aquele valor tem na distribuição


ordenada de valores;

 Ex.: Se uma criança é classificada como P10  Entre as crianças do seu


sexo e de sua idade, 10% têm peso inferior e 90% têm peso superior;

 P50  50% das crianças têm essa mesma medida  Por isso, considerado
o valor normal
E o Score-z?
 É a medida de quanto o indivíduo se afasta ou se aproxima da
mediana de referência;
 Essa distância é avaliada em frações (unidades) de desvios
padrão;
 Cada desvio-padrão de diferença da mediana corresponde a
uma unidade de escore Z;
E o Score-z?

 O valor 0 indica que a criança está no valor da mediana e é


considerado o ideal, sendo comparável ao P50;
 Quanto mais próximo dos valores extremos, menor sua chance
de ser “normal”;
 Em geral, considera-se valores entre +2 (=P97) e -2 (=P3)
como “normal”;
 Porém, é importante lembrar que pontos de corte a partir de
+1 e -1 representam risco para desvios nutricionais;
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação

Peso
 Para lactentes hospitalizados, deve ser obtido diariamente com
precisão de 0,01kg;
 Outras situações  precisão de 0,1kg;
 Lactentes devem ser pesados SEM FRALDA;
 A partir de 24 meses  balança de plataforma, precisão de
0,1kg, sem sapatos, com roupas leves;
 Crianças com edema  Não há medida antropométrica que seja
adequada para o diagnóstico do estado nutricional
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação

 Balança pediátrica  Suporte Pesagem  Balança


(< 2 anos) Infantil Antropomética
(> 2 anos)
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação
Estatura
 Crianças < 2 anos são medidas deitadas, com o auxílio da régua
antropométrica, em uma superfície plana (a medida é comprimento);
 A criança deve estar completamente despida e descalça, e o processo deve
contar com 2 examinadores (mãe e profissional);
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação

 > 2 anos devem ser medidas em pé, com estadiômetro


de parede (a medida é altura);
 O aparelho deve estar em uma parede lisa, sem rodapé
e posicionado à distância correta do chão;
 Criança deve estar descalça e ser colocada no centro do
equipamento, ereta, com braços estendidos ao longo do
corpo, a cabeça livre de adereços e erguida, olhando
para um ponto fixo na altura dos olhos;
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação

 O calcanhar, ombros e glúteos devem estar encostados no


antropômetro, as porções internas dos ossos dos calcanhares e
a parte interna do joelho devem se tocar e os pés devem ficar
unidos;
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação
Peso para idade (P/I)

 É o índice utilizado para a avaliação do estado nutricional,


principalmente para avaliação do baixo peso.

 Essa avaliação é muito adequada para o acompanhamento do ganho


de peso e reflete a situação global da criança; porém, não diferencia o
comprometimento nutricional atual ou agudo dos pregressos ou crônicos.

 Por isso, é importante complementar a avaliação com outro índice


antropométrico.

 Não deve ser utilizada quando há possibilidade de se medir a estatura;


Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação

Peso para Estatura (P/E)


 Este índice dispensa a informação da idade; expressa a
harmonia entre as dimensões de massa corporal e
estatura.
 É utilizado tanto para identificar o emagrecimento da
criança, como o excesso de peso.
 É um indicador apropriado para avaliação do EN;
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação

Estatura para idade (E/I)

 Expressa o crescimento linear da criança.

 É o índice que melhor indica o efeito cumulativo de situações adversas sobre


o crescimento da criança.

 No primeiro ano de vida, os principais fatores implicado nesse crescimento


são os nutricionais e ambientais (menores: genéticos e hormonais);

 A partir dos 2 anos de idade, é necessário diferenciar as crianças que


tiveram um retardo no crescimento vinculado à déficit nutricional anterior
daquelas geneticamente baixas;
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação

IMC para idade (IMC/I)


 É utilizado para identificar o excesso de peso entre crianças e tem
a vantagem de ser um índice que será utilizado em outras fases do
curso da vida;
 Relação entre IMC e quantidade de gordura em crianças é
controversa, já que nessa fase ocorrem mudanças frequentes na
composição corporal;
 Porém, representa a harmonia entre o peso e a altura e,
atualmente, é um dos índices mais sugeridos para avaliação do EN;
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação
Medidas, Indicadores e Pontos de Corte
para Avaliação
Padronização para idade
 Para a avaliação dos índices antropométricos da criança é
necessário saber com precisão sua idade em dias ou meses de vida;

 As informações disponíveis nas curvas de crescimento são em meses;

 A regra de aproximação para as idades não exatas é:

- Fração de idade até 15 dias: aproxima-se a idade para baixo, isto


é, o último mês completado.

- Fração de idade igual ou superior a 16 dias: aproxima-se a idade


para cima, isto é, para o próximo mês a ser completado.
Padronização para idade
Exemplo:
 Eduardo nasceu em 09/07/2004 e Isabela em 06/11/2007.
 Eles foram a um EAS para uma consulta de rotina no dia
22/01/2008.
 Quais as idades que devem ser procuradas nos gráficos de
crescimento infantil da Caderneta de Saúde da Criança para fazer
o diagnóstico nutricional?
- Eduardo: 3 anos, 6 meses e 13 dias = 3 anos e 6 meses
- Isabela: 2 meses e 16 dias = 3 meses
Perímetro Cefálico

 É utilizado como método diagnóstico de estados


patológicos de microcefalia, macrocefalia ou
hidrocefalia;

 Deve ser medido na maior circunferência craniana;


Perímetro Torácico
 Tem relação com a massa muscular e adiposa;
 Deve ser medido na altura dos mamilos e aleatoriamente ao
momento respiratório;

Indicador PT/PC
- Até 6 meses (PT/PC = 1)
- > 6 meses a 5 anos (PT/PC > 1)
Desnutrição energético
- PT/PC < 1 (6 meses a 5 anos) proteica
Perímetro Braquial
 Recomendada para avaliações rápidas do estado nutricional de crianças até
os 5 anos de idade quando não é possível a utilização das medidas de peso
e altura;

 É útil como instrumento de triagem;

 A medida é tomada, preferencialmente, no braço direito;

 Marca-se o ponto médio entre o acrômio e o olecrano, e, com o braço


relaxado ao longo do corpo, palma da mão voltada para a coxa, faz-se a
medida contornando o ponto marcado, evitando compressão da pele ou
folga;
Perímetro Braquial
 Vantagens: Simplicidade,
rapidez, boa aceitabilidade,
baixo custo e replicabilidade;

 Desvantagens: Medida isolada


apenas de um segmento
corporal, não deve ser usada
em criança com edema;
Especificidades da Avaliação do Recém-Nascido
e do Lactente

 A condição nutricional ao nascimento reflete o período intrauterino;

 Crescimento do feto  oferta de oxigênio e nutrientes + fatores


genéticos + ambiente materno;

 Fatores maternos: Paridade, nível socioeconômico, raça, altura,


fumo e estado nutricional;

 Crianças com crescimento intrauterino restrito tendem a apresentar


retardo de crescimento na infância e maior prevalência de
distúrbios nutricionais a curto e longo prazo;
Classificação Nutricional do Recém-nascido

Por idade gestacional

 Representa a maturidade biológica;

Avaliação da idade gestacional


<37 semanas Pré-termo
38 a 42 semanas Termo
>42 semanas Pós-termo
Classificação Nutricional do Recém-
nascido

Peso ao nascer
 É o primeiro diagnóstico nutricional, feito imediatamente após o
nascimento. Este peso reflete os problemas nutricionais
ocorridos durante a gestação.
Classificação Nutricional do Recém-nascido

Índice de Rohrer

 Recomendado para avaliar EN do recém-nascido;

 Índice < 2 = desnutrido


Curva para Prematuros

 O crescimento do prematuro é diferente;


 É importante utilizar a forma específica;

Como usar: Se na consulta o bebê tem 1 mês de vida extra-útero, mas


nasceu com 30 semanas, isso significa que, cronologicamente, ele estaria
com 34 semanas; Assim, marca-se na curva os parâmetros para 34
semanas. Espera-se que os valores fiquem entre os dp +1 e -1. Após 40
semanas, as idades são referentes ao tempo de vida que a criança
deveria ter se não tivesse nascido prematuramente. Essa curva é útil até
1 ano de vida, após, utilizar as normais.
Lactentes

 Criança < de 1 ano  Peso, comprimento e PC;


 Nos primeiros meses de vida o crescimento é intenso;
 Primeiros 6 meses  Ganho de peso mensal é a medida de
maior importância para avaliação nutricional e possibilita o
diagnóstico rápido na vigência de problemas nutricionais;
 Assim, detectam-se mudanças recentes já que o peso é o
primeiro a ser afetado, evitando-se que o prejuízo chegue ao
crescimento linear;
Lactentes

 P/I  é útil para verificar a velocidade do ganho de peso;

 Porém, crianças que nascem a termo com baixo peso e que


mantêm velocidade de ganho de peso pós-natal adequada
são erroneamente classificadas como desnutridas;

 Por isso, na prática clínica, justifica-se considerar o ganho


de peso > 20g como o melhor indicador para < de 6
meses;
Percentual de Adequação

 Não é indicado para crianças menores de 6 meses;


Percentual de Adequação

 Classificação de Gomez (P/I)


 Objetivo: determinação do prognóstico de morbidade e
mortalidade em crianças hospitalizadas de acordo com condição
nutricional;
 Porém, passou a ser utilizado como classificação nutricional;
 É útil quando ocorre desnutrição aguda ou quando a criança
apresenta estatura no P50, fora essas condições  diagnóstico
equivocado;
 Pode ser utilizado até os 2 anos de idade;
Percentual de Adequação

Estado nutricional % Adequação do


P/I
Sobrepeso ou obesidade > 110%

Eutrofia 91 a 110%

Desnutrição grau I – DI (leve) 76 a 90%

Desnutrição grau II – DII 61 a 75%


(moderada)
Desnutrição grau III – DIII (grave)  60%
Percentual de Adequação

 Classificação de Jelliffe (1968) – P/E


 Pode ainda ser bastante útil no tratamento de excesso de
peso

Classificação de Jelliffe para peso por estatura


<90% Baixo peso
90 a 110% Eutrofia
110 a 120% Risco para excesso de peso
≥120% Excesso de peso
Percentual de Adequação

 Classificação de Waterlow (1973) – P/E e E/I

E/I  95% E/I < 95%

P/E  90% Eutrofia Desnutrição pregressa


(stunting)

P/E < 90% Desnutrição Desnutrição crônica (wasting


atual ou aguda and stunting)
(wasting)
Percentual de Adequação
Desnutrição pregressa

 A criança foi desnutrida, mas recuperou sua condição


ponderoestatural. Essa classificação é útil do ponto de vista
da saúde pública, pois reflete a presença de desnutrição
intrauterina ou a presença crônica de desnutrição. Há déficit
de estatura, mas tem no momento peso adequado para a
mesma. Atenção para crianças baixas geneticamente.

 A criança, hoje, NÃO ESTÁ DESNUTRIDA!


Percentual de Adequação

Desnutrição crônica ou evolutiva

 Criança apresenta baixo peso e baixa estatura;

 É uma criança bastante comprometida, tanto do


ponto de vista atual quanto crônico;

 A criança tem as características de desnutrida


pregressa, além de apresentar desnutrição atual;
Percentual de Adequação
Desnutrição atual ou aguda

 Comprometimento do peso é pronunciado, porém a estatura


está normal;

 Reflete a presença de deficiência nutricional recente, já que o


processo não interferiu na estatura;

 Sabe-se porém que, se a criança permanecer por tempo


prolongado com deficiência de peso, a estatura poderá ser
comprometida, processo que é irreversível;