Você está na página 1de 13

Performance, Happening e Body Art

Professora: Caroline Bonilha


Componente Curricular: Artes
Performance

Forma de arte que combina elementos do teatro, das artes


visuais e da música. Nesse sentido, a performance liga-se
ao happening (os dois termos aparecem em diversas ocasiões como
sinônimos), sendo que neste o espectador participa da cena proposta
pelo artista, enquanto na performance, de modo geral, não há
participação do público. A performance deve ser compreendida a
partir dos desenvolvimentos da arte pop, do minimalismo e da arte
conceitual, que tomam a cena artística nas décadas de 1960 e 1970.

Prof.ª Caroline Bonilha


Eu amo a América e a América me ama – Joseph Beuys

Prof.ª Caroline Bonilha


Nam June Paik - Performance
Prof.ª Caroline Bonilha
Happening

John Cage é o responsável pelo Theater Piece # 1, ou


simplesmente "o evento", realizado no Black Mountain College, na
Carolina do Norte, Estados Unidos, em 1952, considerado o primeiro
happening da história da arte. No espetáculo, M. C. Richards e o
poeta Charles Olson lêem poemas nas escadas enquanto David
Tudor improvisa ao piano e Merce Cunningham dança em meio à
audiência. Pendurada, uma white painting de Robert Rauschenberg,
uma velha vitrola toca discos de Edith Piaf. Café é servido por quatro
rapazes de branco. Cage, sentado, lê um texto que relaciona música e
zen-budismo, algumas vezes em voz alta, outras, em silêncio. O
espetáculo apela simultaneamente aos sentidos da visão, audição,
olfato, paladar e tato, e, além disso, envolve os artistas mencionados
e outros participantes, que interferem, aleatoriamente, na cena.

Prof.ª Caroline Bonilha


Reencenação Happening Fluxus

Prof.ª Caroline Bonilha


Marina Abramovic - A artista esta presente

Prof.ª Caroline Bonilha


Body Art

A Body Art (do inglês, arte do corpo) está associada à arte


conceitual e ao minimalismo. É uma manifestação das artes visuais
onde o corpo do artista é utilizado como suporte ou meio de
expressão.
O espectador pode atuar não apenas de forma passiva mas
também como agente interativo. Via de regra, as obras de body
art, como criações conceituais, um convite à reflexão.
Foi na década de 1960 que essa forma de arte se
popularizou e se espalhou pelo mundo. Há casos em que a body
art assume o papel de ritual ou apresentação pública,
apresentando, portanto, ligações com o Happening e
a Performance. Outras vezes, sua comunicação com o público se
dá através de documentação, por meio de vídeos ou fotografias.

Prof.ª Caroline Bonilha


Bruce Nauman, Autorretrato como fonte

Prof.ª Caroline Bonilha


Chris Bruden, Trans-fixed,1974

Prof.ª Caroline Bonilha


Gina Pane

Prof.ª Caroline Bonilha


Gina Pane

Prof.ª Caroline Bonilha


Marina Abramovic

Prof.ª Caroline Bonilha