Você está na página 1de 29

Propostas curriculares Ensino Médio

PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais


OCN - Orientações Curriculares Nacionais
Cadernos do Estado de São Paulo – “Programa São
Paulo faz escola”
A QUEM SE DESTINA? ENSINO MÉDIO EM NÚMEROS: (dados no
MEC)

8.337.160 estudantes
1,1% em escolas federais (90.353)
85,9% em estaduais (7.163.020)
1,33% em municipais (110.780)
11,67% em instituições privadas (973.007)

OBJETIVOS DA PROPOSTA PARA O ENSINO MÉDIO


a) A formação do aluno deve ter como alvo principal a aquisição de conhecimentos
básicos, a preparação científica e a capacidade de utilizar as diferentes
tecnologias relativas às áreas de atuação. Propõe-se, no nível do Ensino Médio, a
formação geral, em oposição à formação específica; o desenvolvimento de
capacidades de pesquisar, buscar informações, analisá-las e selecioná-las; a
capacidade de aprender, criar, formular, ao invés do simples exercício
de memorização. Lei 9.394/96
a1) “deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social” (Art.1º § 2º da Lei nº
9.394/96)
b) o aprimoramento do educando como ser humano, sua formação ética,
desenvolvimento de sua autonomia intelectual e de seu pensamento crítico,
sua preparação para o mundo do trabalho e o desenvolvimento de
competências para continuar seu aprendizado. (Art. 35)

Organização curricular
• base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e
estabelecimento escolar, por uma parte diversificada que atenda a
especificidades regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e do
próprio aluno (Art. 26);

• planejamento e desenvolvimento orgânico do currículo, superando a


organização por disciplinas estanques;

• integração e articulação dos conhecimentos em processo permanente de


interdisciplinaridade e contextualização;
• proposta pedagógica elaborada e executada pelos estabelecimentos de
ensino, respeitadas as normas comuns e as de seu sistema de ensino;

• participação dos docentes na elaboração da proposta pedagógica do


estabelecimento de ensino.
Organização em três áreas :

• Linguagens, Códigos e suas Tecnologias,


• Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias
• Ciências Humanas e suas Tecnologias

§ 1º. Os conteúdos, as metodologias e as formas de avaliação serão organizados


de tal forma que ao final do ensino médio o educando demonstre:

I - domínio dos princípios científicos e tecnológicos que presidem a produção


moderna;
II - conhecimento das formas contemporâneas de linguagem;
III - domínio dos conhecimentos de Filosofia e de Sociologia necessários
ao exercício da cidadania.
§ 2º. O ensino médio, atendida a formação geral do educando, poderá prepará-
lo para o exercício de profissões técnicas.
(PROEJA + maior preocupação com o ensino técnico e a formação
profissional)
OCN – ORIENTAÇÕES CURRICULARES NACIONAIS - Sociologia
Elaboradores: Amaury Moraes, Elisabeteh Guimarães e Nelson Tomazi

Princípios metodológicos:

Promover o estranhamento e a desnaturalização (fundamento das


ações docentes)

Trabalhar com conceitos, teorias e temas

Estranhamento: trata-se de promover que os alunos aprendam a adquirir


distanciamento necessário para estranhar seu próprio cotidiano. Abordar
diferentes fenômenos sociológicos.

Desnaturalização: encontrar-se diante de fenômenos que devem ser


problematizados a partir de suas transformações históricas.

(busca pela admiração, espanto: quando o aluno afirma nunca ter


pensado nisso antes)
1. conceitos: permitir conhecer o vocabulário básico da linguagem
sociológica. Deve-se abordar: contexto social em que foi criado;
situações que resultaram em sua criação; transformações sofridas ao
longo do tempo
2. Temas: é a conduta que mais atrai os professores por permitir o
desenvolvimento de diferentes conteúdos. Resulta de certa familiaridade
com o assunto. Abre espaço para trabalho interdisciplinar.
3. Teorias: referir-se aos pensadores que construíram os pilares do
pensamento sociológico. Aproximando-se das linguagens dos alunos e
suas experiências.
Pesquisas: trabalho de campo, materiais impressos. Optar pela pesquisa implica
cuidados metodológicos, tais como, conhecimentos básicos, delimitar objetivos,
elaborar problemas, construir hipóteses e metodologias para cada tipo de
pesquisa proposta.

Mediações pedagógicas: prática docente que implica maneiras de abordar os


temas tornando-os interessantes, ao mesmo, tempo provocar transformações no
conhecimento prévio, deslocando-o, alterando para outros saberes.
CADERNOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
PROGRAMA SÃO PAULO FAZ ESCOLA
Coordenadora do projeto: Maria Inês Fini
Sociologia: Heloisa Martins

Envolver gestores, professores e alunos com determinações para cada:


Gestores: O ponto mais importante ... é garantir que o Projeto Pedagógico, que
organiza o trabalho nas condições singulares de cada escola, seja um recurso
efetivo e dinâmico para assegurar aos alunos a aprendizagem de conteúdos e a
constituição das competências previstas nesta Proposta Curricular. (são
animadores)
Professores: Caderno do professor, organizado por disciplina e por bimestre,
que subsidia as situações de aprendizagem para orientar trabalho ... no ensino dos
conteúdos disciplinares específicos. Esses conteúdos, habilidades e competências
são organizados por série e acompanhados de orientações para a gestão da sala
de aula, para a avaliação e a recuperação, bem como estratégias de trabalho nas
aulas, experimentações, projetos coletivos, atividades extraclasse e estudos
interdisciplinares.
Alunos: A autonomia para gerenciar a própria aprendizagem (aprender a
aprender) e o resultado dela em intervenções solidárias (aprender a fazer e a
conviver) deve ser a base da educação das crianças, dos jovens e adultos, que têm
em suas mãos a continuidade da produção cultural e das práticas sociais
“nada do que for oferecido nestes materiais terá caráter imperativo de
instruções normativas, a serem aplicadas à força pelos professores. Ao
contrário, o que se sugere é que cada docente siga o seu próprio caminho,
aplicando, a seu modo, as sugestões que são oferecidas”. (p.43)

Professores: “uma mediação pedagógica entre o conhecimento e os alunos,


adequando o ensino ou traduzindo para eles os fundamentos do conhecimento
científico.”

Elaborados pela Fundação Vanzolini

300 milhões de cadernos do aluno


50 milhões de cadernos do professor
A Sociologia afirma‐se, desse modo, como instrumento que o professor
maneja em sala, por intermédio da interlocução com textos sociológicos,
antropológicos e da Ciência Política, mas também com materiais
documentais como filmes, literatura, obras de arte e fotografias, entre outros, a
fim de
responder, com o aluno, às questões suscitadas por esse modo de olhar a
realidade. O professor deve realizar, então, conforme proposto nas Orienta-
Ções Curriculares, uma “mediação pedagógica” entre o conhecimento e os a-
lunos, adequando o ensino ou “traduzindo” para eles os fundamentos do
conhecimento científico. Busca‐
se, com isso, discutir o jovem em sua relação de estranhamento com aqueles outros
que o envolvem em sua vida cotidiana, em particular,
na família, nos vínculos de parentesco e de amizade, na vizinhança, na escola,
no lazer e no trabalho. No âmbito desta proposta, a pesquisa
constitui um recurso didático fundamental. desenvolver uma
“postura de investigação” ou uma “atitude de curiosidade” que leve o aluno
a refletir sobre a realidade social que o cerca.
Alguns exemplos retirados das apostilas

Observar a formatação
Propostas de práticas pedagógicas
Assuntos tratados e como são abordados
1ª série – volume 01
Caderno de Sociologia, (aluno) 1ª serie – volume2.
Cadernos de sociologia – 1ª serie volume 4
Para continuar a sensibilização, a lousa pode ser dividida em duas partes: a
primeira metade com o seguinte título “Estereótipos do masculino e do
feminino na nossa sociedade” e na outra metade “Estereótipos do masculino e
do feminino em outras sociedades”. Cada metade deve ser subdividida em
duas partes: uma denominada “Homens” e a outra denominada “Mulheres”.