Você está na página 1de 29

Geografia das Indústrias

Profº Esp.: Alex de Oliveira


1
Indústria

Refere-se ao processo
de transformação da
Matéria-Prima em
diversos produtos ou
bens para o consumo.

2
De qualquer forma, qualquer
que seja o seu estágio ou
natureza, a indústria Primário
impulsiona a economia e
dinamiza as atividades
primárias e terciárias do Terciário Secundário
país ou região de onde
estirem instaladas.

3
Evolução Histórica

Artesanato

Manufatura

Maquinofatura

4
Divisão Histórica
Indústrias Clássicas: existente nos países
desenvolvidos, início séc. XVIII;
Indústrias Planificadas: existiu nos ex-países socialistas,
séc. XX;
Indústria Tardia: surgiu nos países subdesenvolvidos,
após a 2ª GM.
Essa classificação alcançou imensa relevância de tal
maneira que estabeleceu uma distinta relação econômica
internacional a D.I.T(Divisão Internacional do Trabalho)
5
6
Importância das Indústrias
É difícil mensurar a real contribuição para a economia de
um país.
Nos Países desenvolvidos a maior contribuição do PIB
provém do comércio e serviços que em média chega a
75%, depois da indústria com 24% e agropecuária com
1%.
Nos países subdesenvolvidos essa situação pode oscilar
bastante onde a indústria tem pouca participação como é
o caso da Nigéria ou pelo contrário, bastante elevada
como é o exemplo da Tailândia.
7
O nível maior ou menor de participação da atividade
industrial no PIB não revela se ela:
Moderna ou Arcaica: se emprega alto ou baixo nível
tecnológico;
Competitiva: tem alta ou baixa participação nas
exportações;
Diversificada ou dependente de um único produto: como
é o caso dos países produtores de petróleo;
Sustentável do ponto de vista ambiental, social.
Analisar o PIB industrial por si só não é suficiente para
perceber a importância qualitativa e quantitativa da
indústria. Dessa forma a ONU criou outras formas de obter
dados e obter maiores e melhores indicativos. 8
Classificação das industriais
1-Quanto a Forma de Produção:
Extrativa (minérios, pescado);
Beneficiamento/Processamento (Refinarias);
Construção (estradas, construção civil);
Transformação (Calçados, fábrica de móveis)

9
Classificação das Indústrias
2-Quanto a Energia e Matéria-Prima Empregada
Leves: Bebida, Cigarro, alimentos;
Pesadas: Máquinas, veículos, navios.

10
Classificação das Indústrias
3-Quanto ao Uso de Tecnologias:
Tradicionais (siderúrgica);
Dinâmicas (robótica);
3-Quanto ao Destino dos Produtos
Bens de produção (máquinas,
motores);
Bens de consumo (têxtil, alimentos,
calçados)

11
Distribuição das Indústrias
Os Fatores Locacionais: Dizem respeito as diversas
características de um determinado lugar que favorecem a
instalação de indústrias, e são eles:
1-Fontes de Matérias-Primas;
2-Fontes e Energias;
3-Disponibilidade de Mão de obras;
4-Pesquisa e desenvolvimento;
5-Mercado consumidor;
6-Logísitica: transporte;
7-Rede de Telecomunicação;
8-Complementaridade industrial: proximidade com industrias afins;
9-Incentivos Fiscais
12
Fatores locacionais
Na primeira fase da Revolução Industrial, o fator locacional
determinante na implantação da indústria, era proximidade
com a fonte de energia.
As industrias tinham que ser construídas próximas às minas
de carvão mineral, para minimizar os custos e aumentar os
lucros.
Após a descoberta e o uso do petróleo como fonte de
energia e de matéria-prima, a industrialização ampliou seus
tentáculos para outros países e dinamizou o espaço
geográfico de forma rápida e intensa.

13
Desconcentração da Indústria
Com a Globalização e a Revolução Técnico Científica, os
avanços no transporte e nas telecomunicações, o capital
se expandiu por todo o mundo com as chamadas
transnacionais aumentando substancialmente o consumo
de diversos produtos, criando uma sociedade do
consumo inconsciente. Que consiste em consumir sem
se preocupar com o meio ambiente ou se realmente
precisa do mesmo.
Sob essa perspectiva, A velha D.I.T dá lugar a Nova
D.I.T.
14
O crescimento econômico e populacional das grandes
cidades tem aumentado os custos de produção em
razão da alta do preço dos imóveis, dos impostos e da
mão de obra, além dos congestionamentos, assaltos,
aumento nas tarifa de energia e água.
Por esses motivos, nas ultimas décadas a espacialização
industrial tem tomado novos rumos, dirigindo-se a lugares
onde possam ser mais vantajosos, ou seja, possa reduzir
custos e maximizar os lucros.
Ex: O crescente aumento das industrias na Região
Nordeste ao invés da Região Sudeste.
15
Distribuição da Distribuição da
Industria Brasileira População Brasileira

16
Parques Tecnológicos ou Tecnopolos

Atualmente, um dos fatores locacionais mais


importantes é a existência de mão de obra com
elevado nível de qualificação, principalmente para as
indústrias de tecnologias.
Não é por acaso que as indústrias de semicondutores
(microchips), Informática, telecomunicações, novos
materiais, biotecnologia, entre outras concentram-se
em parques tecnológicos.

17
18
19
Organização da Produção Mundial

1-A Produção Fordista


Em 1911, teoria econômica e científica de
Frederick Taylor(1856-1915)-Taylorismo:
que consistia em controlar os tempos e
os movimentos dos trabalhadores e
fracionar as etapas do processo
produtivo, forma que os operários
desenvolvessem suas tarefas
ultraespecializadas e repetitivas com o
objetivo de aumentara produtividade no
interior das fábricas
20
21
Henry Ford inovou os métodos de produção de
sua época ao colocar em prática as teorias de
Taylor, muito embora sejam um pouco distintas
quanto a visão abrangente da economia, ampliando
as mudanças organizacionais para além das
fábricas.
Para isso era necessário produzir em grande
escala, mais barata, de boa qualidade e salários
mais elevados aos trabalhadores. Isso fomentaria
um maior consumo em razão do aumento do
poder aquisitivo o que estimularia a sociedade
do consumo
“The time is Money” Tempo é dinheiro
“Existe uma regra para o industrial: fazer produtos de melhor qualidade
possível, ao menor custo possível, pagando os maiores salários possíveis”
Henry Ford 22
Linha de Montagem da Ford

23
24
Crise Econômica e a Reorganização
Industrial
2-Produção Flexível ou Toyotismo:
Com o crescimento econômico dos países intenrrompidos
por volta dos anos de 1970, a forte pressão dos
sindicatos por melhores salários,, a elevação da inflação
associados aos custos do governo com o bem estar
social e, ainda, com elevação do petróleo em 1973 e
1979, as empresas tiveram uma redução nos lucros e na
produção houve a necessidade de intervenção do Estado
de uma nova reorganização industrial como uma forma
de contornar tais problemas.

25
A produção flexível, as empresas passaram a utilizar
máquinas e equipamentos tecnologicamente mais
avançados, como robôs, e novos métodos organizacionais.
Ela se refere a um contexto mais amplo das relações de
trabalho e as políticas econômicas.
Está associada ao neoliberalismo e consistia em elevar a
competitividade, racionalizando a produção, cortando
custos, e introduzindo processos tecnologicamente mais
produtivos.
As terceirizações, privatizações de empresas estatais,
como exemplos práticos desse sistema.
“Quanto mais estoques uma empresa tem, é menos provável
que tenha o que necessite” Taiichi Ohno engenheiro da Toyta.
“Just In Time” Hora Certa. 26
27
Com a crescente automação das indústrias, muitos
operários passaram a trabalhar em outros setores,
particularmente nas atividades terciárias; outros
perderam seus postos de trabalho, que
desapareceram definitivamente, caracterizando o
desemprego estrutural.

28
Exploração do Trabalho e da Natureza
Paralela ao Toyotismo, estão sendo difundidas novas
formas de relação de trabalho, caracterizados por salários
baixos, e direitos trabalhistas mais restritos ou inexistentes.
A maioria desses empregos tem sido criados nos países em
desenvolvimento onde ainda aplicam o fordismo, baseado
na superexploração da mão de obra e flexibilização da
legislação trabalhista.
Além disso, tem o problema ambiental, que muitas
empresas burlam a legislação ambiental sem nenhuma
penalidade, é o capital acima dos direitos individuais e
coletivos.

29