Você está na página 1de 31

A Justificação pela Fé no Ministério

de Cristo no Santuário Celestial

Pr. Edmario de Jesus


Expiação, Redenção,
Propiciação e Reconciliação
Expiação

"Kaphar", traduzido como expiar,


literalmente significa "cobrir por cima,
esconder de modo a não ficar visível".

Perdão era possível somente com base na


morte (por derramamento de sangue!) de
um substituto que tinha que ser adequado.
Uma expiação especial se fazia somente
uma vez por ano, no soleníssimo Dia da
Expiação, no 1mo dia do 7mo. mês.
Redenção
Redenção: seu parente mais próximo tinha a obrigação de “remir”
ou seja, resgatar a propriedade e a própria pessoa. Este parente
era então chamado de “remidor-parente” (Levítico 25:47-49).
Nós estávamos vendidos “sob o
pecado” (Romanos 7:14). Cristo
tornou-se então nosso “parente”,
tornando-se humano (Gálatas 4:4,5),
participando da nossa natureza
humana em tudo menos quanto ao
pecado (Hebreus 2:14-18). A seguir
Ele tornou-se nosso “remidor-
parente”, nos resgatando e livrando
tanto do pecado como da morte,
pagando o preço do nosso resgate
não com dinheiro mas sim com o Seu
precioso sangue (I Pedro 1:18-20; I
Timóteo 2:6; Mateus 20:28; Romanos
3:24; Efésios 1:7; Colossenses 1:14;
Apocalipse 5:9; I Coríntios 6:20).
Propiciação

Esta palavra se encontra em Romanos


3:25; I João 2:2 e 4:10. O que
significa? Na linguagem dos pagãos,
propiciar a um deus significava que
esse deus estava zangado com eles e
por isso tinham que oferecer um
sacrifício capaz de apaziguar a sua
raiva, chegando até a oferecer
sacrifícios humanos. Mas na Bíblia
não é este o significado desta palavra.
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça,
mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao
qual Deus propôs como PROPICIAÇÃO pela fé,
no seu sangue. Rom. 3.24
O palavra grega para Propiciatório é ἱλαστήριον. É
usado aqui em Romanos 3.25, onde Paulo diz que
Deus propôs para propiciação. Isto significa que
Jesus Cristo é o Propiciatório.
A palavra para "Propiciatório" é a mesma palavra
da raiz "expiação". Que significa cobrir,
cancelar, satisfazer, ou limpar. o Propiciatório
era o "lugar de misericórdia ou propiciação".
A palavra propiciação carrega a ideia básica de
apaziguamento ou satisfação, especificamente em
relação a Deus. A propiciação é um ato de duas
partes que envolve apaziguar a ira de uma pessoa
ofendida e se reconciliar com ele/ela.
A tampa da “arca do concerto”, que ficava no Lugar
Santíssimo do Tabernáculo, se chamava “Propiciatório” ou
seja, “lugar da propiciação”. Era lá que anualmente o Sumo-
sacerdote aspergia sangue no “Dia da Expiação” (ou
Propiciação) pelos pecados do povo. É verdade que Deus está
“zangado” com o nosso pecado e precisa manter de pé a Sua
justiça mas, ao mesmo tempo, Ele ama ao pecador.
Reconciliação

Quando o homem pecou, levantou-se


uma barreira entre ele e Deus,
surgindo uma inimizade entre os dois.

Deus fez tudo isso para acabar com a


inimizade entre Ele e o homem, “fazendo
as pazes”. Isto se chama “reconciliação”
(Romanos 5:10; II Coríntios 5:18-21;
Colossenses 1:20-23; Efésios 2:11-18).
Dentre as muitas revelações que o santuário
terrestre nos faz a respeito do plano da
Redenção, destacamos algumas a seguir:

1. O sangue da vitima era o elemento principal. Se não


houvesse sangue não existia perdão para o pecador
arrependido, e nem trabalho para o sacerdote realizar.
Pois o trabalho do sacerdote era ministrar o sangue
para reconciliação do homem com Deus. Hebreus 9: 22.

2. Deus perdoa pecador e não pecado. A bíblia diz que o


salário do pecado é morte. Portanto pecado não se evapora,
pecado se transfere e no final volta pro seu originador.
No NT, o ato de propiciação
sempre se refere à obra de
Deus e não aos sacrifícios ou
ofertas oferecidos pelo homem.
A única satisfação, ou propiciação, que poderia ser
aceitável a Deus e capaz de reconciliar o homem a Ele
teve de ser feita por Deus. Por esta razão, Deus Filho,
Jesus Cristo, veio ao mundo em carne humana para ser
o sacrifício perfeito pelo pecado e fazer expiação ou
"propiciação pelos pecados do povo" (Hebreus 2.17).
A maravilhosa verdade do
evangelho é que os cristãos
são salvos da ira de Deus e
reconciliados com Deus não
porque "nós tenhamos amado
a Deus, mas em que ele nos
amou e enviou o seu Filho
como propiciação pelos
nossos pecados" (1 João 4.10).
“Quando o pecador penitente, contrito diante de Deus,
discerne a expiação de Cristo em seu favor e aceita
esta expiação como sua única esperança nesta vida e
na futura, seus pecados são perdoados. ISSO É
JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ.” Fé e Obras, 93
Para compreendermos de maneira prática a
expiação (Justificação pela Fé), precisamos nos
familiarizar com o Santuário terrestre, pois o
que acontecia tipicamente lá, acontece em
realidade no ministério do Santuário Celestial.
“Todos devemos ter presente o tema
do santuário. Não permita Deus que
o acúmulo de palavras que
procedem dos lábios humanos
diminua a fé do nosso povo na
verdade de que existe um
Santuário no Céu, e que uma cópia
desse santuário se edificou uma vez
na terra. Deus deseja que seu povo
se familiarize com essa cópia tendo
sempre presente o Santuário
Celestial, onde Deus é tudo e esta
em todos.” Carta 233, 1904.
“O que se fazia
tipicamente no ministério
do santuário terrestre é
feito na REALIDADE no
ministério do santuário
celestial.” GC, 419 e 420.
Nessa transferência o sangue mais uma
vez era o elemento principal.

1. Do pecador, para a vítima.

2. Da vítima, para o sangue derramado.

3. Do sangue derramado, para o santuário.

4. Do santuário, para o sumo sacerdote no dia expiação.

5. Do sumo sacerdote, para o bode Azazel.


O CORDEIRO DE DEUS

Em Cristo, e no seu
ministério como cordeiro
de Deus e sacerdote
todas essas etapas
também se cumprem.
Não pelo sangue de bodes e
novilhos, mas por seu próprio
sangue Hebreus 9.11
O sangue de Jesus foi levado para os
Céus pelos seguintes motivos:
1 – Transferir o pecado para o Santuário Celestial.

“Como antigamente eram os pecados do


povo transferidos, em figura, para o
santuário terrestre mediante o sangue
da oferta pelo pecado, assim nossos
pecados são de fato transferidos para o
santuário celestial, mediante o sangue de
Cristo.” História da Redenção, 378.
2 – Manter o pecado em registro até a
expiação final.

“O sangue de Cristo, ao mesmo


tempo que livraria da
condenação da lei o pecador
arrependido, não cancelaria o
pecado; este ficaria registrado no
santuário até à expiação final.”
Patriarcas e Profetas, 370.
3– Para ser usado no serviço de
reconciliar o homem com Deus.

“Da mesma forma Cristo, em Sua


imaculada justiça, após derramar o
precioso sangue, entra no lugar
santo para purificar o santuário. Ali o
sangue é trazido e usado no serviço
da reconciliação entre Deus e o
homem.” Testimonies, vol. 4 pág. 122.
“Quando no cerimonial típico, o
sumo sacerdote deixava o lugar
santo no dia da expiação, entrava
perante Deus para apresentar o
sangue da oferta pelo pecado, em
favor de todos os israelitas que
verdadeiramente se arrependiam de
suas transgressões. Assim Cristo
apenas completara uma parte de
Sua obra como nosso intercessor
para iniciar outra, e ainda pleiteia
com Seu sangue, perante o Pai, em
favor dos pecadores.” GC, 428.
O grande plano de redenção,
conforme revelado na obra final
para estes últimos dias, deve ser
cuidadosamente estudado...
Todos precisam compreender
melhor a obra da expiação que
está sendo efetuada no santuário
do Céu. TS, II 219 e 220.
“Quando Cristo cessar a Sua obra
como mediador em prol do homem,
então começará o tempo de
angústia. Ter-se-á então decidido o
caso de toda alma, e não haverá
sangue expiatório para purificar
do pecado”. Eventos Finais, 218.