Você está na página 1de 29

FUNDAMENTOS

DE DIREITO
TRIBUTÁRIO E
EMPRESARIAL
Aula 5

Professor José Eduardo


de Araujo Duarte
OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA
• Obrigações: noções gerais
• Obrigação tributária: principal e acessória
• Fato gerador e hipótese de incidência
• Relação jurídico tributária
• Sujeitos ativo e passivo
• Capacidade tributaria: ativa e passiva

2
Obrigações: noções gerais
• É a relação jurídica estabelecida entre duas
partes (ex. devedor e credor) e cujo objeto
consiste em prestação de dar, fazer ou não fazer
alguma coisa. Nos direitos obrigacionais os
titulares destes exercem um poder imediato sobre
determinada coisa. São fontes das obrigações os
contratos, as declarações unilaterais de vontade,
as determinações legais e os atos ilícitos.
3
OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA
* Art. 113. A obrigação tributária é principal ou acessória.
§ 1º A obrigação principal surge com a
ocorrência do fato gerador, tem por objeto o pagamento
de tributo ou penalidade pecuniária e extingue-se
juntamente com o crédito dela decorrente.
§ 2º A obrigação acessória decorre da legislação
tributária e tem por objeto as prestações, positivas ou
negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou
da fiscalização dos tributos.
4
CONVERSÃO DA OBRIGAÇÃO
ACESSÓRIA EM PRINCIPAL
* CTN, Art. 113, § 3º: A obrigação acessória,
pelo simples fato da sua inobservância,
converte-se em obrigação principal
relativamente à penalidade pecuniária.

5
HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA
É a abstração legal de um fato, ou seja, é aquela
situação descrita na lei cuja previsão é abstrata,
tratando-se, pois, de uma “hipótese” que poderá vir a
ocorrer no mundo dos fatos, e que, uma vez realizada,
se concretiza como fato gerador.
Sabbag (2011, p. 672), com precisão, afirma:
“hipótese de incidência é a situação descrita em lei,
recortada pelo legislador entre inúmeros fatos do
mundo fenomênico, a qual, uma vez concretizada no
fato gerador, enseja o surgimento da obrigação
principal (...)”. 6
Hipótese de incidência:
terminologia
O Prof. Hugo de Brito Machado, acerca da
questão terminológica, diz que “diversas têm sido
as denominações utilizadas pela doutrina para
designar o fato gerador. Entre outras: suporte
fático, situação base de fato, fato imponível, fato
tributável, hipótese de incidência.
7
FATO GERADOR
• Art. 114. Fato gerador da obrigação principal é a
situação definida em lei como necessária e
suficiente à sua ocorrência.

• Art. 115. Fato gerador da obrigação acessória é


qualquer situação que, na forma da legislação
aplicável, impõe a prática ou a abstenção de ato
que não configure obrigação principal.
8
Fato gerador da obrigação acessória
• Quando o artigo 115 diz “na forma da legislação aplicável”,
está dizendo que não necessariamente deva ser definido
por “lei”, pode ser definido pela legislação infralegal.
• Para Hugo de Brito Machado, apontando o nascimento
de um fato gerador de uma obrigação acessória,
exemplifica-o dizendo que “a situação de quem é
estabelecido comercialmente faz nascer as obrigações
acessórias de não receber mercadorias sem o documento
fiscal correspondente e de tolerar a fiscalização em seus
livros e documentos”.
9
FATO GERADOR - SITUAÇÕES
• Situação de fato: é aquela onde o fato gerador irá se
concretizar independentemente da condição futura, a
realização do fato gerador é automática. Ex.: na exportação
de uma mercadoria, o ato de exportar, já realiza o fato
gerador do Imposto de Exportação.
• Situação de direito: é aquela onde o fato gerador somente
será definitivamente concretizado quando houver a
realização de uma condição futura. Ex.: na doação de um
imóvel, somente após a doação é que realizará a incidência
do Imposto ITD.
10
RELAÇÃO JURÍDICO-TRIBUTÁRIA

11
SUJEITO ATIVO

• Conforme preceitua o artigo 119 do CTN, “Sujeito


ativo da obrigação é a pessoa jurídica de direito
público titular da competência para exigir o seu
cumprimento”, é aquele que tem o direito de exigir
a obrigação tributária imposta ao sujeito passivo,
é o credor, ou seja, o que integra o polo ativo da
relação jurídica tributária.
12
SUJEITO PASSIVO
• O CTN em dois dispositivos - artigos 121 e 122 do CTN -
prevê a existência de dois sujeitos passivos, o da
obrigação acessória e o da obrigação principal que se
divide em direto e indireto, ou seja, o contribuinte e o
responsável.
• A obrigação tributária principal e/ou acessória é dever do
sujeito passivo assim como o crédito tributário é direito do
sujeito ativo, nascendo assim a relação jurídica tributária
entre estes dois sujeitos, passivo e ativo.
13
CONTRIBUINTE
Art. 121. Sujeito passivo da obrigação principal
é a pessoa obrigada ao pagamento de tributo ou
penalidade pecuniária.

Parágrafo único. O sujeito passivo da


obrigação principal diz-se:
I - contribuinte, quando tenha relação pessoal
e direta com a situação que constitua o respectivo
fato gerador; 14
RESPONSÁVEL
Art. 121. Sujeito passivo da obrigação principal é a
pessoa obrigada ao pagamento de tributo ou penalidade
pecuniária.

Parágrafo único. O sujeito passivo da obrigação principal


diz-se:
...II - responsável, quando, sem revestir a condição de
contribuinte, sua obrigação decorra de disposição expressa
de lei.
15
Capacidade tributária passiva
Art. 126. A capacidade tributária passiva independe:
I - da capacidade civil das pessoas naturais;
II - de achar-se a pessoa natural sujeita a medidas que
importem privação ou limitação do exercício de
atividades civis, comerciais ou profissionais, ou da
administração direta de seus bens ou negócios;
III - de estar a pessoa jurídica regularmente constituída,
bastando que configure uma unidade econômica ou
profissional.
16
Domicílio tributário
Art. 127. Na falta de eleição, pelo contribuinte ou
responsável, de domicílio tributário, na forma da legislação
aplicável, considera-se como tal:
I - quanto às pessoas naturais, a sua residência habitual, ou,
sendo esta incerta ou desconhecida, o centro habitual de sua
atividade;
II - quanto às pessoas jurídicas de direito privado ou às firmas
individuais, o lugar da sua sede, ou, em relação aos atos ou fatos
que derem origem à obrigação, o de cada estabelecimento;
III - quanto às pessoas jurídicas de direito público, qualquer de
suas repartições no território da entidade tributante. 17
...na próxima aula veremos
• Crédito Tributário
• Lançamento e suas modalidades
• Causas de de suspensão, extinção e exclusão do
crédito tributário
• Finalidade da administração tributária conforme
disposição do Código Tributário Nacional, bem
como as questões de obtenção de certidão com
seus respectivos efeitos.
18
FUNDAMENTOS
DE DIREITO
EMPRESARIAL E
TRIBUTÁRIO
Atividade 5

Prof. José Eduardo de


Araujo Duarte
EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1
A pessoa jurídica de direito público titular da
competência para exigir o cumprimento da
obrigação é o:
A) sujeito passivo da obrigação principal.
B) sujeito passivo da obrigação acessória.
C) sujeito ativo da obrigação.
D) contribuinte ou responsável.
E) sujeito responsável.
20
Exercício 1 - Gabarito
A pessoa jurídica de direito público titular da
competência para exigir o cumprimento da
obrigação é o:
A) sujeito passivo da obrigação principal.
B) sujeito passivo da obrigação acessória.
C) sujeito ativo da obrigação.
D) contribuinte ou responsável.
E) sujeito responsável.
21
EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 2
A capacidade tributária:
A) depende da capacidade civil das pessoas
naturais.
B) depende de estar a pessoa jurídica regularmente
constituída.
C) depende, em certos casos, da capacidade civil
das pessoas naturais.
D) independe da capacidade civil das pessoas
naturais.
E) depende da regularização das pessoas jurídicas. 22
Exercício 2 - Gabarito
A capacidade tributária:
A) depende da capacidade civil das pessoas naturais.
B) depende de estar a pessoa jurídica regularmente
constituída.
C) depende, em certos casos, da capacidade civil das
pessoas naturais.
D) independe da capacidade civil das pessoas
naturais.
E) depende da regularização das pessoas jurídicas.
23
EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 3

A natureza jurídica dos vários tributos decorre:


A) da natureza do negócio jurídico tributado.
B) da denominação legal.
C) das características formais indicadas na lei.
D) do fato gerador da obrigação tributária.
E) da titularidade da competência para instituir o
tributo.
24
Exercício 3 - Gabarito
A natureza jurídica dos vários tributos decorre:
A) da natureza do negócio jurídico tributado.
B) da denominação legal.
C) das características formais indicadas na lei.
D) do fato gerador da obrigação tributária.
E) da titularidade da competência para instituir o
tributo.

25
EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 4
4 - Segundo o CTN, o contribuinte e o responsável são,
respectivamente:
A) o titular da competência para efetuar o pagamento do tributo,
inclusive penalidades pecuniárias.
B) o sujeito passivo que tem relação pessoal e direta com o fato
gerador e o sujeito passivo, que sem se revestir na condição
de contribuinte, tenha obrigação decorrente de disposição
expressa de lei.
C) as pessoas ligadas ao fato gerador.
D) o sujeito passivo indireto e o sujeito passivo direto.
E) a mesma coisa. 26
Exercício 4 - Gabarito
4 - Segundo o CTN, o contribuinte e o responsável são,
respectivamente:
A) o titular da competência para efetuar o pagamento do tributo,
inclusive penalidades pecuniárias.
B) o sujeito passivo que tem relação pessoal e direta com o
fato gerador e o sujeito passivo, que sem se revestir na
condição de contribuinte, tenha obrigação decorrente de
disposição expressa de lei.
C) as pessoas ligadas ao fato gerador.
D) o sujeito passivo indireto e o sujeito passivo direto.
E) a mesma coisa. 27
EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 5
5 – O domicílio tributário no ordenamento brasileiro
é:
a) De eleição pelo sujeito passivo
b) Definido pela Receita Federal
c) Definido pelo poder judiciário
d) Variável de acordo com o ano
e) Indefinido

28
Exercício 5 - Gabarito
5 – O domicílio tributário no ordenamento brasileiro
é:
a) De eleição pelo sujeito passivo
b) Definido pela Receita Federal
c) Definido pelo poder judiciário
d) Variável de acordo com o ano
e) Indefinido

29