Você está na página 1de 44

PROTEÇÃO CONTRA

CHOQUES ELÉTRICOS
MEDIDAS DE PROTEÇÃO
 Proteção contra contatos diretos

 Proteção contra contatos indiretos e

 Proteção Adicional
DEFINIÇÕES INICIAIS
 PARTE VIVA
 MASSA
 ELEMENTO CONDUTOR ESTRANHO A
INSTALAÇÃO
 CONTATO DIRETO
 CONTATO INDIRETO
 PARTES SIMULTANEAMENTE ACESSÍVEIS
 CONDUTOR DE PROTEÇÃO
PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS
DIRETOS

ISOLAÇÃO

BARREIRA
INVÓLUCRO
PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS
DIRETOS
PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS
INDIRETOS

SEPARAÇÃO SECCIONAMENTO EMPREGO DE


ELÉTRICA ATUMOTÁTICO DA EQUIPAMENTOS
ALIMENTAÇÃO CLASSE II

ESQUEMA ESQUEMA
TN TT
Valores máximos da tensão de
contato limite UL (V)
Natureza da corrente Situação 1 Situação 2
Alternada, 15 Hz – 1000
Hz 50 25
Contínua sem
ondulação2) 120 60

Situação 1 - Situação em que as pessoas se encontram com a pele úmida


(suor) e a superfície de contato sendo significativa (por exemplo, um
elemento está seguro dentro da mão).
Situação 2 - Situação em que as pessoas se encontram com os pés molhados ao
ponto de se poder desprezar a resistência da pele e dos pés ou em contato
permanente com paredes metálicas e cujas possibilidades de interromper os
contatos são limitadas.
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
 É COMO O ATERRAMENTO ESTÁ EM RELAÇÃO A
ALGUMAS CONDIÇÕES:
• SITUAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO EM RELAÇÃO À TERRA

• SITUAÇÃO DAS MASSAS DA INSTALAÇÃO


ELÉTRICA EM RELAÇÃO À TERRA

• DISPOSIÇÃO DO CONDUTOR NEUTRO E DO


CONDUTOR DE PROTEÇÃO
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
 É UTILIZADA UMA SIMBOLOGIA COM 02 OU MAIS
LETRAS:
• 1ª LETRA – SITUAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO EM RELAÇÃO A TERRA
 T = UM PONTO DIRETAMENTE ATERRADO
 I = ISOLAÇÃO DE TODAS AS PARTES VIVAS EM RELAÇÃO À TERRA OU
ATERRAMENTO DE UM PONTO ATRAVÉS DE UMA IMPEDÂNCIA;

• 2ª LETRA - SITUAÇÃO DAS MASSAS DA INSTALAÇÃO


ELÉTRICA EM RELAÇÃO À TERRA
 T = MASSAS DIRETAMENTE ATERRADAS, INDEPENDENTEMENTE DO
ATERRAMENTO EVENTUAL DE UM PONTO DE ALIMENTAÇÃO;
 N = MASSAS LIGADAS DIRETAMENTE AO PONTO DE ALIMENTAÇÃO ATERRADO
(EM CORRENTE ALTERNADA, O PONTO ATERRADO É NORMALMENTE O PONTO
NEUTRO);
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
 OUTRAS LETRAS: DISPOSIÇÃO DO CONDUTOR
NEUTRO E DO CONDUTOR DE PROTEÇÃO

• S = funções de neutro e de proteção


asseguradas por condutores distintos;

• C =funções de neutro e de proteção


combinadas em um único condutor (condutor
PEN).
ESQUEMA DE ATERRAMENTO

ESQUEMAS TN: POSSUI UM PONTO DA
ALIMENTAÇÃO DIRETAMENTE ATERRADO,
SENDO AS MASSAS LIGADAS A ESSE PONTO
ATRAVÉS DE CONDUTORES DE PROTEÇÃO.
NESSE ESQUEMA, TODA CORRENTE DE FALTA
DIRETA FASE-MASSA É UMA CORRENTE DE
CURTO-CIRCUITO. SÃO CONSIDERADOS TRÊS
TIPOS DE ESQUEMAS TN
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
 ESQUEMA TN-C
 CONDUTOR “PEN”,

 PODE-SE UTILIZAR QUANDO:

 SEÇÃO MAIOR QUE 10 mm2 NÃO PROTEGIDO


POR DR.
 CABO ISOLADO
 UMA VEZ SEPARADO NÃO PODERÁ MAIS EXISTIR

 EXEMPLO: REDE DE DISTRIBUIÇÃO, ENTRADA DE


ENERGIA.
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
ESQUEMA TT: POSSUI UM PONTO DA ALIMENTAÇÃO
DIRETAMENTE ATERRADO, ESTANDO AS MASSAS DA
INSTALAÇÃO LIGADAS A ELETRODOS DE
ATERRAMENTO ELETRICAMENTE DISTINTOS DO
ELETRODO DE ATERRAMENTO DA ALIMENTAÇÃO.

NESSE ESQUEMA, AS CORRENTES DE FALTA DIRETA


FASE-MASSA DEVEM SER INFERIORES A UMA
CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO, SENDO PORÉM
SUFICIENTES PARA PROVOCAR O SURGIMENTO DE
TENSÕES DE CONTATO PERIGOSAS.
ESQUEMA TT
ESQUEMA DE ATERRAMENTO
ESQUEMA IT: NÃO POSSUI QUALQUER PONTO DA
ALIMENTAÇÃO DIRETAMENTE ATERRADO, ESTANDO
ATERRADAS AS MASSAS DA INSTALAÇÃO. NESSE
ESQUEMA, A CORRENTE RESULTANTE DE UMA ÚNICA
FALTA FASE-MASSA NÃO DEVE TER INTENSIDADE
SUFICIENTE PARA PROVOCAR O SURGIMENTO DE
TENSÕES DE CONTATO PERIGOSAS.
ESQUEMA IT
ESQUEMA IT
A UTILIZAÇÃO DO ESQUEMA IT DEVE SER RESTRITA
A CASOS ESPECÍFICOS COMO:
a) instalações industriais de processo contínuo,
com as seguintes condições:
• A continuidade de operação é essencial;
• Existe detecção permanente de falta à terra;

a) circuitos com alimentação separada


(Transformador de Separação), em instalações
hospitalares, onde a continuidade de
alimentação e a segurança dos pacientes é
essencial (conforme NBR 13534);
SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO
DA ALIMENTAÇÃO

ESQUEMA TN

ESQUEMA TT
ESQUEMA TN
 PRESCRIÇÕES:
• COORDENAÇÃO ENTRE O DISPOSITIVO DE
PROTEÇÃO (SOBRECORRENTE) E A IMPEDÂNCIA
DO CIRCUITO, TAL QUE, OCORRENDO FALTA DE
IMPEDÂNCIA DESPREZÍVEL ENTRE FASE E “PE”
O DIPOSITIVO ATUE EM TEMPO SEGURO;
 CONDIÇÃO: ZS.Ia≤UO
 OU MELHOR: ZS ≤ (UO/Ia)
 Ia é a corrente que assegura a atuação do dispositivo
de proteção num tempo no máximo igual ao
especificado na tabela abaixo.
Tempos de seccionamento
máximos no esquema TN
Uo Tempo de seccionamento (s)

(V) Situação 1 Situação 2


115, 120,
0,80 0,35
127
220,277 0,40 0,20
400 0,20 0,05
> 400 0,10 0,02
Uo = tensão nominal entre fase e terra, valor eficaz em corrente
alternada
TABELAS DE COMPRIMENTO
MÁXIMO DO CIRCUITO
Tensão 380/220 - disjuntor NBR IEC 60898 Curva B

Seção 6 10 13 16 20 25 32 40

1,5 196 117 90 73

2,5 326 196 150 122 98

4,0 521 313 241 196 156 125

6,0 782 469 361 293 235 188 147 117

10,0 1304 782 602 489 391 313 244 196


TABELAS DE COMPRIMENTO
MÁXIMO DO CIRCUITO
Tensão 220/127 - disjuntor NBR IEC 60898 Curva B

Seção 6 10 13 16 20 25 32 40

1,5 113 68 52 42

2,5 188 113 87 71 56

4,0 301 181 139 113 90 72

6,0 452 271 208 169 135 108 85 68

10,0 753 452 347 282 226 181 141 113


TABELAS DE COMPRIMENTO
MÁXIMO DO CIRCUITO
Tensão 380/220 - disjuntor NBR IEC 60898 Curva C

Seção 6 10 13 16 20 25 32 40

1,5 98 59 45 37

2,5 163 98 75 61 49

4,0 261 156 120 98 78 63

6,0 391 235 181 147 117 94 73 59

10,0 652 391 301 244 196 156 122 98


TABELAS DE COMPRIMENTO
MÁXIMO DO CIRCUITO
Tensão 220/127 - disjuntor NBR IEC 60898 Curva C

Seção 6 10 13 16 20 25 32 40

1,5 56 34 26 21

2,5 94 56 43 35 28

4,0 151 90 69 56 45 36

6,0 226 135 104 85 68 54 42 34

10,0 376 226 174 141 113 90 71 56


ESQUEMA TN
 QUANDO NÃO CONSEGUIR SATIZFAZER
ESTA CONDIÇÃO, FAZ-SE:
• Uma ligação eqüipotencial suplementar.
ESQUEMA TT
 PRESCRIÇÕES:
• Todas as massas protegidas por um
mesmo dispositivo de proteção devem ser
ligadas por condutor de proteção a um
mesmo eletrodo de aterramento.
• Esta proteção deve ser assegurada por
dispositivos a corrente diferencial-residual
In Máximo valor de RA

0,03 (Uo=25V) 833,33 Ω


PROTEÇÃO ADICIONAL
 Meio destinado a garantir a proteção
contra choques elétricos em situações
de maior risco de perda ou anulação
das medidas normalmente aplicáveis,
e em situações ou locais em que os
perigos do choque elétrico são
particularmente graves.
PROTEÇÃO ADICIONAL
 EQUIPOTENCIALIZAÇÃO
SUPLEMENTAR

 UTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVO
DIFERENCIAL RESIDUAL DE ALTA
SENSIBILIDADE
EQUIPOTENCIALIZAÇÃO
SUPLEMENTAR
 QUANDO A CONDIÇÃO ABAIXO NÃO FOR
SATIZFEITA:
UL é a tensão de contato limite;
Ia é a corrente de atuação do
dispositivo de proteção,
correspondendo a:
– In para dispositivos de proteção a corrente
diferencial-residual;

– corrente de atuação em 5 s para dispositivos a

sobrecorrente.
EQUIPOTENCIALIZAÇÃO
SUPLEMENTAR
UTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVO
DIFERENCIAL RESIDUAL
 A utilização de DR não é reconhecida
como uma medida de proteção
completa contra contatos diretos, pois
não atua quando o contato ocorre
simultaneamente com duas partes
vivas de um circuito ou equipamento,
que se encontrem sob potenciais
diferentes.
UTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVO
DIFERENCIAL RESIDUAL
 ALTA SENSIBILIDADE: IΔ igual ou
inferior a 30 mA

 QUANDO É OBRIGATÓRIO:
 ESQUEMA TT – SEMPRE
 ESQUEMA TN – SOMENTE NO TNS
DR NO ESQUEMA TNS
 OBRIGATÓRIO:
• Nos circuitos que sirvam a pontos de
utilização situados em locais contendo
banheira ou chuveiro;
• Nos circuitos que alimentem tomadas de
corrente situadas em áreas externas à
edificação ou tomadas internas que
alimentam equipamentos na área externa;
DR NO ESQUEMA TNS
 OBRIGATÓRIO:
 Nos circuitos que, em locais de
habitação, ou não, sirvam a pontos de
utilização situados em cozinhas,
copas-cozinhas,lavanderias, áreas de
serviço, garagens e demais
dependências internas molhadas em
uso normal ou sujeitas a lavagens
DISPOSITIVO DIFERENCIAL
RESIDUAL - DR
 Os dispositivos DR podem ser de 02
Tipos:
 Interruptor (segundo a norma IEC
61008), (IDR) ou
 Podem possuir proteção contra
sobrecorrentes incorporada (segundo a
norma IEC 61009), do tipo designado,
na prática, por disjuntor DR (DDR).
PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO
 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO:
PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO
PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO
PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO
COMO LIGAR?
PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO