Você está na página 1de 11

SWOT: ANÁLISE DE PONTOS FORTES E FRACOS,

OPORTUNIDADES E
AMEAÇAS
Objetivos
• Efetuar uma síntese das análises internas e externas;
• Identificar elementos chave para a gestão da empresa, o que implica estabelecer prioridades de atuação;
• Preparar opções estratégicas: Riscos/Problemas a resolver.
• É ele quem faz o diagnóstico da empresa. Fortalece os pontos positivos, indica quais os pontos devem
melhorar, mostra as chances de crescimento, aumentando as oportunidades e deixa em alerta diante de
riscos.
Vantagens/Oportunidades
• Realizar previsão de vendas em articulação com as condições de mercado e capacidades da empresa no
geral
Para Martins (2006), a análise SWOT é uma das práticas
mais comuns nas empresas voltadas para o pensamento
estratégico e marketing, é algo relativamente trabalhoso
de produzir, contudo a prática constante pode trazer ao
profissional uma melhor visão de negócios, afinal de
contas, os cenários onde a empresa atua estão sempre
mudando.
De acordo com Rezende (2008), as forças ou pontos fortes da organização são as
variáveis internas e controláveis que propiciam condições favoráveis para a
organização em relação ao seu ambiente. São características ou qualidades da
mesma, que podem influenciar positivamente o seu desempenho. Os pontos fortes
devem ser amplamente explorados pela organização.
Para Martins (2007), são os aspectos mais positivos da empresa em relação ao seu
produto, serviço ou unidade de negócios, devem ser fatores que podem ser
controlados pela própria empresa e relevantes para o planejamento estratégico.

“Recursos e habilidades de que dispõe a organização para


explorar as oportunidades e minimizar as ameaças” (MATOS,
MATOS, ALMEIDA, 2007, p.151).
Conforme Martins (2007), são aspectos mais negativos da empresa em relação
ao seu produto, serviço ou unidade de negócios. Devem ser fatores que
podem ser controlados pela própria empresa e relevantes para o
planejamento estratégico.
A fraqueza é uma condição interna da empresa totalmente desfavorável, deve
ser observada constantemente, melhorada ou eliminada para futuramente
não dificultar a competitividade da empresa.

As fraquezas são consideradas deficiências que inibem a capacidade


de desempenho da organização e devem ser superadas para evitar
falência da organização (MATOS, MATOS, ALMEIDA, 2007).
São situações, tendências ou fenômenos externos, atuais ou potenciais, que podem
contribuir para a concretização dos objetivos estratégicos (CALLAES, BÔAS,
GONZALES, 2006).
As oportunidades refletem a realidade externa da empresa e devem ser observadas,
pois elas influem tanto no ambiente externo quanto interno da organização. A
oportunidade na maioria das vezes influi positivamente no ambiente interno.
Oferecem para a empresa chances de lucratividade a partir da identificação de novos
mercados e clientes, no entanto, é necessária a verificação das condições e
viabilidade da organização para utilizar tais oportunidades como estratégia
competitiva.

Para Martins (2007), oportunidades são aspectos mais positivos do


produto/serviço da empresa em relação ao mercado onde está ou irá
se inserir. São fatores que não podem ser controlados pela própria
empresa e relevantes para o planejamento estratégico.
Ameaças são aspectos mais negativos do produto/serviço da empresa em relação ao
mercado onde está ou irá se inserir. São fatores que não podem ser controlados pela
empresa e são relevantes para o planejamento estratégico (MARTINS, 2007).As
oportunidades refletem a realidade externa da empresa e devem ser observadas, pois
elas influem tanto no ambiente externo quanto interno da organização.
De acordo com Martins (2007), ameaças: são atividades que podem levar a empresa
para uma redução de receita ou até mesmo a seu desaparecimento. Estão ligadas aos
concorrentes e novos cenários, desafiando a atual estratégia do empreendimento.
Para evita-las devem ser analisados seus graus de possibilidade de ocorrerem e níveis
de gravidade.

Para Morais (2008), as ameaças são as forças externas que podem


impactar no sucesso da empresa, tal como a competição, a capacidade
operacional e o custo de aumentos dos bens.
Dinâmica de Sala

• Cinco representantes das equipes de Marketing, formará uma empresa.


• 20 Situações ou casos serão entregues a eles e sua empresa, e eles depois da
apresentação da Analise Swot, avaliará os casos e decidirá se são Forças,
Fraquezas, Oportunidades ou Ameaças.
• Terão 10 pontos de “VIDA”, simbolizando as chances que tem de se manter no
mercado competitivo por meio da Analises Swot.(cada caso valerá 0,5 pontos)
• Ao final se fará um balanço dos acertos e erros da empresa, e se ela se mantem no
mercado.

BOA SORTE!!
FORÇAS
• 1- Equipe qualificada e unida.
Respostas da
• 2- Localização Privilegiada
Dinâmica
• 3- Modelo de cobrança padrão muito eficiente e justo
• 4- Público alvo satisfeito com o serviço ou produto ofertado
• 5- Tecnologia Moderna e eficaz.
FRAQUEZAS
• 1-A empresa troca de diretoria constantemente, alterando os processos e projetos da empresa e perfil de gestão corrente.
• 2- As definições de funções não são elaboradas e seguidas à risca, sobrecarregando alguns funcionários e deixando outros de executar as tarefas necessárias.
• 3- Equipe pouco qualificada.
• 4- Tecnologia Ultrapassada;
• 5- Endomarketing deficiente, e troca de informações não clara e com muitos ruídos.
OPORTUNIDADES
• 1- Acesso a uma nova tecnologia mais barata.
• 2- Valorização do produto ou serviço fornecido, e melhor rentabilidade nas transações.
• 3- Profissionais se capacitando mais para ingressar no mercado de trabalho.
• 4- Custos de produção despencam com a diminuição do preço da matéria prima e mão de obra.
• 5- Nova Lei que rege o setor, favorecendo o mercado interno e externo.
AMEAÇAS
• 1-Condicões econômicas que possam vir a diminuir o poder aquisitivo do público-alvo (stakeholdes).
• 2-Continuidade de projetos dependerá de contenção e aumento de custos para serem reavaliados.
• 3- Concorrência aumenta e se cria um produto similar.
• 4- Pirataria dos seus produtos. 5- Mudança na legislação vigente do seu setor.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

• CALAES, Gilberto Dias.; VILLAS BÔAS, Roberto C; GONZALES, Arsenio. Planejamento Estratégico,
• Competitividade e Sustentabilidade na Indústria Mineral: dois casos de não metálicos no Rio de Janeiro. 1. ed. Rio
• de Janeiro: Cyted, 2006.
• CHIAVENATO, Idalberto; SAPIRO, Arão. Planejamento Estratégico: fundamentos e aplicações. 1. ed. 13°
• tiragem. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
• COBRA, Marcos. Consultoria em Marketing Manual do Consultor. 1. ed. São Paulo: Cobra Editora e Marketing,
• 2003.
• DAYCHOUW, Merhi. 40 Ferramentas e Técnicas de Gerenciamento. 3. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2007.
• DAYCHOUW, Merhi. 40 Ferramentas e Técnicas de Gerenciamento. 3. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2010.
• FERRELL, O. C.; HERTLINE, Michael D.. Estratégia de Marketing. Tradução All Tasks e Marlene Cohen. 4. ed.
• São Paulo: Cengage Learning, 2009.
• KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 10. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2000.
• MARTINS, Leandro. Marketing: Como se tornar um profissional de sucesso. 1. ed. São Paulo: Digerati Books,
• 2006.
• MARTINS, Marcos Amâncio P. Gestão Educacional: planejamento estratégico e marketing. 1. ed. Rio de Janeiro:
• Brasport, 2007.
• >. Acesso em 15

Você também pode gostar