Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE FEDERAL

RURAL DO SEMI-ÁRIDO
Layon Acadias
Eng. Civil – UFERSA - Caraúbas.

Saulo Servulo
Eng. Civil – UFERSA - Caraúbas.
 Registros históricos dão conta que, há muito tempo,
esta técnica já era usada.
 Mas foi a partir dos anos 60 que ela ganhou
desenvolvimento, com a patente do engenheiro
francês Henri Vidal.
 Devido aos seus trabalhos, o sistema ficou
conhecido no mundo todo e sua utilização é cada
vez maior.
 A ideia inicial era confinar aterros em situações
específicas, onde não se tem espaço para as
chamadas saias, se estendeu
 para diversas outras aplicações.
 O uso mais comum é junto aos encontros de pontes
e viadutos de estradas e ferrovias, ou nos
perímetros urbanos.
 onde os espaços são muito restritos e os prazos de
execução das obras bastante curtos.
 Aterros em indústrias para contenção de encostas
ou muros de arrimo são também aplicações comuns
deste sistema.
 Os muros contenção em Terra Armada, também
conhecido como solo armado ou reforçado, são
estruturas de contenção flexíveis, do tipo
gravidade.
 Eles associam aterro selecionado e compactado a
elementos lineares de reforço, que serão expostos
à tração.
 São normalmente usados em obras rodoviárias,
ferroviárias, industriais e em outras aplicações de
engenharia civil.
 A pressão do sistema é distribuída em tiras
metálicas, presas às placas. Essas tiras, colocadas
dentro do solo na medida em que este é
compactado durante a execução, resistem aos
esforços por conta do atrito desenvolvido no
maciço.
 Os principais componentes do sistema de terra
armada - o solo, as tiras metálicas e o paramento
externo formado pelas placas pré-moldadas de
concreto.
 Aterro
 O solo que vai formar a terra armada, também chamado de
volume armado, é formado por camadas sucessivas e
compactadas
 Armaduras
 As armaduras são peças lineares (tiras ou fitas),
normalmente de aço galvanizado e nervuradas, que
trabalham em atrito com o solo do aterro.
 Placas pré-moldadas
 As placas pré-moldadas, chamadas de escamas, formam o
acabamento externo do maciço e são responsáveis pelo
equilíbrio das tensões da periferia próxima ao paramento
externo.
 Primeiro são colocadas as escamas (painéis pré-moldados de
revestimento):
 Devem ser instaladas formando uma superfície vertical com o
auxílio de tratores e guindastes;
 A primeira linha de placas é normalmente colocada sobre uma
base de concreto, que serve como elemento de fundação para
o parâmetro externo;
 Tal soleira deve ser apoiada em material resistente como, por
exemplo, solo compactado, solo-cimento, etc.;
 Em princípio, a fundação da base das escamas de concreto e
do aterro deve ser de mesma natureza a fim de se evitar
recalques diferenciais e esforços de tração não previstos nas
tiras metálicas;
 A colocação das escamas deve se desenvolver em linhas
horizontais sucessivas, sendo o aterro executado juntamente
com a elevação das escamas.
 Depois é fixada uma camada de armaduras:
 Devem ser colocadas perpendicularmente às escamas,
salvo indicação explícita em contrário, no projeto;
 São fixadas às escamas por parafusos.
 Espalhamento e compactação das camadas de aterro
selecionado sobre as armaduras:
 A compactação das diversas camadas deve seguir a NBR
7182 – “Solo – Ensaio e compactação” e deve obedecer
as especificações de projeto;
 Não deve danificar ou deslocar da posição original as
armaduras ou escamas;
 Nas proximidades do paramento a vibração deve ser
lenta e cuidadosa.
 Agilidade com redução dos prazos de execução, as
grandes alturas dos aterros são muito favorecidas
com a terra armada e os custos ficam bastante
reduzidos”
.
 De concepção simples
 As escamas são montadas à medida que a
terraplanagem avança.
 Produz a quantidade necessária no próprio canteiro.
 Produz a quantidade necessária no próprio canteiro.
 Sem custo de transporte e com redução de
impostos.
 O concreto utilizado é o convencional, geralmente
com resistência característica à compressão de 25,0
MPa. Utiliza sistema de ligação com parafusos une
as escamas com a armadura e garante a
consolidação monolítica do maciço.
 A norma NBR 9286 –TERRA ARMADA, fixa as
condições para o projeto e a execução para
terrenos reforçados por terra armada.
 URBANA, Infra Estrutura. Fundações e
contenções. 2012. Disponível em:
<http://infraestruturaurbana.kubbix.com/solucoes-
tecnicas/23/artigo276269-1.aspx>. Acesso em: 12 out.
2016.
 FERNANDES, Marcos. Solo armado. 2010. Disponível em:
<http://www.cimentoitambe.com.br/solo-armado-ou-
terra-armada/>. Acesso em: 12 out. 2016.
 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS. 9286:
Terra armada. 1 ed. Rio de Janeiro: Moderna, 1986. 20
p. Disponível em:
<http://documents.tips/documents/norma-terra-
armada-nbr-9286-86.html>. Acesso em: 12 out. 2016.
OBRIGADO!