Cap PM Francisco

GERENCIAMENTO DE CRISES

CRISE
´Fenômeno complexo, de diversas origens possíveis, internas ou externas ao estado, caracterizado por um estado de grandes tensões, com elevada probabilidade de agravamento ² e risco de sérias conseqüências -, não permitindo que se anteveja com clareza o curso de sua evolução.µ
´ ´

Gab. Seg. Inst. Presidência da República

CRISE
´ ´Um

evento ou situação crucial que exige uma resposta especial da Polícia, a fim melhor assegurar uma solução aceitávelµ.
´

FBI

CRISE
´Fenômeno social de natureza crucial que necessita de uma intervenção especial dos órgãos que compõem o Sistema de Defesa Social, coordenados pela Polícia, objetivando abordá-lo, entendê-lo e solucioná-lo de forma a preservar vidas humanasµ. ´ PMBA
´

nasceu a unidade anti ² terror chamada de GSG-9. Terroristas de origem árabe. A polícia alemã-ocidental iniciou uma operação de resgate dos reféns e. após o combate. . que inspirou a criação de tropas especiais semelhantes em todas as polícias do mundo. membros de um grupo denominado Setembro Negro. mataram dois e seqüestraram nove integrantes da equipe olímpica israelense e tentaram fuga através do aeroporto da base militar de Furstendelbruck. 05 de setembro de 1972. morreram todos os reféns. chamado de Massacre de Munique. Do episódio.ANTECEDENTES HISTÓRICOS ´ Jogos Olímpicos de Munique.

quando foi iniciada a operação. onde doze homens iriam agir em três grupos. metralhadoras e granadas tomaram a Embaixada do Irã e fizeram 29 reféns. exigindo a imediata libertação de 91 prisioneiros do regime iraniano. . 30 de abril de 1980. Seis homens armados com pistolas. um saiu protegido pelos reféns e não houve baixa entre os reféns. O SAS. Em uma ação conjunta. iniciou os preparativos para invasão da embaixada. Inglaterra. grupo tático inglês. o negociador conversava com o líder dos terroristas. Cinco terroristas foram mortos.ANTECEDENTES HISTÓRICOS ´ Londres. Os terroristas mataram um refém e atiraram seu corpo para fora da Embaixada.

Imediatamente mataram dois passageiros e feriram gravemente outros três. Cinco terroristas do grupo Abu Nidal seqüestraram um avião e foram para o Liqa Airport Malta. . morreram cinqüenta e seis passageiros e um terrorista. um grupo de elite egípcio atacou e. 23 de novembro de 1985. da ação. A partir daí. além de restarem trinta e cinco feridos.ANTECEDENTES HISTÓRICOS ´ Malta.

após ter fumado crack. Em Arlington. De repente o sujeito pegou uma refém e encostou-lhe uma arma na cabeça e ficou em frente a dois policiais da SWAT em situação exposta. em uma janela e foi-lhe dada permissão para atirar.ANTECEDENTES HISTÓRICOS ‡ Virgínia. que permanecia em um lugar à pequena distância do criminoso. O sniper estava a cerca de trinta metros de distância. foi iniciada uma conversa com o negociador. . com um terceiro tiro. A exigência que fazia era ter mais droga para poder utilizar. Assim agindo. matando-o e resolvendo o conflito. Coube ao negociador atingir o criminoso. atingindo mortalmente um policial e acertando o outro na perna. o sujeito foi atingido na aorta e ainda teve tempo de fazer dois disparos antes de cair. EUA. Como não havia disponibilidade de telefone. 22 de março de 1989. um homem fez reféns utilizando uma arma calibre 12. com um tiro de 9mm.

O sniper do GATE. ricocheteia no cômodo e também atinge a Professora Adriana Caringe. 1989. dentre elas a professora Adriana Caringe. Brasil.ANTECEDENTES HISTÓRICOS ´ São Paulo. Divulgação pela PMSP da estruturação do GATE/BPChq. Cb PM Furlam. e pela PCSP da estruturação do GARRA. recebe autorização do seu comandante para disparo. Dois elementos praticam um roubo a um estabelecimento comercial. matando-á. num sobrado. . o tiro inicialmente atinge o causador mortalmente. são flagrados pela polícia e durante a fuga mantêm três pessoas como reféns.

ficando o episódio conhecido como o "Massacre do Carandiru". 02 de outubro de 1992. de 111 detentos. Brasil. Uma rebelião na Casa de Detenção do Carandiru é contida com a morte. . pela Polícia Militar.ANTECEDENTES HISTÓRICOS ‡ São Paulo.

com policiais civis e militares. efetuou a tomada do ponto crítico e libertou todos os reféns com vida. os irmãos Beltramin e outro criminoso tomaram sete pessoas como reféns. Em Marechal Cândido Rondon. Brasil. .ANTECEDENTES HISTÓRICOS ´ Paraná. matando os três criminosos. Um grupo de resgate. iniciou-se o cerco policial e um ordenado tratamento da questão que culminou na solução tática da crise. 25 de abril de 1995. durante roubo à residência do dono de uma casa de câmbio na cidade. que conseguiu avisar à Polícia.

Em Eldorado dos Carajás após o bloqueio de uma estrada e a ordem de retirada um conflito entre a Polícia Militar e sem ² terra faz 19 mortos. Brasil. . 17 de abril de 1996.ANTECEDENTES HISTÓRICOS Pará.

foi interceptado por dois policiais. fez ameaças: "delegado. um policial do BOPE tentou alvejar Sandro com uma submetralhadora e acabou errando o tiro. Ele foi colocado na viatura com outros policias segurando-o.Brasil ² 12 de junho de 2000 . Após isso. por Sandro Nascimento. Sandro apontou a arma na cabeça de Janaína Neves e a fez escrever nas janelas. Geísa acabou levando outros três tiros nas costas. acertando a refém de raspão no queixo. usando a professora Geísa Firmo Gonçalves como escudo. frases como: "Ele vai matar geral às seis horas" e "ele tem pacto com o diabo".ANTECEDENTES HISTÓRICOS ´ Rio de janeiro . sob a mira de um revólver. . Dez passageiros. O ônibus. O assaltante andou de um lado para o outro com um lençol na cabeça de Janaína. foram tomados como reféns pelo sequestrador. com batom. fez a refém se abaixar e fingiu dar-lhe um tiro na cabeça. já morreu uma. ´ Com sua refém morta. Ao descer. porém. Às18H50. o ônibus da linha 174 ficou detido no bairro do Jardim Botânico por quase 5 horas. então. disparados por Sandro. Sandro decidiu sair do ônibus. Sandro foi morto por asfixia ali dentro.O sequestro do ônibus 174 ² às 14h20. após um dos passageiros conseguir sinalizar para um carro da polícia que passava pela rua. vai morrer outra". Sandro foi logo imobilizado enquanto uma multidão correu para tentar linchá-lo.

.

sem ferimentos. Após mais de 100 horas de cárcere privado. ferida com um tiro no rosto. Nayara foi libertada. o advogado do sequestrador. Lindemberg Alves invadiu o domicílio de sua exnamorada. carregada em uma maca. Inicialmente dois reféns foram liberados. foi levado para a delegacia.Em 13 de outubro de 2008. posteriormente. foi levada inconsciente para o hospital. ter ouvido um disparo de arma de fogo no interior do apartamento . policiais do GATE explodiram a porta . de 15 anos. onde ela e colegas realizavam trabalhos escolares. A adolescente Nayara deixou o apartamento andando. em Santo André (SP).alegando. O sequestrador. Às 22h50min desse dia.ANTECEDENTES HISTÓRICOS ´ SANTO ANDRÉ (SP) . enquanto Eloá. mas no dia 15 a policia paulista mandou-a de volta para continuar as negociações.No dia 14. Eduardo Lopes. passou a acompanhar as negociações do cliente com o GATE (Grupo de Ações Táticas Especiais). Eloá Cristina Pimentel. Eloá e sua amiga Nayara Silva. que teve tempo de atirar em direção às reféns.e entraram em luta corporal com Lindemberg. restando no interior do apartamento. . em poder do sequestrador.

.

.

casa de detenção. etc. ´ Assalto a banco com reféns ´ Atos terroristas ´ Ameaça de bomba ´ Tentativa de suicídio ´ Invasão de terras ´ Captura de fugitivos ´ .EXEMPLOS DE CRISE Assalto com tomada de refém ´ Sequestro de pessoas ´ Rebelião em presídios.

CONTRA O SEU PATRIMÔNIO.DEVER DO ESTADO A PROTEÇÃO DO CIDADÃO CONTRA QUALQUER AMEAÇA CONTRA A SUA VIDA. CONTRA SEUS DIREITOS. ´É .

visando identificar. obter e aplicar os recursos necessários à prevenção. prevenção e resolução de uma criseµ ´ FBI ´É o processo de gestão operacional e administrativa de equipes de profissionais.GERENCIAMENTO DE CRISE ´ ´ ´É o processo de identificar. obter e aplicar os recursos necessários à antecipação. voltado para a utilização de conhecimentos técnico-científicos no fenômeno de crise. resolução e estudo de ocorrências de alto riscoµ ´ PMBA .

COMPETÊNCIA DE ATUAÇÃO .

OBJETIVO DO GERENCIAMENTO DE CRISE ´ PRESERVAR VIDAS APLICAR A LEI ´ .

um REFÉM será moeda valiosa para seu captor. . Diferentemente das ´VÍTIMASµ.REFÉM X VÍTIMA ´ ´REFÉNSµ aquela que possui real valor para o captor. de fuga a e obtenção de vantagens. que dele se valerá para garantir a sua incolumidade possibilidade física.

física danos à dessa sua . sendo antes objeto de seu ódio: o captor busca a eliminação pessoa ou integridade.REFÉM X VÍTIMA ´ ´VÍTIMASµ categoria formam que diz uma respeito àquelas pessoas capturadas e que não tem valor para os captores.

SÍNDROME DE ESTOCOLMO ´ Síndrome de Estocolmo é um estado psicológico particular desenvolvido por pessoas que são vítimas de sequestro. . A síndrome se desenvolve a partir de tentativas da vítima de se identificar com seu captor ou de conquistar a simpatia do sequestrador.

O termo foi cunhado pelo criminólogo e psicólogo Nils Bejerot. Nesse acontecimento. que ajudou a polícia durante o assalto. .SÍNDROME DE ESTOCOLMO ´ A síndrome recebe seu nome em referência ao famoso assalto de Norrmalmstorg do Kreditbanken em Norrmalmstorg. Estocolmo que durou de 23 de Agosto a 28 de Agosto de 1973. Duas das vítimas se casaram com os sequestradores após o término do processo. as vítimas continuavam a defender seus captores mesmo depois dos seis dias de prisão física terem terminado e mostraram um comportamento reticente nos processos judiciais que se seguiram.

indo viver com eles e sendo cúmplice em assalto a bancos.SÍNDROME DE ESTOCOLMO ´ O caso mais famoso e mais característico do quadro da doença é o de Patty Hearst. . Hearst. que desenvolveu a doença em 1974. após ser sequestrada durante um assalto a banco realizado pela organização militar politicamente engajada (o Exército de Libertação Simbionesa). Patty juntou-se aos seus captores. Depois de libertada do cativeiro. filha do magnata William R.

NÍVEIS BÁSICOS DO GERENCIAMENTO DE CRISES POLÍTICO (decisório) ESTRATÉGICO (de coordenação) TÁTICO (de resposta) ´ ´ ´ .

CRITÉRIOS DE AÇÃO .

ACEITABILIDADE LEGAL MORAL ÉTICA .

TIPOS DE CAUSADORES ‡ CRIMINOSO PROFISSIONAL INEXPERIENTE ‡ EMOCIONALMENTE PERTURBADO MOMENTÂNEO PERENE POLÍTICO ‡ FANÁTICO ÉTNICO RELIGIOSO .

´ A negociação é de interesse mútuo. O risco é maior nos primeiros momentos da crise. A crise acontece acidentalmente. .O CRIMINOSO ´ ´ ´ ´ Vida dedicada ao crime. Refém é a sua garantia de fuga.

TEMPO .

´ ´ ´ difícil e Os momentos de risco se alternam.O EMOCIONALMENTE PERTUBADO ´ Psicopata perturbada. ou pessoa temporariamente Racionalidade flutuante. . Negociação instável.

TEMPO .

Violência tende a aumentar. RELIGIOSO. ´ Não barganha convicção ou crença. ´ ´ ´ .O MOTIVADO POLITICO. Potencial de periculosidade alto. ETNICO ´ Procura sempre grande repercussão. Negociação difícil e restrita.

TEMPO .

sem refém. mantendo reféns a bordo de uma aeronave. ameaçando uma população. afirmando tratar-se de elemento radioativo de alto grau de letalidade. Indivíduo de posse de um recipiente. Terroristas armados com armas automáticas. Assalto a banco por dois elementos armados mantendo reféns. 1º GRAU 2º GRAU 3º GRAU 4º GRAU ALTÍSSIMO RISCO AMEAÇA EXTRAORDINÁRIA AMEAÇA EXÓTICA .GRAUS DE RISCO CLASSIFICAÇÃO TIPOS ALTO RISCO EXEMPLOS Assalto a banco promovido por uma ou duas pessoas armadas de pistola ou revólver.

NÍVEIS DE RESPOSTAS NÍVEL RECURSOS EFETIVO ORDINÁRIO + CIA ESPECIAL NÍVEL UM + COE RESPOSTA As guarnições do policiamento ordinário mais a CIA especial podem atender à ocorrência. Necessidade de unidades de reforço para controle de acesso e segurança externa. UM DOIS TRÊS QUATRO NÍVEL DOIS + REFORÇO NÍVEL TRÊS + ASSESSORIA ESPECIALIZADA . Atendimento com apoio de unidades especializadas ² em razão da possibilidade de emprego tático. Necessidade de conhecimentos específicos em razão da ameaça incomum.

RELAÇÕES PÚBLICAS NEGOCIAÇÃO INFORMAÇÕES GERENCIAMENTO DE CRISES INTERVENÇÃO TÁTICA VIGILANCIA TÉCNICA LOGÍSTICA .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful