Você está na página 1de 9

Língua Brasileira de Sinais

Comunicando com as mãos


História da LIBRAS
A Libras (Língua Brasileira
de Sinais) é uma língua natural
usada pela maioria dos surdos
do Brasil. Diferente de todos os
idiomas já conhecidos, que são
orais e auditivos, a libras é
visual-gestual, é uma língua
pronunciada pelo corpo.
No período de 1500 a 1855, já existiam
muitos surdos no país. Nessa época, a educação
era precária. Em 1855, ocorreu a vinda ao Brasil
de um professor francês surdo, chamado
Edward Huet, e, em 1857, foi fundado o
primeiro Instituto Nacional de Surdos-Mudos no
Rio de Janeiro.
No período de 1970 a 1992, os surdos se fortalecerem e
reivindicaram os seus direitos. Desde aquela época, as escolas
tradicionais existentes no método oral mudaram de filosofia e,
até hoje, boa parte delas vêm adotando a comunicação total.
Em 2002, foi promulgada uma lei que reconhecia a Língua
Brasileira de Sinais como meio de comunicação objetiva e de
utilização das comunidades surdas no Brasil. Em 2005, foi
promulgado um decreto que tornou obrigatória a inserção da
disciplina nos cursos de formação de professores para o
exercício do magistério em nível médio (curso Normal) e
superior (Pedagogia, Educação Especial, Fonoaudiologia e
Letras). Desde então, as instituições de ensino vêm procurando
se adequar a essa lei.
Muitas tentativas
educacionais foram feitas
com o objetivo de educar
crianças surdas e, por muito
tempo, a surdez foi apontada
como a causa do fracasso
escolar. A surdez dificulta a
comunicação colocando o
surdo em desvantagem, pois
vivemos num mundo
dominado pela língua oral,
composta por vocábulos e
gramática que são
desconhecidos pelo surdo.
Portanto, os surdos são
portadores de necessidades
especiais.
Educadores e pesquisadores
em todo o mundo têm um objetivo
em comum, o de propor aos
surdos uma melhor condição de
vida social e, por isso, surgiram
várias filosofias educacionais.
Todo indivíduo é capaz
de desenvolver o aprendizado,
então, quando é exposto a uma
língua, começa o processo de
aprendizado com uma cadeia
de significados que é a base
para o desenvolvimento da
escrita. O surdo é privado dessa
exposição pela falta de audição
e, por causa disso, o processo
de desenvolvimento fica em
desvantagem. Sua capacidade
de aprender é interrompida
bem na linha de partida.
A língua de sinais facilita a
comunicação e melhora a
interação entre ouvinte e surdo.
Ao educador especial que tem
um aluno surdo na sala de aula,
a língua de sinais será de
fundamental ajuda para a
transmissão do conteúdo
programático das matérias.