Você está na página 1de 19

Degustando os sabores da

pesquisa:

U M A C O M PAR AÇ Ã O E N T R E C O Z I N H AR E P E S Q U I S AR
Sobre este texto

 Este texto foi feito num momento em que havia um


bloqueio na minha escrita, e a pesquisa não estava
avançando, algo me travava e me impedia de produzir.

 Comecei escrevendo de forma despretensiosa sobre


a comida, em seguida sobre os alimentos e quando me
dei conta estava comparando o cozinhar com o
pesquisar, percebi nesse momento que era
impossível me desprender da pesquisa, e foi assim
que um mero exercício, se tornou uma reflexão que
está presente no capítulo metodológico da minha
pesquisa.
Comer como forma de prazer

 Comer é algo essencial para existência dos seres vivos, é preciso se


alimentar e se nutrir a fim de adquirir energia para realizar as funções diárias.
Para o ser humano a comida não se restringe apenas a uma necessidade
básica ou algo excepcionalmente biológico, comer para o homem representa
um dos prazeres da vida, lhe confere bem-estar, dá aquela sensação de
satisfação e algumas vezes os leva à pecados como a gula.
A cozinha e suas contradições

 A cozinha é um território contraditório que pode


ser ao mesmo tempo amado por alguns, suportado por
uns e evitado por outros, isso se dá devido à maioria
das pessoas sentir um imenso prazer em comer, mas
não necessariamente em cozinhar.
O que é preciso para cozinhar?

 Cozinhar é bem mais do que juntar alguns ingredientes ao fogo e


acrescentar sal.

 Antes de cozinhar é preciso planejamento: deve-se escolher os ingredientes,


a receita, as quantidades, pensar no tempo de preparo, na temperatura, as
técnicas e instrumentos que serão utilizados (como o tipo de corte, o tipo de
cozimento; as facas, o processador, as panelas e recipientes), e por fim deve-
se pensar na apresentação do prato, momento em que ele estará sujeito às
críticas em relação a técnica, sabor e aparência.
O que é preciso para pesquisar?

 De acordo com Richardson (2010, p. 70) “o trabalho de pesquisa deve ser


planejado e executado de acordo com normas requeridas por cada método de
investigação” podendo ser quantitativo e/ou qualitativo.
 O método quantitativo tem como prioridade a precisão dos resultados, um
exemplo disso é o uso dos questionários; já o método qualitativo propõe atingir
maior profundidade dos dados, por meio de entrevistas por exemplo.
Cozinhar e pesquisar

A escrita enquanto ofício do pesquisador, é um exercício intelectual que faz


parte da pesquisa social entendida como:

[...] um processo no qual se vinculam distintos níveis de abstração, se


cumprem certos princípios metodológicos e se executam diversos
processos específicos articulados de maneira lógica, com base em teorias,
métodos, técnicas e instrumentos adequados e precisos para chegar a um
conhecimento objetivo [...] sobre determinados fenômenos sociais.
(SORIANO, 2004, p.20)
A escrita como arma

Pode-se dizer que escrever constitui o modo


de se expressar do pesquisador, é através de
suas ideias e reflexões que ele é capaz de levar
as pessoas a ter um senso crítico, a pensar de
forma diferente, a ser mais tolerante e consciente
sobre o mundo à sua volta.
A escrita como arma

 O pesquisador tem em mãos sua maior arma: a escrita, que o leva a


caminhos até então inabitados, a terrenos lamacentos e lugares insólitos que o
tiram da sua zona de conforto, que mexem com suas convicções, e o fazem
questionar o que está instituído.

Pesquisar é instigante e muitas vezes pode ser ameaçador, pois o


pesquisador tem a capacidade de realizar longas análises sobre as diversas
épocas e momentos e o poder de compreender a sociedade em que se vive de
acordo com critérios políticos, econômicos e culturais e isso é de certa forma
intimidador a quem pretende manter a ordem vigente.
O pesquisador

 É por isso que o pesquisador precisa estar atento ao que está à sua volta,
observando e tomando nota, já que “pela observação o homem constitui grande
quantidade de conhecimentos. Valendo-se dos sentidos, recebe e interpreta as
informações do mundo exterior [...]. A observação constitui sem dúvida,
importante fonte de conhecimento” (GIL, 1987, p.19)
Cozinhar e pesquisar

 Comparando o cozinhar com o


pesquisar notam-se várias semelhanças,
conforme Schopenhauer (2009, p.21) “um
bom cozinheiro pode dar gosto até a uma
velha sola de sapato; da mesma maneira,
um bom escritor pode tornar interessante
mesmo o assunto mais árido”.
Comparação entre pesquisar e cozinhar
Pesquisar Cozinhar

tema ingrediente

metodologia - regras receita – modo de preparo

cronograma tempo de cozimento

técnicas e instrumentos técnicas e utensílios

exposição da pesquisa apresentação do prato

teórico, metodológico e empírico técnica, sabor e aparência


Comparação entre pesquisar e cozinhar

 Assim como na preparação da comida, para que a pesquisa se realize


também existe um planejamento, escolhe-se o tema, que é semelhante ao
ingrediente; é preciso que haja uma metodologia com as regras para a
realização da pesquisa, que comparada à receita, também possui um modo de
preparo; há igualmente, o tempo (cronograma) para executar cada processo da
pesquisa, bem como na cozinha existe um tempo necessário para o cozimento
de cada alimento; além disso também existem as técnicas e instrumentos que
proporcionarão a coleta de dados, como as entrevistas, os questionários, os
diários de campo, a história de vida; e pôr fim, na exposição da pesquisa serão
concretizadas a reflexão, a compreensão e a análise dos dados, que assim
como na apresentação do prato, a pesquisa também estará sujeita a críticas
baseadas na coerência entre o teórico, o metodológico e o empírico.
Comparação entre pesquisar e cozinhar

 É a partir da escolha dos ingredientes que se imagina no que consiste o


prato e quais os sabores poderão ser encontrados nele, o que na pesquisa os
ingredientes dizem respeito a escolha do tema, que vai orientar toda a
pesquisa e harmonizar com os autores e teorias. Entretanto quando os
alimentos são denominamos meros ingredientes isso parece ocultar e ignorar
toda a história por traz deles, conferindo apenas a função de compor um prato.
A comida pronta e o prato em si, já “acabado” não reflete todos os processos
por traz dos alimentos, isso vai muito além de como ele se apresenta. Existem
diversas inquietações que envolvem os alimentos, que vão desde o que se
produz, onde se produz, como se produz, quem produz, por que se produz e
quem consome.
Pesquisar

 Certamente também existem inúmeras preocupações em relação à pesquisa, que não é


apenas a escolha fria e impessoal de um tema, com um objeto de pesquisa, objetivos
geral e específicos, problemas a serem respondidos e hipóteses a serem testadas, existe
toda uma realidade social por traz, existem pessoas reais com suas subjetividades que
merecem ser consideradas e não somente identificadas em categorias.

A pesquisa pode ser percebida de algumas formas, ora como um simples trabalho de
conclusão de curso, ora como algo muito distante para a maioria das pessoas, é como
se as pesquisas fossem feitas somente por pessoas brilhantes e intelectuais, detentoras
exclusivas do conhecimento, isso se dá especialmente nas áreas de ciências exatas e
biológicas, que pressupõem avanços tecnológicos. Diferente da pesquisa social, que não
necessariamente pretende solucionar um problema social, mas analisar, compreender e
refletir sobre ele, fazendo com que haja um pensamento crítico e questionador nas pessoas.
A presença das mulheres na cozinha profissional e no
meio acadêmico

 Assim como no meio gastronômico, em que a maioria


dos chefs profissionais e de renome são homens, no
meio acadêmico também pode-se notar a
predominância masculina.
 Dentre as trinta e sete disciplinas que tive no curso de
Ciências Sociais, dos vinte e quatro professores, apenas
sete eram mulheres, em vista dos dezessete
professores homens. Quando se trata de
representatividade negra entre os professores a questão
é ainda mais preocupante, me lembro apenas de dois.
A presença das mulheres no meio acadêmico

18
PROFESSORES DE CIÊNCIAS
SOCIAIS
16
14
12
10
8
6
4
2
0
Sexo
Masculino Feminino
Pesquisar e Cozinhar

 A cozinha e a pesquisa são assuntos que aparentemente não têm nada em comum,
mas que ao serem analisados e aprofundados podem levar a riquíssimas reflexões. A
cozinha além de ser campo do contraditório, também pode ser encarada como um
campo lúdico, em que é permitido experimentar, descobrir e explorar novos sabores, e
isso é algo que eu pretendo levar para o âmbito da pesquisa: ter tanto prazer em
pesquisar como eu tenho em preparar a comida.
Referências

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 1987.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de escrever. Porto Alegre: L&PM, 2009.

SORIANO, Raúl Rojas. Manual de Pesquisa Social. Petrópolis: Vozes, 2004.

TWAIN, Mark. Weaponized words. Disponível em: <https://free81387.com/2016/10/15/weaponized-


words/> Acesso em: 21 de nov. 2017.