Você está na página 1de 12

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

ARQUITETURA E URBANISMO

Área de concentração: Urbanização, Projeto e Políticas físico-territoriais.

Linha de pesquisa: Estruturação e Gestão do Território

Dos beneficiários às políticas redistributivas: efeitos


de transbordamento das vantagens locacionais no
espaço urbano.

Aluno: Daniel Nicolau de Vasconcelos Pinheiro


HIPOTESE

É possível criar estratégias de


redistribuição de mais-valias fundiárias
urbanas que sejam complementares aos
impostos e taxas instituídos no Estatuto
da Cidade e Códigos Tributários,
baseadas nos efeitos de
transbordamento de valorização do
capital fixo coletivo das localidades.
PREMISSAS

Investimentos privados, sob a forma de capital fixo coletivo, geram valorização e mais-
valia em imóveis que estejam em sua área de influência como um efeito de
transbordamento.

Investidores tendem a agrupar seus investimentos próximos de grupos com interesse


mútuo, aproveitando os benefícios atraídos pela vizinhança. (ABRAMO, 2007a; BOTELHO,
2007; FIX, 2015; HARVEY, 2015a; VILLAÇA, 2001).

O agrupamento destes capitais e empreendedores gera estruturas de segregação social


que se materializam na estrutura e disposição dos espaços urbanos. (BOTELHO, 2007;
FIX, 2001, 2015, HARVEY, 1980, 2015a; SINGER, 1982; VILLAÇA, 2001)

Existe a necessidade de se equilibrar e distribuir de forma equânime os ônus e bônus da


cidade através de instrumentos de controle do Estado (mediador) para diminuir as
desigualdades da produção capitalista do espaço. (CUNHA; SMOLKA, 1978; HARVEY,
1980; SINGER, 1982; SMOLKA, 2013)
OBJETIVOS
▪ Objetivo geral:

▪ Verificar a existência e a forma de como ocorre a concentração de renda/valorização


fundiária urbana, oriunda da alocação de capital fixo coletivo, evidenciando efeitos e
formas de transbordamento de valorização, de captura de mais-valias e de
redistribuição de mais-valias fundiárias.

▪ Objetivos específicos:

▪ - A partir da identificação da existência e das formas de distribuição sócio/espacial de


padrões de concentração, identificar os grupos de beneficiários (regulares e
irregulares) existentes no recorte geográfico adotado;

▪ - Identificar e analisar a concentração dos investimentos e a participação financeira dos


grupos de agentes beneficiários (regulares e ilegais);

▪ - Identificar a participação financeira do Estado nas áreas de concentração de


valorização;

▪ - Analisar a política de recuperação de mais-valias fundiárias urbanas e redistribuição


social dos ganhos na área de estudo;
METODOLOGIA

▪ A metodologia a ser aplicada para a tabulação e tratamento dos dados coletados, incialmente, será semelhante a sugerida e
utilizada por Smolka (2013), ou seja, os dados coletados servirão de balizadores para gráficos comparativos entre incidências de
montantes investidos nas localidades, para a espacialização das informações de valorização, capital fixo e atividades regulares e
irregulares, permitindo identificar os centros de valorização onde do capital oriundo de rendas fundiárias é mais intenso.
▪ Também será identificada a presença de atividades econômicas irregulares nas áreas valorizadas, permitindo a constatação de
movimentos de resistência pertencentes a populações de rendas inferiores, que buscam absorver parte da valorização do capital
fixo coletivo ali implantado, com ou sem coordenação oficial de suas atuações.
▪ Algumas visitas e levantamentos de dados serão realizados nas secretarias municipais como: na Secretaria de Planejamento,
serão levantados os dados sobre os montantes investidos em obras e manutenção da estrutura pública; na Secretaria de Meio
Ambiente e Urbanismo, serão obtidos os dados de licenciamento de obras públicas e privadas; na Secretaria de Tributação serão
adquiridos os dados sobre informações de lotes e informações agrupadas sobre capitais sociais; do IBGE serão utilizados dados
de rendas e população obtidos nos últimos censos; no Sindicato da Industria da Construção Civil – SINDUSCON, serão obtidos os
dados relativos a estimativa do Custo Unitário Básico da construção civil; na Secretaria de Obras e Viação, SEMOV, serão
levantados os dados de orçamento para estimativa de execução de obras; e por último, da Caixa Econômica Federal serão
obtidos os custos oficiais de estimativa de orçamento para obras públicas e privadas.
▪ Com os dados obtidos e a organização deste acervo, espera-se poder realizar a leitura do resultado da compilação sob a ótica
das referencias teóricas escolhidas para a análise e comparação dos dados da realidade.
▪ Dados que não podem ser fornecidos individualmente por tratar-se de informação de caráter sigiloso dos proprietários.