Você está na página 1de 65

MÓDULO 8

A CULTURA DA GARE

O ROMANTISMO
CARATERÍSTICAS DO ROMANTISMO

NEOCLASSICISMO ROMANTISMO

VALORIZAÇÃO DO EMOCIONAL
VISÃO FRIA E RACIONAL DO MUNDO
(MUNDO DOS SENTIDOS)

FORMALISMO
EMOÇÃO SUBJETIVA
CONTROLO
INTUIÇÃO
DISCIPLINA INTELETUAL
ARQUITETURA DO ROMANTISMO
CARATERÍSTICAS DA ARQUITETURA ROMÂNTICA

REVIVALISMO ECLETISMO EXOTISMO

Reproduz técnicas e cânones Combina influências oriundas Tendência para o gosto


estéticos de correntes de várias épocas e estilos do que é estranho à cultura
artísticas anteriores num mesmo edifício. ocidental – arte oriental.

Valoriza a imaginação e os sentidos


pelo desconhecido e misterioso
ARQUITETURA ROMÂNTICA - NEOGÓTICO

Palácio de Westminster (Parlamento Inglês), Londres (1840-1888)


ARQUITETURA ROMÂNTICA - NEOGÓTICO

Castelo de Neuschwanstein,
Baviera (1870)
ARQUITETURA ROMÂNTICA - NEOGÓTICO

Catedral de S. Patrício,
Nova Iorque (1865-1878)
ARQUITETURA ROMÂNTICA - NEOROMÂNICO

Igreja de S. Madalena de Vézelay


ARQUITETURA ROMÂNTICA - NEOBARROCO

Ópera de Paris (1861-1874


ARQUITETURA ROMÂNTICA - NEOÁRABE

Pavilhão Real, Brighton (1752-1825)


ARQUITETURA ROMÂNTICA PORTUGUESA Ecletismo

Neomanuelino

Palácio da Pena, Sintra (1838-1868)


Palácio do Buçaco, (1888-1907)
ARQUITETURA ROMÂNTICA PORTUGUESA Ecletismo

Ecletismo

Palácio da Regaleira, (1904-1910)

Basílica de Santa Luzia, (1903-1904)


ARQUITETURA ROMÂNTICA PORTUGUESA

Exotismo Neomanuelino

Praça de Touros do Campo Pequeno (1892) Estação do Rossio (1886-


ARQUITETURA ROMÂNTICA PORTUGUESA

Ecletismo

Praça de Monserrate, Sintra (1887)


ARQUITETURA ROMÂNTICA PORTUGUESA

Salão árabe do Palácio da Bolsa, Porto


PINTURA DO ROMANTISMO
CARATERÍSTICAS DA PINTURA ROMÂNTICA

• Corte com o academismo neoclássico – Valorização da


imaginação, sonho, sentimentos, sensibilidade, etc.

• O artista emancipa-se da encomenda - A obra é baseada nos


impulsos da sua alma e na sua própria inspiração;

• A pintura é bastante individualizada e diversificada no quanto


ao estilo e aos temas, com caminhos diferentes no campo
formal e plástico o que levou ao nascimento de uma nova
pintura no início do século XX.

Eugene Delacroix, A Barca de Dante (1822)


CARATERÍSTICAS DA PINTURA ROMÂNTICA

• A pintura romântica é para ser contemplada e o


observador deverá dar um significado à pintura
consoante as suas emoções.

• O pintor lança um olhar subjetivo sobre o mundo


objetivo e apresenta-nos uma imagem filtrada pelas
suas emoções - O artista torna-se o intérprete do
mundo.

Casper Friedrich, Mulher diante da Aurora (1818)


TÉCNICAS DA PINTURA ROMÂNTICA

• Prevalência da cor sobre o desenho linear.

• Paleta cromática variada – Explora fortes


contrastes e intensos efeitos claro-escuro.

• Técnica de execução – Utilização do óleo sendo as


volumetrias definidas pelos contrastes luz-cor.

• Composições movimentadas e dinâmicas que


reforçam o sentido trágico, dramático ou heroico
– Utilização de linhas estruturais oblíquas e
sinuosas.

William Turner, O Pescador no Mar (1796)


TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA

TEMAS HISTÓRICOS

• Episódios da época medieval de cada nação.

• Valorização do herói individual, abnegado e


entregue à causa.

Francisco Goya, Os Fuzilamentos do Três de Maio (1814)


TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA

TEMAS LITERÁRIOS

• Inspiração na literatura do passado (Romances


medievais de cavalaria e obras de autores clássicos)

Tema inspirado na obra “Uma Noite


de Verão” de William Shakespeare
Henri Füssli, Titânia, Bottom e as Fadas (1794)
TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA

TEMAS MITOLÓGICOS

• Gosto pelas mitologias cristã e nórdica


(tratadas com misticismo e espiritualidade).

Théodore Géricault, A Jangada de Medusa (1818)


TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA

RETRATO

• Para além do retrato oficial e honorífico destaca-se


sobretudo o retrato de figuras populares e
anónimas captadas de modo subjetivo, emocional
e psicológico.

Théodore Géricault, Retrato de um Alienado Cleptómano (1882)


TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA
( TEMAS INOVADORES)

TEMAS DA ATUALIDADE POLÍTICO-SOCIAL

• Naufrágios.
• Revoltas Sociais.
• Lutas nacionalistas e seus heróis.

Eugene Delacroix, Liberdade Guiando o Povo (1830)


TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA
( TEMAS INOVADORES)

TEMAS INSPIRADOS NO MUNDO DOS


SONHOS E DA FANTASIA

• Inspiração no mundo interior, na imaginação,


no subconsciente, nas lendas e no absurdo.

Henri Füssli, O Pesadelo (1781)


TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA
( TEMAS INOVADORES)

TEMAS INSPIRADOS NAS TRADIÇÕES,


HÁBITOS E RAÇAS EXÓTICAS

• Gosto pelo pitoresco – Civilizações não


europeias (China, Índia ou Norte de África).

Eugene Delacroix, Mulheres de Argel (1834)


TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA
( TEMAS INOVADORES)

VIDA ANIMAL

• Pintura de animais selvagens.

Georges Stubbs, Um Leão Atacando um Cavalo (1770)


TEMAS DA PINTURA ROMÂNTICA

PAISAGEM

• Tema predileto, principalmente na Alemanha, pois a


natureza era o espelho da alma, o símbolo da liberdade e
do infinito:

• Composições com figuras solitárias e indefesas


perante as forças da natureza, a olhar
nostalgicamente para o horizonte.

• Composições com árvores mortas e ruínas


cobertas por vegetação, que mostram a
passagem do tempo e o ciclo da evolução.
Casper Friedrich, Nascer da Lua Sobre o Mar (1822)
PINTURA DO ROMANTISMO - ALEMANHA

O homem de costas é como se fosse um emblema


da experiência romântica da natureza.

Sozinho nas alturas, olha para um ponto


inatingível e o que vê é, ao mesmo tempo, algo
de exterior e a projeção do seu “Eu”.
Caspar David Friedrich
(1774-1840)

Caspar David Friedrich, O Viajante Sobre o Mar de Névoa (1818)


PINTURA DO ROMANTISMO - ALEMANHA

A posição dos dois homens ilustra o contraste


entre o medo e a nostalgia. Enquanto um deles
está assustado e se agarra às ervas para não
cair, o outro olha para o horizonte.

Um abismo intransponível separa os observadores da


natureza, do clarão da aurora que se reflete na água. Os
perigosos rochedos pontiagudos estreitam esse troço de
Caspar David Friedrich
(1774-1840) paisagem, provocando uma ânsia por mais espaço.
Caspar David Friedrich, Os Penhascos de Rügen (1818)
PINTURA DO ROMANTISMO - ALEMANHA

Preferência por paisagens


agrestes e inóspitas, quase
irreais, onde a presença humana
aparece como opositora à
natureza, isto é, como alguém
que lhe é estranho e a observa
“de fora”.

Caspar David Friedrich


(1774-1840)

Caspar David Friedrich, Nascer da Lua Sobre o Mar (1822)


PINTURA DO ROMANTISMO - ALEMANHA

O carvalho quase desenraizado, que


se agarra ao declive junto dos
caminhantes, simboliza o ciclo da
natureza, feito de declínio e de
crescimento, tal como o lusco-fusco
intimista da lua.

Caspar David Friedrich


(1774-1840)

Caspar David Friedrich, Homem e Mulher Contemplando a Rua (1822)


PINTURA DO ROMANTISMO - ALEMANHA

A tarefa do pintor não é


representar fielmente o ar, a
água, as rochas e as árvores,
mas sim espelhar neles a sua
alma e aquilo que sente.

Caspar David Friedrich


(1774-1840)

Caspar David Friedrich, O Mar de Gelo (1823-1824)


PINTURA DO ROMANTISMO - ALEMANHA

O pintor interessava-se pelo


crepúsculo, ou o pelo luar,
porque esses simbolizavam
transformação, tranquilidade
silêncio.

Caspar David Friedrich


(1774-1840)

Caspar David Friedrich, O Luar do Mar do Norte (1823-1824)


PINTURA DO ROMANTISMO - ALEMANHA

Caspar David Friedrich


(1774-1840)

Caspar David Friedrich, As Fases da Vida (1835)


Georges Stubbs, Éguas e Potros numa Paisagem (1763-68)

Georges Stubbs
Georges Stubbs, Leão Atacando um Cavalo (1762)

PINTURA DO ROMANTISMO - INGLATERRA


Georges Stubbs, As Famílias Milbanke e Melbourne (1769) Georges Stubbs, Chita com Dois Empregados Indianos e um Veado (1764-65)

Georges Stubbs

PINTURA DO ROMANTISMO - INGLATERRA


William Blake, Hekate (1795) William Blake, Oberon, Titânia e Puck Dançando com Fadas (1786)

William Blake

PINTURA DO ROMANTISMO - INGLATERRA


William Turner, O Naufrágio (1805) William Turner, O Naufrágio do Minotauro (1810)

William Turner

PINTURA DO ROMANTISMO - INGLATERRA


William Turner, Pescadores no Mar (1796) William Turner, Chuva, Vapor e Velocidade (1844)

William Turner

PINTURA DO ROMANTISMO - INGLATERRA


John Constable, Baía de Weymouth (1816) John Constable, Wivenhoe Park (1816)

John Constable

PINTURA DO ROMANTISMO - INGLATERRA


John Constable, O Moinho de Flatford (1816-17) John Constable, O Carro do Feno (1821)

John Constable

PINTURA DO ROMANTISMO - INGLATERRA


Théodore Géricault, A Jangada de Medusa (1818-19) Théodore Géricault, Captura de um Cavalo Bravo (1817)

Théodore Géricault

PINTURA DO ROMANTISMO - FRANÇA


Eugene Delacroix, A Barca de Dante (1822)

Eugene Delacroix Eugene Delacroix, A Liberdade Guiando o Povo (1830)

PINTURA DO ROMANTISMO - FRANÇA


Eugene Delacroix, A Morte de sarnapolo (1827-28)

Eugene Delacroix Eugene Delacroix, O Massacre de Chios (1824)

PINTURA DO ROMANTISMO - FRANÇA


Heinrich Füssli, Despertar de Titânia (1775-90) Heinrich Füssli, O Pesadelo (1781)

Heinrich Füssli

PINTURA DO ROMANTISMO - SUIÇA


Francisco Goya, O Três de Maio de 1808 (1814) Francisco Goya, Aníbal Vencedor Contempla Pela Primeira Vez Itália dos Alpes (1781)

Francisco Goya

PINTURA DO ROMANTISMO - ESPANHA


A PINTURA ROMÂNTICA EM
PORTUGAL
CARATERÍSTICAS DA PINTURA ROMÂNTICA PORTUGUESA

• Entrada tardia.

• Sem programa consistente nem objetivos concretos.

• Sobretudo pintura de paisagem (confundiu-se com o


naturalismo).

• Principais temas:
• Pintura histórica (Idade Média e da História Nacional)
• Pintura de género (vida rural e costumes populares).
• Paisagem.
• Cenas místicas (procissões).
• Retrato. Augusto Roquemont, Auto-Retrato
Tomás da Anunciação, Paisagem com Figura e Gado
Junto ao Castelo de Palmela (1865)

TOMÁS DA ANUNCIAÇÃO (1818-1879)


Tomás da Anunciação, Vista da Penha de França (1865)

TOMÁS DA ANUNCIAÇÃO (1818-1879)


João Cristino da Silva, Cinco Artistas em Sintra (1855)

JOÃO CRISTINO DA SILVA (1829-1877)


João Cristino da Silva, A Passagem do Gado (1867)

JOÃO CRISTINO DA SILVA (1829-1877)


Leonel Marques Pereira, Festa na Aldeia (1867)

LUIS MARQUES PEREIRA (1828-1892)


Francisco Metrass, Camões na Gruta de Macau

Francisco Metrass, Só Deus (1856)

FRANCISCO METRASS (1825-1861)


Alfredo Keil, O Aterro (1881)

ALFREDO KEIL (1850-1907)


Augusto Roquemont,
Sem Título (1842)

Augusto Roquemont, Varanda de Frei Jerónimo (1840)

AUGUSTO ROQUEMONT (1804-1852)


Luís Pereira de Meneses, Homem Sentado

Luís Pereira de Meneses, Retrato da


Viscondessa de Meneses (1862)

LUIS PEREIRA DE MENESES (1817-1878)


ESCULTURA DO ROMANTISMO
Lugar secundário entre • Exigência dos materiais
as artes do Romantismo • Conceção/execução mais lenta.

Limites à espontaneidade
e liberdade do artista
TEMAS DA ESCULTURA ROMÂNTICA

• Natureza (animais selvagens).


• Alegorias/fantasias.
• História/literatura.
• Retrato.

Jean Batista Carpeaux, Ugolino (1867), mármore


FORMAS DE REPRESENTAÇÃO DA ESCULTURA ROMÂNTICA

• Reação ao Neoclassicismo (evitaram-se as composições


estáticas e as superfícies polidas e lisas).

• Exaltação da expressividade através de composições


movimentadas e de sentido dramático.

• Corpos realistas mas com posições, gestos e faces


carregados de sentimentos e emoções.

• Contrastes luz/sombra e jogos de texturas.

• Superfícies aparentemente inacabadas. Jean Batista Carpeaux, A Dança, c. 1867-69


Antoine-Louis Barye, Touro Atacado por um Urso, c. 1840

Jean Batista Carpeaux, Ugolino (1867), mármore François Rude, A Marselhesa, c. 1833-36
A ESCULTURA ROMÂNTICA EM
PORTUGAL
CARATERÍSTICAS DA ESCULTURA ROMÂNTICA PORTUGUESA

• Forte tradição académica de sentido neoclássico.

PRINCIPAIS ESCULTORES

Vítor Bastos
Costa Mota Tio
Anatole Camels

Anatole Camels, Estátua Equestre de D. Pedro IV