Você está na página 1de 50

• LIPÍDIOS - estrutura e função -

Hemerson Rosa
hemerdarosa@gmail.com
Diversidade funcional Lipídica

Obesidade Espermacete – baleia Cachalote


Introdução

Os lipídios biológicos constituem um grupo de compostos que exibem uma


variedade estrutural muito grande, porém apresentam uma característica
definidora e comum, insolubilidade em água.

 Insolúveis em água e solúveis em solventes orgânicos (apolares)

 Congregam diferentes funções químicas (ácidos, álcoois, ésteres, aminas


e etc.)

 São os mais energéticos dos constituintes celulares.


Introdução

São considerados os mais energéticos dos alimentos por dois motivos:

Devido as cadeias hidrocarbonadas, apresentando o átomo de carbono


bastante reduzido, isto é, possuindo baixo teor de oxigênio na molécula.
Quanto menor o teor de oxigênio na molécula orgânica, mais reduzido é o
átomo de carbono, mais oxigênio será necessário para a sua oxidação
(química ou biológica) e maior será a energia química liberada nesta
oxidação
Funções

As funções biológicas dos lipídios são muito diversas:

 Armazena e fornece de energia (gorduras e óleos)

 Compõe a estrutura das membranas celulares (glico e fosofolipídeos)

 Co-fatores enzimáticos

 Transportadores de elétrons

 Agentes emulsificantes

 Hormônios e mensageiros intracelulares


Classificação

Os lipídios devido a sua variabilidade estrutural desempenham diversas funções no


organismo, podendo assim, serem classificados em três grandes grupos:

Lipídios de Ácidos graxos, Triglicerídios e Ceras


armazenamento

Lipídios Estruturais em Glicerofosfolipídios, esfingolipídios e esteróis


Membranas

Lipídios sinalizadores, Fosfatidilinositóis, eicosanóides, hormanônios


co-fatores e pigmentos esteróides e Vit. A, D, E e K
Lipídios de Armazenamento

As gorduras e óleos usados quase universalmente como formas de


armazenamento de energia nos seres vivos são derivados de ácidos graxos.

• Ácidos graxos

 São ácido carboxílicos com cadeias hidrocarbonadas acíclicas, não-


ramificadas, possuindo entre 4 e 36 carbonos.

 As cadeias podem ser saturadas (só ligações simples) ou insaturadas


(contém ligações duplas)

Gorduras de origem animal geralmente ricas em AG saturados; Óleos de


origem vegetal são ricos em AG
insaturados;
Lipídios de Armazenamento

• Ácidos graxos
Cabeça polar

Cauda apolar

Geralmente sólidos a Geralmente líquidos a


temperatura ambiente temperatura ambiente
Lipídios de Armazenamento

• Ácidos graxos

c) Ácidos graxos totalmente saturados,


na forma estendida, ajustam-se em
arranjos estabilizados e empacotados de
difícil quebra.

d) A presença de uma ou mais duplas


ligações cis interfere nesse
empacotamento rígido e
consequentemente os agregados são
menos estáveis.
Lipídios de Armazenamento

• Ácidos graxos
Uma maneira simplificada de nomear esses
compostos especifica o comprimento da
cadeia e o número de duplas ligações,
separados por dois pontos. 16:0 ácido
palmítico
Ácido palmítico – 16:0
As posições das duplas são indicadas por
números superescritos após a letra grega
delta (Δ).

Os ácidos graxos mais ocorrentes possuem


Ácido oléico – 18:1 (Δ⁹) uma nº par de C em uma cadeia não-
ramificada de 12 a 24 C.
Lipídios de Armazenamento

Ácidos graxos essenciais

são aqueles que os animais vertebrados


não conseguem sintetizar, sendo assim,
requeridos por meio da dieta (por
exemplo: ácid. Linoléico e Linolênico).
São precursores de vários metabólitos
importantes. Sua carência pode levar a
problemas como demora na
cicatrização, alopécia, trombocitopenia,
etc.
Lipídios de Armazenamento

Triacilgliceróis ou Triglicerídeos
• Uma das reações mais importantes entre os ácidos graxos é a formação de ésteres.

Grupo
funcional éster

• Os Triglicerídeos são os compostos lipídicos mais simples, formados por ligações


ésteres de ácidos graxos e uma molécula de glicerol

• Dependendo do numero de AG ligados ao glicerol esses compostos podem ser mono, di


ou triglicerídeos
Lipídios de Armazenamento

Triglicerídeos- reação de esterificação

Triglicerídeo
Lipídios de Armazenamento

Triglicerídios- reações de esterificação

• Os Triglicerídios que possuem na sua estrutura o mesmo tipo de ácido graxo são chamados
de Triglicerídios simples e aqueles que contém tipos diferentes de ácidos graxos são
denominados de Triglicerídios mistos.

• A maioria dos Triglicerídeos de ocorrência natural são mistos

• Os Triglicerídeos são moléculas apolares, hidrofóbicas, essencialmente insolúveis


em água
Lipídios de Armazenamento

Triacilgliceróis ou Triglicerídios

Nos animais vertebrados, os triglicerídeos são


armazenados num tecido especializados chamado
adiposo (células adipócitos). Nos vegetais,
principalmente nas sementes, são armazenados como
óleos.
Em alguns animais a camada de tecido adiposo serve
como isolante térmico contra baixas temperaturas.

Os adipócitos e as sementes em
germinação contêm Lipases, enzimas
que catalisam hidrólise de
triglicerídeos.
Lipídios de Armazenamento

Triacilgliceróis ou Triglicerídios
Nota1 :Hidrogenação parcial

Os óleos vegetais (óleo de milho, óleo de oliva) são compostos principalmente de


triglicerídios com ac. graxos insaturados e, portanto, são líquidos temperatura ambiente. Eles
são convertidos industrialmente em gorduras sólidas por hidrogenação catalítica, tornando
ligações duplas cis ligações simples.
(Neste processo está a base da importante indústria das margarinas)

Alta
pressão,
H2
Nota1 :Hidrogenação parcial

• A hidrogenação parcial tem


outro efeito indesejado:
algumas ligações duplas cis
são convertidas em ligações
duplas trans (essas são
chamadas frequentemente de
gorduras trans)
Nota2: Saponificação

A hidrólise alcalina dos triacilgliceróis produz o glicerol e uma mistura de sais de ácidos
carboxílicos de cadeia longa. Este processo é conhecido como saponificação.

Na saponificação, as gorduras e os óleos são submetidos a aquecimento


com hidróxido de sódio aquoso até completar a hidrólise.
Lipídios de Armazenamento

Ceras
 Ceras biológicas são ésteres de ácidos graxos saturados e
insaturados de cadeia longa (C14 a C36) com álcoois de cadeia
longa (C16 a C30).
Lipídios de Armazenamento

Ceras
 Nos plânctons são as principais formas de armazenamento de
energia.

 Certos vertebrados possuem glândulas que secretam ceras


para lubrificar e impermeabilizar pêlos e penas.

Cera de abelha -
triacontonoilpalmitato
Lipídios de Estruturais de membrana

 A principal caraterística da membranas biológicas é a camada dupla de lipídios, a qual age como
uma barreira impedindo a passagem de moléculas polares e íons. Estes passam por canais
específicos que nada mais são que proteínas especializadas.
Lipídeos de Estruturais de membrana
Lipídios de Estruturais de membrana
Cabeça polar
1. Fosfolipídios
São os principais lipídios componentes
das membranas biológicas. Possuem
uma caraterística anfifílica ou
anfipática (apresentam uma cabeça
polar e uma cauda apolar). São
divididos em Glicerofosfolipídeos e
Enfingolipídeos
Lipídios de Estruturais de membrana

1.1 Glicerofosfolipídios
• São lipídios de membrana em que dois ácidos graxos estão unidos por uma
ligação éster ao primeiro e ao segundo C do glicerol, e um grupo altamente
polar (letra N na fig. abaixo) ligado ao terceiro C.
• Os ácidos graxos nos glicerofosfolipídeios também podem ser diferentes
dentro de uma ampla variedade.
Lipídios de Estruturais de membrana

1.1 Glicerofosfolipídios
Lipídios de Estruturais de membrana

1.1 Glicerofosfolipídios
Lipídeos de Estruturais de membrana
1.1 Glicerofosfolipídeos
Lipídios de Estruturais de membrana
1.2 Esfingolipídios
• Os Enfingolipídios é a segunda maior classe de lipídios de membrana, entretanto
em contraste com os Glicerofosfolipídios não possuem na cabeça polar uma
molécula de glicerol.

• Enfingolipídios são compostos de uma molécula de aminoálcool de cadeia longa


como cabeça, denominada esfingosina ou algum de seus derivados, um ácido
graxo e outro grupo polar (pode ser fosfocolina, glicose, di, trissacarídeos ou
oligossacarídeos)

• A Ceramida é o precursor de todos os esfingolipídios


Lipídios de Estruturais de membrana - Esfingolipídeos

Esfingomielina - Encontrada na
bainha de mielina que reveste o
axônio (neurônio)

Glicoesfingolipídios - Ocorrem
principalmente na face externa da
membrana, com um ou mais
açucares ligados a ceramida.

Gangliosídios – são complexos,


pois apresentam oligossacarídeos
como cabeças polares.
Lipídios de Estruturais de membrana
1.2 Esfingolipídios
• Quando os enfingolipídios
foram descobertos suas funções
biológicas eram tão enigmáticas
como a Esfinge egípcia, pela qual
foram nomeados.
• As porções carboidrato de
certos esfingolipídios definem
os grupos sanguíneos humanos.
Lipídios de Estruturais de membrana

2. Esteróis
• São lipídios estruturais e estão presentes na maioria das células eucarióticas.
Sua estrutura característica é o núcleo esteróide consistindo de quatro anéis
fundidos (três com 6 C e um com 5 C)

Núcleo esteróide

• Além de seus papéis como constituintes de membrana servem como


precursores para vários produtos biologicamente ativos, como por exemplo
hormônios esteroidais e sais biliares.
Lipídios de Estruturais de membrana

2.1 Colesterol
O colesterol é o mais importante esterol dos tecidos animais, é anfipático,
com um grupo cabeça polar (Hidroxila em C-3 do anel A) e um corpo
hidrocarbônico não-polar (cadeia lateral em C-17 do anel D).

Colesterol além de ser um


componente essencial das
membranas biológicas é o
precursor na biossíntese de
todos hormônios esteroidais,
Vit. D e sais biliares.
Liproteínas - ESTERÓIDES DERIVADOS DO COLESTEROL:
Lipoproteínas

O colesterol e os ésteres de colesterol, como os triglicerídios e fosfolipídios,


são essencialmente insolúveis em água. Esses lipídios precisam ser
transportados dos tecidos de origem para os tecidos onde eles serão
armazenados ou consumidos. Dessa forma eles se agregam com
apolipoproteínas (proteínas transportadoras) para formarem lipoproteínas
plasmáticas de diferentes densidades. Estas possuem uma porção hidrofílica e
hidrofóbica.
Liproteínas

As lipoproteínas são classificadas de acordo com sua densidade:

Quilomícrons – transportam
os lipídios da dieta por meio da linfa
ou do sangue para os músculos
(oxidação) ou adipócitos
(armazenamento). Estão presentes no
sangue somente após a refeição. Após
descarregarem boa parte de seus
triglicerídios, os quilomicrons
remanescentes ricos em colesterol
são absorvidos no fígado por
endocitose.
Liproteínas

Lipoproteínas de densidade muito baixa (VLDL) –


Quando a dieta tem mais ácidos graxos que a quantidade necessária, estes são
convertidos no fígado em triglicerídios e unidos a apolipoproteinas para
formar as VLDL. As VLDL transportam os trigliceridios para os músculos e tecido
adiposo, liberando ac. Graxos e glicerol. As VLDL remanescentes são capturadas
nos hepatócitos e convertidas em LDL.

Lipoproteína de baixa densidade (LDL) – a perda de


triglicerídios transforma as VLDL remanescentes em LDL, muito ricas em
colesterol e ésteres de colesterol. As LDL transportam o colesterol para os
tecidos periféricos que possuem receptores para LDL. O colesterol então é
usado para biossíntese de hormônios ou para reparar as membranas.
Liproteínas

Lipoproteínas de Alta Densidade (HDL) – sintetizada no


fígado, rica em apoproteínas e pouco colesterol, a HDL transporta o colesterol
em excesso dos tecidos e do plasma para o fígado, onde são usados na síntese de
sais biliares e posteriormente excretados. Fazendo assim, o papel inverso da LDL.
Fatores de risco para doença arterial coronária

Principais:

 Tabagismo
 Hipertensão arterial sistêmica ≥130/90 mmHg
 Hipercolesterolemia
Total > 200 mg/dL
LDL> 160 mg/dL
HDL< 40 mg/dL

 Hipertrigliceridemia >200 mg/dL

 Diabetes mellitus
 Sedentarismo
 Obesidade IMC> 25 Kg/m²
 Idade
 Histórico familiar
Lipídeos sinalizadores, co-fatores e pigmentos
As duas classes de lipídeos funcionais consideradas até agora (armazenamento e
estruturais) são componentes celulares majoritários. Entretanto, outro grupo de
lipídeos presentes em quantidades muito menores tem papéis ativos no
metabolismo orgânico.

Eicosanóides
São hormônios parácrinos, substâncias que agem somente em células próximas ao local de
síntese, em lugar de serem transportadas pelo sangue para agir sobre células de outros
tecidos.

Todos os eicosanoides são derivados do ácido poliinsaturado de 20 C, ácido araquidônico,


20:4 (Δ⁵’⁸’¹¹’¹⁴).

Estão divididos em três classes: Prostaglandinas, Tromboxanos e Leucotrienos.


Lipídeos sinalizadores, co-fatores e pigmentos

Prostaglandinas (PG)
• Possuem esse nome porque foram primeiramente isoladas na glândula prostática.

• Dois grupos foram definidos PGE e PGF. Elas afetam uma gama grande funções.

• Algumas estimulam contrações do musculo liso do útero na menstruação e parto.

• Outras afetam o fluxo sanguíneo a órgãos específicos, ou ainda sensibilidade de


hormônios como a insulina e glucagon.

• Prostaglandinas em um terceiro grupo elevam a temperatura do corpo (febre) e


causam inflamação e dor.
Lipídeos sinalizadores, co-fatores e pigmentos

Tromboxanos

• Isolados das plaquetas (também chamadas de trombócitos).

• São produzidos nestas células e agem na formação de coágulos sanguíneos.

• Pesquisadores descobriram que Compostos antiinflamatórios não-esteroidais


(NSAIDs) (aspirina, ibuprofeno, acetaminofeno) inibem a enzima
Prostaglandina H2 sintase (COX), a qual age na via inicial na formação dos
tromboxanos.
Lipídeos sinalizadores, co-fatores e pigmentos

Leucotrienos

• Encontrado nos leucócitos.

• São poderosos sinalizadores biológicos

• Induzem a contração dos músculos que revestem as vias aéreas dos pulmões.
Sua superprodução causa ataques asmáticos.

• Sua síntese é um dos alvos de drogas antiasmáticas como a prednisona.


Lipídeos sinalizadores, co-fatores e pigmentos
Vitaminas Lipossolúveis A, D, E e K

Todos são derivados do isopreno


Lipídeos sinalizadores, co-fatores e pigmentos
Vitaminas Lipossolúveis A, D, E e K

Vitamina D, também conhecidas


como Colecalciferol.

Formada na pele a partir de 7-


deidrocolesterol por uma reação
fotoquímica com a luz solar.

Ativada no fígado e rins


(transformando-se em um
hormônio 1,25-
diidroxicolecalciferol

Regula os níveis de Calcio no


intestino, rins e ossos.

Sua carência leva ao raquitismo


Lipídeos sinalizadores, co-fatores e pigmentos

Vitamina A, também conhecidas como Retinol.

Em suas varias formas funciona como hormônio e como pigmento visual dos
olhos dos vertebrados e também na renovação da pele.

Nos vertebrados, o β-caroteno, pigmento que da cor a muitos


vegetais, pode ser convertido em vitamina A

Sua deficiência leva a vários sintomas, incluindo secura da pele, olhos e


membranas mucosas.
Lipídeos sinalizadores, co-fatores e pigmentos

Vitamina E , grupo de lipídeos pertencente aos chamados Tocoferóis,


contem um anel aromático e uma longa cadeia lateral isoprenóide.

Tocoferóis são antioxidantes biológicos

Neutraliza formas reativas de oxigênio, protegendo assim as membranas.

Vitamina K (co-fator), ativa a formação da protrombina (proteína


essencial para a formação do coágulo sanguíneo.

Essa por sua transforma o fibrinogênio em fibrina, que mantém a estrutura


do coágulo.

Warfarina – comporto sintético que inibe a formação da protrombina ativa.


Bons estudos!!