Você está na página 1de 20

POLITECNIA E A SEPARAÇÃO

DO TRABALHO

Discentes: Ana Paula Pereira


Janeik Estevam da Silva
“A noção de politecnia deriva, basicamente,
da problemática do trabalho. O ponto de
referência é a concepção do trabalho, o
conceito e o fato do trabalho com principio
educativo geral.” (p. 132)

• O que é o homem?
• O que define a existência humana?
Fundamentos históricos-ontológicos da
relação trabalho-educação
• “O homem não nasce homem. Ele forma-se homem. Ele não
nasce sabendo produzir-se como homem. Ele necessita
aprender a ser homem, precisa aprender a produzir sua
própria existência. Portanto, a produção do homem é ao
mesmo tempo, a formação do homem, isto é, um processo
educativo. A origem da educação coincide, então, com a
origem do homem ao mesmo tempo.” (SAVIANI, 2007, p. 154)

• Portanto, no modo de produção comunal, a educação


identificava-se com a vida.
A emergência histórica da separação
entre trabalho e educação
• “Conforme se modifica o modo de produção da existência
humana, portanto o modo como os homens trabalham, produz-
se a modificação das formas pelas quais os homens existem.”
( SAVIANI, 1989, p. 8)

• “O desenvolvimento da produção conduziu à divisão do


trabalho e, daí, à apropriaçao privada da terra, provocando
ruptura na unidade vigente nas comunidades primitivas.”
(SAVIANI, 2007, 155)
• O advento da propriedade privada tornou possível à
classe dos proprietários viver sem trabalhar.

Modo de produção
escravista Trabalho realizado
dominantemente pelos
escravos

• Resultado: cisão na unidade da educação


• A partir do escravismo antigo passaremos a ter duas
modalidades distintas e separadas de educação: uma
para a classe proprietária (homens livres) e outra para
a classe não proprietária (escravos e serviçais).

• Escola – lugar do ócio/ tempo livre;

• Essa nova forma de educação confirmou a separação


entre educação e trabalho.
• “Vê-se, pois, que já na origem da instituição
educativa ela recebeu o nome de escola. Desde a
Antiguidade a escola foi-se depurando,
complexificando, alargando-se até atingir, na
contemporaneidade, a condição principal e
dominante de educação.” (SAVIANI, 2007, p 156)
• Saviani alerta para a compreensão dos processos de
ruptura na história das instituições educativas
(principalmente com a mudança dos modos de
produção).
• “A sociedade moderna, desenvolvida a partir do
advento do capitalismo, é uma sociedade que
revoluciona constantemente as técnicas de produção,
que incorpora os conhecimentos como força produtiva.
É uma sociedade que converte a Ciência, que é
potência espiritual, em potência material através da
industria.” (SAVIANI, 1989, p. 9)
• A sociedade moderna assume a forma urbano-
industrial e estabelece a necessidade da escola.
• “A constituição da sociedade moderna, assentada
sobre a produção industrial e sobre a urbanização
implicou a necessidade de generalizar o acesso à
escola por duas razões principais. Em primeiro lugar,
pela demanda por conhecimentos por parte da
produção industrial nascente. Em segundo, pela
natureza da sociedade fundada no direito positivo,
que passa a exigir a generalização do domínio da
leitura e da escrita. Nesse sentido, o próprio
desenvolvimento histórico da sociedade urbano-
industrial passou a exigir a expansão da educação
escolar.” (FERRETTI, 2009, p. 107-107)
Revolução Industrial/Revolução
Educacional
• Com a Revolução Industrial, os principais países assumiram
a tarefa de organizar sistemas nacionais de ensino.
- Generalização da escola básica

“A introdução da maquinaria impôs um patamar mínimo de


qualificação geral, equacionado no currículo da escola
elementar.” (SAVIANI, 2007, P. 159)
• “Na sociedade capitalista a Ciência é incorporada ao
trabalho produtivo, convertendo-se em potência
material. O conhecimento se converte em força
produtiva e, portanto, em meio de produção. Se essa
sociedade é baseada na propriedade privada dos
meios de produção, e se a Ciência, se o
conhecimento é um meio de produção, uma força
produtiva, ela deveria ser propriedade privada da
classe dominante. No entanto, os trabalhadores não
podem ser expropriados de forma absoluta dos
conhecimentos.” (SAVIANI, 1989, p. 13)
• Solução:
- A sociedade capitalista desenvolveu mecanismos
através dos quais ela procura expropriar o
conhecimento dos trabalhadores e sistematizar,
elaborar esse conhecimentos, e os devolver na forma
parcelada.

- EX: Taylorismo
- Dessa forma, o conhecimento relativo ao conjunto
passa a ser propriedade privada. O trabalhador fica
limitado a parcela que ele desenvolve no processo
produtivo.
• A escola liga-se ao mundo da produção:
• Escolas profissionalizantes: objetivo de formar
trabalhadores para executar determinadas funções
requeridas pelo mercado.
• Escolas de ciências e humanidades: para os
dirigentes que vão desempenhar funções
intelectuais.

• “O ensino profissional é destinado para àqueles que


devem executar, enquanto o científico-intelectual é
destinado àqueles que devem conceber e controlar o
processo produtivo.” (SAVIANI, 1989, p. 15)
• A politecnia contrapõe-se à referida concepção. Ela
postula que o trabalho se desenvolva numa unidade
indissolúvel, os aspectos manuais e intelectuais. Um
pressuposto dessa concepção é de que não existe
trabalho manual puro nem intelectual puro.
• - Segundo Barato (2008)
• “A possibilidade de reduzir as atividades produtivas a
execuções sem inteligência exigiria, além do
empobrecimento do conteúdo do trabalho, uma mão-
de-obra geneticamente desprovida de capacidades
intelectuais” (p. 5)
Organização do sistema de ensino com
base no princípio educativo do trabalho
• O currículo escolar é guiado pelo princípio do
trabalho.

• No segundo grau, deve-se explicitar a questão do


trabalho, a forma como o trabalho se desenvolve e
está organizado na sociedade moderna. Ai é que
entra a questão da politecnia.
A Noção de Politecnia

 “Superação da dicotomia entre o trabalho


manual e o trabalho intelectual, entre a
instrução profissional e a instrução geral”.
(SAVIANI, 1989, p.13)
• Relação conhecimento científico – força
produtiva;
• Gênese da divisão do trabalho;
• Fragmentação do trabalho em especialidades
autônomas;
• Politecnica x fragmentação do conhecimento;
• Trabalho manual - trabalho intelectual;
• “superação da apropriação privada dos meios de
produção(...) (SAVIANI, 1989)”;
• A noção de politecnia diz respeito ao domínio dos
fundamentos científicos das diferentes técnicas que
caracterizam o processo de trabalho produtivo
moderno. Diz respeito aos fundamentos das diferentes
modalidades de trabalho. Politecnia, nesse sentido, se
baseia em determinados princípios, determinados
fundamentos e a formação politécnica deve garantir o
domínio desses princípios, desses fundamentos.
(SAVIANI, 1989, p. 17).
• Relação trabalho com madeira e metal x trabalho com
couro;
• Busca pela superação da fragmentação do
conhecimento;
• auxiliar o aluno a desenvolver uma visão sintética,
abrangendo a totalidade orgânica.