Você está na página 1de 42

A partir das medições efetuadas no curso d’água, calcular os

parâmetros hidráulicos característicos da seção, a vazão, a


velocidade média, os coeficientes a e b, bem como a soma das
cargas piezométrica e cinética na seção.
Dado o canal de seção composta abaixo: (a) obtenha
expressões de B, A e P em função da profundidade y
Um canal trapezoidal com largura de fundo igual a
1,0 m e ângulos dos taludes de 45º, escoa certa
vazão de modo que a profundidade hidráulica da
seção molhada é 25% maior que o raio hidráulico.
Determine a profundidade de escoamento.
Determine as funções geométricas A(y), B(y), P(y), Rh(y), bem
como a função que representa a soma das cargas piezométrica
e cinética para uma vazão de 50 m3/s. A seção trapezoidal
está representada abaixo e tem taludes a 2/3 (V/H) e 5,00 m
de largura de fundo.
Determinar os parâmetros característicos (A, P, B, y, R, yh) da
travessia rio Jacaré, na rodovia Fernão Dias a partir da seção
esquematizada abaixo. Supondo que a velocidade média de
escoamento é de 2,50 m/s, calcular a vazão máxima passível de ser
escoada sob a ponte. A viga (longarina) da ponte possui altura de 1,50 m.
Um canal de irrigação, inicialmente com seção retangular (seção 1) e
posteriormente trapezoidal, com taludes inclinados de 45º (seção 2), conforme
indicado nas figuras, é implantado com as cotas de fundo 818 m e 812,5 m,
respectivamente. Pede-se:
a) calcular a vazão transportada, supondo escoamento permanente com
profundidade de 3,00 m na seção 2;
b) definir o coeficiente de Coriolis a para as seções 1 e 2, conhecendo-se as
velocidades médias nas sub-áreas indicadas na seção 2 e supondo-se que a
velocidade média de 2,75 m/s é constante em toda a seção 1;
c) Para a vazão transportada, determinar a carga de pressão no fundo do canal na
seção 1 e calcular a perda de carga total entre as seções 1 e 2.
9.5 Marcio: Dado o canal de drenagem da figura abaixo, com seção
composta em concreto e revestimento vegetal, implantado com
declividade longitudinal de 0,08 %, pede-se:
a) Calcular sua capacidade máxima de vazão em escoamento uniforme;
b) Definir quais seriam as alternativas possíveis para aumentar a
capacidade de vazão do canal, mantendo-se a mesma largura superficial e
a mesma profundidade de escavação.
Exercício: um canal retangular de base 5m tem as
profundidades dadas em 1 e 2 e a vazão, determinar
o regime de escoamento quanto à energia específica
nestas seções

U
Fr 
gyh
Exercício: Determine yc em um canal triangular, com
taludes 1:1, transportando 14 m3/s

Exercício: Um canal retangular com largura de 8m


transporta uma vazão de 40 m3/s. Determinar a yc e
Uc
Mostre que, para um canal retangular
3 2
Ec  yc ou yc  Ec
2 3
Calcule a profundidade crítica para o canal parabólico
abaixo, se a vazão for de 4 m3/s.
Calcule a profundidade crítica no canal de seção composta
abaixo para a vazão de 6 m3/s
Determine a largura de fundo de um canal trapezoidal
simétrico, com inclinação dos taludes 1(V):2(H), escavado
em terra (n = 0,030) para que transporte em regime
permanente e uniforme uma vazão de 7,6 m3/s com a
altura normal de 1,20 m. A declividade de fundo é de
0,05%. Classifique o regime de escoamento.
Água escoa no canal com seção transversal trapezoidal
mostrada na Fig. A inclinação do fundo do canal é 1,4 m a cada
1000 m de canal. Determine a vazão em volume neste canal
sabendo que (a) o canal é revestido com concreto acabado e
(b) o canal está coberto com vegetação rasteira. Determine o
número de Froude em cada um destes escoamentos.
Área molhada:

Perímetro molhado:

Rh = 0,994 m e So = 1,4 / 1.000 = 0,0014 m/m


2
AR 3
0,31
Q So 
n n
n = 0,012  revestimento de concreto (com acabamento)
n = 0,030  superfície coberta com vegetação rasteira

0,31 0,31 Fr  0,93


Q   25,8 m3/s V  3,1 m/s
n 0,012

0,31 0,31
Q   10,3 m3/s V  1,2 m/s Fr  0,36
n 0,030
Determine a capacidade de vazão da canaleta de
drenagem de pé de talude em uma rodovia revestida
de concreto em condições regulares, com declividade
de fundo I0=0,008 m/m, conforme a figura abaixo.
(rugosidade de Manning = 0,016). Classifique o regime
de escoamento usando o número de Froude.

2 0,25 m 1
1 3
0,50 m
Qual a relação entre as vazões transportadas, em regime permanente e
uniforme, em uma galeria de águas pluviais, com lâmina igual a 2/3 do
diâmetro e a meia seção?
Exercício: dimensione um canal trapezoidal com
taludes 2(H):1(V), declividade de fundo So = 0,001
m/m, revestimento em alvenaria de pedra
argamassada em condições regulares (n = 0,025),
para transportar 6,5 m3/s. Utilize uma razão de
aspecto igual a 4, verificando se a seção encontrada
é de perímetro molhado mínimo
Calcule o valor do coeficiente de Manning
representativo da seção abaixo de várias
formas
Determine a capacidade de vazão do canal. Os taludes
e as bermas são de alvenaria de pedra aparelhada, em
condições regulares (n = 0,015), e o fundo de
concreto em boas condições (n = 0,014). A declividade
de fundo é So = 1m/km.
Abaixo está uma seção no riacho Salgadinho, próximo ao CEFET. A WO engenharia
(proprietário Eng. Welton Oliveira) é responsável por determinar a capacidade máxima e
resolve responder à pergunta: a seção pode ser considerada retangular utilizando uma
profundidade média como representativa da seção? Calcule o erro percentual no cálculo da
capacidade máxima (cota 4,034m), se considerarmos a seção retangular, em relação à seção
tomada como um conjunto de trapézios. Use a fórmula de Manning para isto, supondo o
coeficiente n e a declividade de um trecho de influência da seção.

4,034 4,034

Seção transversal (Cotas em m)

2,339

2,089 2,074 2,104


2,024
1,954

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Distância da margem direita (m)


Considere o canal prismático representado na figura, em que os trechos 1 a 3
são suficientemente longos para que neles se estabeleça o escoamento
permanente e uniforme. Desenhe todo o perfil da linha d’água entre as seções
0 e 15, indicando os tipos de perfis, onde ocorrem yc e yN, ressalto por causa
da mudança de regime torrencial para fluvial

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15
Obs.:
K = 1/n  n = 1/K = 1/75 = 0,01333
Caudal  Vazão
Betão  Concreto
Você foi contratado para dimensionar um sistema de drenagem de águas
pluviais para escoar uma vazão de 20 m3/s. A galeria deve ser construída
em concreto (rugosidade n=0,022), declividade de fundo I0=0,2%, com 4,0
m de largura. Como essa galeria ficará sob uma rua, ela deve estar
fechada na parte superior (ver figura). Posteriormente (após a execução
da galeria com apenas um septo), por questões estruturais, foi necessário
dividir a seção em duas células de 2,0 m de largura com uma parede no
meio.
a) Dimensione a galeria (com apenas um septo) considerando uma borda
livre de 0,25 m para as condições acima relacionadas.
b) Verifique se a nova concepção estrutural (com dois septos) tem
condições hidráulicas de escoar a vazão de projeto em condições de
escoamento livre.

c) Qual a capacidade máxima de vazão para as duas configurações? Se


houver alguma variação na capacidade, explique o porquê da mudança,
visto que a área da seção é a mesma e, pela equação da continuidade,
Q=A.U.
Considere que a capacidade máxima em um canal de seção retangular
ocorre em y = 0,998D, onde D é a dimensão vertical da seção.
D D

y y

4m 2m 2m
Água flui em um canal retangular de concreto (n=0,013) com
largura de 5 ft e uma mudança de declividade representada
na figura. A vazão transportada é de 16,5 ft/s3. Determine
quais são os perfis de linha d’água em cada trecho, fazendo
um esboço da mesma com os valores calculados. No sistema
de unidades utilizado, a equação de Manning é escrita como:
1,486
AR 3 So e a aceleração da gravidade é g = 32,2 ft/s2
2
Q
n

A
So = 0,0004
B

So = 0,025

C
O canal semicircular da figura abaixo (n = 0,013) deve
transportar água à seção plena. Determine a velocidade, a
declividade e a vazão para que o escoamento seja crítico.
Um canal retangular de 5,5 m de largura e 1,22 m de
altura d’água tem uma declividade de fundo de 0,1%
e é revestido com alvenaria de pedra aparelhada em
más condições (n = 0,017). Necessita-se aumentar a
capacidade de vazão deste canal ao máximo possível,
sem mudar o material do revestimento e a
declividade de fundo, podendo alterar as dimensões
da seção transversal, sem, entretanto, alterar a
forma retangular e a quantidade de escavação.
Determine: a) a vazão transportada pelo canal
original; b) as novas dimensões do canal para
transportar a vazão máxima possível; c) a relação
entre a nova vazão e a vazão original
Um emissário em forma circular foi projetado para escoamento a ¾ da
seção com a vazão de 125 L/s e declividade de 0,008 m/m. Determinar o
seu diâmetro, a lâmina líquida e a velocidade correspondente. Verificar as
condições de funcionamento do emissário no início do plano, para a vazão
média de 40 L/s. O coeficiente de rugosidade de Manning tem o valor de
0,013. Utilize como auxílio a figura ao lado.
Calcular a altura d’água (profundidade) que deverá ter um
canal circular de 2 m de diâmetro, sendo dados: Q = 3,0
m3/s, Io = 0,0005 m/m, n = 0,012.
2) Em um canal retangular com declividade de 0,0009 m/m, largura da base de 3m e paredes
constituídas por material com n = 0,025, escoa a vazão de projeto de 8,6 m³/s. Determine:
a) a profundidade (y) e a velocidade média do escoamento; b) o regime de escoamento; c) a
profundidade que ocorrerá na extremidade do canal (yqueda), caso ele termine por uma
queda abrupta
Um bueiro circular de 80 cm de diâmetro conduz água
por baixo de uma estrada com uma lâmina de 56 cm.
Sabendo-se que I0 = 1 por mil e n = 0,015, calcule V e
Q. Qual o regime de escoamento?
Tem-se um canal triangular como indica a figura abaixo, onde escoa
uma vazão Q = 2 m3/s e cuja declividade é de 0,003 m/m com n =
0,012. Determinar a altura d’água.
Qual o regime de escoamento? Nestas condições, se for colocada uma
comporta no canal que obrigasse uma estabilização da água a grande
altura a sua montante e um escoamento bem raso a sua jusante, qual
curva de remanso seria formada a montante da comporta? Faça um
esboço.