Você está na página 1de 28

RADIAÇÕES

ELETROMAGNÉTICAS
RADIAÇÕES IONIZANTES: RAIOS X

COMPONENTES
Ana Virginia Fassarela, Bruno Reis, Camila Fraga,
Nataly Longue, Rodrigues Lyrio e Samira Andriotte.
1
SUMÁRIO
Introdução ______________________________________________ Slide 03
Histórico ________________________________________________ Slide XX
Fontes Geradoras _________________________________________ Slide XX
Formação _______________________________________________ Slide XX
Meios de Propagação ______________________________________ Slide XX
Aplicações
• Idustriais____________________________________________
• Medicinais___________________________________________
• ETC _________________________________________________ Slide XX
Efeitos
• Em animais.................... ................................................................... Slide XX
• Em vegetais................... ................................................................... Slide XX
Medidas de Controle
• Coletivas............................................................................................ Slide XX
• Individuais......................................................................................... Slide XX
Conclusão................................ ................................................................ Slide XX
Bibliografia............................................................................................... Slide XX
2
INTRODUÇÃO

Visamos, por meio desta apresentação de slides, explicar o que são,


como funcionam e quais os objetivos do uso de Raios X, falando ainda
sobre os riscos do contato direto com o mesmo e as medidas de controle
a serem adotadas.
Objetivamos, ao fim desta explicação, que o público alvo tenha
compreendido o básico sobre radiações eletromagnéticas ionizantes –
raios X.
Para tanto, fazemos uso de apresentação de slides, contendo figuras e
pequenos textos organizados na forma de tópicos; e explicacação verbal
dos apresentantes.

3
INTRODUÇÃO

O que são Raios X?

Ondas
eletromagnéticas de
comprimento muito
curto - cerca de um
milhão de vezes menor
do que 1 milímetro, ou
seja, mais ou menos a
distância que separa
um átomo de outro
num sólido.

4
HISTÓRICO

Foi Wilhelm Conrad Röntgen, em


1985, quem descobriu e batizou os
Raios X, além de fazer a primeira
radiografia da história.

Isto ocorreu quando Röntgen


estudava o fenômeno da
luminescência produzida por raios
catódicos num tubo de Crookes.

5
HISTÓRICO

Após exaustivas experiências


com objetos inanimados,
Röntgen resolveu pedir para sua
esposa pôr a mão entre o
dispositivo e o papel fotográfico.
A foto revelou a estrutura óssea
interna da mão humana, com
todas as suas formações ósseas,
foi a primeira chapa de raios X,
nome dado pelo cientista à sua
descoberta.

6
HISTÓRICO

Em 1896, com a descoberta do raio X, Wilhelm descobriu que ele, sem


proteção, causava vermelhidão da pele, ulcerações e empolamento.
Em casos mais graves de exposição poderia causar sérias lesões
cancerígenas, morte das células e leucemia.

No início do século XX foram encontradas evidências experimentais de


que o raio X seria uma partícula. No entanto, em 1912. dois físicos
(Friedrich e Knipping) realizam um experimento no qual conseguiram
fazer um feixe de raios X atravessar um cristal, produzindo
interferência da mesma forma que acontece com a luz. Isto fez com
que os raios X passassem a ser considerados como ondas
eletromagnéticas.

7
FORMAÇÃO DO RAIO X
E
FONTES GERADORAS

A máquina de Raios X

Utilizada em clínicas,
aeroportos e indústrias, a
máquina de Raio X é a fonte
geradora da radiação.

O coração de uma máquina de


raios X é o tubo de coolidge -
um par de eletrodos , um
cátodo e um ânodo, que ficam
dentro de um tubo de vidro a
vácuo.
8
O elétron livre colide com o átomo de tungstênio, tirando
um elétron de um orbital mais baixo. Um elétron de um
orbital mais alto preenche a posição vazia, liberando seu
excesso de energia como um fóton. 9
O elétron livre é atraído para o núcleo do átomo de tungstênio. À
medida que o elétron passa, o núcleo altera seu curso. O elétron
perde energia, que é liberada como um fóton de raios X.
10
Geralmente, os médicos
deixam a imagem no filme
como um negativo. Isso quer
dizer que as áreas que são
expostas a mais luz ficam mais
escuras e as áreas expostas a
menos luz aparecem mais
claras. Materiais duros, como
ossos, aparecem em branco e
materiais mais macios
aparecem em preto ou cinza.
Os médicos podem visualizar
materiais diferentes variando a
intensidade do feixe de raios X.

11
DETECÇÃO

A detecção dos raios X pode ser feita de diversas maneiras, a principal


é a impressão chapas fotográficas que permite o uso medicinal e
industrial através das radiografias.

12
DETECÇÃO

Outras formas de detecção são pelo aquecimento de elementos a


base de chumbo, que geram imagens termográficas, o aquecimento
de lâminas de chumbo para medir sua intensidade, além de
elementos que possuem gases em seu interior à exemplo da válvula
Geiger-Müller utilizada para a detecção de radiação ionizante e
radiação não ionizante.

13
MEIOS DE
PROPAGAÇÃO

Raios X constituem um tipo de luz e, como tal, não requerem um meio


material para a sua propagação, pois a luz se propaga no vácuo com
velocidade de 300 mil quilômetros por segundo.

Sua penetrância nos materiais é relevante, pois todas as substâncias são


transparentes aos Raios X em maior ou menor grau.

14
APLICAÇÕES
INDUSTRIAIS

Na indústria, os raios X são utilizados no exame de fraturas de peças, condições


de fundição, além de outros empregos correlatos, como para a verificação de
trincas em peças metálicas.

Raios X também possuem aplicação importante no estudo da estrutura de


sólidos cristalinos.
15
APLICAÇÕES
INDUSTRIAIS

Ocorre, também, o uso de raios X em aeroportos ou alguns bancos e


empresas de grande porte para verificação de materiais metálicos em
malas ou mesmo de usos pessoais.

16
APLICAÇÕES
MEDICINAIS

A Medicina é a área que mais faz uso do raio X, seja na análise de condições
de órgãos, na pesquisa de fraturas, no tratamento de tumores ou, ainda,
com finalidades terapêuticas.

17
APLICAÇÕES
MEDICINAIS

Com finalidades terapêuticas os raios X são utilizados com uma irradiação


aproximada de cinco mil röntgens, sobre pequenas áreas do corpo, por
pequeno espaço de tempo.

18
EFEITOS
EM ANIMAIS

Como os RAIOS X são uma forma de radiação ionizante, a luz normal


atingir um átomo não o muda esse átomo de maneira significativa. Mas,
quando raios X atingem um átomo, ele pode expulsar elétrons do átomo
para criar um íon, um átomo eletricamente carregado. Então, os elétrons
livres colidem com outros átomos para criar mais íons.

A carga elétrica de um íon pode gerar uma reação química anormal


dentro das células. Entre outras coisas, a carga pode quebrar as cadeias
de DNA.

Portanto, a tolerância do organismo humano à exposição aos raios X é de


0,0000258 C/Kg (Coulombs por Kilograma) por dia, no máximo, em toda a
superfície corpórea. Dessa forma, o limite não é excedido e não ocorres
efeitos adversos.

19
EFEITOS
EM ANIMAIS

No ser humano a exposição continua aos raios X podem causar efeitos


variados. Nos efeitos mais simples, encontram-se vermelhidão da pele e
queimaduras. Já a exposição excessiva pode causar mutações do DNA,
morte das células e leucemia.

20
EFEITOS
EM VEGETAIS

21
MEDIDAS DE CONTROLE
INDIVIDUAIS E COLETIVAS

 Camila :”)

22
CURIOSIDADES

Inglaterra, novembro de 2009

Raio X é eleito a melhor invenção da história

O Raio X foi escolhido a melhor invenção da história por uma votação


realizada pelo Museu de Ciência de Londres.
Houveram 50000 votos e, deles, 10000 foram para o Raio X, considerado
“uma revolução na medicina, por permitir que médicos enxergassem o
interior do corpo do paciente sem precisar abri-lo, possibilitando um
diagnóstico muito mais eficiente”.

23
CURIOSIDADES

Japão, novembro de 2008.


Traduzido pelo site Inovação Tecnológica.

Estariam os Raios X com os dias contados? Vem aí os Raios T.

O Raio T é considerado um exame que dá ao médico uma imagem muito


mais nítida que os Raios X e que não lhe coloca sob os efeitos danosos da
radiação.

O grande desafio é que os raios T - ou a radiação eletromagnética com


comprimento de onda na faixa dos terahertz - têm uma energia muito baixa,
o que torna difícil a sua detecção.

24
A radiação terahertz (THz) tem inúmeras vantagens em relação aos raios X.
Como sua energia é muito baixa, ela praticamente não danifica os materiais,
principalmente os tecidos biológicos.

A radiação THz também é fortemente absorvida pela água, o que significa


que os tecidos moles do corpo humano também poderão ser "fotografados"
pelos raios T, e não apenas os ossos, abrindo o caminho para exames
médicos não-invasivos impossíveis com a tecnologia atual.

25
O novo chip possui uma
pequena abertura e uma
antena capaz de captar
as ondas THz. Da mesma
forma que as ondas
planas na superfície da
água tornam-se ondas
circulares ao passar
através de uma pequena
fenda, a radiação THz se
propaga através da
abertura do chip para
formar ondas
evanescentes densas o
bastante para serem
detectadas.

26
CONCLUSÃO

É imensurável a colaboração do Raio X para a medicina, fica claro que


foi um divisor de águas tanto na medicina como na qualidade de vida
da população global. Concluímos que uma vez que sabe-se os prós e
os contras pode-se estabelecer limites visando os aspectos
prevencionistas ocupacionais e qualidade de vida usufruindo da
melhor maneira possível esta tecnologia, respeitando sempre os
limites de exposição e os aspectos negativos do Raio X.

27
BIBLIOGRAFIA

 www.howstuffworks.com.br
 www.corbisimages.com
 www.wikipedia.org
 http://www.coladaweb.com/fisica/ondas/raios-x
 http://veja.abril.com.br
 http://www.inovacaotecnologica.com.br

28