Você está na página 1de 70

Doação de órgãos

Dr. Ricardo Gonsaga

https://www.youtube.com/watch?v=pf4Y6gtK_y8

ABTO
Transplante
remoção de órgãos /
tecidos do doador

implante no receptor

ABTO
Transplante de Órgãos

Indicação:

• doença terminal
do órgão

• vontade de
realizar

• ausência de
contra-indicação

ABTO
central de Transplantes - SP

DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

CELINA MAIA CRETELLA


ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA
HISTÓRICO
 460AC: HIPÓCRATES-1ª DEFINIÇÃO DE MORTE

 1740: WINSLOW-ÚNICO SINAL SEGURO DE MORTE É O ESTADO DE


PUTREFAÇÃO

 1819: RENE LAENNEC-INVENÇÃO DO ESTETOSCÓPIO - AVALIAÇÃO


CARDIORESPIRATÓRIA

 SÉC.XX: VISÃO CARDIORESPIRATÓRIA DA MORTE: CONSTATAÇÃO DA


MORTE PELA AUSÊNCIA DE BATIMENTOS CARDÍACOS

 1959: 1ª DESCRIÇÃO LITERÁRIA - PIERRE MOLLARET“COMA DEPASSÉ”=


COMA PROFUNDO: HIPOTONIA, ARREFLEXIA TENDINOSA, PUPILAS
MIDRIÁTICAS E ARREATIVAS, PARALISIA DA MOTILIDADE OCULAR, PERDA
REFLEXO CORNEAL E DA DEGLUTIÇÃO, ABOLIÇÃO DA RESPIRAÇÃO, EEG
PLANO

 1968: HARVARD -1⁰ CONSENSO MÉDICO: DEFINIÇÃO DE MORTE


CEREBRAL

 1995: CONSENSO ATUAL : ACADEMIA AMERICANA DE NEUROLOGIA

ccretella@saude.sp.gov,br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

ONDE?

 0,75% - 1% MORTES
 1 - 4% MORTES HOSPITALARES
 10 - 15% MORTES EM UTI
 1 EM 8 SÃO NOTIFICADOS

ccretella@saude.sp,gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

BRASIL X EUA

“Se não há vagas para os doentes vivos, quem dirá para os


mortos”
ccretella@saude.sp,gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

QUANDO?

 SEMPRE! INDEPENDE DO DIAGNÓSTICO


 COMPULSÓRIO
 DIREITO DO PACIENTE
 OBRIGAÇÃO DO MÉDICO
 INDEPENDE DA ESPECIALIDADE

QUEM?

FONTE: SECRETARIA DE SAÚDE -SP


ccretella@saude.sp.gov,br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

QUEM?

“EM ALGUNS CASOS DE DOENÇA CEREBRAL, A FUNÇÃO


RESPIRATÓRIAÉ INTERROMPIDA TOTALMENTE ALGUMAS HORAS
ANTES DA CIRCULAÇÃOSANGUÍNEA”
DYCE
DUCKWORTH, 1898

“MORTE SÓ EXISTE UMA, MAS ELA PODE TER DOIS SOBRENOMES:


POR PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA OU ENCEFÁLICA”
R.BONI

MORTE = ESTÁ MORTO O SER HUMANO QUE PERDEU


IRREVERSIVELMENTE AS FUNÇÕES CIRCULATÓRIAS, RESPIRATÓRIAS
E/OU AS FUNÇÕES DO TRONCO ENCEFÁLICO E CÓRTEX CEREBRAL

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA
DEFINIÇÃO

ESTADO IRREVERSÍVEL DE CESSAÇÃO DO


ENCÉFALO E FUNÇÕES NEURAIS, CONSIDERANDO
OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS E O TRONCO
ENCEFÁLICO, RESULTANTE DE EDEMA E MACIÇA
DESTRUIÇÃO DOS TECIDOS ENCEFÁLICOS,
APESAR DA ATIVIDADE CARDIOPULMONAR PODER
SER MANTIDA POR AVANÇADOS SISTEMAS DE
SUPORTE VITAL E MECANISMOS DE VENTILAÇÃO

MORTE CÉREBRO + TRONCO

ccretella@saude.sp.gov.br
MORTE CLÍNICA / LEGAL / SOCIAL !!!
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

DIAGNÓSTICO

PARADA TOTAL E IRREVERSÍVEL DAS FUNÇÕES


ENCEFÁLICAS DE CAUSA CONHECIDA E
CONSTATADA DE MODO INDISCUTÍVEL

CARACTERIZADA POR COMA APERCEPTIVO, COM


AUSÊNCIA DE RESPOSTA MOTORA SUPRA-ESPINHAL
E APNÉIA

RESOLUÇÃO 2.173- CFM 2017


ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

EXCLUIR

 DISTÚRBIO HIDROELETROLÍTICO, ÁCIDO-BÁSICO


OU ENDÓCRINO (HIPONa, HIPOGLICEMIA)

 HIPOTERMIA

 HIPOTENSÃO

 INTOXICAÇÃO EXÓGENA

 USO DE DEPRESSORES DO SNC

 USO DE BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

DIFICULDADES

 TRAUMA FACE
 ANORMALIDADES PUPILARES PRÉVIAS
 NÍVEIS TÓXICOS DE SEDATIVOS, AMINOGLICOSÍDEOS,
 ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS, QUIMIOTERÁPICOS, BLOQ.
NEUROMUSCULARES
 APNÉIA DO SONO OU DPOC GRAVE
 TRM

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

Os procedimentos para
determinação de ME deverão ser
realizados em todos os pacientes
em COMA NÃO PERCEPTIVO E
APNEIA, independentemente da
condição de doador ou não de
órgãos e tecidos.

ABTO
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

Todos os pré requisitos abaixo devem estar presentes


antes da realização dos testes clínicos e do exame
complementar para determinação de ME.

• Lesão encefálica grave e irreversível;


• Período de observação e tratamento;
• Ausência de causas reversíveis do coma;
• Temperatura central >35°C;
• PAS >= 100mmHg ou PAM >= 65mmHg;
• Saturação arterial de Oxigênio >94%.

ABTO
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

DIAGNÓSTICO

2 EXAMES CLÍNICOS
2 MÉDICOS DIFERENTES
• Intensivista
• Neurocirurgião / Neuroclínico
• Qualquer médico capacitado
• 1 ano de experiência no cuidado de doentes em coma
E 10 protocolos de determinação de ME registrados
• Curso de Determinação de ME - AMIB
(NÃO EQUIPES TRANSPLANTE)
+ EXAME COMPLEMENTAR
COMUNICAR A FAMÍLIA DO INÍCIO DO PROTOCOLO
PODE SER ACOMPANHADO POR MÉDICO DA FAMÍLIA

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

AUSÊNCIA DE RESPOSTA À DOR

AUSÊNCIA DE RESPOSTA AOS ESTÍMULOS


DOLOROSOS NO CÔNDILO DA ARTICULAÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR, NA REGIÃO SUPRA-
ORBITÁRIA OU NO LEITO UNGUEAL

GLASGOW 3

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

DIAGNÓSTICO

I) EXAME NEUROLÓGICO:

1)REFLEXO OCULO-MOTOR
2)REFLEXO CORNEO-PALPEBRAL
3)REFLEXO OCULO-CEFÁLICO
4)REFLEXO VESTIBULO-OCULAR
5)REFLEXO DE TOSSE

II)TESTE DE APNÉIA

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA
MESENCÉFALO
II – AFERENTE
III – EFERENTE

1. REFLEXO ÓCULO-MOTOR

 PUPILAS MÉDIAS OU
MIDRIÁTICAS E FIXAS

 AUSÊNCIA DE
CONTRAÇÃO PUPILAR

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

PONTE
2. REFLEXO CÓRNEO-PALPEBRAL V – AFERENTE
 AUSÊNCIA DO REFLEXO DE VII – EFERENTE
PISCAR AO ESTÍMULO DA
CÓRNEA
 INSTRUMENTO DELICADO – Soro
Fisiológico 0,9%

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

MESENCÉFALO E PONTE
3. REFLEXO OCULO-CEFÁLICO VIII – AFERENTE
III/IV/VI – EFERENTE
 AUSÊNCIA MOVIMENTOS
OCULARES

 MOVIMENTAÇÃO RÁPIDA DA
CABEÇA NO SENTIDO
HORIZONTAL E VERTICAL

“OLHOS DE BONECA”
(EXCLUIR FRATURA OU
INSTABILIDADE DA
COLUNA CERVICAL)

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

MESENCÉFALO E
PONTE
VIII – AFERENTE
III/VI – EFERENTE

3. REFLEXO VESTÍBULO-OCULAR
 AUSÊNCIA MOVIMENTOS
OCULARES

 INFUSÃO DE LÍQUIDO GELADO

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

 50ml soro fisiológico gelado


em cada lado do conduto
auditivo externo. POSITIVO
 CABECEIRA ELEVADA A 30º
 1 MINUTO DE OBSERVAÇÃO
 3 MINUTOS DE INTERVALO
AUSÊNCIA DE MOVIMENTOS
OCULARES (nistagmo)

NEGATIVO
OTOSCOPIA: CERTIFICAR-SE
QUE NÃO HÁ OBSTRUÇÃO
Conduto Auditível Externo
ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA
BULBO
IX – AFERENTE
X – EFERENTE
3. REFLEXO DA TOSSE

 AUSÊNCIA TOSSE OU
MOVIMENTOS TORÁCICOS
À ASPIRAÇÃO TRAQUEAL

 AUSÊNCIA DE NÁUSEAS
OU VÔMITOS AO
ESTÍMULO DA FARINGE
POSTERIOR

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

TESTE DE APNÉIA
 PRÉ-OXIGENAR 10min COM FIO2100%; PCO2 ≥ 35-45mmHg e PO2 > 200mmHg

IDEAL: GASOMETRIA PRÉ

 DESCONECTAR O VENTILADOR POR 10min

 INSTALAR O2 POR 6L /MIN por cateter

 OBSERVAR MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS (10 MIN)

 TESTE POSITIVO SE ATINGIR PCO2 ≥ 55MMHG E/OU VARIAÇÃO 20MMHG PCO2 E NÃO
APRESENTAR MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS

 INTERROMPER SE: QUEDA DA SPO2< 85% OU PAS < 90MMHG OU ARRITMIAS CARDÍACAS

 PACO2 ELEVA-SE 3MMHG/MIN

ccretella@saude.sp.gov.br
vídeo
https://www.youtube.com/watch?v=RB
J97PrOMNo

ABTO
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

EXAMES COMPLEMENTARES
1) AVALIAM A ATIVIDADE ELÉTRICA CEREBRAL
 ELETROENCEFALOGRAMA

2) AVALIAM O FLUXO SANGUÍNEO CEREBRAL


 ANGIOGRAFIA CEREBRAL
 CINTILOGRAFIA RADIOISÓTOPO
 DOPPLER TRANSCRANIANO

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

ANGIOGRAFIA COM FLUXO ANGIOGRAFIA SEM FLUXO


SANGUÍNEO CEREBRAL SANGUÍNEO CEREBRAL

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

CONTRA-INDICAÇÕES a doação

 SEPSIS NÃO CONTROLADA

 HIV

 HTLVI/2

 NEOPLASIA MALIGNA (- SNC/CA BASOCELULAR/COLO ÚTERO IN SITU)


 TBC ATIVA

 DANO ESTRUTURAL DO ÓRGÃO

 NÃO HÁ LIMITE DE IDADE

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

CUIDADOS

Tempo de intervalo entre os exames clínicos


7 dias completos (RN termo até 2 meses) 24h

2 a 24 meses incompletos 12h

Maiores de 2 anos 1h

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

CUIDADOS
REFLEXOS INFRA-ESPINAIS NÃO INVALIDAM DIAGNÓSTICO

SINAL DE LÁZARO
ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

CUIDADOS

https://www.youtube.com/watch?v=rm
H3RH8jO8A

SINAL DE LÁZARO
ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA
REFLEXOS MEDULARES
 REFLEXOS OSTEOTENDINOSOS

 REFLEXOS CUTÂNEO-ABDOMINAIS

 REFLEXO CUTÂNEO-PLANTAR

 REFLEXO CREMASTÉRICO

 REFLEXO LÁZARO

 EREÇÃO PENIANA

 ARREPIOS

 REFLEXOS DE RETIRADA DOS MMII OU MMSS

 REFLEXO TÔNICO CERVICAL

 SUDORESE, RUBOR FACIAL, TAQUICARDIA


ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA
CUIDADOS
RESOLUÇÃO CFM 1.826 06 DEZEMBRO 2007

 ART.1º É LEGAL E ÉTICA A SUSPENSÃO DOS


PROCEDIMENTOS DE SUPORTES TERAPÊUTICOS
QUANDO DETERMINADA A MORTE ENCEFÁLICA EM
NÃO-DOADOR DE ÓRGÃOS, TECIDOS E PARTES DO
CORPO HUMANO PARA FINS DE TRANSPLANTE
DEVE SER PRECEDIDA DE COMUNICAÇÃO E
ESCLARECIMENTO SOBRE A MORTE ENCEFÁLICA AOS
FAMILIARES DO PACIENTE OU SEU REPRESENTANTE
LEGAL, FUNDAMENTADA E REGISTRADA NO
PRONTUÁRIO
 ART. 2º A DATA E HORA REGISTRADAS NA
DECLARAÇÃO DE ÓBITO SERÃO AS MESMAS DA
DETERMINAÇÃO DE MORTE ENCEFÁLICA

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

MORTE ENCEFÁLICA CONFIRMADA


PACIENTE = CADÁVER

VIABILIDADE CONSENTIMENTO FAMILIAR

Contato: Central de Doação de Encerramento das


SIM NÃO
transplantes - OPO Múltiplos manobras de suporte
órgãos avançado

Hora do último exame = Hora do óbito = Hora no atestado ou IML

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

ABTO / AMIB (2005)

 59,1% CONHECIAM O CARÁTER COMPULSÓRIO


DA NOTIFICAÇÃO DE ME

 49,8% CONHECIAM O IMPRESSO OFICIAL DE


REGISTRO

 51% NÃO SE SENTIAM SEGUROS EM REALIZAR O


PROTOCOLO DE ME

 42,6% NUNCA PARTICIPARAM DESTE PROCESSO

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 NOTIFICAÇÃO !
 PROTOCOLO DA INSTITUIÇÃO
 ENVOLVIMENTO E TREINAMENTO DA EQUIPE
 CIHT ATUANTE

MORTE DO DOADOR DEZENAS DE TX

ccretella@saude.sp.gov.br
DIAGNÓSTICO DE MORTE ENCEFÁLICA

O
B
R
I
G
A
D
A
!

ccretella@saude.sp.gov.br
Doação de
órgãos e tecidos
________________________

A vida em suas mãos ...

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - ABTO

ABTO
O que é Doação de Órgãos?

É um ato pelo qual você manifesta a


vontade de que, a partir do momento de
sua morte, uma ou mais partes do seu
corpo (órgãos ou tecidos), em condições
de serem aproveitadas, possam ajudar
outras pessoas.

ABTO
Doação de Órgãos...
... Esperança de Vida
Dois passos simples que podem salvar uma vida:

1º PASSO
Compartilhe sua Vida...
Seja um Doador.

2º PASSO
Compartilhe sua decisão...
Avise a sua Família.
ABTO
Vídeo
https://www.youtube.com/watch?v=yS
HWxsj5E2c

ABTO
Religião e Transplante

Todas as religiões encorajam a


doação de órgãos e tecidos
como uma atitude de
preservação da vida e um ato
caridoso de amor ao próximo.

A maioria das religiões, contudo, consideram


este ato uma decisão individual de seus
seguidores.
Para os Testemunhas de Jeová, onde a
transfusão de sangue não é admissível, a
doação de órgãos e tecidos "limpas" de
sangue é permitida.
ABTO
Quais são os tipos de Doadores?

Doadores vivos, no caso de órgãos duplos

Doadores não-vivos, após constatação de


morte encefálica

ABTO
Doador de órgãos em vida
Toda pessoa que tiver parentesco
consangüíneo de até terceiro grau (pais,
irmãos, filhos, avós e tios)

Pessoas não parentes,


porém com ordem judicial

Pessoas compatíveis com


boas condições de saúde

ABTO
Doadores em Vida...

ABTO
Quem não pode ser
Doador de Órgãos?
Portadores de infecção não
controlada, HIV positivo, e
neoplasias malignas

Portadores de doenças que


pela sua evolução tenham
comprometido o estado do
órgão
Pessoas sem documentos de identidade e
menores de 21 anos sem a expressa
autorização dos responsáveis.

ABTO
Órgãos que podem ser
doados em Vida

Um dos rins

Parte do pulmão

Parte do Fígado

Medula óssea

ABTO
Doadores de órgãos
não-vivos
São aqueles em que se constata a
Morte encefálica

ABTO
Órgãos que podem ser
doados após a morte
Rins
Pulmões
Coração
Válvulas cardíacas
Fígado
Pâncreas
Córneas
Ossos
Cartilagem
Tendão
Veias
Pele

ABTO
Vídeo
https://www.youtube.com/watch?v=KE
yT3CWZA6U

https://www.youtube.com/watch?v=h0
mH8GAiAfQ

ABTO
Lista Única de Espera

Portaria N.º 3.407 de 05 de agosto de 1998, o


sistema de lista única é constituído por um
conjunto de critérios específicos de
distribuição para cada tipo de órgão ou tecido,
selecionando, assim, o receptor adequado.
Criada pelo Sistema Nacional de Transplantes
(SNT) e é supervisionado pelo Ministério da
Saúde.
ABTO
ABTO
ABTO
ABTO
ABTO
ABTO
ABTO
ABTO
ABTO
ABTO
Links relacionados
Sistema Nacional de Transplantes
http://dtr2001.saude.gov.br/transplantes/
http://www.saude.gov.br/transplantes

Aliança Brasileira pela Doação de Órgãos e


Tecidos
http://www.adote.org.br/

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos


http://www.abto.org.br/

ABTO
Vídeo
https://www.youtube.com/watch?v=k0
B6PyIo8ag

ABTO
ABTO

Você também pode gostar