Você está na página 1de 27

DENGUE

Dengue
 ETIOLOGIA
Arbovírus RNA, fita única, envelopado
 TRANSMISSÃO
Picada do vetor, transmissão vertical, transfusão sanguínea,
transovariana
Dengue
 PATOGÊNESE
Células
mononucleares
Inoculação linfonodais e m. Monócitos
esquelético

Macrófados do
Produção de Sistema
Síndrome citocinas: reticuloendote
FEBRIL TNF-α e IL-6 lial e m.
esquelético
Dengue
 RESPOSTA IMUNOLÓGICA
Linfócitos T CD8+: citotoxidade anticorpo-dependente
IgM antidengue: a partir do 6° dia
IgG antidengue: surge na 1° semana
Dengue
 FORMA GRAVE

 TEORIA DE HALSTEAD:
Anticorpos homólogos x imunidade cruzada ou heteróloga
Tempestade de
Anticorpos Opsonização nos citocinas e
hetrólogos macrófagos aumento da
tromboplastina

Choque Extravasamento Aumento da


de líquido para permeabilidade
FMO interstício capilar
Dengue
 QUADRO CLÍNICO:
Fase febril: 2 a 7 dias.
-Adinamia, cefaleia, dor retro-orbitária, mialgia e artralgia.
-Anorexia, náuseas, vômitos, diarreia.
-Exantema maculopapular na fase de defervescência.

Fase crítica: entre 3° e 7° dia


-Extravasamento plasmático
Dengue

 Outras manifestações: hemorragia digestiva, endocardite,


hepatite, encefalite, IRA
Dengue
 FASE DE RECUPERAÇÃO
- Retorno no apetite e sensação de bem-estar
- Hipervolemia
- Aumento do débito urinário
Dengue
 DIAGNÓSTICO
1- Diferencial: gripe, zika, chikungunya, leptospirose, viroses
exantemáticas, meningococcemia, febre amarela, hantavírus,
anemia aplástica, leucemia aguda.

2- Confirmação diagnóstica:
ATÉ O QUINTO DIA: pesquisa de antígenos virais,
isolamento viral, RT-PCR, imunohistoquímica.
A PARTIR DO SEXTO DIA: ELISA (IgM antidengue)
Dengue NOTIFICAÇÃO
 CLASSIFICAÇÃO: COMPULSÓRIA!

Caso suspeito: Febre + 2:


-Náuseas e vômito, exantema, mialgia e artralgia, cefaleia
e dor retro-orbital, petéquias, prova do laço positiva,
leucopenia.

Caso suspeito com sinais de alarme


Dengue
CASO SUSPEITO GRAVE:
-Choque compensado ou descompensado
-Sangramento grave
-Lesão de órgão alvo

CASO CONFIRMADO: confirmação laboratorial ou


clínicoepidemiológica.

CASO DESCARTADO
Dengue
 TRATAMENTO:
Ênfase na hidratação
Contraindicado uso de AINES.
Abordagem clinicoevolutiva: dinâmica e contínua
Dengue
 GRUPO A
Definição: caso suspeito + ausência de sinais de alarme +
ausência de sangramentos
Diagnóstico: exames não sao obrigatórios
Tratamento: ambulatorial
hidratação oral: 1/3 SRO, 2/3 líquidos caseiros
60ml/kg/dia (adultos)
130 ml/kg/dia (crianças até 10 kg)
100 ml/kg/dia (crianças de 10-20 kg)
80 ml/kg/dia (crianças >20 kg)
*Reavaliar na defervescência
Dengue
 GRUPO B:
Definição: Caso suspeito + ausência de sinais de alarme +
presença de SANGRAMENTOS. Portadores de comorbidades
crônicas, gestantes, < 2 anos ou > 65 anos, risco social.
Diagnóstico: hemograma em 2h-4h
Tratamento: observação em unidade de atendimento
reposição volêmica
Hematócrito normal  ambulatorial diariamente (cartão de
acompanhamento da dengue)
Hematócrito aumentado  grupo C  internar
Dengue
 GRUPO C:
Definição: Caso suspeito + presença de SINAL DE ALARME
Diagnóstico: exames específicos obrigatórios SEMPRE,
hemograma, outros s/n (aminotransferases, albumina sérica, rx
de tórax, USG de abdome)
Tratamento: Fase de expansão: SF 20 ml/kg em 2h
Se não melhora após 3x  grupo D
Fase de manutenção: 25 ml/kg em 6h
25 ml/kg em 8h (SF+SG)
*internado no mínimo por 48h
Dengue
 GRUPO D:
Definição: suspeita de dengue + sinais de CHOQUE, SANGRAMENTO GRAVE OU
DISFUNÇÃO GRAVE DE ÓRGÃOS.
Diagnóstico: exames específicos SEMPRE, hemograma, exames inespecíficos e outros (
glicose, gasometria, ecocardiograma, eletrólitos)
Tratamento: em UTI por no mínimo 48h
Fase de expansão rápida: SF ou Ringer 20 ml/kg em 20 min
Melhora clínica e laboratorial  grupo C
Ht em ascenção e choque  albumina 0,5-1 g/kg ou
coloides sintéticos 10 ml/kg/h
Ht em quedra e choque  hemorragia: CH 10-15 ml/kg/dia
CIVD: dosar TAP, PTTa, plaquetas, fibrinogênio
s/n: plasma fresco, vit K, crioprecipitado, plaquetas
Ht em queda sem hemorragia ou CIVD  instável: ICC? Reduzir infusão
estável: melhora clínica.
Dengue
 CRITÉRIOS PARA ALTA HOSPITALAR:
-Ausência de febre durante 48h, sem uso de antitérmico
-Melhora visível do quadro clínico
-Hematócrito normal e estável por 24h
-Plaquetas em ascenção e acima de 50.000/mm³
-Estabilização hemodinâmica durante 48h
Dengue
 PROFILAXIA:
-Ações individuais e coletivas
-Programa de Erradicação do Aedes aegypti  inseticidas
-Cepas de mosquito macho esterelizantes
-Introdução de bactéria Wolbachia no mosquito
 VACINAÇÃO:
-Dengvaxia: pacientes entre 9 e 45 anos
3 doses subcutâneas (0, 6 e 12 meses)
Eficácia 60%
Redução em 80-95% das formas graves
LEPTOSPIROSE
Leptospirose
 ETIOLOGIA E TRANSMISSÃO
 PATOGÊNESE:
- Lesão direta no endotélio vascular Capilarite disufa
- Forma grave: Fígado -> sinais de colestase
Rim: NIA e NTA
Pulmão: capilarite ->extrav. De liq e sangue
Coração: miocardite
Musc. Esquelética: miosite->necrose hialina
focal.
Leptospirose
 QUADRO CLÍNICO
- Incubação e faixa etária
- Forma anictérica (90-95%): Sind. Febril aguda
* Sufusão conjuntival (55%)
Leptospirose
 QUADRO CLÍNICO
- Forma ictero-hemorrágica = Sínd de Weil (5-10%)
* Icterícia + Insuficiência Renal + Diátese hemorrágica
* Mortalidade
 DIAGNÓSTICO
- Caso suspeito: Febre, cefaleia e mialgia mais 1:
1) Antecedente epidemiológico
2) Pelo menos 1 desses: sufusão conjuntival, sinais de IRA,
icterícia e/ou aumento de bilirrubinas, fenômeno
hemorrágico
Leptospirose
- Laboratório: Leuco, Plq, eletrólitos, FR, ALT/AST
(40%), BTF, CPK (50%), VHS

- Raio X tórax
- Definitivo: Isolamento da bactéria (cultura) ou
Sorologia
MAT: 4x em 14 dias ou >=1:800
Elisa IgM
Leptospirose
 TRATAMENTO
- Autolimitada: intensidade e duração;
mortalidade??
- Forma leve (ambulatorial): Doxiciclina 100mg 2x
7d OU Azitromicina 500mg 1x 3d OU Amoxixilina
500mg 3x 5-7d
criança: Amox 25-50mg/Kg/d em 3 doses 7 dias
Leptospirose
- Forma grave (hospitalar): Penicilina 1,5m U IV 4x
OU Doxiciclina 100mg IV 2x OU Ceftriaxona 1-2g IV
1x OU Cefotaxima 7 dias.
- Suporte: Diálise, repor K, SARA – diminuir HDT +
Ventilação de proteção
- Corticóide: pela natureza vasculínica??
- Quimioprofilaxia: Doxiciclina 200mg VO 1x/sem
por 2-3 sem + final exposição
OBRIGADA!