Você está na página 1de 21

Alienação Parental

Ana Rita V. de M
Hessel
Paula Fernanda Menk
Alienação parental na primeira infância
1 – Breve Histórico:
 Richard Alan Gardner:
1 – Breve Histórico:
• Direito Brasileiro

Lei 12.318/2010

Lei 13.431/2017
2 – Alienação Parental: Conceito
 A alienação parental é uma desconstituição de um dos pais para a criança. Esse processo
implica a manipulação da criança, levando-a a crer que o genitor não guardião é um ser
humano com defeitos incorrigíveis, nocivo, perigoso, até motivar o seu afastamento dele.
 
 Pode ser intencional ou não e pode ser fomentada por um dos pais ou outras pessoas
com ou sem relação parental com a criança.
  
 Trata-se de uma patologia clínica que traz, como consequências, depressão crônica,
dificuldade de adaptação social, transtornos envolvendo a identidade, a personalidade, o
caráter e a imagem, culpa e desorientação, isolamento, distorção de valores, condutas
confusionais e até o desejo de suicídio.
 
 Induz o guardião a pensar no ex-cônjuge como inimigo em um campo de batalha, onde a
sobrevivência de um depende da exterminação do outro, e para isso não mede esforços,
transformando os filhos em instrumentos de agressão. Assim, a conduta do alienador não
leva em consideração o bem-estar da criança, seu desenvolvimento natural, seus
sentimentos por ambos os pais, suas necessidades emocionais, sociais, humanas.
 
 O (a) filho (a) pode ser usado como um trunfo para exploração financeira do genitor
alienado, ou até para fomentar neste um sentimento de culpa pelas dificuldades que vier
a apresentar durante o processo de crescimento.
2 – Alienação Parental: Conceitos
 Gardner: “(...) uma perturbação que surge principalmente no âmbito das
disputas pela guarda e custódia das crianças. A sua primeira manifestação é
uma campanha de difamação contra um dos pais por parte da criança, a qual
não apresenta justificativa.”
 Podevyn: “A Síndrome se manifesta, em geral, no ambiente da mãe das
crianças, notadamente porque sua instalação necessita muito tempo e
porque é ela que tem a guarda na maior parte das vezes. Todavia pode se
apresentar em ambiente de pais instáveis, ou em culturas onde tradicionalmente
a mulher não tem nenhum direito concreto”.
 Maria Berenice Dias: “[...]um transtorno psicológico que se caracteriza por um
conjunto de sintomas pelos quais um genitor, denominado cônjuge alienador,
transforma a consciência de seus filhos, mediante diferentes formas e
estratégias de atuação, com o objeto de impedir, obstaculizar ou destruir seus
vínculos com o outro genitor, denominado cônjuge alienado, sem que existam
motivos reais que justifiquem essa condição”.

Alienação parental na 1ª infância:

Atuação do psicólogo no contexto da


Alienação Parental

A presença dos pais na Psicoterapia;


Benefícios da
psicoterapia para
as crianças que
sofrem a
alienação
parental.
Conceito legal:

“Art. 2° Considera-se ato de alienação


parental a interferência na formação
psicológica da criança ou do
adolescente promovida ou induzida por
um dos genitores, pelos avós ou pelos
que tenham a criança ou adolescente
sob a sua autoridade, guarda ou
vigilância para que repudie genitor ou
que cause prejuízo ao
estabelecimento ou à manutenção
de vínculos com este.”
adolescente, como o direito à integridade
física, mental e moral e à convivência
familiar;
DIREITOS VIOLADOS
(ECA, CF/88, Lei de AP)
Prejudica a realização de afeto nas
relações com genitor e com o grupo
familiar;

Constitui abuso moral contra a criança ou


o adolescente e descumprimento dos
deveres inerentes à autoridade parental ou
decorrentes de tutela ou guarda.
Diagnóstico da alienação parental:
O rol do parágrafo único do artigo 2°. da Lei é meramente exemplificativo, o que
significa dizer que outras formas são possíveis e podem ser constatadas por
perícia.

Condutas:

I- realizar campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da


paternidade ou maternidade; 
II - dificultar o exercício da autoridade parental; 
III - dificultar contato de criança ou adolescente com genitor; 
IV - dificultar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar; 
V - omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre a
criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço; 
VI - apresentar falsa denúncia contra genitor, contra familiares deste ou contra
avós, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança ou
adolescente; 
VII - mudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a
convivência da criança ou adolescente com o outro genitor, com familiares deste
ou com avós. 
Meios De Identificação

art.5º. - Várias formas de se avaliar:


 Profissional habilitado e com comprovada competência
técnica (análise curricular);
 Análise do conjunto fático;
 Avaliação por equipe interdisciplinar (Direito e Psicologia);
 Estudo Social da Família;
 Perícia psicológica dos envolvidos (laudo psicossocial –
90 dias).
I - declarar a ocorrência de alienação parental e
advertir o alienador;
II - ampliar o regime de convivência familiar
em favor do genitor alienado;
III - estipular multa ao alienador;
IV - determinar acompanhamento psicológico
e/ou biopsicossocial;
V - determinar a alteração da guarda para
guarda compartilhada ou sua inversão;
VI - determinar a fixação cautelar do domicílio
da criança ou adolescente; Sanções
VII - declarar a suspensão da autoridade Art. 6o 
parental.
Guarda compartilhada pode auxiliar na
prevenção da alienação?

Exemplo

Chega em um determinado momento que a criança já se mostra alienada de


maneira que não quer estar na presença do pai ou da mãe prejudicado pela
alienação.
A discussão sobre a legislação específica
da alienação parental no Direito Brasileiro
Alienação parental X Abuso Sexual;

A polêmica em torno da perda da guarda para o suposto


abusador.

Lei pode fazer com que a criança conviva com abusador?

Segundo uma pesquisa realizada pela Associação


Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e
à Adolescência, 75% dos casos de abusos sexuais
são cometidos pelos pais ou padrastos.
Lei da Alienação Parental:
‘O sistema não acolhe,
ele revitimiza crianças
que sofrem abuso’
Publicado em:, 28 de julho de 2018.

https://www.sul21.com.br/ultimas-noticias/geral/2018/07/lei-da-alienacao-parental-quando-o-sistema-revitimiza-criancas-vitimas-de-abuso/
Afinal, o que é
alienação
parental?
Agradecemos a
atenção!