Você está na página 1de 18

ë 


      
 

| 

— 
 

  


|
   
  
O
   

O   !  "!

O     


 !# $%
&' ( % !" )* +
,' " "    " 
  +
#' "*  "-"
" 

   

  
  


  
   
 

Intenção (consciência/mentalismo) + comportamento

´ 
 

      

  
  
 

´
 
   
  

 
´  
     

 
´  

  
  
 
 
   

— 



 


    !
  
     !"
# $

% &

'

(  

 
) 
  

* & 

— +,   -  






  
 !+.  

      

 . 

  $/ 
 


 . -0+ -1-0
2"3
 
 
 4 à àà 
à   à



     , 
 
2


±  
   ,   
 
  



  2 
 

  
 !" # $
%

  
" 
&"
'
(  
 ")
* 
   +"+  ,(
  


ë IA D IMPULS

´ 
 

      

  
  
 

´
 
   
  

 
´  
     

 
´  

  
  
 
 
   

homeostática" .

 
Impulso e teoria homeostática" .

 
 


& ± complexo de estados e estímulos internos


e externos que levam a um dado comportamento
que é sempre de importância para a sobrevivência
(necessidade);

± aplica-se ao tipo de comportamento dirigido para


as necessidades biológicas fundamentais e para a
manutenção do corpo num estado de equilíbrio
fisiológico ou homeostático.
Impulso e aprendizagem (Clark Hull)

1. todo o comportamento é motivado por impulsos primários


(homeostáticos ² necessidades biológicas vitais para sobrevivência) ou
por impulsos secundários baseados nos primeiros;

2. todas as recompensas são baseadas na redução do impulso primário


e homeostático;

3. a força do impulso pode ser determinada pelo tempo de privação


ou pela intensidade, força e gasto de energia do comportamento
resultante.

,  
5
 2 
Controvérsias acerca da teoria do impulso:

1 ± s impulsos primários são sinônimos de


necessidades fisiológicas internas?

2 ± ëodo o incentivo e recompensa são baseados na


tensão e redução de tensão homeostática?

3 ± ëodos os motivos sociais são baseados em impulsos


fisiológicos primários?
a  
 

'
2

'


1 ± Certas necessidades fisiológicas não resultam em impulsos


psicológicos (ex: deficiências vitamínicas);

2 ±  despertar de um impulso é independente da necessiade


fisiológica (o objeto-fim enquanto recompensa para a aprendizagem
e ao mesmo tempo funcionando como disparador da motivação);

3 ±  impulso psicológico, diferentemente das necessidades


fisiológicas, sofre a influência da aprendizagem:

4 ± s impulsos animais e humanos sofrem a influência de fatores


sociais

5± Parece que a dependência dos impulsos em relação à homeostase


diminui à medida que subimos na escala evolucionária
 
  
 

6&71031081—0&9:0&1

0 -0 

   
 


4  
 

   ;

 

6&71031081 <a7:0&1-  
 

3  
4   2-0+. 
=    
-.-/ 0# 0



1

2+


3 
´ 0 
4 ,  ´ — 
4 
 
+.    
  
  

 2
;

"
´a, 

  
´! >  2 4 
  
 
   2  
!

;
!
´  
 
´! > 
 4   

 
 '  

;
? 
!     
=


DUALISM ANëIDUALISM


1

2+


3 

´ 1
 ´—   
2      =
. . 

+      . 
 
   
´  
 

 
2 


 
,
þNFAS NS
CNC IëS
ë MS
þNFAS NS
MÉëDS

9 


 @
/

    
=
 
+ ,

 
 
     
 

A +
  
$
  

M NëALISM

ëermo adotado por Skinner para designar


um tipo de ´explicaçãoµ que nada
explica

´—  ,



 
  .      
  .    $   

 
´       +  
  

  - -


 
Pode ser relatado por
 —=
 mais de uma pessoa.
x: a chuva.

´ 9
  =
 
 2"
=
 
;
!

´9
  =
  
   +

=
+

  
, 2"

=

,!

São eventos que só


 —
 podem ser
relatados por uma
pessoa, mesmo que
outras estejam
presentes.
x: pensamentos,
sentimentos e
sensações.
—  ,

 


   

"
#  =

     =
 
=  
 .    - B!C  
     
  .  +    
   

   =
DE+%FFG! —

 ;

 . 
  '

%  =
 
   

1    
      

 $
".  
$ 

 
  


 comportamento de
estrelas não interessa,
pois a estrela não está
viva!

— +
 
 +

  
$ 

   comportamento de
células não interessa,

  
pois a célula não é um
organismo inteiro!
á   
A B

Ca ,    . 


 ,
, —,   

,   
,
,

  
$
 a



..  DE+%FFG!

1 A  á 


1   "   2
 .
.   A 
 

   
" <1a19& 07<a7Ha &

& .  1


 
 
 
+  
 . 
 +  
>

  
Ca,   


  2 

;
DE+%FFG!