Você está na página 1de 35

PRINCÍPIO DA GESTÃO

PROCESSUAL
CPC DE 1939

 Dispositivo: o andamento do processo dependia de


impulso das partes e não podia ser promovido pelo juiz;

 Legalidade das formas: o juiz não podia alterar as regras


de tramitação do processo nem o conteúdo ou a forma
dos atos processuais.
REFORMA PROCESSUAL DE 95-96

 Dispositivo:

- Mantém-se a necessidade de impulso inicial,


correspondente à propositura da ação (art. 3.º-1);

- Uma vez proposta a ação, cabe ao juiz providenciar pelo


andamento do processo, salvo quando a lei exija um
impulso das partes (art. 265.º-1).
REFORMA PROCESSUAL DE 95-96

 Formas processuais:

- A legalidade das formas manteve-se como regra;

- Adequação formal (art. 265.º-A): o juiz pode introduzir


variações no esquema legal se este for desadequado às
particularidades da causa.
REFORMA PROCESSUAL DE 95-96

 Orientação para a decisão de mérito: intervenção ativa


do juiz na sanação da falta de pressupostos processuais
sanáveis (art. 265.º-2).

 Economia processual (arts. 137.º e 31.º-2).


RPCE (2006)

 O juiz assume um papel determinante na direção do


processo;

 A instrumentalidade do processo face ao direito


substantivo conduz à mitigação do formalismo
processual.

Gestão Processual
GESTÃO PROCESSUAL (RPCE)

Adaptação

Agilização Eficiência

Adequação
CPC DE 2013

 O princípio da gestão processual como princípio


fundamental do processo civil;

 Implica uma abordagem diferente das regras processuais


pelo juiz:
- CPC de 1939: abordagem passiva (“andamento regular”);
- CPC de 2013: abordagem pró-ativa (“dirigir ativamente o
processo”).
GESTÃO PROCESUAL NO CPC

IMPULSO EFICIÊNCIA
SUBSEQUENTE PROCESSUAL

AGILIZAÇÃO E
OFICIOSIDADE
SIMPLIFICAÇÃO
AGILIZAÇÃO E SIMPLIFICAÇÃO

 Duas posições:

- Significado autónomo (Paulo Ramos Faria e Ana Luísa Loureiro;


Elizabeth Fernandez) ;

- Tradução do poder de adequação formal (José Lebre de


Freitas; Miguel Teixeira de Sousa).
AGILIZAÇÃO E SIMPLIFICAÇÃO

 Esta vertente da gestão processual não se diferencia das


outras pela sua natureza vinculada;

 A agilização e simplificação do processo podem alargar


ou encurtar o guião processual.

Reconduz-se, no essencial, à adequação formal.


ADEQUAÇÃO FORMAL

 Equilíbrio entre a legalidade e a liberdade das formas


processuais.

 O juiz segue a forma legal, podendo afastá-la quando:


- Desadequada ao caso concreto;
- Apesar de adequada, exista outra forma ainda mais
adequada ao caso.
VERTENTES DA ADEQUAÇÃO FORMAL

Forma dos atos


processuais

Conteúdo dos
Tramitação
atos
processual
processuais

ADEQUAÇÃO
FORMAL
ALGUNS EXEMPLOS

 Tramitação processual:
- Inquirição de testemunhas na audiência prévia;
- Terceiro articulado fora dos casos previstos na lei.

 Forma e conteúdo dos atos processuais:


- Substituição do depoimento oral por depoimento escrito;
- Inclusão dos factos assentes no despacho relativo aos
temas da prova
ADEQUAÇÃO TÍPICA

 Além da cláusula geral de adequação formal (art. 547.º),


há vários exemplos de adequação dispersos pelo CPC.

 Exemplos:
- Depoimento ou declaração de parte na audiência prévia
(art. 456.º-3);
- Flexibilização dos limites ao n.º de testemunhas (art.
511.º-4).
FINALIDADES DA GESTÃO PROCESSUAL

 Prevalência da decisão de mérito sobre a decisão formal;

 Obtenção de decisão em prazo razoável;

 Salvaguardar a instrumentalidade das regras processuais


face ao direito substantivo.
RECORRIBILIDADE E
GESTÃO PROCESSUAL
NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

 Regra geral: recorribilidade das decisões judiciais.

 Despachos proferidos no uso legal de um poder


discricionário: irrecorríveis porque envolvem juízos de
oportunidade (art. 630.º-1).
- Exemplo: inspeção judicial (art. 490.º-1).
RECORRIBILIDADE E PODERES
DISCRICIONÁRIOS

Discricionariedade ≠ Arbitrariedade

 Os despachos proferidos ao abrigo de um poder


discricionário são recorríveis:

- Não se verifiquem os respetivos pressupostos (“uso legal


de um poder discricionário);
- Violação de direitos processuais fundamentais.
CONTROLO PELO TRIBUNAL DE RECURSO

Poder discricionário Poder vinculado

- Controlo de legalidade - Controlo de legalidade


sem entrar no mérito; que inclui a análise do
mérito;
- Em caso de ilegalidade:
juízo cassatório. - Em caso de ilegalidade:
juízo substitutivo.
GESTÃO PROCESSUAL

 Antes do CPC de 2013:


- Não existia regra especial, pelo que a conclusão
dependia da qualificação do despacho (vinculado ou
discricionário);
- A doutrina encontrava-se dividida.

 Reforma de 2013: oscilação entre a irrecorribilidade


(2011) e a recorribilidade (2013).
RECORRIBILIDADE LIMITADA NO CPC

 Art. 630.º-2:

- A regra consiste na irrecorribilidade dos despachos de


adequação formal;

- Estes despachos serão recorríveis quando coloquem em


causa a igualdade, o contraditório, a aquisição de factos
ou o direito à prova.
PRINCIPAIS QUESTÕES

1. Teleologia da solução legal de recorribilidade limitada;

2. Possibilidade de alargar esta solução a todos os


despachos de gestão processual;

3. Conformidade da solução com a Constituição.


PODER VINCULADO OU DISCRICIONÁRIO?

 A gestão processual compreende poderes vinculados e


discricionários (Paulo Ramos de Faria/Ana Luísa
Loureiro; Abrantes Geraldes).

 Os despachos de adequação formal são proferidos ao


abrigo de um poder discricionário (Miguel Teixeira de
Sousa).
DISCRICIONARIEDADE DE AÇÃO

 Art. 547.º:
- A lei estabelece as circunstâncias em que o juiz deve
exercer o poder de adequação formal;
- Existe um dever de o exercer quando essas
circunstâncias se verifiquem

 Em outros casos, o exercício deste poder depende de um


juízo de oportunidade (remessa do processo para
mediação – art. 273.º).
CONCEITOS INDETERMINADOS

 O art. 547.º recorre a vários conceitos indeterminados


(“especificidades da causa”; “processo equitativo").

 O objetivo não é conferir poderes discricionários ao juiz,


mas apelar a uma ponderação técnica e objetiva face ao
caso concreto.
DISCRICIONARIEDADE DE DECISÃO

 Art. 547.º: cabe ao juiz determinar o ato a praticar


(discricionariedade criativa).

 Em outros casos, a lei limita o conteúdo da gestão


processual (inquirição das partes na audiência prévia –
art. 456.º-3).
CONCLUSÃO

 Quando se verifiquem os pressupostos do art. 547.º, o


juiz deve adequar o processo – poder de exercício
vinculado.

 O art. 547.º atribui ampla liberdade ao juiz na


conformação do conteúdo do despacho de adequação
formal – discricionariedade de decisão.
TELEOLOGIA DO ART. 630.º-2

 A recorribilidade limitada não decorre, pois, da


discricionariedade.

 Fundamentos:
- Efetividade no exercício dos poderes de adequação
formal;
- Maior proximidade do juiz de 1.ª instância em relação ao
processo.
2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO ART. 630.º -
2

 O art. 630.º-2 só abrange, literalmente, os despachos de


adequação formal.

 Interpretação extensiva: a solução da recorribilidade


limitada justifica-se da mesma forma para as restantes
vertentes da gestão processual.
3. RECORRIBILIDADE LIMITADA E
DIREITOS PROCESSUAIS FUNDAMENTAIS

 O art. 630.º-2 só admite o recurso dos despachos de


gestão processual quando estes contendam com:

- Igualdade;
- Contraditório;
- Aquisição processual de factos;
- Direito à prova.
DIREITOS PROCESSUAIS FUNDAMENTAIS

CONTRADITÓRIO

DIREITO À
PROVA

IGUALDADE

PRAZOS
FUNDAMENTAÇÃO RAZOÁVEIS
INTERPRETAÇÃO CONFORME À
CONSTITUIÇÃO

 Os direitos processuais fundamentais surgem como


limite ao exercício dos poderes jurisdicionais.

 Os despachos de gestão processual serão recorríveis


sempre que esteja em causa um direito processual
fundamental.
CONTROLO PELO TRIBUNAL DE RECURSO

 Juiz profere um despacho de gestão processual

- Por regra, a apelação não é autónoma (art. 644.º-2);


- Controlo de mera legalidade;
- A ilegalidade do despacho determina a remessa do
processo para o tribunal recorrido.
CONTROLO PELO TRIBUNAL DE RECURSO

 Juiz omite despacho de gestão processual

- Nulidade processual sempre que afete a instrução ou a


decisão da causa (art. 195.º-1);
- A parte deve invocar a nulidade no processo e pode
recorrer da decisão de indeferimento;
- No restante, aplica-se regime idêntico aos casos em que
o juiz tenha proferido despacho de gestão processual.