Você está na página 1de 40

CENTRO UNIVERSITÁRIO FAG

BACHARELADO EM FARMÁCIA

05 – Atenção Farmacêutica
na Asma e DPOC

Prof. Ms. João Ricardo Rutkauskis


Cascavel
Doenças Respiratórias Crônicas
• As DRCs são doenças que
acometem as vias aéreas superiores
e inferiores.

• As mais comuns são a asma, rinite e


a doença pulmonar obstrutiva.

• Mais de 500 milhões de pessoas em


países em desenvolvimento sofrem
com a doenças.

• São doenças incapacitantes que


promovem limitações físicas,
emocionais e intelectuais.
Asma
• As asma acomete cerca de 300
milhões de indivíduos no mundo.
• O Brasil ocupa a 8a posição
mundial em prevalência de asma
(até 20%).
• Responsável por 273mil
internações e 2.500 óbitos ao
ano.
• Associada a rinite e com
prevalência de até 25,7% em
crianças com idade escolar.
DPOC
• A DPOC acomete cerca de 210
milhões de pessoas.
•A DPOC é a 4a causa de
mortalidade no mundo (4,8%).
• Existemcerca de 7,5 milhões
de pessoas com DPOC no
Brasil.
• Associada ao consumo de
cigarros
• 170mil internações; 33mil óbitos;
custo per capita 1522,00US$.
Doençar Respiratórias Crônicas

As asma é uma doença inflamatória crônica caracterizada pela


hiper-resposividade das vias aéresa inferiores e por limitação
variável do fluxo de ar, reversível espontaneamente ou com
tratamento. Relaciona-se a uma resposta imunológica.

A Doença Crônica Obstrutiva Pulmonar (DPOC) é uma


doença com repercussões sistêmicas, parcialmente reversível
e geralmente progressiva. É uma associação entre bronquite
e destruição do parênquima dos brônquios.
Fatores de Riscos

• Tabagismo (80-90% casos de DPOC)

• Poluição ambiental

• Alérgenos

• Agentes ocupacionais

• Fatores genéticos

• Infecções (vacinação)
Diagnóstico da Asma
Diagnóstico da Asma
Diagnósticos de DPOC
Diagnóstico Diferencial
Diagnóstico Funcional
A espirometria é um estudo da função pulmonar após expiração
forçada, cujos valores são comparados com a média esperada
para o sexo, altura e peso. Tem por objetivo comprovar a
reversibilidade.

Volume Expiratório Forçado (VEF)


Capacidade Vital forçada (CFV)

Dispositivo de fluxo
de ar expiratório
Diagnóstico Funcional

Raio X de tórax: contribui pouco para


diagnóstico. Pode ser importante para diagnóstico
diferencial entre pneumopaticas infecciosas ou
bronquiecstasia.

Bacterioscopia: indicada para casos em que


haja falha no tratamento das execerbações ou em
pacientes hospitalizados. Poode ser útil no
diagnóstico diferencial de tuberculose e outras
infecções.
Escala de Dispnéia Medical Research Council (MRC)
TRATAMENTO

Medidas Não-Farmacológicas

Medidas Farmacológicas
Medidas Não Farmacológicos

• Ações educativas (autocuidado)

• Manter a higiene do ambiente

• Uso de barreiras físicas (fronhas/capas)

• Evitar exposição/consumo de tabaco.

• Evitar exposição a poluentes externos

• Evitar AINES e Betabloqueadores.

• Redução de peso melhora função pulmonar.


Medidas Farmacológicas
• As medicações para asma são usadas

para controle/prevençao de crises.

• Falta de ar, tosse em esforços físicos,

despertares e tossse noturna.

• A via inalatória é a mais comum e

preferível.

• Permitem uma menor ocorrência de

efeitos colaterais.
Agonistas Adrenérgicos B2

• Atuam nos receptores B2


pulmonares, promovendo a dilatação
da musculatura dos brônquios,
permitindo maior fluxo de oxigênio.

• São os medicamentos mais indicados

para o controle das exacerbações


da doença.
Agonistas Adrenérgicos B2

• Atuam nos receptores B2


pulmonares, promovendo a dilatação
da musculatura dos brônquios,
permitindo maior fluxo de oxigênio.

• São os medicamentos mais indicados

para o controle das exacerbações


da doença.
Agonistas B2 de Ação Curta

Agonistas B2 de Ação Longa


Corticóesteróides Inalatórios

• Apresentam ação antiinflamatória,


por meio de mecanismos moleculares
(DNA). Promovem aumento do
número B2, redução mediadores da
inflamação.

• Os corticóides inalatórios são os

principais medicamentos usados para


controle das arma.
Corticóides Inalatórios
Corticóides Sistêmicos