Você está na página 1de 10

Departamento de Construção Civil

PERMEABILIDADE DE SOLOS

Profª Teresa Raquel Lima Farias


PERMEABILIDADE

 É a propriedade que o solo apresenta de


permitir o escoamento da água através de seus
vazios, de um ponto de mais alta energia para
um ponto de mais baixa energia.

 Grau de Permeabilidade – expresso numericamente


pelo coeficiente de permeabilidade – K (cm/s).
Importância do estudo da
permeabilidade
Para problemas práticos de engenharia (drenagem,
rebaixamento do nível de água, recalque, etc.)
 Cálculo de vazão – estimativa da quantidade de água
que infiltra numa escavação
 Analise de recalques – recalque se relaciona coma a
diminuição do índice de vazios, que ocorre pela expulsão
de água.
 Estabilidade de taludes – tensão efetiva (comanda a
resistência do solo) depende da pressão neutra
(depende da percolação de água).
PERMEABILIDADE
 Esta propriedade do solo intervem em problemas de
percolação pelas fundações e através de barragens de
terra, drenagem, recalques por adensamento, etc.

Valores típicos de coeficiente de permeabilidade


DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE
PERMEABILIDADE
 Realizada a partir da Lei Experimental de Darcy
 Lei de Darcy – velocidade de percolação é proporcional ao gradiente
hidráulico.

v = velocidade de percolação da água


i = gradiente hidráulico

 Gradiente hidráulico (i) é definido como a energia, ou perda de


carga, Δh, por unidade de comprimento:

Relação adimensional entre h(carga


hidráulica que se dissipa na percolação)
e L (distância ao longo da qual a carga
se dissipa)
Fatores que afetam o coeficiente de
permeabilidade
 Forma e tamanho das partículas do solo.
 Índice de vazios - a permeabilidade aumenta com o aumento
do índice de vazios.
 Grau de saturação - k aumenta com S.
 Composição das partículas do solo - importante para as
argilas, onde a permeabilidade diminui com o aumento da
espessura da camada.
 Estrutura do solo - solos finos com estrutura floculada têm
coeficientes de permeabilidade mais altos do que os que têm
estrutura dispersa.
 Temperatura aumenta - Viscosidade do fluido (água) diminui -
aumenta a facilidade de escoamento pelos vazios do solo -
aumenta o valor de k.
 Peso específico e concentração do fluido.
Medida de Permeabilidade
Permeâmetro a carga constante (solos granulares – arenosos)

QL
k (cm / s )
h  At
Em que:
Q= quantidade de água que atravessa a amostra e é recolhida em um
recipiente graduado
h= desnível entre a superfície de entrada da água e de saída
L= altura do corpo de prova
A= área da seção do corpo de prova
Permeâmetro a carga variável (solos finos)
 A descarga Q é a medida durante um pequeno intervalo de tempo (dt), que
decresce de um certo valor (dh).

aL hi
k  2,3   log (cm / s)
At hf
Onde:
k = coeficiente de permeabilidade (cm/s)
a = Área interna do tubo de carga, (cm2)
hi = Altura da carga no instante inicial, (cm)
hf = Altura da carga no instante final, (cm)
L = Altura do corpo de prova, (cm)
A = Área da seção do corpo de prova, (cm2)
t = Tempo decorrido para a água percolar no corpo de prova, na variação da carga
hidráulica,(s).
Moldagem do Corpo-de-prova
Cálculo de K20
Calculando o coeficiente de permeabilidade na temperatura TºC em que é
realizado o ensaio, deve-se calcular a temperatura de 20ºC, através da
relação:
T
k 20  kT 
 20
Onde:
k20 = Coeficiente de permeabilidade a 20ºC
kT = Coeficiente de permeabilidade a temperatura T em que é realizado o ensaio.
20 = Viscosidade do fluido na temperatura de 20ºC, que corresponde a 0,01005.
T = Viscosidade do fluido na temperatura T.

Por exemplo: para T = 16ºC, tem-se 16 = 0,0111.


Assim:
16 0,0111
  1,055 → K 20  K16 1,055
20 0,01005