Você está na página 1de 35

FARMACOLOGIA

CLÍNICA
Ramos da farmacologia
Formas farmacêuticas

Prof. Álvaro Dutra


Ramos da Farmacologia
Farmacocinética: Estuda o movimento dos fármacos no
organismo.

 Não se trata do estudo do seu mecanismo de


ação, mas sim as etapas que a droga sofre
desde a administração até a excreção, que são:
administração, absorção, biotransformação,
biodisponibilidade e excreção.
Ramos da Farmacologia
Farmacodinâmica: Estuda a ação do fármaco e o
mecanismo desta ação no organismo.

 Estuda os efeitos fisiológicos dos fármacos nos


organismos, seus mecanismos de ação e a
relação entre concentração do fármaco e efeito.
Ramos da Farmacologia
Farmacognosia: Ramo da farmacologia que estuda a
origem dos fármacos (obtenção, identificação e
isolamento).

 É um dos mais antigos ramos da farmacologia.

 Tem como alvo os princípios ativos naturais,


sejam animais ou vegetais.
Ramos da Farmacologia
Farmacognosia:

Objetivo: Estudo do uso, da produção, da história,


do armazenamento, da comercialização, da
identificação, da avaliação e do isolamento de
princípios ativo, inativo ou derivados de
animais e vegetais.
Ramos da Farmacologia
Sub-ramos da farmacognosia:
 Fitoterapia: Ramo da farmacognosia que utiliza-
se de drogas de origem vegetal para o tratamento
de doenças e infecções.

Opoterapia: Ramo da farmacognosia que utiliza-


se de drogas de origem animal para o tratamento de
doenças.
Ramos da Farmacologia

Farmacotécnica: tem como objetivo a fabricação de


medicamentos através de uma forma farmacêutica
ideal para maior absorção do principio ativo, conforme
tratamento.
Ramos da Farmacologia

Farmacoterapia: Estuda a aplicação dos fármacos nas


doenças (Farmacologia Clínica)
Ramos da Farmacologia

Farmacogenética: estuda a variabilidade genética


dos indivíduos com relação as drogas
específicas.

 Determinados indivíduos podem reagir


diferentemente ao mesmo tipo de medicamento,
dependendo de sua etnia ou outras variações
genéticas.

 Foi criado por F. Vogel em 1959.


Ramos da Farmacologia

Toxicologia: É o ramo que estuda os efeitos adversos das


substancias químicas sobre os organismos.

 A palavra "Toxikon" tem origem grega e significa veneno


das flechas (usado na caça desde a antiguidade).

 As pontas das flechas eram preparadas com


material bacterialmente contaminado, por exemplo
pedaços de cadáveres ou venenos vegetais, com o
intuito de acelerar a morte dos animais, levando a
paralisia do músculo cardíaco e da musculatura
esquelética.
Ramos da Farmacologia

Toxicologia: É o ramo que estuda os efeitos adversos das


substancias químicas sobre os organismos.

Possui vários sub-ramos:

 Toxicologia clínica: que trata


dos pacientes intoxicados, diagnosticando-os e
instituindo uma terapêutica mais adequada.
Ramos da Farmacologia

Toxicologia: É o ramo que estuda os efeitos adversos das


substancias químicas sobre os organismos.

Possui vários sub-ramos:

 Toxicologia experimental: que utiliza animais para


elucidar o mecanismo de ação, espectro de efeitos
tóxicos e órgão alvos para cada agente tóxico.
Ramos da Farmacologia

Toxicologia: É o ramo que estuda os efeitos adversos das


substancias químicas sobre os organismos.

Possui vários sub-ramos:

 Toxicologia analítica: que tem como objetivo


identificar/quantificar toxicantes em diversas matrizes,
sendo biológicas
(sangue, urina, cabelo, saliva, vísceras, etc.) ou não
(água, ar, solo).
Ramos da Farmacologia

Farmacoepidemiologia: é o estudo do uso


de drogas e dos seus efeitos sobre as
populações grandes.

 Suas bases são da farmacologia clínica


e epidemiologia.
Ramos da Farmacologia

Cronofarmacologia: é a ciência que estuda a hora


mais adequada de tomar os medicamentos,
baseando-se no que se sabe do funcionamento
do nosso organismo.

 O horário de ingestão do remédio faz toda a


diferença no tratamento, pois pode tanto
aumentar a eficácia dele, como minimizar os
seus efeitos colaterais.
FORMAS FARMACÊUTICAS
FORMAS FARMACÊUTICAS
 Maneira como as drogas se apresentam para uso.

 De acordo com a forma farmacêutica, têm-se a via de


administração.

 Componentes de uma formulação:

 Princípio ativo
 Coadjuvante
 Corretivo
 Veículo e excipiente
Princípio ativo
 Representa o componente da formulação responsável
pelas ações farmacológicas.

No caso de haver mais de um princípio ativo, teremos:

- Base: É a substancia ativa com maior atividade


farmacológica, quer pelo seu potencial de concentração
ou pelo seu volume.

- Adjuvante: Outras substâncias ativas que


complementam a ação da base.
Princípio ativo
 Representa o componente da formulação responsável
pelas ações farmacológicas.
Corretivo
 Todo ingrediente encontrado numa formulação que visa
corrigir o produto final em suas propriedades
organolépticas e visuais.

- Edulcorantes: Conferem sabor agradável a preparação.

- Corantes: Conferem cor as formas farmacêuticas.


Veículo
 Parte da forma farmacêutica que lhe confere forma e
volume, gerando maior estabilidade, tem ação
farmacológica.

- Excipiente: É o veiculo que tem ação passiva, destina-se


a dar forma, aumentar o volume.

- Intermediário: Estabilidade física e homogenidade.


FORMAS FARMACÊUTICAS
 É o estado final que as substâncias ativas
apresentam depois de serem submetidas às operações
farmacêuticas necessárias, a fim de facilitar a sua
administração e obter o maior efeito terapêutico
desejado.
FORMAS FARMACÊUTICAS
 A sujeição das substâncias ativas às operações
farmacêuticas deve-se ao fato da maioria das
substâncias ativas não poderem ser diretamente
administradas ao doente.
FORMAS FARMACÊUTICAS

FORMAS FARMACÊUTICAS MAGISTRAIS:


São aquelas cuja fórmula é de autoria do
clínico, e que o farmacêutico prepara
seguindo essas prescrições.
FORMAS FARMACÊUTICAS

FORMAS FARMACÊUTICAS OFICINAIS: São


aquelas cujo a fórmula e técnica
encontram-se inscritas e descritas nas
farmacopéias e formulários.
FORMAS FARMACÊUTICAS

FORMAS FARMACÊUTICAS DE
ESPECIALIDADES:
Encontram-se preparadas e embaladas,
apresentam nome fantasia ou DBC da
substancia ativa de sua formulação. São
normalmente preparadas por laboratórios
farmacêuticos.
FORMAS FARMACÊUTICAS
- Sólidas
- Cápsulas
- Comprimidos
- Drágeas
- Hóstias
- Implantações
- Óvulos
- Papéis
- Pérolas
- Pílulas
- Pós
- Supositórios
FORMAS FARMACÊUTICAS
Sólidas
 Cápsulas:

• São pequenos invólucros destinados a conter um pó ou


um líquido.
• Tem forma cilíndrica e são formados por duas partes que
se encaixam.
• Se destinam a conter um líquido as cápsulas devem ser
soldadas.
• Quando as cápsulas contêm substâncias que sejam
destruídas pelo suco gástrico, ou substâncias que
se pretenda que atuem no intestino, então elas devem
ser gastro-resistentes.
(o invólucro deverá ser: quitina ou glúten)
FORMAS FARMACÊUTICAS
Sólidas
 Comprimidos:

• São formas farmacêuticas cilíndricas ou lenticulares, que


resultam da compressão de um pó cristalino
ou de um granulado em máquinas apropriadas.
• Freqüentemente, junta-se à substância ativa um
excipiente para lhe dar o volume conveniente.
• Podem ser administrados "via oral , colocados
subcutaneamente (implantes) ou aplicados localmente
(comprimidos bocais e comprimidos
vaginais).
FORMAS FARMACÊUTICAS
Sólidas
 Drágeas:

• São comprimidos revestidos por uma substância de


modo a evitar a sua fácil desagregação, para proteger a
substância ativa da umidade e luz, para ocultar as
características organolépticas indesejáveis, para facilitar
a sua ingestão ou para proteger a substância ativa da
destruição estomacal.
FORMAS FARMACÊUTICAS
Sólidas
 Pós:

• São substâncias medicamentosas suficientemente


divididas para que a sua administração se facilite.
• Podem ser SIMPLES (obtidos por pulverização de
substâncias dessecadas à mais baixa temperatura
possível não devendo ultrapassar os 45º C, ou 25º C se
estiverem presentes substâncias voláteis ou facilmente
alteráveis)
FORMAS FARMACÊUTICAS
Sólidas
 Pós:

• COMPOSTOS (resultantes da mistura cuidadosa de pós


simples). A sua conservação deve ser feita ao abrigo da
luz e da umidade.
• Os pós administram-se incorporados em poções,
xaropes, cápsulas, papeis, comprimidos, ou ainda em
aplicação tópica na pele.
FORMAS FARMACÊUTICAS
Sólidas
 Óvulos:
• São preparações destinadas a serem introduzidas na
vagina.
• Os excipientes mais utilizados, que têm baixo ponto de
fusão, são a gelatina glicerinada para substâncias
ativas hidrossolúveis, e a manteiga de cacau para
substâncias ativas lipossolúveis.

• O peso médio do óvulo é de 12 a 15 gramas.


FORMAS FARMACÊUTICAS
Sólidas
 Supositórios:
• São formas farmacêuticas de forma cônica ou ovóide,
destinadas a serem introduzidas na ampola retal,
contendo um veículo de baixo ponto de fusão.
• Os excipientes usados podem ser Lipossolúveis (óleo de
cacau ou sucedâneos) ou Hidrossolúveis (gelatina
glicerinada ou polietilenoglicois de peso molecular
elevado).
• O emprego de tais excipientes, com a particularidade de
terem um baixo ponto de fusão, destinam-se a uma
mais fácil administração e conservação por um
lado, e à difusão das substâncias ativas na ampola retal,
por outro.
Para acompanhamento didático:
• alvarolaboratorio@gmail.com
•22 996115651

Próxima aula: (18/08)


Formulas farmacêuticas