Você está na página 1de 59

COMUNICAÇÕES

Para haver comunicação tem de existir sempre


um emissor e um receptor.

O emissor produz o sinal que contém a


informação a transmitir e o receptor recebe e
interpreta o sinal.

DRA CARLA PAULINO


2
COMUNICAÇÕES
Um sinal é uma perturbação que altera em
determinado local uma propriedade física de
um meio material, e usa- a para transmitir
informação.

Os sinais localizam-se no tempo e no espaço e


podem ser de curta duração (eléctricos) ou
contínuos (luminosidade).

DRA CARLA PAULINO 3


COMUNICAÇÕES

Uma onda é a propagação de uma


perturbação num determinado meio.
Transporta sempre informação, tal como
energia mas nunca matéria.
A velocidade com que uma onda se propaga
depende do meio material onde se dá a
propagação.

DRA CARLA PAULINO 4


TIPOS DE ONDAS

Ondas Mecânicas
Necessitam de um meio
material para se
propagarem pois não se
propagam no vácuo
(p.e. Som)

DRA CARLA PAULINO 5


TIPOS DE ONDAS

Ondas Electromagnéticas
Propagam-se tanto no
vácuo como num meio
material (p.e. Luz)

DRA CARLA PAULINO 6


PROPAGAÇÃO DE ONDAS

DRA CARLA PAULINO 7


CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS
• As ondas resultam da emissão repetida
de um sinal em intervalos de tempos regulares,
independentemente da sua forma.

• Uma onda tem uma periodicidade no tempo, o


período (Т); e tem uma periodicidade no espaço,
o comprimento de onda (λ)
λ lambda - é a 11ª letra do alfabeto grego

8
DRA CARLA PAULINO
CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS
 O período é o tempo completo de
oscilação de uma onda. Representa-se
por Т e mede-se em (s);
 O comprimento de onda é a distância entre duas
cristas consecutivas, representa-se por λ e mede-
se em (m);
 A amplitude é a distância entre a crista da onda e a
posição de equilíbrio. Representa-se por A e mede-
se em (m).

DRA CARLA PAULINO 9


CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS

DRA CARLA PAULINO 10


CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS

DRA CARLA PAULINO 11


CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS

 Velocidade de propagação é a distância


percorrida entre cristas, por unidade de tempo.
Ou seja,
Comprimento de onda/unidade de tempo
Então:
V= λ/ T unidades: (metro/segundo)

DRA CARLA PAULINO 12


CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS

 Frequência é o número de ondas que ocorrem por


cada segundo.
Representa-se por f e tem por unidade o Hertz (Hz).

f=1/T unidades: Hz

DRA CARLA PAULINO 13


CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS

DRA CARLA PAULINO 14


ONDAS SONORAS

 As ondas sonoras são ondas mecânicas que


resultam da propagação de uma vibração de
um dado corpo num meio material.
 Todos os sons resultam de uma vibração,
consequentemente vibrações diferentes
originam sons diferentes.

DRA CARLA PAULINO 15


ONDAS SONORAS

DRA CARLA PAULINO 16


ONDAS SONORAS

Aplicando as características das ondas temos:

 A amplitude de um som é o que permite


distinguir sons agudos de sons graves.
 A amplitude está associada à frequência da
fonte sonora: número de vibrações por unidade
de tempo.

DRA CARLA PAULINO 17


ONDAS SONORAS

 Um som grave tem menor frequência,


enquanto que um som agudo tem maior
frequência.

DRA CARLA PAULINO 18


ONDAS SONORAS

DRA CARLA PAULINO 19


ESPECTRO SONORO

DRA CARLA PAULINO 20


ONDAS ELECTROMAGNÉTICAS

 As ondas electromagnéticas contêm os sinais


sonoros usados nas comunicações, pois não
são absorvidas no vazio.
 Uma onda electromagnética resulta da
oscilação simultânea de um campo eléctrico
e de um campo magnético, perpendiculares
entre si, e perpendiculares à direcção de
propagação da onda.

DRA CARLA PAULINO 21


ONDAS ELECTROMAGNÉTICAS

DRA CARLA PAULINO 22


ONDAS ELECTROMAGNÉTICAS

 Os sinais sonoros que compõem as ondas


electromagnéticas podem ser digitais ou
analógicos.
 Os sinais analógicos são descontínuos no
tempo, enquanto que os digitais são
contínuos.

DRA CARLA PAULINO 23


ONDAS ELECTROMAGNÉTICAS

 Ao conjunto do sinal da onda propriamente dita e


ao sinal da informação a ser transmitida dá-se o
nome de modulação.
 Nos sinais analógicos, faz-se modulação de
amplitude (AM);
 Nos sinais digitais, faz-se modulação de frequência
(FM).

DRA CARLA PAULINO 24


RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICO

 As ondas electromagnéticas são distintas.


Têm + ou - energia consoante a radiação
solar visível.
 Os raios IV, as microondas e a sonda de rádio são
de menor energia que a radiação visível.
 Os raios UV, os raios X e os raios γ (gama) são
mais energéticos que a sonda da radiação visível.

DRA CARLA PAULINO 25


CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS ELECTROMAGNÉTICAS

Υ Quanto + energia tem uma radiação, + elevada é a sua


frequência.
Υ As microondas são as mais usadas para comunicações
por satélite.

DRA CARLA PAULINO 26


CARACTERÍSTICAS DAS ONDAS ELECTROMAGNÉTICAS

Υ As ondas de rádio são usadas para comunicações por


rádio, televisão e telemóvel

DRA CARLA PAULINO 27


BANDAS DE FREQUÊNCIA

 As bandas de frequência para transmissão de rádio,


tv, telemóveis, satélites, …, são os intervalos de
frequência usados.
 Devido a acordos internacionais, os intervalos de
frequência foram divididos em bandas.

DRA CARLA PAULINO 28


DRA CARLA PAULINO 29
DRA CARLA PAULINO 30
O TELEMÓVEL

 Quem o inventou foi um director da Motorola


de seu nome COOPER
 E a 1ª marca de telemóveis foi a Motorola
 O primeiro telemóvel surgiu em 1973 na
cidade de Nova Iorque.
 A primeira chamada foi feita no dia 3 de
Abril de 1973

DRA CARLA PAULINO 31


ALGUMAS COMPONENTES DE UM TELEMÓVEL

 Antena  Câmara de filmar


 Incorporada / fotografar
 Exterior  Flash
 Microfone  Ecrã de cristais
 Teclado líquidos/monocro
 “touch” matico
 “pen”  Bateria
 …  Cartão memória
…

DRA CARLA PAULINO 32


TIPOS DE TELEMÓVEL

Os telemóveis têm vários tipos e variantes especiais de


cada modelo.
Estes aparelhos podem ser diferentes no modelo :
candybar
slider

flip

DRA CARLA PAULINO 33


TIPOS DE TELEMÓVEL

Os telemóveis diferem no modo de carregamento :


• pré-pagos
• com contrato
Também se distinguem quanto às suas funcionalidades
• Smartphone,
• telemóvel com câmara
• telemóvel com «walkman»

DRA CARLA PAULINO 34


SMARTPHONE

Este tipo de telemóvel caracterizam-se por suportar


funcionalidades mais avançadas, aproximando-se das que se
encontram em computadores e oferecendo muito + que as
capacidades básicas de comunicação de um telemóvel.

Permitem, assim, um acesso mais fácil e rápido à internet e a


aplicações e programas que possibilitam uma maior
personalização (Word, Excel, PowerPoint…) e uma experiência
superior de entretenimento.

DRA CARLA PAULINO 35


SMARTPHONE

Um dos aspectos mas importantes deste tipo de telemóvel é o


seu sistema operativo, cuja função é servir de interface com o
utilizador.

DRA CARLA PAULINO 36


FUNÇÕES
 Uma das funções mais utilizadas nos telemóveis
é o SMS (Short message Service)

 A 1ª mensagem escrita remetida por um


telemóvel foi mandada do Reino Unido

DRA CARLA PAULINO 37


2ª GERAÇÃO

 Os telemóveis de 2ª geração denominados


por 2G (surgiram em meados dos anos 90) e
referem a mudança da tecnologia analógica
para digital.

DRA CARLA PAULINO 38


 Os 2G permitiam integrar outros serviços no
mesmo sinal, como p.e. o envio de mensagens
de texto (SMS) e capacidade para transmissão
de dados entre dispositivos de MODEM E FAX.
 Sistema através do qual as operadoras móveis
notificam os seus utilizadores quando estes têm
uma mensagem de voz no seu gravador de
mensagens é o chamado Voice Mail.

DRA CARLA PAULINO 39


3ª GERAÇÃO

As redes de telecomunicações de telemóvel são


actualizadas de forma a utilizarem as tecnologias 3G
desde 1999.
O Japão foi o primeiro país a implementar o 3G
nacionalmente.
A característica mais importante da tecnologia móvel 3G é
suportar um nº maior de clientes de voz e dados,
especialmente em áreas urbanas.

DRA CARLA PAULINO 40


O QUE É UMA MMS?

O serviço de Mensagens Multimédia (multimedia


messaging service - MMS) permite enviar
mensagens com imagens, fotografias, sons, textos
mais longos ou mesmo vídeos.
MMS é uma evolução dos SMS que implica a
evolução da rede celular tradicional GSM para
UMTS.

DRA CARLA PAULINO 41


O QUE É O BLUETOOTH?
• é uma especificação industrial para
áreas de redes pessoais sem fio (Wireless
personal area networks – PANs).
• O Bluetooth provê uma maneira de
conectar e trocar informações entre
dispositivos como telemóveis, notebooks,
computadores, impressoras, câmaras
digitais e consolas de jogos digitais
através de uma frequência de rádio de
curto alcance .

DRA CARLA PAULINO 42


http://www.youtube.com/watch?v=NTTJFFQ7
stM&feature=player_detailpage

DRA CARLA PAULINO 43


UNIDADE DE MEDIDA - BYTE

 Um byte, frequentemente confundido com bit


é um dos tipos de dados integrais em
computação.
 É usado com frequência para especificar o
tamanho ou quantidade da memória, ou da
capacidade de armazenamento de um
computador, independentemente do tipo de
dados armazenados.

DRA CARLA PAULINO 44


UNIDADE DE MEDIDA - BYTE
 A codificação padronizada de byte foi definida como
sendo de 8 bits.
 Bit é a unidade de medida para transferência de
dados.
1 byte = 8 bits
 O byte de 8 bits é, por vezes, também chamado de
octeto, nomeadamente no contexto de redes de
computadores e telecomunicações.
 Meio byte dá-se o nome de nibble ou semiocteto.

DRA CARLA PAULINO 45


UNIDADE DE MEDIDA - BYTE
Os computadores trabalham internamente através
de um sistema de numeração específico que se
intitula de sistema binário
 Para os computadores, representar 256 números
binários é suficiente, e como um byte possui 8 bits
basta fazer os cálculos.
 Como um bit representa dois valores (1 ou 0) e um
byte representa 8 bits, basta fazer 2 (do bit)
elevado a 8 (do byte) que é igual a 256.
28= 256
DRA CARLA PAULINO 46
O QUE É O BYTE?

• Um byte nada tem de especial, é apenas um


número binário de 8 algarismos.
• A sua importância na informática deriva
apenas do facto do código ASCII "Código
Padrão Americano para o Intercâmbio de
Informação" ter adoptado números de 8 bits,
além de razões meramente construtivas ou
operacionais.

DRA CARLA PAULINO 47


O QUE É O BYTE?

 Por exemplo os códigos enviados a impressoras


para controlar a impressão têm 8 bits, os valores
trocados pelos modems entre computadores
também, assim como diversas outras operações
elementares de intercâmbio de informações.

DRA CARLA PAULINO 48


O QUE É O BYTE?

 As memórias costumam ser organizadas de tal


forma que as operações de leitura e escrita são
feitas com quantidades de 1 byte ou de múltiplo
de bytes (8, 16, 32, 64 ou 128 bits – o que
corresponde a 1, 2, 4, 8 e 16 bytes,
respectivamente).

DRA CARLA PAULINO 49


BYTE

Logo o Byte é a unidade de medida de grandeza


de informações.

1 byte = 8 bits

DRA CARLA PAULINO 50


BITS VS BYTE VS KB VS MB VS GB

1 Byte = 8 bits

1 Kb = 210 Bytes =1024 Bytes


= 8 192 bits

1Mb = 1 024 Kb = 220Bytes =1 048 576 Bytes


=8 388 608 bits

DRA CARLA PAULINO 51


BITS VS BYTE VS KB VS MB VS GB

1024 X 1024

1 Gb = 1 024 Mb = 1 048 576 Kb = 230Byte


=1 073 741 824 Byte
X8
= 8 589 934 592 Bits

DRA CARLA PAULINO 52


DISQUETE

A título apenas de exemplo:


- tendo em conta que o tamanho disquete é de 1,44 Mb.

Calcula quantos bits terá esta disquete?

1Mb = 8 388 608 bits


1,44 Mb = 1,44 x 8 388 608 = 1 207 960,92 bits

DRA CARLA PAULINO 53


MEMORIA RAM
A título apenas de exemplo:
- tendo em conta que o tamanho Memoria RAM de 512 Mb.

Calcula quantos bits ?

1Mb = 8 388 608 bits


512 Mb = 512 x 8 388 608 = _____________bits

DRA CARLA PAULINO 54


O QUE É A TAXA DE TRANSFERÊNCIA?
• É o número médio de bits, por unidade de tempo
que passam entre equipamentos num sistema de
transmissão de dados.

DRA CARLA PAULINO 55


EXEMPLOS DE TAXAS DE TRANSFERÊNCIA
Banda larga (velocidade)
• 24Mb
• 12 Mb
• 6 Mb
Fibra Óptica
• 100Mb
• 200Mb
• 1Gb

DRA CARLA PAULINO 56


DRA CARLA PAULINO 57
DEMONSTRAÇÃO
-WORD
-EXCEL
-POWERPOINT

DRA CARLA PAULINO 58


DRA CARLA PAULINO 59