Você está na página 1de 16

Categorias do texto

dramático
 Ação
 Estrutura externa
 Estrutura interna
 Personagem
 Espaço
 Tempo
 Modalidades de reprodução do discurso
direto
Ação

 A ação consiste no desenrolar dos acontecimentos,


reais ou imaginários, vivificados pelas personagens
através das falas e da sua movimentação em cena;
sendo constituída por uma estrutura externa e uma
estrutura interna.
Estrutura externa
De um modo geral, o texto dramático organiza-se
em atos subdivididos em cenas.

 Mudança de ato – corresponde à alteração de


espaço/cenário;

 Mudança de cena – corresponde à entrada ou saída


de uma ou mais personagens.

NOTA: Consoante a época e o tipo de texto, esta divisão assume formas


ligeiramente diferentes. Por exemplo, no teatro vicentino não havia qualquer
divisão externa, o que era, aliás, uma característica própria do teatro medieval.
Estrutura interna
A estrutura interna tem a ver com o desenrolar
da ação e divide-se em:
 exposição: apresentação das personagens
e dos antecedentes da ação;
 conflito: sucessão gradual dos acontecimentos
que fazem avançar a ação através de momentos de
tensão, expectativa até chegar ao clímax,
ou seja, ao ponto culminante da ação;
 desenlace: desfecho, final da ação.
Personagem

A personagem, agente da ação, é uma entidade


ficcional dotada de um retrato físico e psicológico
e à qual é, normalmente, atribuído um nome que,
no caso do texto dramático, precede sempre a sua
fala.
Classificação quanto
ao relevo
 Personagem principal – o seu desempenho
é fundamental para o desenvolvimento da ação,
na qual possui um papel central;

 Personagem secundária – desempenha um papel


menos importante do que o do protagonista no
desenvolvimento dos acontecimentos;

 Figurante – cabe-lhe a função de ilustrar um


espaço social, uma profissão, uma ideologia…
Classificação quanto
à composição
• Modelada ou redonda – trata-se de uma
personagem dinâmica, provida de densidade
psicológica, cujo comportamento é passível
de se modificar ao longo da ação;

• Plana – é estática, sem grande densidade


psicológica e o seu comportamento não sofre
modificações ao longo da ação, sendo previsível;

• Personagem-tipo – representa um estatuto


social, cultural, económico, profissional, com as
qualidades os defeitos que lhe são associados.
Processos de
Caracterização
• Caracterização direta – as características da
personagem são proferidas diretamente:

– autocaracterização: é a própria personagem que


refere explicitamente os seus traços característicos;
– heterocaracterização: os traços distintivos da
personagem são apresentados explicitamente nas
didascálias e/ou por outra(s) personagem(ens).

• Caracterização indireta – é o resultado de


deduções feitas a partir de atitudes, comportamentos,
reações, atos de fala, etc., da personagem ao longo
da ação.
Espaço

O espaço não se resume ao lugar onde o(s)


evento(s) se realiza(m), possuindo também uma
dimensão social e psicológica importante para a
interpretação textual.
Espaço
 Espaço físico – consiste no espaço real –
geográfico, interior e exterior – onde os
acontecimentos ocorrem (cenário) e no qual os
jogos de luz/acústicos e a decoração assumem
extrema importância. No texto dramático o espaço
físico é, normalmente, caracterizado pelas
didascálicas que antecedem cada ato e que
fornecem informações imprescindíveis para a
construção de cenários e ambientes.
Espaço
 Espaço aludido – trata-se de um espaço referido
nas falas das personagens, mas que não é
representado, ou seja, apenas lhe é feita alusão.
 Espaço social – tem a ver com o ambiente social
vivido pelas personagens e cujos traços ilustram a
atmosfera social em que se movimentam.
 Espaço psicológico – corresponde às vivências
íntimas, pensamentos, sonhos, estados de
espírito, memórias, reflexões, etc., das
personagens e que caracterizam o ambiente a
elas associado.
Tempo
Num texto dramático, o tempo em que decorre a
ação é relativamente curto, na medida em que, na
representação, muito tempo transforma-se em
pouco tempo, dada a sua tendência para a
concentração.
Tempo
 Tempo de representação – corresponde à
duração da apresentação da peça em palco e é
variável (entre uma a três horas).
 Tempo da diegese – consiste no tempo durante
qual a ação se desenrola, segundo uma
ordenação cronológica, e em que surgem
marcas objetivas da passagem das horas, dias,
meses, anos, etc.
Tempo
 Tempo histórico – tem a ver com a época ou
período da História em que se desenrola a ação.

 Tempo psicológico – trata-se de um tempo


subjetivo, diretamente relacionado com as emoções,
a problemática existencial das personagens, ou
seja, a forma como estas sentem a passagem do
tempo, vivendo momentos felizes e/ou infelizes.
Modalidades de reprodução do
discurso direto
 Diálogo – pressupõe a existência de um eu e de um
tu que vão alternando a sua posição de locutor e
interlocutor, ao longo do processo de interação verbal;
ou seja, corresponde às falas das personagens em cena.
 Monólogo – o locutor é simultaneamente o destinatário
da mensagem. O sujeito fala de si para si, usando
predominantemente um discurso de primeira pessoa.
 Aparte – comentário proferido pela(o) personagem/ator,
sem que (supostamente) outra(o)
personagem(ens)/ ator(es) a/o percebam, como se
falasse consigo mesma(o) ou com o público
(leitor/espectador).