Você está na página 1de 31

A CONTRIBUIÇÃO DO ICMS VERDE

PARA SUSTENTABILIDADE
DAS POLÍTICAS PÚBLICAS
MUNICIPAIS

UERJ, Novembro de 2015

1
HISTÓRICO
• Constituição Federal instituiu o Imposto sobre Circulação de
Mercadorias e Serviços (ICMS);

• Determinou que os Estados fariam a arrecadação, e que 25% do


arrecadado seriam distribuídos aos municípios;

• Destes 25% distribuídos aos municípios:


• ¾ é de acordo com o Valor Adicionado Fiscal
• ¼ os Estados tem autonomia para definir critérios

• Paraná foi o primeiro estado a implantar o ICMS Ecológico, em


1991.

• Atualmente, 17 estados possuem ICMS Ecologico.


INSTRUMENTOS DE SUPORTE FINANCEIRO À
GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO RJ

 TAXA DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL – TCFA


 ICMS ECOLÓGICO
 FECAM
 FUNDRHI
 COMPENSAÇÃO AMBIENTAL - LEI DO SNUC
 COMPENSAÇÃO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS.
ICMS Ecológico
O que é?
 Conjunto de indicadores ambientais incorporados dentre os critérios
estaduais de repartição do ICMS aos municípios.
 Não implica em aumento de tributação.
 Pagamento por serviços ambientais que a população de um
determinado Estado faz aqueles que preservam o meio ambiente.

Objetivos
 Recompensar os municípios pela preservação e recuperação de ativos
ambientais localizados em seu território. COMPENSAÇÃO
 Incentivar a melhoria dos serviços e da gestão ambiental dos
municípios fluminenses; INCENTIVO

4
Base legal do instrumento
 Lei Estadual nº 2.664/ 1996: dispõe sobre os critérios estaduais de repartição do
ICMS aos municípios.

 Lei Estadual nº 5.100/ 2007: alterou a Lei Estadual nº 2.664/96, incluindo critérios
de conservação ambiental.

 Decreto Estadual nº41.101/2007: regulamentação inicial – definição dos critérios

 Decreto Estadual nº41.844/ 2009: regulamentação atual

 Decreto Estadual nº44.543/ 2013: nova regulamentação para RSU, e inclusão da


coleta de óleo de cozinha
Sistema Municipal de Meio Ambiente
 O artigo 3° da Lei 5.100 estabelece que “Para beneficiar-se dos recursos
previstos nesta Lei, cada município deverá organizar seu próprio Sistema
Municipal do Meio Ambiente, composto no mínimo por:

I - Conselho Municipal do Meio Ambiente;

II - Fundo Municipal do Meio Ambiente;

III - Órgão administrativo executor da política ambiental municipal;

IV – Guarda Municipal ambiental.”

 Portanto, os municípios que não atenderem ao disposto na Lei, não


receberão repasses de ICMS Ecológico.

 Decreto Estadual nº45.219/ 2015: prazo para implantação da guarda ambiental


Fórmula de cálculo
IFCA (%) = (10 x IrMA) + (20 x IrTE) + (20 x IrDL)
+ (5 x IrRV) + (36 x IrAP) + (9 x IrAPM)

O Índice Final de Conservação Ambiental (IFCA), que indica o percentual do


ICMS Ecológico que cabe a cada município, é composto por 6 sub-índices
temáticos com pesos diferenciados:

• IrMA – Manaciais de Abastecimento: 10%


• IrTE – Tratamento de Esgotos: 20%
• IrDL – Destinação de Lixo: 20%
• IrRV – Remediação de Vazadouros: 5%
• IrAP – Áreas Protegidas (todas as Unidades de Conservação): 36%
• IrAPM – Áreas Protegidas Municipais (apenas as UCs Municipais): 9%

7
Metodologia de cálculo

Cada sub-índice temático possui uma fórmula matemática que pondera


e/ou soma indicadores. Após o cálculo individual de cada município, o
sub-índice temático é dividido pela soma dos demais municípios. Assim,
se obtêm o sub-índice temático relativo, que expressa a comparação da
qualidade ambiental do seu município em relação aos demais.

O IFCA é calculado a cada ano, dando uma oportunidade para os


municípios que investiram em conservação ambiental aumentarem a sua
participação no repasse de ICMS.
TRATAMENTO DE ESGOTO
Variáveis consideradas:
 percentual da população urbana atendida pelo sistema de tratamento de
esgoto
 nível de tratamento: primário (peso 1), secundário, emissário submarino e
estação de tratamento de rio (peso 2), e terciário (peso 4).
4
ITE i   (Tj  Cij )
j1
Sendo:
 Cij = percentual da população urbana do município “i” atendida pelo nível
de tratamento de esgoto “j”.
 Tj = Fator de avaliação do nível de tratamento de esgoto.

Nota: Nos sistemas de captação em tempo seco é aplicado um fator de


eficiência de 75%, em função das épocas chuvosas.
MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO

Variáveis consideradas:

 Área de drenagem do município em relação à área de drenagem total da


bacia com captação para abastecimento público de municípios localizados
fora da bacia.

IrMAi = ((ADij / ATBj) x CBj)


Sendo:
 ATBj = Área de drenagem total da bacia “j” com captação para
abastecimento público de municípios localizados fora da bacia.
 ADij = área de drenagem do município “i” na bacia “j”.
 CBj = cota-parte da bacia “j” = 1/ nº de bacias que serão contempladas
(cotas iguais).
MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO
BACIA DO SÃO JOÃO BACIA DO RIO PIRAÍ
Área
Município Município Área drenante
drenante

Araruama 354,40 Barra do Piraí 45,50


Cabo Frio 170,20 Engenheiro Paulo de Frontin 38,10
Cachoeiras de Macacu 55,30 Mendes 66,3
Casimiro de Abreu 330,20 Piraí 283,70
Rio Bonito 267,20 Rio Claro 501,90
Rio das Ostras 7,50 Total 935,50
São Pedro da Aldeia 7,80
Silva Jardim 934,80
BACIA DO RIBEIRÃO DAS LAJES e DO RIO
Total 2127,40 SANTANA

Município Área drenante


BACIA DO GUAPI
Engenheiro Paulo de Frontin 22,8
Área
Município Japeri 7,50
drenante
Miguel Pereira 251,7
Cachoeiras de Macacu 896,80
Paracambi 38,2
Guapimirim 309,70
Piraí 11,50
Itaboraí 49,70
Rio Claro 308,40
Magé 2,00
Vassouras 10,2
Total 1258,20 Total 650,30
DESTINAÇÃO DO LIXO
É avaliado o local onde o lixo é depositado:

 Vazadouro/ lixão não recebe nada (peso 0).

 Aterros controlados somente se houver tratamento do percolado (peso 2),


se também for feita captação e queima dos gases recebe peso 3.

 Os aterros sanitários licenciados são os grandes beneficiados. Iniciam a


contagem com peso 6 e adicionam 2 pontos para cada um seguintes itens:
tratamento avançado de percolado, geração de energia/biogás. Para
município-sede de consórcio adiciona de 2 a 5 pontos.

 Coprocessamento ou incineração em usina de geração de energia: 5 pontos.

 Caso o município seja signatário de consórcio intermunicipal para gestão de


resíduos sólidos urbanos, adiciona 1 ponto.
COLETA SELETIVA
Participa da avaliação da destinação. Entre 1 a 8 pontos

FR: Fator de Reciclagem – indicador relativo aos resíduos domiciliares


urbanos encaminhados anualmente para reciclagem, por meio da coleta seletiva
porta a porta:
 FR = 1, se o percentual de reciclagem é maior ou igual a 1% e menor que 3%
 FR = 2, se o percentual de reciclagem é maior ou igual a 3% e menor que 5%
 FR = 3, se o percentual de reciclagem é maior ou igual a 5% e menor que 10%
 FR = 4, se o percentual de reciclagem é maior ou igual a 10%

Nota: Caso o material reciclável seja oriundo de outras formas de


separação, notadamente no caso da separação em usinas de triagem e compostagem:

 FR = 1, se o percentual de reciclagem é maior ou igual a 3% e menor que 10%


 FR = 2, se o percentual de reciclagem é maior ou igual a 10% e menor que 20%
 FR = 3, se o percentual de reciclagem é maior ou igual a 20%
COLETA SELETIVA

Dom: Fator de abrangência – coleta seletiva domiciliar porta a porta.

 Dom = 0, se atender menos de 30% dos domicílios


 Dom = 1, se atender mais de 30% e menos de 60% dos domicílios
 Dom = 2, se atender mais de 60% e menos de 80% dos domicílios
 Dom = 3, se atender mais de 80% dos domicílios

Sol: Caso o município disponha de programa municipal de Coleta Seletiva


Solidária consolidado, assim atestado pelo Instituto Estadual do Ambiente - INEA, Sol = 1.
COLETA SELETIVA – ÓLEO VEGETAL

OV: Fator de coleta de óleo vegetal comestível - indicador do percentual do


total do óleo vegetal comestível que seria descartado pelo município, recolhido e
encaminhado para reciclagem.

 OV = 0, se o percentual de coleta de óleo é menor que 1%


 OV = 1, se o percentual de coleta de óleo é maior ou igual a 1% e menor que 2%
 OV = 2, se o percentual de coleta de óleo é maior ou igual a 2% e menor que 3%
 OV = 3, se o percentual de coleta de óleo é maior ou igual a 3%

Metodologia de cálculo da estimativa de descarte por mês:


0,5 L/habitante/mês
REMEDIAÇÃO DE VAZADOUROS (LIXÃO)

 Municípios que estão tomando medidas concretas para a completa


remediação dos vazadouros recebem peso 1.

 Municípios que não possuam vazadouros ou todos os vazadouros


estejam devidamente remediados recebem peso 2.

 Municípios que fizerem captação e queima de gases recebem peso


3.
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (UC)

Variáveis consideradas:

 Parcela da área municipal ocupada pela UC (conforme Lei Federal nº


9.985/2000 - Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação -
SNUC),
 Categoria de manejo da UC (também conforme Lei do SNUC),
 Grau de conservação da UC – qualidade da cobertura vegetal
remanescente,
 Grau de implementação – existência dos instrumentos básicos de gestão
(plano de manejo, infra-estruturas de fiscalização e controle, sede, etc.)

As UCs municipais são as maiores beneficiadas uma vez que 9% dos


recursos são destinados exclusivamente a elas.
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (UC)
TABELA I – Fator de Importância da Parcela (FI)
Fator de
Categoria de Manejo de Unidades de Conservação
avaliação
Reserva Biológica 5
Estação Ecológica 5
Parque Nacional, Estadual e Municipal 4
Monumento Natural 3
Refúgio de Vida Silvestre 3
Reserva Particular do Patrimônio Natural 3
Área de Proteção Ambiental 2
Área de Relevante Interesse Ecológico 2
Reserva Extrativista 2
Reserva de Fauna 2
Reserva de Desenvolvimento Sustentável 2
Floresta Nacional, Estadual e Municipal 2
Unidade de conservação não prevista na Lei n. 9985/00 criada pelo Estado com
1,5
base em legislação anterior
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (UC)
TABELA II – Grau de Conservação (GC)
Fator de
Situação da Conservação
avaliação
Devastada/ não existe 0
Mal conservada 1
Parcialmente conservada 2
Conservada 4

TABELA III – Grau de Implementação (GI)


Fator de
Situação da Implementação
avaliação
Apenas legalmente constituída 1
Parcialmente implementada 2
Totalmente implementada 4
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (UC)
I.1. Índice de Área Protegida – IAP

IAPi = somatorio (RAAPij)


Sendo:

 IAPi = somatório de cada Resultado de Avaliação de Área Protegida “j”


(RAAPij) do município “i”.

RAAPij = (PAPij/AMi) x FI x GC x GI

 RAAPij = Resultado da avaliação da área protegida “j” localizada no


município “i”.

 PAPij = Área, em hectares, da Parcela de Área Protegida “j” localizada


no município “i”.

 AMi = Área, em hectares, do município “i”.


CALCULO DO INDICE RELATIVO

 IrAP = IAPi/somatorio dos IAPs de todos


os municípios
Estimativa Geral (em R$) - 2015
Coleta e
Unidades de UC´s Mananciais de Destino de Remediação
Munícipio Total (R$) tratamento de
Conservação municipais Água Lixo dos Lixões
Esgoto

Angra dos Reis 5.406.856 4.704.595 67.818 31.890 - 602.553 -

Aperibé 935.576 255.178 288.705 316.374 - 75.319 -

Araruama 1.333.400 34.131 679 - 921.994 376.595 -

Areal 2.994.298 1.369.519 1.549.460 - - 75.319 -

Armação dos Búzios 3.156.363 710.812 21.185 1.972.452 - 451.914 -

Arraial do Cabo 3.744.118 1.072.463 171.969 1.972.452 - 527.234 -

Barra do Piraí 1.273.602 4.064 4.598 - 239.775 376.595 648.569

Barra Mansa 1.626.863 184.446 150.927 20.834 - 1.054.467 216.190

Belford Roxo 1.543.445 346.946 283.936 84.054 - 828.510 -

Bom Jardim 472.298 20.384 - - - 451.914 -

Bom Jesus do Itabapoana 400.125 - - 23.529 - 376.595 -

Cabo Frio 2.606.663 293.287 30.691 1.235.538 444.596 602.553 -

Cachoeiras de Macacu 9.159.063 4.338.576 167.164 - 4.126.089 527.234 -

Cambuci 507.798 102.310 115.753 214.416 - 75.319 -

Campos dos Goytacazes 2.846.406 491.222 10.562 1.742.070 - 602.553 -

Cantagalo 929.274 3.157 3.572 267.270 - 655.276 -

Carapebus 1.659.859 1.207.944 - - - 451.914 -


Estimativa Geral (em R$) - 2015
Coleta e
Unidades de UC´s Mananciais de Destino de Remediação
Munícipio Total (R$) tratamento de
Conservação municipais Água Lixo dos Lixões
Esgoto

Cardoso Moreira 319.708 - - 244.388 - 75.319 -

Carmo 1.409.714 272.688 308.516 - - 828.510 -

Casimiro de Abreu 4.020.658 2.099.664 9.107 587.842 872.131 451.914 -


Comendador Levy
627.399 148.377 167.872 235.831 - 75.319 -
Gasparian
Conceição de Macabu 1.805.017 531.853 601.007 220.243 - 451.914 -

Cordeiro 791.443 19.520 22.085 297.923 - 451.914 -

Duas Barras 740.386 146.211 142.260 - - 451.914 -

Duque de Caxias 2.944.614 2.137.357 42.655 21.180 - 527.234 216.190

Engenheiro Paulo de Frontin 1.140.597 289.989 32.382 - 742.907 75.319 -

Guapimirim 4.946.713 3.134.068 - - 1.360.731 451.914 -

Iguaba Grande 4.725.300 280.729 47.754 3.944.903 - 451.914 -

Itaboraí 1.138.611 246.756 - - 213.984 677.872 -

Itaguaí 1.877.585 547.397 426.632 - 235.452 451.914 216.190

Italva 114.799 - - 39.480 - 75.319 -

Itaocara 469.480 - - 168.204 - 301.276 -

Itaperuna 567.628 54.290 61.424 - - 451.914 -

Itatiaia 5.563.967 5.338.009 - - - 225.957 -


Estimativa Geral (em R$) - 2015
Coleta e
Unidades de UC´s Mananciais de Destino de Remediação
Munícipio Total (R$) tratamento de
Conservação municipais Água Lixo dos Lixões
Esgoto

Japeri 1.495.550 684.090 367.511 61.967 231.343 150.638 -

Laje do Muriaé 449.724 - - 374.405 - 75.319 -

Macaé 2.228.570 768.210 794.801 63.007 - 602.553 -

Macuco 966.724 - - 364.171 - 602.553 -

Magé 5.268.875 3.888.952 929.522 - 8.255 225.957 216.190

Mangaratiba 2.528.544 2.065.438 11.191 - - 451.914 -

Maricá 3.086.323 1.294.176 1.221.358 118.874 - 451.914 -

Mendes 558.638 75.878 13.408 - 394.033 75.319 -

Mesquita 6.724.659 2.667.844 1.682.351 962.937 - 979.148 432.379

Miguel Pereira 6.722.942 1.470.126 892.532 2.201.704 1.179.432 979.148 -

Miracema 2.411.022 750.521 849.132 284.136 - 527.234 -

Natividade 967.551 168.052 184.166 238.738 - 376.595 -

Nilópolis 1.575.466 112.254 127.004 - - 903.829 432.379

Niterói 3.974.254 1.877.142 685.485 627.896 - 459.446 324.284

Nova Friburgo 4.864.111 2.295.423 111.046 1.357.159 - 451.914 648.569

Nova Iguaçu 6.183.683 3.182.745 764.104 160.574 373.224 1.054.467 648.569

Paracambi 3.302.162 775.970 378.836 - 896.234 602.553 648.569


Estimativa Geral (em R$) - 2015
Coleta e
Unidades de UC´s Mananciais de Destino de Remediação
Munícipio Total (R$) tratamento de
Conservação municipais Água Lixo dos Lixões
Esgoto

Paraíba do Sul 273.784 93.115 105.350 - - 75.319 -

Paraty 2.985.408 2.319.785 - 213.708 - 451.914 -

Paty do Alferes 1.684.329 320.647 362.777 21.757 - 979.148 -

Petrópolis 5.020.381 2.688.336 40.870 1.914.579 - 376.595 -

Pinheiral 884.293 - - - - 451.914 432.379

Piraí 3.495.962 95.191 2.764 676.291 2.053.612 451.914 216.190

Porciúncula 1.686.323 350.472 396.521 35.501 - 903.829 -

Porto Real 451.914 - - - - 451.914 -

Quatis 1.034.011 110.983 125.565 44.273 - 753.191 -

Queimados 1.697.555 74.001 17.598 - 345.067 828.510 432.379

Quissamã 6.564.494 1.919.978 111.405 4.081.196 - 451.914 -

Resende 3.686.639 1.568.134 188.077 1.252.556 - 677.872 -

Rio Bonito 1.614.305 434.538 72.476 - 693.036 414.255 -

Rio Claro 6.712.923 1.290.716 315.021 - 4.222.892 451.914 432.379

Rio das Flores 1.401.450 993 1.123 1.324.015 - 75.319 -

Rio das Ostras 2.915.449 1.238.026 99.825 457.254 19.860 451.914 648.569

Rio de Janeiro 3.618.602 1.572.533 345.836 450.242 - 601.423 648.569


Estimativa Geral (em R$) - 2015
Coleta e
Unidades de UC´s Mananciais de Destino de Remediação
Munícipio Total (R$) tratamento de
Conservação municipais Água Lixo dos Lixões
Esgoto

Santa Maria Madalena 3.592.009 1.238.694 11.825 1.296.791 - 828.510 216.190


Santo Antônio de Pádua 769.214 14.205 14.512 137.945 - 602.553 -
São Fidélis 658.758 173.561 25.527 83.074 - 376.595 -
São Francisco de
- - - - - - -
Itabapoana
São Gonçalo 1.570.651 616.423 121.920 13.566 - 602.553 216.190
São João da Barra 1.712.216 877.903 - 307.080 - 527.234 -
São João de Meriti 2.305.940 16.738 18.937 1.009.377 - 828.510 432.379
São José de Ubá 1.091.934 33.915 38.371 643.052 - 376.595 -
São José do Vale do Rio
1.241.260 357.966 356.060 - - 527.234 -
Preto
São Pedro da Aldeia 5.579.551 322.028 31.070 3.944.903 20.662 828.510 432.379
São Sebastião do Alto 668.621 2.237 2.531 513.214 - 150.638 -
Sapucaia 4.055.233 627.234 708.142 1.308.330 - 979.148 432.379
Saquarema 1.298.964 353.909 - 869.736 - 75.319 -
Seropédica 1.219.264 76.043 - - 98.522 828.510 216.190
Silva Jardim 9.725.434 3.920.879 28 2.824.885 2.452.409 527.234 -
Sumidouro 1.194.397 8.827 - - - 753.191 432.379
Tanguá 995.185 212.715 240.664 89.892 - 451.914 -
Estimativa Geral (em R$) - 2015
Coleta e
Unidades de UC´s Mananciais Destino de Remediação
Munícipio Total (R$) tratamento
Conservação municipais de Água Lixo dos Lixões
de Esgoto

Teresópolis 4.641.425 2.716.670 447.676 - - 828.510 648.569

Trajano de Moraes 1.248.212 365.504 355.475 - - 527.234 -

Três Rios 3.091.280 1.415.020 1.600.940 - - 75.319 -

Valença 104.968 26.887 2.762 - - 75.319 -

Varre-Sai 172.592 97.273 - - - 75.319 -

Vassouras 1.492.132 8.029 - 187.051 121.250 527.234 648.569

Volta Redonda 1.409.680 140.198 137.961 378.330 - 753.191 -


O ICMS VERDE É UMA FORMA DE REDISTRIBUIÇÃO DE TRIBUTO QUE
VISA ESTIMULAR MELHORIAS CONTÍNUAS NA GESTÃO PÚBLICA
MUNICIPAL POR MEIO DA PREMIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS COM MELHOR
DESEMPENHO NA ÁREA AMBIENTAL

QUEM NÃO INVESTE, PERDE RECEITA!


SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE
Subsecretaria de Mudanças Climáticas e Gestão Ambiental
Superintendência de Planejamento e Gestão Ecossistêmica
(21) 2334-5898
icmsecologico@ambiente.rj.gov.br