Você está na página 1de 46

VPO Pilar Segurança

Eletricidade

Fundamentos NR-10
Eletricidade

Eletricidade é o quarto Bloco do Fundamentos do VPO Pilar Segurança.

Gerenciar para Revisão do


Melhorar Política de Divulgação de
Gerenciamento
Segurança Segurança
da Segurança

Responsabilid Monitoramen
Gerenciar para Avaliação de Sinalização Gestão de
ade em to de
Manter Risco de Segurança Acidentes
Emergência Segurança

Transporte
Investigação
Seguro em Requisitos de Gestão de Treinamentos
EPI de Acidentes
Local de Segurança Contratados de Segurança
e Incidentes
Trabalho

Prevenção da SAM/Bloqueio de Permissão de


Substâncias Perigosas
Explosão Energia Trabalho
Fundamentos

Equipamento de
Espaço Confinado Trabalho em Altura Eletricidade
Elevação
Eletricidade – NR-10

Conhecendo a norma – O que é a NR-10?

É uma norma regulamentadora que estabelece os requisitos e condições mínimas que


objetivam a implantação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma
garantir a segurança e saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente,
interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade.

Se aplica a TODAS as fases de Instalações Elétricas, à saber:

• Geração, Transmissão, Distribuição e Consumo.

• Projeto, Construção, Montagem, Operação e Manutenção.

• Quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades.

A NR-10 entrou em vigor através da portaria nº 598 de 7 de dezembro de 2004.


Eletricidade – NR-10

Conhecendo a norma – Evolução da NR-10.

Antiga NR-10 Atual NR-10

10.1. Objetivo e Campo de aplicação. 10.1. Objetivo e Campo de aplicação.


10.2. Instalações. 10.2. Medidas de Controle.
10.3. Serviços. 10.3. Segurança em Projetos.
10.4. Segurança na Construção, Montagem, Operação e
10.4. Pessoal. Manutenção.
10.5. Segurança em Instalações Elétricas
Desenergizadas.
10.6. Segurança em Instalações Elétricas Energizadas.
10.7. Trabalho Envolvendo Alta Tensão (AT).
10.8. Habilitação, Qualificação, Capacitação e Autorização
dos Trabalhadores.
10.9. Proteção Contra Incêndio e Explosão.
10.10. Sinalização de Segurança.
10.11. Procedimentos de Trabalho.
10.12. Situação de Emergência.
10.13. Responsabilidades.
10.14. Disposições finais.
Eletricidade – NR-10

Objetivo e Campo de Aplicação.

• Implementar medidas de controle e  Normas Técnicas Aplicáveis.


sistemas de segurança preventivos.  NBR 5410:2004 -“Instalações elétricas
de BT”.
• Aplicável à geração, transmissão,  NBR-14039:2003-“Instalações Elétricas
distribuição e consumo de energia. de Alta Tensão de 1kV a 36,2 kV”.

• Abrangência: projeto, construção, • NBR - 6808 : Conjunto de manobra e


montagem, operação, manutenção. controle de baixa tensão montado em fábrica.
• NBR- 6979 : Conjunto de manobra e
• Trabalhos e atividades em instalações controle em invólucro metálico para tensão
elétricas e nas suas proximidades. acima de 1 kV até 36,2 kV.
• NBR - 6146: Invólucros de equipamentos
• Observância de normas técnicas nacionais e Elétricos – Proteção.
internacionais. • NBR - 5419 : Proteção de estruturas contra
descargas atmosféricas.
• NBR - 5418: Instalações Elétricas em
Princípios Normativos: Atmosferas Explosivas.
• Funcionamento adequado. • IEC - 6079-10: Classification of Hazardous
Areas.
• Conservação de bens.
• Segurança de pessoas e animais.
Medidas de Controle

Em todas intervenções, devem ser adotadas medidas preventivas de controle ao risco


elétrico e riscos adicionais mediante analise de risco.

Medidas devem ser integradas com as demais iniciativas de SSO da empresa.

Todas as empresas estão obrigadas a manter atualizado:

• Esquemas unifilares.

• Especificações do sistema de aterramento.

• Especificação de equipamentos.

• Especificação de dispositivos de proteção.


Medidas de Controle

Instalações com carga instalada superior a 75 kW devem possuir obrigatoriamente:

• Procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança.

• Inspeções e medições da proteção SPDA.

• Especificação dos EPC’s, EPI’s e ferramental de trabalho.

• Documentação – Habilitação, Qualificação, capacitação e autorização dos


trabalhadores.

• Resultados de testes de isolação dos EPI’s e EPC’s.

• Certificados de equipamentos das áreas classificadas.

• Relatório das inspeções e cronogramas de adequações dos itens acima.

Todas essas documentações deverão estar agrupadas no Prontuário das Instalações


Elétricas – PIE.
Medidas de Controle

Empresas que operam instalações ou


equipamentos do SEP devem
acrescentar no seu Prontuário: PRONTUÁRIO DAS INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS – PIE.
h) Procedimento para emergência
(incluir no PAE). Deve ser mantido atualizado pelo
empregador.
i) Certificados dos EPI’s e EPC’s.
Deve permanecer à disposição dos
Serviços efetuados nas proximidades trabalhadores.
do SEP também devem constituir
Prontuário nos moldes citados, Deve ser elaborado por
excluindo-se: profissional legalmente habilitado.

b) Inspeções e medições do SPDA Obs.: Estas recomendações


(pára-raio). também são aplicáveis para
empreiteiras e prestadores de
f) Certificados das áreas serviços contratados (cada um
classificadas. deve ter o seu próprio
prontuário).
g) Relatório das inspeções.

8
Medidas de Controle - PIE

P – PRONTUÁRIO.
I – INSTALAÇÕES.
E – ELÉTRICAS.

Definição:

O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e


aos trabalhadores que sintetizará o conjunto de procedimentos, ações,
documentações e programas que a empresa mantém ou planeja executar para
proteger o trabalhador dos riscos elétricos.

Objetivo:

• Disponibilizar ao trabalhador todas as informações necessárias a sua


segurança.

• Provar ao MTE o atendimento aos requisitos da NR10.

• Provar que todos os serviços são executados segundo procedimentos


definidos e seguros.

9
Documentações necessárias para constituição do PIE

1. Indicação formalizada do responsável pela organização e atualização do PIE.

1.1 Formalização assinada pelo gerente de engenharia e fabril.

10
Documentações necessárias para constituição do PIE

2. Documentação dos profissionais que trabalham com energia elétrica na unidade,


próprios e terceiros: (Eletricistas, Técnicos, Eletrotécnicos, Instrumentistas,
Supervisores entre outros).

2.1 Cópia do certificado / diploma dos eletricistas para a classificação quando ao


que diz o item 10.8 da NR-10: HABILITAÇÃO, QUALIFICAÇÃO, CAPACITAÇÃO E
AUTORIZAÇÃO DOS ELETRICISTAS.

2.2 Cópias dos certificados dos treinamentos de NR10.

2.3 Autorização formal da empresa para os eletricistas conforme padrão


GGS.3.000001.

2.4 Cópias das fichas de entrega dos EPI’s atualizada para cada profissional.

2.5 Relação de atividades dos eletricistas, isso é aqueles que estão autorizados a
trabalhar com baixa e alta tensão.

2.6 Cópia do certificado do SEP para os eletricistas que atuam em AT.

2.7 Cópia do certificado de treinamento do curso de manutenção elétrica em


áreas explosivas, somente para os eletricistas que atuarão nestas áreas.
Documentações necessárias para constituição do PIE

3. Documentações dos EPI’s e EPC’s / Certificações:

3.1 Especificação dos “Equipamentos de Proteção Coletiva” e individual e os


ferramentais aplicáveis conforme determina a NR-10.

3.2 Cópia dos CA’s dos EPI’s, tais como: vestimentas, calçados, luvas, óculos e
dos EPC’s.

3.3 Certificado do teste de isolação do bastão do detector de tensão, luvas de


borrachas, tapetes isolantes das subestações e de todos os EPI’s / EPC’s que não
tenham validade determinada pelo fabricante ou que não sejam trocados
anualmente.

12
Documentações necessárias para constituição do PIE

4. Procedimentos interno da empresa para prevensão de riscos e acidentes


relacionados a Energia Elétrica:

4.1 Conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de


segurança e saúde, implementadas e relacionadas a esta NR e descrição das
medidas de controle existentes para trabalhos em instalações elétricas
energizadas e desernegizadas; (Conforme solicitados nos itens 20º, 26º e 28º
do guia de aderência a NR-10 que foi enviado as unidades no final de 2009).

4.2 Descrição dos procedimentos de emergência que devem ser adotados em


caso de acidentes relacionados a energia elétrica.

4.3 Análise de risco para todos os trabalhos em AT (PTR).

4.4 Criar documentação para autorização de trabalhos em AT que deverá ser


assinado pelo supervisor responsável. (Utilizar a própria PTR, colocando
obrigatoriamente o número da ordem ou da nota e arquivando a mesma no
PIE).

13
Documentações necessárias para constituição do PIE

5. Documentações técnicas/Certificações/Cronograma para adequações:

5.1 Certificações dos equipamentos e materiais elétricos aplicados em áreas


classificadas.

5.2 Diagramas unifilares atualizados das subestações e quadros de distribuição


(força e iluminação), contendo: descrição das proteções, tabela de
parametrização, denominação dos circuitos e bitola dos cabos, etc.

5.3 Endereçamento dos esquemas elétricos de todos os equipamentos da


unidade (criar endereçamento prático e confiável de modo que qualquer pessoa
consiga localizar os esquemas elétricos no arquivo técnico, para isso é preciso
realizar um trabalho de 5 S para organizar e identificar todas as documentações
existentes).

5.4 Relatório técnico da inspeção das instalações elétricas com as respectivas


recomendações para adequações necessárias.

5.5 Relatório técnico da inspeção e medição do sistema de proteção contra


descargas atmosférica (SPDA) e aterramento elétrico.

5.6 Cronograma de adequação para as recomendações e não conformidades


listadas nos relatórios e laudos das Instalações Elétricas, SPDA/Aterramento e
Seletividade.

14
Medidas de Controle – Proteção Coletiva

Proteção coletiva prioridade maior em serviços elétricos:

• Desenergização.

• Tensão de segurança.

Havendo impossibilidade:

• Garantir isolamento das partes vivas.

• Colocar fora de alcance através do uso de obstáculos, barreiras.

• Efetuar seccionamento de alimentação.

• Bloquear o religamento automático.

• Esquema de aterramento: conforme Norma ABNT.

• Isolamento das partes vivas – ABNT.

• Conjunto de proteção Básica e Supletiva.

15
Medidas de Controle – Proteção Coletiva

Proteção Básica:

• Partes vivas não devem ser acessíveis.

• Isolação dupla ou reforçada.

Proteção supletiva:

• Massas ou partes condutivas acessíveis que não oferecem riscos em condições


normais, mas que podem ser energizadas no caso de falhas.

16
Medidas de Controle – Proteção Individual

A - Proteção da cabeça:

A.1 - Capacete de segurança para proteção contra choques elétricos.

A.2 - Capuz para crânio e pescoço contra riscos de origem térmica.

B – Epi para proteção dos olhos e face:

B.1 - Óculos proteção dos olhos contra luminosidade intensa, radiação ultra-
violeta; radiação infra-vermelha.

C – Proteção do tronco:

C.1 – Vestimentas contra riscos de origem térmica, mecânica.

D – Proteção dos membros superiores:

D.1 – Luva para mãos contra choques elétricos. Agentes térmicos.

17
Medidas de Controle – Proteção Individual

E – Proteção dos membros inferiores:

E.1 – Calçado - contra choques elétricos. Agentes térmicos.

E.2 – Calça - contra agentes térmicos.

F – Proteção do corpo inteiro:

F.1 – Macacão – contra agentes térmicos.

F.2 – Conjunto de Calça e blusão ou jaqueta ou paletó - contra agentes térmicos.

Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s).

Uso quando as medidas de controle forem tecnicamente inviáveis ou insuficiente para


controlar os riscos. EPI’s específicos para atividades, devem atender especificações
NR-6. Considerar condutibilidade, inflamabilidade e influências eletromagnéticas.
Vedado o uso de adornos pessoais.
Segurança em Projetos

Obrigatório prever especificações para desligamento com recursos para:

• Impedir reenergização.

• Sinalização de advertência e indicação da condição operativa.

Seccionamento de ação simultânea com recurso para:

• Impedir a possibilidade de reenergização.

• Definir espaços seguros para desenvolver o trabalho.

• Garantir a separação de circuitos com finalidade diferentes (comunicação,


sinalização, controle etc.), identificando-os e instalando-os separadamente.

19
Segurança em Projetos

Definir a configuração do Esquema de Aterramento:

• A obrigatoriedade ou não da interligação entre o condutor neutro e o de


proteção, e terra de todas as partes condutoras não destinadas à condução da
eletricidade.

• Condição para aterramento temporário. Esquema de aterramento da ABNT.

• TT, TN-C, TN-S, TN-CS, IT.

20
Segurança em Projetos

Projeto deve ser:

• Mantido atualizado.

• Assinado por profissional legalmente habilitado.

• Estar à disposição dos trabalhadores autorizados e autoridades competentes.

Deve atender as NR’s, especialmente, a condição de iluminação adequada nos locais


de acesso e realização de serviços de manutenção do sistema elétrico com segurança
a todos trabalhadores.

21
Segurança em Projetos

Memorial Descritivo do Projeto deve:

• Especificar proteções contra choques, queimaduras e outros riscos.

• Descrever a posição do dispositivo de manobra: Ligado/ Desligado.

• Descrever o sistema de identificação de circuitos, equipamentos, dispositivos de


manobra, controle, proteção, condutores e estruturas.

• Estabelecer restrições e advertências ao acesso às instalações.

• Ter condições para adoção de aterramento temporário.

Descrever o princípio funcional dos dispositivos de proteção das pessoas. O projeto


deve atualizar o PIE com todas as informações necessárias exigídas pela NR-10.

22
Segurança na Construção, Montagem, Operação e Manutenção

Instalações devem ser supervisionadas por Profissional Autorizado.

Medidas preventivas aos Riscos Adicionais devem ser criadas e fixadas próximo aos
locais de trabalho.

• Trabalhos em altura.

• Espaços confinados.

• Umidade.

• Atmosfera explosiva.

• Riscos ergonômicos.

• Procedimentos entre outros.

É proibido utilizar os compartimentos e invólucros, painéis e similares para


armazenamento ou guarda de quaisquer objetos, salas elétricas, Subestações.
Iluminação adequada & Ergonomia - membros superiores livres para execução das
tarefas, 5 S geral em todo ambiente.

23
Segurança na Construção, Montagem, Operação e Manutenção

Uso de equipamentos adequado (dispositivos, ferramentas elétricas, EPIs e EPCs),


preservando a proteção.

• Ferramenta certa para cada serviço.

• Isolação dupla, tensão, plugues, tomadas.

• EPCs com certificações e testes de isolação em dia.

• EPIs com certificações e testes de isolação em dia.

Sistemas de proteção inspecionados e controlados periodicamente, de acordo com


definições de projetos. Ensaios, testes elétricos/comissionamento em trabalho
energizado deve ser realizado por profissional qualificado, autorizado e treinado.

24
Segurança em Instalações Elétricas Desenergizadas

Atenção!

Desligado não é desenergizado!

Considera-se a instalação desenergizada quando forem cumpridas as seguintes


etapas:

1) Seccionamento efetivo de energia elétrica.

2) Impedimento de reenergização.

3) Comprovação da ausência de energia elétrica.

4) Aterramento e equipotencialização do circuito ou equipamento.

5) Proteção dos elementos energizados na zona controlada.

6) Instalação de sinalização e impedimento de energização.

25
Segurança em Instalações Elétricas Desenergizadas

Instrumentos para Verificação da Ausência de Tensão:

• Antes de Tocar, Medir.

• Verificar o instrumento em uma fonte conhecida antes de medir.

• Verificar ausência de tensão antes de tocar.

• Verificar instrumento em uma fonte conhecida. depois de medir.

Atenção:

• O estado desenergizado deve ser mantido até a autorização para


reenergização. Considera-se trabalho energizado o serviço realizado em
instalações desligadas, mas com possibilidade de energização, por qualquer meio
ou razão.

26
Segurança em Instalações Elétricas Energizadas

Tensão igual ou superior a 50V (CA) ou 120V (CC) – somente atua trabalhador
qualificado ou capacitado.

Deve receber treinamento de segurança – Curso Básico NR-10 e complementar (SEP)


para tensões acíma de 1kV.

Realizar Análise de Risco quando:

• Houver inovações tecnológicas.

• Operação de novas instalações ou equipamentos.

Trabalhos em Zonas Controladas: devem seguir procedimentos específicos. O


Responsável pela execução do serviço deve suspender as atividades quando verificar
situação ou condição de risco não prevista, cuja eliminação ou neutralização imediata
não seja possível.

27
Trabalhos envolvendo alta-tensão AT (> 1KV)

Todos os trabalhadores que atuam em alta-tensão AT, devem ter treinamento


específico de segurança: Cursos Básico e Complementar (SEP).

Somente trabalhadores autorizados formalmente podem atuar em AT.

Os trabalhos não podem ser realizados sozinho, é necessário que haja no mínimo 02
profissionais treinados e autorizados.

O.S. deve especificar data, local e assinada por SUPERIOR RESPONSÁVEL pela área.

Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT somente podem ser


realizados quando houver procedimentos específicos, detalhados e assinados por
profissional autorizado.

• Realizar avaliação prévia no inicio do trabalho PELO SUPERIOR IMEDIATO E


EQUIPE ANTES DA EMISSÃO DA PTR.

Mediante desativação, bloqueio do dispositivo de religamento automático.


Devidamente sinalizado.

Os Equipamentos, ferramentas, EPC’s e EPI’s utilizados devem ser testados e


ensaiados em laboratório – anualmente.

Deve ter meios de comunicação permanente para comunicar com os membros da


equipe.

28
Habilitação, Qualificação, Capacitação e Autorização de
Trabalhadores
Habilitado – Qualificado com registro no conselho.

Qualificado - Conclusão de curso - sistema oficial de ensino.

Capacitado - Simultaneamente:

a) Treinado por habilitado e autorizado.

b) Trabalha sob responsabilidade de um profissional habilitado e autorizado.

c) Válido somente para trabalhar na empresa que capacitou nas condições


estabelecidas pelo profissional habilitado e autorizado, responsável pela
capacitação.

Autorizado – Profissional habilitado, qualificado ou capacitado, com anuência formal


da empresa.

• Identificação da abrangência da autorização.

• Consignado no registro de empregado da empresa.

• Estado de saúde compatível – NR 7 e registrada em prontuário Médico.

29
Habilitação, Qualificação, Capacitação e Autorização de
Trabalhadores
Todos os trabalhadores que atuam em instalações elétricas devem receber
treinamento especifico sobre os riscos e medidas de prevenção com aproveitamento
mínimo de 40 horas – Curso de NR-10.

A reciclagem do treinamento de NR-10 deverá ser feita bienalmente e quando houver:

a) Troca de função ou mudança de empresa.

b) Retorno após ausência no período superior a 3 meses.

c) Mudança na instalação ou métodos de trabalho (procedimentos).

Os trabalhadores que atuam em AT – Alta Tensão, deverão receber treinamento


específico do SEP.

Para trabalhos em áreas classificadas é necessário treinamento específico dos riscos


envolvidos e preservação da características da instalações elétricas contra Ex.

Pessoas que exercem “atividades não elétricas”: devem ser instruídas formalmente a
identificar e avaliar os riscos para adotar as precauções cabíveis – trabalho em zona
controlada e explosivas.

30
Proteção Contra Incêndio e Explosão

A unidade deverá ter um laudo de classificação de suas áreas explosivas com


certificação dos equipamentos elétricos utilizados.

As áreas cassificadas devem ter proteções contra incêndio e explosões, conforme


dispõe a NR-23 (Proteção contra incêndios).

• Dispositivos de proteção contra incêndio.

• Detectores de fumaça e gás.

• Trocadores de ar.

• Entre outros.

Só devem ser utilizados materiais, peças, dispositivos e equipamentos certificados


para áreas explosivas de acordo com a classificação.

Os serviços em instalações elétricas nas áreas classificadas somente poderão ser


realizados mediante permissão para o trabalho com liberação formalizada e por
profissional treinado em áreas classificadas onde as instalações deverão estar
desenergizadas ou com a supressão do agente de risco.

31
Sinalização de Segurança

NR-26 – Sinalização de Segurança.

Destinada à advertência e à identificação:

• Circuitos elétricos.

• Locais de travamentos e bloqueios, manobras e comandos.

• Restrições e impedimentos de acesso.

• Delimitações de áreas.

• Áreas de circulação: pessoas, veículos e cargas.

• Impedimento de energização.

• Equipamento ou circuito impedido.

32
Procedimentos de Trabalho

Serviços planejados e realizados com:

• Procedimentos específicos padronizados para cada atividade.

• Descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo.

• Assinado por profissional autorizado.

Serviço realizado com O.S. especifica contendo no mínimo:

• Tipo de serviço, local, data e os procedimentos.

• Passo a passo de desenergização e energização.

• Aprovado por profissional autorizado (treinamento do autorizado coerente com


a capacitação exigida para a tarefa).

33
Procedimentos de Trabalho

No desenvolvimento de Procedimentos, treinamento e autorização devem ter a


participação do SESMT.

A equipe deve ter um trabalhador indicado em condições de exercer a supervisão e


condução dos trabalhos.

Antes de iniciar trabalhos, o responsável pela execução e os membros devem realizar:

• Uma avaliação prévia.

• Estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas no local capaz


de atender aos princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança
aplicáveis ao serviço.

A alternância de atividades deve considerar:

• A análise de riscos das tarefas e a competência dos trabalhadores envolvidos.

Todos os trabalhadores que atuam com eletricidade deverão ser treinados nos
procedimentos de trabalho com eletricidade.

34
Situações de Emergência

Atenção!

O PAE deve contemplar ações mitigadoras de perigo elétrico.

Emergência de origem elétrica deve fazer parte do plano de emergência da empresa.

Empresa deve possuir método de resgate padronizado e meios de resgate disponíveis.

Trabalhador Autorizado deve estar apto para:

• Resgate e primeiros socorros – RCP.

• Operar equipamento de prevenção e combate a incêndio.

• Identificar situações de riscos coletivos e individuais.

35
Definição de Responsabilidades

Solidárias a Contratantes e Contratadas:

• Funcionários, prestadores de serviço contínuos e eventuais.

Obrigação da Contratante:

• Manter trabalhadores informados sobre riscos a que estão expostos.

• Instruí-los quanto aos procedimentos e medidas de controle a serem adotadas


sobre os riscos elétricos e riscos adicionais.

Trabalhadores:

• Zelar pela sua segurança e de outras que possam ser afetados por suas ações
ou omissões.

• Responsabilizar-se pelo cumprimento das disposições legais e regulamentares,


inclusive os procedimentos internos de segurança e saúde.

• Comunicar ao responsável pela execução do serviço situações de risco para sua


segurança e saúde e a de outras pessoas.

36
Prazo para cumprimento dos itens da NR-10

08 de dezembro de 2006, foi a data limite para as empresas se adequarem a todos os


itens regulamentados pela nr-10.

37
NR-10 Penalidades

As multas podem chegar a R$ 12.734,08 por item irregular.

38
NR-10 Penalidades

39
NR-10 Penalidades

PIE

40
NR-10 Penalidades

41
NR-10 Penalidades

42
Responsabilidades corporativas

1. Revisão para colocação em prática do guia de aderência corporativo referente aos


padrões e auditorias.

2. Contratação de empresas especializadas para realizarem os serviços de:

2.1 Levantamentos e laudos das instalações elétricas e das áreas de risco com
emissão de “as built” atualizado para as áreas classificadas.

2.2 Levantamentos e laudos do spda e aterramento com medição da malha,


atualização do “as built” e entrega de projeto completo sugerindo as adequações
necessárias e os custos para tais.

2.3 Laudo do sistema de proteção (entrega da concessionária até qgbt). Atualização


dos diagramas unifilares, estudo de curto circuito e seletividade com entrega das
tabelas para parametrização.

Todas as documentações irão seguir um único padrão para entrega do rti que irá
compor o pie da unidade.

3. Plano de ação corporativo em cima dos diagnósticos mais críticos a ser validado
pela diretoria.

4. Buscar soluções para que as unidades possam atender a NR-10.

43
Responsabilidades das Unidades

1. Mobilização para atender o escopo do guia de aderência a NR-10.


2. Indicar formalmente um responsável pelo PIE.
3. Constituir e manter atualizado o pie com todas as informações necessárias.
4. Análisar os laudos corporativos que que fazem parte do pie, para elaboração de
um pdca e cronograma para adequação das não conformidades, item de extrema
importância.
5. Preencher corretamente o check list de atendimento a NR-10, para atendimento
do ged (gerenciador de documentos).
6. Elaborar procedimentos específicos para trabalhos com eletricidade.
7. Treinar os profissionais de elétrica nos procedimentos da unidade, nos
procedimentos corporativos e tambem capacitar grupo de eletricistas, supervisores e
técnicos de segurança que atuarão nas áreas classificadas – ex.
8. Fiscalizar o cumprimento dos procedimentos por parte dos executantes das tarefas.
9. Informar aos responsáveis de segurança regional/CENG a impossibilidade de se
cumprir algum item da NR-10, justificando o por quê?
10. Atualização obrigatória dos laudos corporativos todas as vezes que houver:
Alterações prediais e estruturais que comprometam as instalações elétricas, spda e
aterramento. Alterações nas instalações elétricas da unidade. Alterações de
equipamentos e cargas.

44
Demonstrativo de aderência a NR-10 nas unidades ambev Brasil

CONSOLIDADO REF. AO GUIA DE ADERÊNCIA A NR-10

30

25

20
ITENS

15

10

MAUÉS FAB.
MAUÉS FAZ.
AS
NA
AG

AQ
PS
CS

CE

SE
NE
JP
PJ

CI

PI
JC

GU

CH

CN
SC

BR

NR

VR
JG

GO

EQ

RO
CW

TE

RÓTULOS
NM

CM
MN

MU
MG

INDICATIVO DE ADERÊNCIA, UNIDADES QUE ESTÃO COM "0" AINDA NÃO FORAM

45
Conclusão

Em busca da meta “0” ACA, PELA PRESERVAÇÃO DA VIDA E SAÚDE DA NOSSA


GENTE e tambem para se evitar AUTUAÇÕES e INTERDIÇÕES é necessário que todos
os responsáveis foquem esforços para implementar e garantir o cumprimento da
norma NR-10 em suas unidades. Não podemos abrir exceções, se tratando de
energia elétrica nem sempre há um segunda chance quando ocorre um acidente,
tivemos muita sorte até agora e não podemos mais conviver com os problemas e
riscos que estamos expostos. As não conformidades estão evidenciadas através do
Guia de Aderência a NR-10, onde nem todas as unidades estão dando a devida
importância ao tema, alem disso temos os laudos corporativos das Instalações
elétricas que tambem retratam de maneira clara e objetiva o tamanho do problema
que temos que resolver e com urgência.

É preciso que todos façam a sua parte em busca dessa meta, você está fazendo a
sua?

46