Você está na página 1de 30

Biorremediação de Metais

Allana Rodrigues
André Moreira
Beatriz Matias
Giovana Caxias
Rogério Fully
Introdução

Metais Pesados
● São elementos com densidade
relativa maior que 5 g.cm-3.
● Muitos formam complexos estáveis
com biomoléculas.
● Entre seus efeitos tóxicos temos:
➢Ligamento dos metais ao grupo
Sufidril das proteínas.
➢Bloqueio de enzimas de grupos
funcionais de moléculas
biologicamente importantes.
➢Inibição do crescimento da raiz
de árvores.
➢Estímulo da formação de radicais
livres e espécies reativas de
oxigênio, gerando estresse
oxidativo.
Introdução

O que é a biorremediação? Processo biotecnológico no qual se


utiliza o metabolismo de microrganismos
para a eliminação rápida de poluentes, com
o objetivos de reduzir sua concentração a
níveis aceitáveis.

A fitorremediação é um ramo da
biorremediação que consiste no uso de
plantas para degradar, sequestrar ou
imobilizar poluentes presentes no solo.

Já a técnica de micorremediação faz


uso especificamente de fungos.
Objetivos

Diminuir os impactos da poluição no ambiente contaminado;

Biodegradar xenobióticos para ter como resultado um produto com estrutura menos
recalcitrante em relação à molécula original.

Fonte: Biboca Ambiental


Tipos de biorremediação
IN SITU E EX SITU

● Sem deslocamento de material ● Com deslocamento de material


contaminado contaminado
● Tratamento de grandes porções ● Restrito a quantidades menores de
de material material

● Processos: ● Processos:
o Bioaumentação o Landfarming
o Bioventilação o Tratamento em Biopilhas
o Bioestimulação o Biorreatores
o BRP
Processos In Situ
➔ Bioestimulação

➔ Bioaumentação

➔ Bioventilação

➔ Barreiras Reativas Permeáveis


Processos Ex Situ
➔ Landfarming
➔ Tratamento em Biopilhas
➔ Biorreatores
Microrganismos responsáveis

● Eliminação de rejeitos tóxicos >> busca de novas técnicas;


● Atuação de microrganismos na busca da autopreservação;
● Fungos e bactéria como principais microrganismos efetivos;
● Estrutura da molécula e da presença de enzimas capazes em degradar o produto >>
biorremediação efeitavada;

ESTE PROCESSO É MAIS PROVÁVEL QUANDO A ESTRUTURA QUÍMICA DO CONTAMINANTE É


SEMELHANTE À ESTRUTURA DE MOLÉCULAS NATURAIS.


Microrganismos responsáveis
Fungos
● Capazes de degradar vários poluentes orgânicos;
● Capacidade de crescer sob as condições de estresse ambiental
● Possuem capacidade para interagir com metais pesados;
● Afetam a especiação dos metais;
● Essencialmente um processo bifásico:

Metabolismo-independente: independe da temperatura, do


metabolismo energetico, da fonte de energia disponível e da presença de inibidores metabólicos.
Metabolismo-dependente: depende do metabolismo e inlufenciada por fatores
como temperatura e inibidores metabólicos

OS FUNGOS SÃO MICRORGANISMOS PRODUTORES DE UM SISTEMA ENZIMÁTICO COMPLEXO, CAPAZES DE


DEGRADAR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DE ESTRUTURA COMPLEXA, DE MANEIRA A PRODUZIR MOLÉCULAS MAIS
SIMPLES E MAIS FACILMENTE ASSIMILÁVEIS.
Microrganismos responsáveis
➔ Grupo das leveduras anaeróbias facultativas

Saccharomyces cerevisiae

Nobles (1975): Remoção de lindano e dieldrin.

Gadd e White (1989): Processo de bioacumulação.

Células são similares a dos eucariotos superiores na sua estrutura e processos fisiológicos

Ampla aplicação elucidando a regulação do ciclo celular, a biogênese de organelas, a sinalização das vias
metabólicas e funções como mecanismos de transporte, a sensibilidade a metais pesados e controles de resposta
celular.
SACCHAROMYCES CEREVISIAE

Removido do meio através do transportador Zrt 1.

Complexo com glutationa reduzida

Pode ser sequestrado pela proteína Ycf1


Microrganismos responsáveis

Micorrizas: Espécie de fungos que podem estabelecer associações mutualisticas com outros
organismos.

Ecto/endomicorrizas: Classificadas de acordo com.o aspecto morfológico e anatômico de


colonização das raízes da planta pelo fungo.

No brasil as ectomicorrizas ocorrem principalmente em espécies exploradas economicamente


como Pinus, Eucalyptus e Acassia Mangium.
Microrganismos responsáveis

FUNGOS ECTOMICORRÍZICOS:

● Os fungos ectomicorrízicos podem aumentar a tolerância das plantas a metais


tóxicos mesmo em solos com baixo P;
● Aumentam a área de absorção radicular;
● Contribuem para o crescimento da planta;
● Conferem maior resistência a aumento de temperatura, acidez do solo, estresses
hídricos e maior tolerância à patógenos da raiz e substâncias tóxicas presentes no
solo (Souza et al. 2004)
● Diferenças na tolerância, no ciclo biológico, na rusticidade e na facilidade de
estabelecimento em áreas desprovidas de vegetação e seleção de fungos
inoculantes específicos
Microrganismos responsáveis
Fungos ectomicorrízicos tolerantes a cobre.

Bactérias e os fungos do solo apresentam mecanismos para o transporte dentro de suas células;

Silva et al. (2007), em resultados preliminares, observaram que fungos ectomicorrízicos tolerantes a cobre, quando
colocados em meio com adição deles, apresentaram melhor desenvolvimento

Pisolitus tinctorius 24 Suillus 2.8, Suillus 128 e Scleroderma 124

Diante desses dados, sugere-se que esses fungos não são indicados para programas de
biorremediação de solos contaminados por cobre.
Microrganismos responsáveis
Bactérias

● São capazes de se adaptar à condições desfavoráveis.


● Cepas de Bacillus, Pseudomonas e Streptomyces já foram empregadas com
sucesso como biossorventes.
● Microrganismos isolados de locais contaminados podem ser menos adequados
para biorremediação.
● Desintoxicam metais pesados por inúmeras maneiras diferentes:
○ Efluxo mediado por plasmídeos.
○ Adsorção de metais à parede celular
○ Associação de metais à proteínas.
○ Precipitação de metais.
Microrganismos responsáveis
Importância do tipo de mecanismo de resistência
(BOJÓRQUEZ, 2016)

Um estudo analisou a capacidade de resistência de duas


cepas adaptadas por pressão seletiva à Chumbo e Cádmio.
● Ambas apresentaram baixa eficiência nos experimentos de
absorção de Cd e alta eficiência para Pb. Pseudomonas aeroginosa
● Essa diferença se deu devido aos diferentes mecanismos de
resistência a cada metal empregados pelas bactérias.

Enterobacter clocae
Microrganismos responsáveis
Biossorção
(GRAZZIOTIN, 2015)

● Processo físico-químico de ligação de um poluente à superfície celular,


independente de metabolismo.
● Ocorre por interações eletrostáticas entre o cátion metálico e a superfícies
carregada negativamente da célula.
Microrganismos responsáveis
Biossorção
(GRAZZIOTIN, 2015)
Microrganismos responsáveis
Bioacumulação
(SINHA, 2009)

Um estudo de uma cepa modificada de


Pseudomonas aeroginosa demonstrou relação direta
entre a disponibilidade nutricional do meio e sua
capacidade de bioacumular metais.
Microrganismos responsáveis
Precipitação
(SINHA, 2009)

Um estudo com cepas modificadas de


Pseudomonas aeroginosa visou analisar sua Análise MET das
capacidade de bioacumulação de Cádmio. células
● Análise no microscópio eletrônico mostrou bacterianas
grãos densos de elétrons no citoplasma cultivadas por 8h
em direção ao envelope celular. em meio TMMG
● A cepa é capaz de produzir sulfeto quando
sem (A) ou com
cultivada em ágar SIM (Sulfide Indole
Motility). 3mM de Cd (B).
Microrganismos responsáveis

Plantas
A fitorremediação é um
ramo da biorremediação que
consiste no uso de plantas e sua
comunidade microbiana para
degradar, sequestrar ou
imobilizar poluentes presentes no
solo. É utilizada para tratamento
in situ.

Técnicas relacionadas a
metais:
● Fitoestabilização;
● Fitovolatização;
● Rizofiltração;
Fontes: BRGM e Angélique San Miguel
● Fitoextração.
Microrganismos responsáveis

Fitorremediação

Vantagens

● Baixo custo;
● Aplicabilidade em grandes áreas;
● Reduzido impacto ambiental;
● Cobertura para a vida animal (fitoestabilização e fitovolatização).

Desvantagens

● Crescimento lento, dependente da estação, clima e solo;


● Risco de contaminação dos lençóis freáticos por algumas técnicas.
Microrganismos responsáveis

Fitorremediação
➔ Fitoestabilização
Imobilização dos metais por meio de sua incorporação na lignina da parede vegetal ou no humus
do solo, causando precipitação sob formas insolúveis.

Haumaniastrum Eragrostis Ascolepis Gladiolus


Microrganismos responsáveis

Fitorremediação
➔ Fitovolatização

Metais (Hg e Se) são absorvidos pelas raízes e convertidos em formas voláteis para subsequentemente
serem liberados na atmosfera.

Hg+1/Hg+2 Hg0 Transpiração Bioacumulação

➔ Rizofiltração

Técnica utilizada principalmente em ambientes aquáticos, se baseia na concentração e absorção de


metais em solução pela raiz de plantas hiperacumuladoras (grande biomassa radicular).
Microrganismos responsáveis

Fitorremediação
➔ Fitoextração
● Envolve a absorção do metal pelas raízes, de onde serão transportados e
acumulados nas partes aéreas, sem degradação;
● Processo eficaz = remover as plantas antes de sua queda/decomposição;
● Destino final da planta: reaproveitamento ou incineração.

Fonte: Phytoextraction: a review on enhanced metal


availability and plant accumulation (Nascimento;
Brassica juncea (mostarda indiana) Xing, 2006)
Microrganismos responsáveis

Fitorremediação
➔ Fitoextração
● Métodos quimicamente melhorados ajudam a obter maior
captação de metais;
● Uso de agentes quelantes/quelatizantes = formação de
quelatos;
● Melhor agente: EDTA

O efeito de 5 agentes adicionados a solos contaminados a


concentração de 0,5 g kg-1 solo na captação de Pb por
ervilhas. (Fonte: Huang et al., 1997)
Mecanismos da biorremediação

Tipos de Mecanismos
● Biorremediação por adsorção - metais pesados e microrganismos; Substâncias Poliméricas
Extracelulares (SPE);
● Biorremediação por mecanismo físico-químico e biológico - alteração de propriedade física ou
química; anabolismo e catabolismo;
● Biorremediação através de engenharia genética - OGM’s alteração genética pela técnica do DNA
recombinante;
● Manipulação da planta-micróbio - fitorremediação;
● Nanobiotecnologia - utilização de “nanomateriais”;
● Aplicação da genômica - parâmetros bioquímicos; análise molecular do mecanismo;
Mecanismos da biorremediação
Mecanismos moleculares

CISTEÍNA
Mecanismos da biorremediação
Mecanismos moleculares

A biossíntese de peptídeos
ricos em cisteína que se ligam a
metais e que funcionam para
imobilizar, sequestrar e desintoxicar
os íons metálicos é considerada a
central para a desintoxicação de
metais pesados.
Conclusão
VANTAGENS DESVANTAGENS

● Custo reduzido; ● Alguns métodos ainda precisam de


● Capaz de tratar compostos de aperfeiçoamento;
difícil degradação; ● Processo lento na maioria dos casos;
● Processo seguro se feito de forma
correta;
● Forma que menos agride o meio
ambiente.