Você está na página 1de 32

28 Crenças da igreja

adventista do sétimo
dia.
SÉRIE IASD FLORESTA / AC
A Doutrina de Deus

 Em que você crê a respeito de Deus?

 Quem Ele é?

 O que você espera dEle?

 Com o que realmente se parece?


 Deus disse a Moisés que homem algum poderia ver a sua face e sobreviver
(Êxodo 33:20);

 Mas Jesus disse a Filipe que todo aquele que o visse estaria vendo o Pai (João
14:9);

 Uma vez que Ele andou sobre nós – mais que isso – tornou-se um de nós,
estamos em condições de perceber quem é Deus e qual é a Sua aparência;

 As 28 doutrinas fundamentais têm o objetivo de revelar o modo de como os


adventistas do sétimo dia percebem a Deus.

 É isso que acreditamos, no que se refere a seu amor, bondade, misericórdia,


graça, justiça, benevolência, pureza, retidão e paz.
 Acreditamos que todas as doutrinas e todas as crenças, devem revelar o amor de

nosso Senhor;

 Reconhecemos que aquele que representa a encarnação da verdade é infinito,

devemos confessar humildemente que existem muitas outras verdades que ainda

devem ser desvendadas;

 “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, vai brilhando mais e mais até ser

dia perfeito” (Provérbios 4:18);

 “Se examinarem as escrituras para justificar opiniões próprias, nunca alcançarão a

verdade. Pesquisem para aprender o que o Senhor diz. Se vier a convicção ao

estudarem, se virem que opiniões acariciadas não estão em harmonia com a

verdade, não interpretem mal a verdade para acomodá-la à própria crença, antes

aceitem a luz concedida. Abram a mente e o coração, para que possam contemplar

as maravilhas da palavra de Deus” (Parábolas de Jesus, p. 122).


1ª BÍBLIA
 As Escrituras Sagradas, o Antigo e o Novo Testamentos, são a Palavra de Deus
escrita, dada por inspiração divina;

 Os autores inspirados falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito


Santo;

 Na Bíblia, Deus transmite à humanidade o conhecimento necessário para a


salvação;

 As escrituras sagradas são a revelação infalível, suprema e repleta autoridade


de sua vontade;

 Constituem o padrão de caráter, a prova de experiência, o revelador definitivo


de doutrinas e o registro fidedigno dos atos de Deus na história.
Revelação Divina

 De que modo Deus se revelou a raça humana e como a Bíblia funciona


em sua revelação?

- Revelação Geral - Revelação Especial


Revelação Geral
 Muitos veem canais de auto revelação de Deus na natureza, na história, no
comportamento e consciência humana, ou seja, são revelações que estão
disponíveis a todos e apela à própria razão humana;

 “Os Céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras de Suas


mãos” (Salmos 19:1).

 Romanos 1:20;

 Outros percebem evidências de um Deus que zela por seus filhos, por meio do
feliz relacionamento e amor manifestado entre amigos, membros da família,
esposo e esposa, pais e filhos;

 Isaías 66:13 Salmos 103:13.


 Contudo, os mesmos raios de sol que testificam de um Deus amoroso podem se
derramar sobre a terra, convertendo-a em um inóspito deserto e trazendo a
fome; a mesma chuva pode se converter em torrentes que afogam famílias
inteiras; as mesmas montanhas altaneiras podem fender-se, tremer e se abater
sobre populações inteiras. As relações humanas acham-se muitas vezes
impregnadas de inveja, ciúme, ira, ódio e manifestações assassinas.

 O mundo que nos cerca provê sinais confusos, apresentando ao mesmo tempo
perguntas e respostas. Ele manifesta o conflito entre o bem e o mal, mas não
explica de que modo o conflito começou, quem se encontra envolvido na luta,
por que, e quem finalmente vencerá a batalha (Nisto Cremos, p.14).
Revelação Especial

 O pecado limita a autorrevelação de Deus manifestada pela criação, pelo fato


de obscurecer a habilidade humana em interpretar o testemunho de Deus.

 Portanto, tendo em vista auxiliar os indivíduos na compreensão das coisas


divinas, Deus apresentou uma “revelação especial” de si próprio. Ele decidiu
se apresentar diante da humanidade por um meio específico, o qual não
deixaria margem a questões no tocante a seu caráter ou seu amor pela
humanidade – e Deus o fez através das Escrituras do Antigo e do Novo
Testamentos.
 Hebreus 1:1-2

 Na Bíblia, Deus se revela a si próprio em pessoa, bem como por meio de proposições
que declaram a verdade a seu respeito. Ambos os tipos de revelação se fazem
necessários por que as pessoas necessitam conhecer Deus por meio de Jesus (Jo 17:3),
bem como a verdade “segundo é [...] em Jesus” (Ef 4:21). Essas revelações permitem
que Deus quebre as limitações mentais, morais e espirituais dos seres humanos e
comunique seu desejo de salvá-los.
O ponto central das Escrituras
 A Bíblia expõe a humanidade e revela a Deus. Expõe a condição humana e
revela a solução divina. Os seres humanos são mostrados como perdidos,
separados de Deus, enquanto Jesus é apresentado como aquele que localiza o
perdido e o traz de volta.

 Jesus Cristo é o ponto focal das Escrituras. No Antigo Testamento Ele é o


Messias, o redentor do mundo; no Novo Testamento, Ele é revelado como Jesus
Cristo, o salvador. Cada livro – quer através de símbolos, quer em realidades
concretas – revela algum aspecto de Jesus Cristo, alguma fase de seu trabalho
ou traço de seu caráter. Na cruz do Calvário, a revelação última desse trabalho
e o caráter de Deus são dramaticamente demonstrados através da morte de
Jesus.
 A cruz representa o mais central de todos os pontos focalizados pela
Bíblia, pois ela faz convergir para o mesmo local a inominável
maldade humana e a incomparável bondade do amor de Deus.

 A cruz revela também um Deus que permitiu que seu Filho único fosse
morto.

 Efetivamente, o foco central da Bíblia é a pessoa de Jesus Cristo. Ele


ocupa a posição central de todo o drama cósmico. Em breve, quando
o conflito entre luz e trevas chegar ao fim, o triunfo de Cristo no
Calvário culminará com a erradicação do mal. Seres humanos e Deus
estarão outra vez unidos entre si.

 Todas as grandes verdades bíblicas, portanto, deveriam ser estudadas


a partir dessa perspectiva.
Autoria das Escrituras

 Romanos 1:2

 Romanos 3:2

 II Timóteo 3:15

 Hebreus 5:12

 Os escritores bíblicos viam as Escrituras como situando-se em uma


categoria única, distinta e separada de toda a literatura restante. Eles
se referiram à Bíblia como as “Sagradas Escrituras”, oráculos e etc..
 A singularidade das Escrituras se baseia em sua origem e fonte. Os
autores bíblicos destacaram frequentemente o fato de que não eram
os originadores de suas mensagens. Eles as recebiam das fontes
divinas. Através da revelação divina, eles haviam sido habilitados a
“ver” essas verdades;

 Isaías 1:1;

 Amós 1:1;

 Os escritores bíblicos indicaram o Espírito Santo como sendo a fonte


de suas revelações.

 II Samuel 23:2

 Ezequiel 2:2
 O Novo Testamento reconhece o papel desempenhado pelo Espírito Santo na
produção do Antigo Testamento. Jesus disse que Davi fora inspirado pelo
Santo Espírito;

 Marcos 12:36

 Os autores do Novo Testamento reconheceram o Espírito Santo como o autor


de suas mensagens;

 I Timóteo 4:1

 Apocalipse 1:10

 Assim, Deus, na pessoa do Espírito Santo, revelou-se a si mesmo ao longo das


Sagradas Escrituras. Ele as escreveu, não com sua própria mão, mas com o
auxílio das mãos de outros – cerca de quarenta pares – ao longo de um período
de mais de 1.500 anos. E, no sentido de que Ele inspirou os escritores, Deus é
o autor da Bíblia.
Inspiração

 II Timóteo 3:16

 A palavra grega theopneustos, aqui traduzida como “inspirada”, significa


literalmente “proveniente do fôlego de Deus”. Deus “inspirou” a verdade nas
mentes dos homens, os quais expressaram estas mesmas verdades em suas
próprias palavras, que foram consolidadas nas Escrituras. Portanto, inspiração
é o processo pelo qual Deus comunica sua verdade eterna.
Processo de Inspiração

 Assim como nós, os diferentes profetas da Bíblia Sagrada tiveram


diferentes criações. Com isso, uns tiveram mais faculdades, outros
nem tanto, porém a inspiração do Espírito Santo os capacitava de
forma igualitária, fazendo, assim, com que mesmo em tempos,
culturas, escolaridade, condições financeiras e sociais diferentes, a
mensagem de Deus fosse transmitida de forma fidedigna, porém com
a própria linguagem de cada profeta.

 “Os escritores da Bíblia foram os instrumentos de Deus, não sua


pena”.
 Existe uma exceção: os Dez Mandamentos. Eles são de composição
divina, não humana. Foram pronunciados pelo próprio Deus e escritos
por sua própria mão.

 Êxodo 31:18

 A Bíblia é, pois, a verdade divina expressa em linguagem humana.


Imagine o que seria a tentativa de ensinar física quântica a um bebê.
Esse é o tipo de problema que Deus enfrenta em seu esforço de
comunicar verdades divinas à humanidade limitada e pecadora. É a
nossa limitação que restringe aquilo que Ele consegue nos comunicar.
Inspiração e os escritores bíblicos
 O Espírito Santo preparou certas pessoas para que recebessem a
comunicação das verdades divinas. A Bíblia não explica em detalhes
de que forma o indivíduo recebia a qualificação, mas por intermédio
do Espírito Santo estabeleceu-se uma união entre os agentes divino e
humano.

 Aqueles que tomaram parte em escrever a Bíblia não foram escolhidos


por causa de seus talentos naturais. A revelação divina recebida não
convertia a pessoa ou lhe assegurava a vida eterna. Balaão proclamou
uma revelação divina, recebida sob inspiração, mas agiu de forma
contrária aos conselhos de Deus (Nm 22-24).
 Davi, que foi amplamente usado pelo Espírito Santo, cometeu grandes
crimes em sua vida;

 Salmo 51

 Todos os autores bíblicos foram pessoas que possuíram natureza


pecaminosa, necessitando diariamente da graça de Deus;

 Romanos 3:12

 A inspiração dos autores bíblicos não deve ser vista simplesmente


como iluminação ou orientação divina, pois estas são prometidas a
todos os que buscam a verdade. De fato, os escritores bíblicos,
algumas vezes, escreveram sem compreender completamente a divina
mensagem que comunicavam.

 I Pedro 1:10-12
Método e conteúdo da inspiração
 Frequentemente, o Espírito Santo comunicou o conhecimento divino
por intermédio de visões e sonhos (Nm 12:6). Outras vezes, Ele falou
audivelmente ou através de impressões íntimas. Samuel recebeu em
seus ouvidos a informação divina (1Sm 16:7).

 Zacarias recebeu representações simbólicas, com as devidas


explicações (Zc 4). Paulo e João receberam visões celestiais
acompanhadas de instruções orais (2Co 12:1-4; Ap 4, 5). A Ezequiel
foram mostrados eventos que efetivamente estavam ocorrendo em
outro lugar (Ez 8). Alguns até mesmo participaram de suas visões,
desempenhando certas funções que constituíam uma parte da visão
(Ap 10).
 Quanto ao conteúdo, a alguns o Espírito revelou eventos futuros (Dn 2, 7, 8,
12). Em outros momentos, os escritores registraram eventos históricos, tanto
com base em suas experiências pessoais quanto a partir de registros históricos
já existentes (Juízes, 1 Samuel, 2 Crônicas, os evangelhos, Atos dos
Apóstolos).
Inspiração e história
 A Bíblia revela o plano de Deus em Sua dinâmica interação com a raça
humana, não em uma coleção de doutrinas abstratas. Sua
autorrevelação acha-se intimamente entretecida com eventos reais
que ocorreram em momentos de tempo e localidades definidos. Isto
quer dizer que a confiabilidade dos dados históricos é extremamente
importante, já que eles formam a infraestrutura de toda a
compreensão humana do caráter de Deus e Seu propósito para a
humanidade. Uma visão adequada e correta desses aspectos pode
conduzir a pessoa à vida eterna, e, por outro lado, uma visão
incorreta pode levar à confusão e morte.

 I Coríntios 10:11
 Devemos ser muito cuidadosos em não permitir que supostas
discrepâncias minem nossa confiança nas Escrituras. Muitas vezes,
elas representam apenas nossa incapacidade de ver o quadro total
diante de nossos olhos. Porventura, Deus se coloca em julgamento por
meio de uma sentença que não pode ser plenamente compreendida?
Os seres humanos jamais serão capazes de explanar todos os textos
escriturísticos, e na verdade não necessitarão fazê-lo.

 O cumprimento das profecias atesta a veracidade das Escrituras.

 A Bíblia tem sido preservada com estupenda e miraculosa precisão, a


despeito de todas as tentativas de destruí-la. A comparação dos
manuscritos do Mar Morto com manuscritos de elaboração posterior
demonstra o cuidado com que ela foi transmitida. Isso confirma a
fidedignidade e confiabilidade das Escrituras como sendo a infalível
revelação da vontade de Deus.
Autoridade das Escrituras

 As Escrituras possuem autoridade divina porque nelas Deus fala por


meio do Espírito Santo, fazendo com que a Bíblia seja a Palavra
escrita de Deus. Onde podemos encontrar as evidências de tal
pretensão? Quais são as implicações dessa pretensão em nossa vida e
na busca do conhecimento que efetuamos?

 “Porque eu não o recebi [o Evangelho], nem o aprendi de homem


algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo” (Gl 1:12).

 As palavras de Cristo são mencionadas como Escritura e colocadas no


mesmo plano que os escritos do Antigo Testamento (1Tm 5:18; Lc
10:7).
Jesus e a autoridade das Escrituras
 Ao longo de todo o seu ministério, Jesus salientou a autoridade das
Escrituras. Quando tentado por Satanás ou em debates com os
oponentes, “Está escrito”, era sua defesa e ataque (Mt 4:4, 7, 10; Lc
20:17). “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que
procede da boca de Deus” (Mt 4:4). Quando Lhe foi perguntado como
poderia alguém entrar na vida eterna, Ele respondeu: “Que está
escrito na lei? Como interpretas?” (Lc 10:26).

 Jesus colocou a Bíblia acima das tradições e opiniões humanas.


Reprovou constantemente os líderes judeus pelo fato de eles se
desviarem da autoridade das Escrituras.
O Espírito Santo e a autoridade das
Escrituras
 Paulo diz que tão somente por meio de iluminação divina pode alguém obter
uma perspectiva correta de Jesus Cristo: “Ninguém pode dizer: Senhor Jesus!,
senão pelo Espírito Santo” (1Co 12:3).

 O mesmo ocorre com a Palavra de Deus escrita. Sem a iluminação da mente


humana pelo Santo Espírito, a Bíblia jamais poderá ser corretamente
entendida ou reconhecida como a expressão autorizada da vontade de Deus.
Uma vez que “as coisas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de
Deus” (1Co 2:11), conclui-se que “o homem natural não aceita as coisas do
Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas
se discernem espiritualmente” (1Co 2:14). Consequentemente, “a palavra da
cruz é loucura para os que se perdem” (1Co 1:18).
Autoridade escriturística
 Contradições entre as Escrituras e a ciência são frequentemente o

resultado de especulação. A incapacidade de harmonizar a ciência

com as Escrituras advém de “uma compreensão imperfeita, tanto da

ciência quanto da revelação; corretamente entendidas, elas se

encontram em perfeita harmonia” (Patriarcas e Profetas, p. 144).


 Toda a sabedoria humana está sob a autoridade da Escritura. As
verdades bíblicas são a norma pela qual todas as demais ideias devem
ser provadas. Através dos séculos, as mentes finitas têm tentado
julgar a Palavra de Deus de acordo com os seus padrões humanos, o
que se assemelha a uma fita métrica que pretende medir as estrelas.
A Bíblia não se encontra sujeita aos padrões humanos. Ela é superior a
toda a sabedoria e literatura humana. Em vez de julgar a Bíblia, todas
as pessoas serão por ela julgadas, uma vez que ela é o padrão de
caráter e teste de toda a experiência e pensamento do homem.
A Unidade das Escrituras
 A leitura superficial das Escrituras conduzirá a uma compreensão
superficial. Lida apenas descuidadamente, a Bíblia parecerá uma
mistura de histórias ecléticas, sermões e história. Entretanto, aqueles
que se encontram abertos à iluminação do Espírito de Deus, aqueles
que se dispõem a cavar em busca das verdades escondidas por meio
de paciente pesquisa e muita oração, descobrirão que a Bíblia
apresenta uma estupenda harmonia.
 Um exemplo claro de revelação progressiva é demonstrado através da
harmonia existente entre o Antigo e o Novo Testamentos – a Palavra de
Deus escrita. Embora tenham sido escritos no intervalo de várias
gerações, eles são inseparáveis e não apresentam qualquer
contradição nas verdades que revelam. Eles são um só, já que Deus é
o mesmo. O Antigo Testamento, por meio de profecias e símbolos,
revela o evangelho de um Salvador vindouro; o Novo Testamento,
através da vida de Jesus, revela o Salvador que viera – ou seja, o
evangelho tornado realidade. Ambos revelam o mesmo Deus. O Antigo
Testamento é o alicerce do Novo. É a chave que abre o Novo. Por
outro lado, o Novo Testamento explica os mistérios do Antigo.
 Deus nos oferece um gracioso convite para pesquisarmos as Escrituras
e nos tornarmos familiarizados com Ele. Podemos obter a
preciosíssima bênção de termos assegurada a nossa salvação e de
descobrirmos por nós mesmos que a Escritura é “útil para o ensino,
para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça”. Por
seu estudo, podemos ser perfeitos e perfeitamente habilitados “para
toda boa obra” (2Tm 3:16, 17).