Você está na página 1de 12

DISCIPLINA: LIBRAS

Professora: Maria Carolina de Freitas Moura


LIBRAS

UNIDADE 3

SISTEMA DE TRANSCRIÇÃO EM LIBRAS;


DATILOLOGIA E ASPECTOS MORFOLÓGICOS
OBJETIVO:

• Apresentar a forma de transcrever os sinais

• Esclarecer o uso do alfabeto manual na


comunicação com os surdos

• Entender o processo de formação dos sinais


assim como se dá na formação das palavras
da Língua Portuguesa
Visto que a Libras é uma língua visual
precisamos de um sistema para registrá-la.
Usaremos aqui o modelo apresentado por Felipe
(2007), "Sistema de notação em palavras". Os
sinais serão registrados com o uso de palavras
da Língua Portuguesa sempre em letras
maiúsculas.
Outra marca na Libras é a ausência de
desinência para gêneros, (masculino e
feminino) e plural, aí usa-se o símbolo @.
Por exemplo: FILH@ - filho (s) ou filha (s),
MUIT@ - muita (s) ou muito (s)
Uso da datilologia (uso do alfabeto manual)
para designarmos nomes, de lugares ou
pessoas, que ainda não possuem sinal
convencionado na Libras. Seu registro será
letra por letra separado por hífen.

C-A-R-O-L-I-N-A
Muitos pensam que o soletrar letra por letra é
suficiente para estabelecermos uma
comunicação com o surdo, mas não é. O uso
do alfabeto manual supre uma necessidade
quando não há um sinal para determinado
termo, porém é uma mera transposição de
um termo da língua oral (Rosa, 2005).
Morfologia da Libras
A morfologia é, de acordo com Quadros (2004,
p.99) " o estudo da formação de palavras, de
como uma língua usa as unidades mínimas com
significado para construir novas palavras ou
sinais". Quando formamos uma nova palavra, ou
um novo sinal, por vezes implicará uma mudança
de classe:
Podem acontecer por derivação ou por
composição. A derivação ficará marcada
pelo movimento diferenciado.

SENTAR CADEIRA
Já a composição em alguns casos
contará com o contato, no corpo ou na
mão passiva.

ESCOLA (casa+estudar)
As expressões faciais, a intensidade do
movimento quando por exemplo no aspecto
continuativo é que darão a flexão morfológica
do sinal. No nível sintático, esta palavra pode
se combinar com outras para formar a frase,
que precisa ter um sentido e coerência, o que
corresponde aos níveis semântico (significado)
e pragmático (sentido no contexto).
Referências:

• FELIPE, T. A. Libras em contexto: curso básico: livro do professor.


6ª ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação
Especial, 2006.
• QUADROS, R. Educação de surdos: a aquisição da linguagem.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
• QUADROS, R. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos.
Porto Alegre: Artmed, 2004.
• PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação. Aspectos linguísticos
da Língua Brasileira de Sinais. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 1998.