Você está na página 1de 16

DIREITO CIVIL III

Aula 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

CONCEITO REGRAS GERAIS

1 2 3

PRÓXIMOS
EFEITOS
PASSOS

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação

Em um só conceito, o de locatio conductio, os romanos disciplinaram três espécies de contrato: locatio


conductio rerum (locação de coisas); locatio conductio operarum (locação de serviços); locatio
conductio operis (empreitada). Sob sua influência, muitos códigos do século passado, inclusive o
CC/16, mantiveram essa unidade conceitual.

Washington de Barros elaborou um conceito que abrange as três espécies: “a locação é o contrato
pelo qual uma das partes, mediante remuneração que a outra se obriga a pagar, se compromete a
fornecer-lhe ou a procurar-lhe, durante certo tempo, o uso e gozo de uma coisa (locação de coisa), a
prestação de um serviço (locação de serviço) ou a execução de um trabalho determinado (empreitada).

Os códigos modernos repelem a divisão feita pelo CC/16 tratando de forma autônoma os contratos de
prestação de serviços, de trabalho (contrato de trabalho e contrato de prestação de serviços), de
empreitada (refere-se apenas à construção), de agência e de transporte, reservando a palavra locação
para designar unicamente o contrato que se destina a proporcionar a alguém o uso e o gozo
temporários de uma coisa infungível, mediante contraprestação pecuniária.

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação de coisas (arts. 565 a 578, CC)

Segundo o art. 565, CC, na locação de coisas, uma das partes se obriga a ceder à outra, por tempo
determinado ou não, o uso e gozo de coisa não fungível, mediante certa retribuição.

Partes:
Locador, senhorio ou arrendador: aquele que entrega o uso e gozo de coisa (proprietário ou
possuidor);
Locatário, inquilino, arrendatário: aquele que recebe a coisa para uso e gozo e posterior restituidor.

É contrato:
 Oneroso;
 Comutativo;
 Bilateral;
 Consensual;
 Não solene;
 Impessoal (em regra);
 De trato sucessivo ou de execução continuada.

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação de coisas (arts. 565 a 578, CC)

Elementos do contrato de locação:

I. Objeto: coisa móvel ou imóvel, corpóreo ou incorpóreo, mas infungível e inconsumível.


o A coisa pode ser locada por inteiro ou por frações;
o A locação de bens imóveis urbanos residenciais e comerciais continua sendo regida pela Lei
do Inquilinato (Lei nº 8.245/91);
o A locação de imóveis rurais rege-se pelo Estatuto da Terra (Lei nº 4.505/64) – arrendamento
rural.

II. Preço, renda ou aluguel: fixado pelas partes ou por arbitramento administrativo ou judicial, ou
ainda determinado por ato governamental.
o Não pode o preço ficar ao livre arbítrio de uma das partes;
o O preço deve ser sério e real; determinado ou determinável;

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

o Via de regra o pagamento deve ser feito em dinheiro, mas nada impede outro tipo de
prestação;
o O pagamento pode ser fixado por semana, quinzena ou ano, mas nada impede que se
estabeleça um único pagamento;
o O preço é devido ao locador pelo período em que a coisa permanecer à disposição do
locatário.

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação de coisas (arts. 565 a 578, CC)

Elementos do contrato de locação:

III. Consentimento: pode ser expresso ou tácito.


o O locador não precisa ser o proprietário do bem;
o É capaz de locar quem tem poderes de administração;
o O condômino, não pode, dar sozinho em locação a coisa comum, porque dela somente possui
parte ideal (arts. 1.314 e 1.323, CC).

IV. O Código Civil não estabeleceu limite temporal para o contrato de locação, podendo ser por tempo
determinado ou indeterminado.
o Art. 571, CC – havendo prazo estipulado à duração do contrato, antes do vencimento não
poderá o locador reaver a coisa alugada, senão ressarcindo ao locatário as perdas e os danos
resultantes, nem o locatário poderá devolvê-la ao locador, senão pagando,
proporcionalmente, a multa prevista no contrato;

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

o O locatário tem direito de retenção enquanto não for ressarcido;


o A locação por prazo determinado cessa de pleno direito findo o prazo estipulado – art. 573,
CC;
o Se o locatário continuar na posse do bem, sem oposição do locador, presumir-se-á
prorrogado sem prazo, pelo mesmo aluguel (art. 574, CC).

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação de coisas (arts. 565 a 578, CC)

Elementos do contrato de locação:

o O locatário notificado que não restitui o bem pagará, enquanto o tiver em seu poder, o aluguel que
o locador arbitrar e responderá pelos danos que ele venha a sofrer, mesmo que decorrentes de caso
fortuito e força maior (art. 575, CC).

o Enunciado n. 180, III Jornada de Direito Civil: Arts. 575 e 582: A regra do parágrafo único do
art. 575 do novo CC, que autoriza a limitação pelo juiz do aluguel-pena arbitrado pelo locador,
aplica-se também ao aluguel arbitrado pelo comodante, autorizado pelo art. 582, 2ª. parte,
do novo CC.

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação de coisas (arts. 565 a 578, CC)

Regras gerais:

I. No silêncio do contrato, a dívida é quesível (querable) o pagamento se dá no domicílio do devedor


(art. 327, CC).

II. Art. 567, CC – se a coisa locada se deteriorar sem culpa do locatário, poderá este pedir redução
proporcional do aluguel ou resolver o contrato, caso deixe de servir aos fins a que se destina.

III. Art. 571, CC – é permitido ao locador reaver a coisa alugada antes do vencimento do prazo, desde
que o locatário seja ressarcido das perdas e danos resultantes. O locatário terá direito de retenção
enquanto não for ressarcido.

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

IV. Art. 572, CC – se a obrigação de pagar o aluguel pelo tempo que faltar, constituir indenização
excessiva, será facultado ao juiz fixá-la em bases razoáveis.

V. Art. 576, CC – se a coisa for alienada durante a locação o adquirente não precisará dar
continuidade ao contrato de locação se nele não tiver sido consignada cláusula de sua vigência no
caso de alienação e registro no Cartório de Títulos e Documentos.

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação de coisas (arts. 565 a 578, CC)

Regras gerais:

VI. Art. 577, CC – a morte de qualquer das partes transfere o contrato aos seus herdeiros se a locação
for por prazo determinado.

VII. Art. 578, CC – o locatário tem direito à indenização das benfeitorias necessárias, salvo disposição
em contrário. No caso das benfeitorias úteis só terá direito à indenização se houver realizado com o
consentimento expresso do locador.

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação de coisas (arts. 565 a 578, CC)

Obrigações do locador

I. Entregar ao locatário a coisa alugada – art. 566, CC.


o A entrega da coisa deve ser feita com os acessórios, salvo disposição expressa em contrário;
o Se a coisa foi entregue sem qualquer reclamação, presume-se que foi recebida em ordem
pelo locatário.

II. Manter a coisa no mesmo estado, pelo tempo do contrato, salvo convenção expressa em contrário
– art. 566, CC.

III. Garantir o uso pacífico da coisa – art. 566, CC.


I. Deve o locador abster-se da prática de qualquer ato que possa perturbar o uso e gozo da
coisa, como também resguardar o locatário contra embaraços e turbações de terceiros (art.
568, CC).

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

II. Cumpre ao locatário afastar, por seus próprios meios, as perturbações decorrentes de
atos de vizinhos, colocatários ou terceiros, salvo, quanto a estes, se a pretensão estiver
fundada em direito sobre a coisa alugada.
III. O locador responde pelos vícios e defeitos ocultos da coisa locada anteriores à locação
(art. 568, CC).

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Direito Civil III
Contrato de Locação de Coisas

• Locação de coisas (arts. 565 a 578, CC)

Obrigações do locatário

I. Servir-se da coisa para os usos convencionados – art. 569, CC.


o O emprego da coisa em uso diverso ou de forma abusiva a ponto de danificá-la autoriza o
locador a resolver o contrato, bem como, a exigir perdas e danos (art. 570, CC).
II. Tratar a coisa como se sua fosse.
III. Pagar o aluguel no prazo ajustado e não havendo prazo conforme os usos e costumes do lugar.
o Pode ser convencionado que também seja dever do locatário pagar os respectivos impostos
e taxas.
IV. Restituir o bem, finda a locação, no estado em que a recebeu, salvo as deteriorações naturais.
V. Levar ao conhecimento do locador as turbações de terceiros fundadas em direito – art. 568, CC.

AULA 9: CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS


Assuntos DA
CONTEÚDO da PRÓXIMA
próxima aula:
AULA

Do contrato de fiança.