Você está na página 1de 37

Rodas e Pneus

Introdução
FIEB - SENAI

 Os pneus são um dos mais importantes


componentes de segurança de um
automóvel;
 A escolha dos pneus é baseada em requisitos
de operação do veículo;
 Veículos de alta performance exigem pneus
que operem em condições especiais de
velocidade e temperatura.
 Exceto quando em algumas aplicações
especiais, os pneus são inflados com ar.
GERSON SALES
Intercambiabilidade
FIEB - SENAI

 As rodas e pneus são padronizado, restringindo a


variedade de pneus no mercado global. Os padrões
estabelecem:
 Dimensões de aros e pneus;
 Codificação para tipos e dimensões;
 Simbologia para carga e velocidade.
 Os padrões de aros, rodas, pneus, válvulas, materiais
para reforma e reparação de pneus e seus acessórios
são estabelecidos por:
 ISO – (International Organization for Standardization);
 ALAP (Associação Latino Americana de Pneus e Aros).

GERSON SALES
Requisitos para pneus
FIEB - SENAI

 Segurança;
 Garantia de dirigibilidade;
 Conforto ao rodar;
 Durabilidade;
 Eficiência e economia;
 Preservação do meio ambiente.

GERSON SALES
Segurança
FIEB - SENAI

 Os pneus devem estar


firmemente assentados nos
aros;
 Manutenção do ar pressurizado,
através de uma correta
vedação;
 Mesmo com todo o cuidado na
vedação, um pneu perde de 25
a 30% da pressão por ano;
 Devem resistir à eventuais
situações de impactos e
sobrecargas;
 Garantia de dirigibilidade
mínima em caso de perda de
pressão ou falha.

GERSON SALES
Garantia de dirigibilidade
FIEB - SENAI

 Tolerância às pequenas flutuações na


carga submetida às rodas;
 Altos coeficientes de fricção em todas
as condições de operação;
 Suporte de forças laterais sem
bruscas mudanças em sua geometria;
 Manutenção de um boa estabilidade
em curvas;
 Resposta direta e imediata a
movimentos na direção;
 Garantia a segurança na velocidade
máxima desenvolvida pelo veículo.
GERSON SALES
Conforto ao rodar
FIEB - SENAI

 Boas propriedades de
absorção de irregularidades,
contribuindo no trabalho das
suspensões;
 Suavidade na operação
resultante de baixos
desbalanceamentos e
ovalizações;
 Baixo esforço no
esterçamento da direção;
 Baixa emissão de ruído de
rolagem.

GERSON SALES
Durabilidade
FIEB - SENAI

 Composto da banda de
rodagem com elevada
quilometragem de vida;
 Resistência a ressecamentos
e desgastes resultantes do
tempo de uso e agentes
externos;
 Estabilidade em altas
velocidades.

GERSON SALES
Eficiência e economia
FIEB - SENAI

 Custo da unidade;

 Quilometragem de durabilidade, incluindo as


possíveis recauchutagens;

 Resistência à rolagem.

GERSON SALES
Preservação do meio ambiente
FIEB - SENAI

 Especial atenção na matéria prima e processos de


produção utilizados;

 Devem ser disponibilizados meios para


aproveitamento dos pneus usados;

 Atendimento a normas e legislações de percentagem


de reaproveitamento dos pneus.

GERSON SALES
Requerimentos para pneus
FIEB - SENAI

 Boa tração;
 Baixo peso;
 Alta durabilidade;
 Possibilidade de recauchutagem e
remoldagem;
 Baixa resistência à rolagem.
GERSON SALES
Partes do pneu
FIEB - SENAI

GERSON SALES
Tipos de pneus
FIEB - SENAI

 Diagonal x radial - Os diagonais possuem uma


carcaça formada por lonas têxteis cruzadas. Os
radiais possuem os cordéis das lonas dispostas de
forma paralela e em sentido radial

GERSON SALES
Vantagem dos pneus radiais
FIEB - SENAI

 Os radiais garantem maior rigidez com


conseqüente maior estabilidade e menor
deformação da estrutura em curvas.

GERSON SALES
Uso de pneus diagonais
FIEB - SENAI

 O uso de pneus diagonais atualmente é


bastante restrito.
 Motocicletas, devido à inclinação das rodas
contra a força lateral;
 Veículos pesados;
 Veículos para agricultura ou movimentação
de carga.

GERSON SALES
Pneus com câmara
FIEB - SENAI

 Denominados tubed ou tube


type;
 A vedação do ar no interior
do pneu é feita pela câmara
de ar;
 Existe atrito entre o pneu e
câmara, aumentando
temperatura de operação;
 Não depende dos talões e
aros para vedação;
 Quando a câmara é
perfurada, o pneu vazia
quase que
instantaneamente.

GERSON SALES
Pneus sem câmara
FIEB - SENAI

 Denominados tubeless;

 A vedação é feita entre os aros


da roda e os talões do pneu;

 Quando furado, geralmente


demora a esvaziar;

 Exige aros perfeitos.

GERSON SALES
Comportamento do pneu com furo
FIEB - SENAI

GERSON SALES
Válvulas
FIEB - SENAI

 Consiste em uma válvula metálica vulcanizada em


uma cobertura de borracha;
 Em altas velocidades dobras podem provocar
vazamentos, estancados pela tampa.

GERSON SALES
Nomenclatura do pneu
FIEB - SENAI

 Largura da Secção;
 Altura da Secção;
 Diâmetro Externo;
 Diâmetro Interno;
 Raio Estático sob Carga;
 Circunferência de Rolamento;
 Largura do Aro;
 Largura Total;
 Perfil ou série do pneu;
 Índice de carga;
 Índice de Velocidade.

GERSON SALES
Perfil ou série do pneu
FIEB - SENAI

 Representa a relação percentual entre a


altura e a largura da seção do pneu;

 Têm influência no comportamento em


curvas, estabilidade e conforto ao rodar.

GERSON SALES
Índice de carga
FIEB - SENAI

 Valor numérico
associado ao máximo
de carga que um pneu
pode suportar a uma
velocidade indicada pelo
código de velocidade
sob condições de
emprego determinadas
pelo fabricante.

GERSON SALES
Índice de velocidade
FIEB - SENAI

 Corresponde à máxima velocidade que o pneu pode


atingir com uma garantia de segurança.
Limite de Código de Limite de Código de
Velocidade Velocidade Velocidade Velocidade
do Veículo (km/h) do Veículo (km/h)

80 F 210 H
130 M 240 V
150 P 270 W
160 Q 300 Y
170 R Acima de 210 VR
180 S Acima de 240 ZR
190 T

GERSON SALES
Capacidades de Carga e
Limites de Velocidade
FIEB - SENAI

 A capacidade de carga mencionada no


Manual do Proprietário é a capacidade
máxima permitida por pneu para velocidades
até 210 km/h.
 Para velocidades acima de 210km/h, a
capacidade máxima de carga não deve
exceder as seguintes porcentagens das
capacidades de carga da tabela, dependendo
do tipo de pneu e da capacidade de
velocidade do veículo.
GERSON SALES
Informações contidas no pneu
FIEB - SENAI
1. Nome do Fabricante;
2. Logotipo do fabricante;
3. Modelo do pneu;
4. Caract. de dimensões e construção;
5. Índice de carga/código de velocidade;
6. Pneu versão sem câmara;
7. Posição dos indicadores de desgaste;
8. Códigos internos para contr.de fábrica;
9. Local de fabricação;
10. Matrícula D.O.T;
11. Dados da estrutura do pneu;
12. Carga e pressão máxima;
13. Registro de homologação;
14. Classificação do pneu junto à UTQG;
GERSON SALES 15. Significa “Mud and Snow”.
Calibragem dos pneus
FIEB - SENAI

GERSON SALES
Calibragem dos pneus
FIEB - SENAI

GERSON SALES
Efeitos da baixa pressão
FIEB - SENAI

 Perda de estabilidade com a menor área de contato com o solo;


 Desgaste acelerado do pneu, devido a maior temperatura de
operação;
 Desgaste acentuado nos ombros, por ser essa a área de apoio
maior de um pneu vazio;
 Maior resistência ao rolamento, com significativo aumento no
consumo de combustível;
 Direção pesada com perda da capacidade de manejo e
conseqüente maior desgaste nos componentes do sistema de
direção com o maior esforço exigido para se mover a direção;
 Danos à carcaça do pneu, com possibilidade de desagregação
da banda rodagem com a maior temperatura e flexão, o que
pode resultar em perda de controle do veículo.

GERSON SALES
Efeitos da alta pressão
FIEB - SENAI

 Menor absorção de impactos, o que causa desconforto e maior


possibilidade de ocorrência de estouros em caso de impactos
em buracos e valetas;

 Desgaste mais acentuado no centro da banda de rodagem;

 Perda de estabilidade e aumento do espaço necessário à


frenagem;

 Rachaduras na banda de rodagem devido ao estiramento


excessivo.

GERSON SALES
Balanceamento do
conjunto roda pneu
FIEB - SENAI

ESTÁTICO DINÂMICO

GERSON SALES
Balanceamento do
conjunto roda pneu
FIEB - SENAI

 O peso do conjunto pneu-roda


necessita ser uniformemente
distribuído ao redor da
circunferência delimitada pelos
mesmos;
 Pequenas diferenças são
corrigidas através do processo
de balanceamento, onde
pequenos pesos são fixados às
rodas.
 Uma máquina, denominada
balanceador, promove a rotação
das rodas e identificação do(s)
ponto(s) onde o operador deve
acrescentar o peso e a
quantidade de gramas
necessárias à tarefa.

GERSON SALES
Balanceamento do
conjunto roda pneu
FIEB - SENAI

GERSON SALES
Aquaplanagem
FIEB - SENAI

 Quando um veículo,
trafegando em alta
velocidade em uma
pista molhada, começa
a flutuar sobre a
superfície molhada, os
pneus estão sofrendo
aquaplanagem.

GERSON SALES
Fenômeno da aquaplanagem
FIEB - SENAI

GERSON SALES
Influências na aquaplanagem
FIEB - SENAI

 No pneu, a profundidade dos sulcos da banda de


rodagem tem grande influência;

 Alta pressão nos pneus e uma menor área de contato


com a pista, melhora o comportamento na
aquaplanagem, pois a distribuição da pressão ao solo
se torna mais equilibrado;

 Pneus mais largos e com baixa pressão, por sua vez,


possuem desempenho ruim nessas situações com
maior facilidade de formação de aquaplanagem.

GERSON SALES
Influências na aquaplanagem
FIEB - SENAI

 Em pistas secas, os coeficientes de fricção


são pouco afetados pela pressão. Em pistas
molhadas, no entanto, os coeficientes tendem
a melhorar com o aumento da pressão de
enchimento dos pneus.
 De forma similar a aquaplanagem, baixos
coeficientes de fricção ocorrem em pistas
cobertas de gelo, embora exista uma grande
influência da temperatura do gelo.
GERSON SALES
Obrigado !